Dançando no Campo Minado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dançando no Campo Minado
Álbum de estúdio de Engenheiros do Hawaii
Lançamento Junho de 2003
Gravação Janeiro a Abril de 2003, nos estúdios AR e Discover Digital Studio, ambos no Rio de Janeiro
Gênero(s) Rock
Duração 31:33
Idioma(s) Português
Formato(s) CD
Gravadora(s) Universal Music
Produção Gil Lopes
Cronologia de Engenheiros do Hawaii
Surfando Karmas & DNA
(2002)
Acústico MTV (Engenheiros do Hawaii)
(2004)

Dançando no Campo Minado é o 16º álbum oficial da banda de rock brasileira Engenheiros do Hawaii, lançado em 2003. É também o último álbum do grupo gravado em estúdio e com músicas inéditas.

É o disco mais curto da banda, com 32 minutos, apresentando uma sonoridade mais pesada em relação ao disco anterior, Surfando Karmas & DNA. Seus principais sucessos foram Dançando no Campo Minado, Segunda-Feira Blues (dividida em duas partes, parceria de Humberto Gessinger com Carlos Maltz), Até o Fim e Na Veia (ambas ganharam videoclipes).

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Galeria Musical 5 de 5 estrelas. [1]
Symbol unlikely.svg Esta tabela precisa de ser acompanhada por texto em prosa. Consulte o guia.

Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Camuflagem"   Humberto Gessinger; Paulinho Galvão 3:29
2. "Duas Noites no Deserto"   Humberto Gessinger 2:17
3. "Rota de Colisão"   Humberto Gessinger; Bernardo Fonseca 2:41
4. "Dançando no Campo Minado"   Humberto Gessinger 2:36
5. "Segunda-feira Blues I"   Humberto Gessinger; Carlos Maltz 3:30
6. "Dom Quixote"   Humberto Gessinger; Paulinho Galvão 3:13
7. "Até o Fim"   Humberto Gessinger 3:18
8. "Na Veia"   Humberto Gessinger 3:13
9. "Fusão a Frio"   Humberto Gessinger; Paulinho Galvão 2:46
10. "Segunda-feira Blues II"   Humberto Gessinger; Carlos Maltz 1:47
11. "Outono em Porto Alegre"   Humberto Gessinger; Paulinho Galvão 2:38
Duração total:
31:33

Formação[editar | editar código-fonte]

Participações[editar | editar código-fonte]

  • Carlos Maltz - voz em "Segunda-Feira Blues II"
  • "O Cara" - guitarra em "Rota de Colisão"
  • Vinimax - voz em "Rota de Colisão"

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Este álbum é o mais curto da banda, com duração total de aproximadamente 31 minutos. Humberto Gessinger declarou que queria passar a impressão de urgência com o disco e que gosta de ouvi-lo como uma grande música de 31 minutos. O vocalista ainda considerou o disco como uma espécie de amadurecimento em relação a Surfando Karmas & DNA, o disco anterior.
  • Segunda-Feira Blues I e II eram uma única música, composta pelo vocalista junto com o ex-baterista Carlos Maltz. As duas músicas foram tocadas unificadamente nos últimos shows antes das gravações do disco e nos primeiros shows após as mesmas.
  • Nos primeiros segundos da canção Segunda-Feira Blues I, ouve-se uma voz cantando, em baixo volume: "Onde estão os caras que lutavam e cantavam" (2x). Pouco depois, o primeiro verso da canção, "Onde estão os caras que lutavam dia-dia, sem perder a ternura jamais", traz a citação do revolucionário Ernesto Che Guevara: "Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura" (Tradução do espanhol: "É preciso endurecer, sem perder a ternura jamais").
  • Na mesma canção, há uma citação do livro "O Lobo da Estepe", de Hermann Hesse: "Onde está o teatro mágico só para iniciados?".
  • A turnê deste disco foi a mais curta da banda, iniciada em Junho de 2003 e concluída em Fevereiro de 2004.
  • Uma letra antiga de Gessinger, intitulada "O Que Você Faz à Noite?", que foi gravada pelo Barão Vermelho e mais tarde foi tocada na turnê do Humberto Gessinger Trio, chegou a ser gravada para o disco, mas foi excluída, por fugir ao estilo do álbum e ser considerada, segundo o cantor, "anos 80 demais". Humberto voltaria a executá-la apenas em sua carreira solo, registrando-a no single "Desde Aquela Noite" (2017).
  • Em "Rota de Colisão", no trecho "a hora da verdade, a idade da razão", a expressão destacada é o nome de um livro do filósofo francês Jean-Paul Sartre. Também nesta canção, o trecho "O lado escuro da lua, as luzes da cidade" seria uma referência ao álbum Dark Side of the Moon, da banda de rock progressivo inglesa Pink Floyd, haja vista a admiração declarada de Humberto Gessinger pela mesma.
  • A canção "Nuvem Passageira", de Hermes Aquino, quase entrou no disco. Em seu lugar, entrou a faixa-título, "Dançando no Campo Minado".
  • "Outono em Porto Alegre, a canção que encerra o disco, chegou a ter o nome "Veja Você" (trecho que abre o refrão).
  • Ainda sobre "Segunda-Feira Blues", há uma referência ao filósofo e economista liberal escocês Adam Smith no trecho: "Que acenavam com a mão invisível um mercado para todos nós". Smith, precursor do liberalismo econômico, acreditava que uma "mão invisível" deveria orientar os interesses do mercado, que deveria se auto-regular sem a interferência do Estado.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Engenheiros do Hawaii é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.