Teoria científica obsoleta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Uma teoria científica obsoleta é uma teoria científica que foi em algum período histórico habitualmente aceita mas que - pela razão que o seja - já não é considerada a descrição ou modelo mais completo da realidade pela ciência estabelecida, assim como uma teoria verificável que se tenha comprovado falsa.

Em alguns casos, a teoria foi completamente descartada. Em outros, a teoria continua a ser útil porque proporciona uma descrição que é "suficientemente boa" para uma situação particular, e que é mais fácil de usar que a teoria completa — frequentemente porque esta é demasiado complexa para ser utilizável de forma prática. Karl Popper sugeriu que todas as teorias científicas deveriam ser verificáveis ou de outra forma não poderiam ser provadas experimentalmente. Qualquer coisa que não possa ser provada falsa experimentalmente seria portanto um axioma e teria de ter um estatuto absoluto, para lá de qualquer refutação.

Teorias biológicas obsoletas[editar | editar código-fonte]

Teorias químicas obsoletas[editar | editar código-fonte]

Teorias físicas obsoletas[editar | editar código-fonte]

Teorias astronómicas e cosmológicas obsoletas[editar | editar código-fonte]

Teorias geográficas obsoletas[editar | editar código-fonte]

Teorias geológicas obsoletas[editar | editar código-fonte]

Teorias médicas obsoletas[editar | editar código-fonte]

Teorias aproximadas[editar | editar código-fonte]

São teorias que já não se consideram a representação mais completa da realidade, mas que ainda são úteis em domínios específicos. Para várias teorias conhece-se um modelo mais completo, mas na prática usar uma aproximação mais simples proporciona bons resultados com menor esforço.

Teorias cuja importância foi sobrestimada[editar | editar código-fonte]

  • Línguas de terra - Embora as conexões temporais entre massas de terra tenham tornado por vezes possíveis as migrações (como quando o nível do mar baixou durante as glaciações), a divisão real dos continentes provocada pela tectónica de placas foi a mais importante.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]