Derivada parcial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Em matemática, uma derivada parcial de uma função de várias variáveis é a sua derivada com respeito a uma daquelas variáveis, com as outras variáveis mantidas constantes. Este conceito é útil no cálculo vectorial e geometria diferencial.

A derivada parcial de uma função em relação ao seu argumento é representada .

Introdução[editar | editar código-fonte]

Um gráfico z = x2 + xy + y2. Para a derivada parcial em (1, 1, 3) que deixa y constante, a linha tangente correspondente é paralela ao plano xz.
Uma pedaço do gráfico acima, em y= 1

Suponha-se que ƒ é uma função de mais de uma variável. Para obter-se uma instância,

O gráfico desta função define uma superfície no espaço euclidiano. Para cada ponto sobre esta superfície, há um número infinito de linhas tangenciais. Diferenciação parcial é o ato de escolher uma dessas linhas e encontrar o seu declive. Normalmente, as linhas de maior interesse são aquelas que são paralelas ao plano xz, e aquelas que são paralelos ao plano yz(que resultam da exploração ou y ou x constante, respectivamente.)

Para determinar o declive da linha tangente à função de P (1, 1, 3) que é paralela ao plano xz, o y variável é tratado como constante. O gráfico e este plano são mostrados à direita. No gráfico abaixo, vemos a forma como a função se comporta y = 1.Ao encontrar a derivada da equação assumindo que y é uma constante, e o declive ƒ no ponto(x, y, z) é:

Então, em (1, 1, 3), por substituição, o declive é de 3. portanto

no ponto. (1, 1, 3). Ou seja, a derivada parcial de z com relação a x em (1, 1, 3) é 3.

Derivação parcial com limites[editar | editar código-fonte]

A derivada parcial de uma função de n argumentos pode ser representada através de um limite como sendo

A função f pode ser reinterpretada como uma família de funções de uma variável indexada pelas outras variáveis​​:

Em outras palavras, a cada valor de x define uma função, denotada fx, que é uma função de uma variável . Isto é,

Uma vez que o valor de x é escolhido, em seguida, f ( x, y) determina a função fa que envia y para a 2 + ay + y 2

Nesta expressão, a é uma constante, e não uma variável, então fa é uma função de uma única variável real, sendo y. Consequentemente, a definição da derivada para uma função de uma variável aplica-se:

O procedimento acima pode ser realizada por qualquer escolha de a. Organizando as derivadas juntas em uma função dá uma função que descreve a variação de f na direção de y:

Este é o derivado parcial de f em relação a y. Aqui ∂ é um d arredondado, chamado o símbolo derivado parcial. Para distingui-la da letra d, ∂ às vezes é pronunciado "del" ou "parcial" em vez de "dê".

Em geral, a derivada parcial de uma função f(x1,...,xn) na direção no ponto xi (a1, ..., a) é definida como sendo:

No diferença quociente acima, todas as variáveis, exceto xi são mantidas fixas. Essa escolha de valores fixos determina uma função de uma variável , e, por definição,

Em outras palavras, as diferentes opções de a indica uma família de funções de uma variável, assim como no exemplo acima. Esta expressão também mostra que o cálculo das derivadas parciais se reduz ao cálculo de uma variável derivada.

Derivação parcial de função vetorial[editar | editar código-fonte]

Um exemplo importante de uma função de várias variáveis ​​é o caso de um campo escalar f(x1,...xn) em um domínio no espaço Euclidiano Rn (e.g., on R2 or R3). Neste caso f tem uma derivada parcial ∂f/∂xj com relação a cada variável xj. No ponto a, estas derivadas parciais definem o vector

Este vector é denominado gradiente de f em a. Se f é diferenciável em todos os pontos de algum domínio, então o gradiente é uma função vetorial de valor ∇f que leva o ponto a para o vetor ∇f(a). Consequentemente, o gradiente produz um campo vetorial.

Um problema comum de notação é definir o operador nabla (∇) ,como se apresenta em três dimensões espaciais euclidianas R3 com vetores unitários :

Ou, mais geralmente, para o espaço euclidiano de n- dimensões Rn com coordenadas (x1, x2, x3,...,xn) e vetores unitários ():

Definição formal[editar | editar código-fonte]

Como derivadas comuns, a derivada parcial é definida como sendo um limite. Sendo U um conjunto aberto de Rn e f : UR uma função. A derivada parcial de f no ponto a = (a1, ..., an) ∈ U com relação à i- a variável ai é definida como

Mesmo se todas as derivados parciais ∂f/∂ai(a) existirem em um determinado ponto a, a função não necessita de ser contínua.

No entanto, se todos as derivadas parciais existirem numa vizinhança de a e são contínuas, então f é o total derivado em que a derivada da vizinhança total é contínua. Neste caso, diz-se que f é uma C1 função.

Isto pode ser utilizado para generalizar funções vetoriais (f : UR'm) com cuidado usando um argumento componente a componente.

A derivada parcial pode ser vista como uma outra função definida em U e pode ser novamente parcialmente diferenciada.

Se todas as derivadas parciais de segunda ordem mistas são contínuas em um ponto (ou um conjunto), f é denominado C2 função naquele ponto (ou no conjunto); neste caso, as derivadas parciais podem ser trocadas pelo Teorema de Clairaut-Schwarz:

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Volume de um cone[editar | editar código-fonte]

O volume de um cone depende da altura e raio

Considere-se o volume V de um cone; ele depende da altura do cone h e do seu raio r de acordo com a fórmula

A derivada parcial de V com relação a r é

e descreve a taxa com que o volume de um cone aumenta à medida que o seu raio também aumenta e a sua altura é mantida constante. A derivada parcial relativamente a h é

Em contraste, a derivada total de V em relação à r e h são respectivamente

e

A diferença entre a derivada total e parcial é a eliminação de dependências indiretas entre as variáveis ​​nas derivadas parciais.

Se (por alguma razão arbitrária) proporções do cone têm de permanecer as mesmas, e a altura e raio estando em uma relação fixa k, temos

Isto dá a derivada total no que se relaciona a r:

Que simplifica para:

Do mesmo modo, a derivada total no que refere a h é:

Equações envolvendo derivadas parciais de uma função desconhecida são chamadas de equação diferencial parcial e são comuns em física, engenharia e outras ciências e disciplinas aplicadas.

Otimização[editar | editar código-fonte]

As derivadas parciais aparecem em qualquer problema de otimização baseada em cálculos com mais de uma variável de escolha. Por exemplo, em economia, uma empresa pode desejar maximizar o lucro π(x, y) com relação à escolha das quantidades x e y de dois tipos diferentes de produção. As condições de primeira ordem para esta otimização são πx = 0 = πy. Como ambas as derivadas parciais πx e πy serão geralmente funções de ambos os argumentos x e y, estas duas condições de primeira ordem formam um sistema de duas equações em duas incógnitas.

Termodinâmica, mecânica quântica e física matemática[editar | editar código-fonte]

Derivados parciais aparecem em equações termodinâmicas como a equação de Gibbs-Duhem, em mecânica quântica como a equação da onda de Schrodinger, assim como em outras equações da física matemática. Aqui as variáveis sendo mantidas constantes em derivadas parciais podem ser razão de variáveis simples como frações molares xi no seguinte exemplo envolvendo as energias de Gibbs em um sistema de mistura ternária:

Expressar as frações molares de um componente como funções da fração molar de outros componentes e rácios molares binários:

Os quocientes diferenciais podem ser formados em proporções constantes como os acima:

As proporções X, Y, Z das frações molares podem ser escritas para sistemas ternários e multicomponentes:

que pode ser usado para resolver equações diferenciais parciais como:

Esta igualdade pode ser reordenada para ter um quociente diferencial de frações moles em um dos lados.

Redimensionamento de imagem[editar | editar código-fonte]

As derivadas parciais são a chave para algoritmos de redimensionamento de imagem com consciência de alvo. Amplamente conhecidos como escultura em costura, estes algoritmos exigem que cada pixel de uma imagem receba uma 'energia' numérica para descrever sua disparidade em relação aos pixels ortogonais adjacentes. O algoritmo então remove progressivamente as linhas ou colunas com a menor energia. A fórmula estabelecida para determinar a energia de um pixel (magnitude de gradiente em um pixel) depende muito das construções de derivadas parciais.

Economia[editar | editar código-fonte]

Os derivados parciais desempenham um papel proeminente na economia, na qual a maioria das funções que descrevem o comportamento econômico postula que o comportamento depende de mais de uma variável. Por exemplo, uma função de consumo social pode descrever o montante gasto em bens de consumo como dependendo tanto da renda quanto da riqueza; a propensão marginal ao consumo é então a derivada parcial da função de consumo com relação à renda.

Notação[editar | editar código-fonte]

Mais informações: ∂

Para os exemplos a seguir, deixe ser uma função em e .

Derivadas parciais de primeira ordem:

Derivadas parciais de segunda ordem:

Derivadas mistas de segunda ordem:

Derivadas parciais e mistas de ordem superior:

Ao lidar com funções de múltiplas variáveis, algumas destas variáveis podem estar relacionadas entre si, portanto pode ser necessário especificar explicitamente quais variáveis estão sendo mantidas constantes para evitar ambigüidade. Em campos como a mecânica estatística, a derivada parcial em relação a mantendo e contantes é freqüentemente expressa como

Convencionalmente, para clareza e simplicidade da notação, a função derivada parcial e o valor da função em um ponto específico são conflacionados pela inclusão dos argumentos da função quando o símbolo da derivada parcial (notação Leibniz) é usado. Assim, uma expressão como

é usado para a função, enquanto

pode ser usado para o valor da função no ponto

Entretanto, esta convenção se quebra quando queremos avaliar a derivada parcial em um ponto como . Neste caso, a avaliação da função deve ser expressa de uma maneira pouco prática, como:

ou

a fim de utilizar a notação Leibniz. Assim, nestes casos, pode ser preferível usar a notação do operador diferencial Euler com como o símbolo derivado parcial em relação à primeira variável.

Por exemplo, poderíamos escrever para o exemplo descrito acima, enquanto a expressão representa a função derivada parcial em relação à 1ª variável[1]

Para derivadas parciais de ordem superior, a derivada parcial (função) do estilo com relação à variável j é designada como . Ou seja, , para que as variáveis sejam listadas na ordem em que as derivadas são tomadas, e assim, em ordem inversa de como a composição dos operadores é normalmente anotada. Naturalmente, o teorema de Clairaut implica que desde que as condições de regularidade comparativamente suaves em f sejam satisfeitas.

Antiderivada análoga[editar | editar código-fonte]

Existe um conceito para derivadas parciais que é análogo às antiderivadas para derivadas regulares. Dada uma derivada parcial, ela permite a recuperação parcial da função original.

Considere o exemplo de

A integral "parcial" pode ser tomada com respeito a x (tratando y como constante, de maneira semelhante à diferenciação parcial):

Aqui, a constante de integração não é mais uma constante, mas uma função de todas as variáveis da função original, exceto x. A razão disso é que todas as outras variáveis são tratadas como constantes quando se toma a derivada parcial, portanto, qualquer função que não envolva desaparecerá quando se toma a derivada parcial, e temos que levar isso em conta quando tomamos o antiderivado. A forma mais geral de representar isto é ter a "constante" representando uma função desconhecida de todas as outras variáveis.

Assim, o conjunto de funções , onde g é qualquer função de um documento, representa o conjunto inteiro de funções nas variáveis x,y que poderiam ter produzido a derivada parcial .

Se todas as derivadas parciais de uma função são conhecidas (por exemplo, com o gradiente), então as antiderivadas podem ser combinadas através do processo acima para reconstruir a função original até uma constante. Ao contrário do caso de uma única variável, no entanto, nem todo conjunto de funções pode ser o conjunto de todas as (primeiras) derivadas parciais de uma única função. Em outras palavras, nem todos os campos vetoriais são conservadores.

Derivadas parciais de ordem superior[editar | editar código-fonte]

As derivadas parciais de segunda e maior ordem são definidas de forma análoga às derivadas de ordem superior de funções univariadas. Para a função a "própria" segunda derivada parcial com respeito a x é simplesmente a derivada parcial da derivada parcial (ambas com respeito a x)[2]

A derivada parcial cruzada em relação a x e y é obtida tomando a derivada parcial de f em relação a x, e depois tomando a derivada parcial do resultado em relação a y, para obter

O teorema de Schwarz afirma que se a segunda derivada é contínua, a expressão para a derivada parcial cruzada não é afetada por qual variável a derivada parcial é tomada em relação à primeira e qual é tomada em segundo lugar. Isto é, a segunda derivada,

ou equivalente

Derivadas parciais próprias e cruzadas aparecem na matriz de Hessian que é usada em condições de segunda ordem em problemas de otimização.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Spivak, Michael. Calculus on manifolds : a modern approach to classical theorems of advanced calculus. New York: [s.n.] OCLC 187146 
  2. Bello, Ivan; Chiang, Alpha C. (setembro de 1970). «Fundamental Methods of Mathematical Economics». Econometrica (5). 787 páginas. ISSN 0012-9682. doi:10.2307/1912217. Consultado em 6 de setembro de 2020