Tipiti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tipiti

Tipiti é uma espécie de prensa ou espremedor de palha trançada usado para escorrer e secar raízes, normalmente mandioca. O objeto é utilizado principalmente por índios brasileiros e ribeirinhos da região amazônica.[1][2] Seu uso é polivalente, eis que, além de prover o extrato básico para produção de farinha de mandioca (manibat), dessa raiz ainda extrai seu sumo: tucupi.[3]

Quando os europeus chegaram ao Novo Mundo, os nativos já vinham usando a mandioca como alimentoséculos. Ela era preparada de inúmeras maneiras, inclusive como bebida e na maioria dos casos precisava ser descascada, ralada e espremida para liberar seu sumo. Algumas comunidades a espremiam de outras formas, enquanto outras desenvolveram utensílios, chamados de tipiti, para facilitar o trabalho[4]

O uso do tipiti pelos nativos do Novo Mundo[editar | editar código-fonte]

Algumas tribos não conheciam o tipiti como os Parakanã, do Pará. Faziam a farinha cortando a mandioca, cozendo-a e espremendo-a em uma esteira para remover a parte líquida. As bolas de mandioca eram secas em um jirau, desfeitas, peneiradas e torradas[5]

Tipiti manual
Tipiti de peso

Para extrair o suco da mandioca ralada e com isso remover o ácido cianídrico nele contido, índios menos desenvolvidos espremiam a massa com a mão[6]. Outros usavam um tipo de prensa, chamada de tipiti, consistindo de um tubo flexível de fibras que era operado sob torsão pelas mãos[4].

Os Maués da Amazônia usavam o tipiti feito de talas da palmeira jacitara para espremer massa de mandioca ou polpa de frutos[7].

O tipiti mais avançado, o tipiti de peso, recebia a mandioca ralada em seu interior e era esticado com auxílio de pesos[6].

Na prensagem da massa da mandioca escorria um líquido que continha uma substância venenosa, o ácido cianídrico, e era chamado maniaca. Quando ele era fervido, recebia o nome de tucupi[4]

Se líquido que escorria da massa prensada da mandioca fosse deixado em descanso, decantava um fino no fundo do recipiente. Este era removido e lavado em água limpa várias vezes, tornando-se o polvilho[4].

Referências

  1. «Portal Amazônia - Amazônia de A a Z - Artigo - Tipiti». Consultado em 15 de março de 2012 
  2. «Perspectives for Sustainable Management of the Rwnewable Natueal Resources of the Amazon Forest» (PDF) (em inglês). Consultado em 15 de março de 2012 
  3. «Quinhapira de Aracu com Caruru e Tucupi Preto com Saúva | Foirn». Consultado em 15 de março de 2012 
  4. a b c d CAVALCANTE, Messias S. Comidas dos Nativos do Novo Mundo. Barueri, SP. Sá Editora. 2014, 403p.ISBN 9788582020364
  5. REVISTA DE ATUALIDADE INDÍGENA. Comportamento social dos Parakanã. P. 26-33. In: Revista de Atualidade Indígena. Brasília, Fundação Nacional do Índio. 1979, ano III, nº 19, 64p.
  6. a b MACEDO, Agenor F. de & VASCONCELOS, P. C. de. O índio Brasileiro. Rio de Janeiro, Ferreira de Mattos & Cia (Casa Mattos). 1935, 200 p.
  7. PEREIRA, Nunes (1892-1985). Os índios Maués. Rio de Janeiro, Organização Simões. 1954, 174 p.
Ícone de esboço Este artigo sobre um objeto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.