Fusão a frio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A fusão a frio é uma reação da fusão nuclear que ocorre em condições de temperatura ambiente, em vez dos milhões de graus requeridos para reações da fusão do plasma.

A fusão a frio é o termo popular usado para o que é chamado agora "energia fraca". A reivindicação inicial da fusão a frio foi relatada primeiramente por Martin Fleischmann e por Stanley Pons na Universidade de Utah em Março de 1989. Este anúncio era notícia de primeira página por algum tempo, e gerava uma controvérsia incrível, mas o debate público diminuído rapidamente e a fusão fria foram rejeitados geralmente pela comunidade científica. Apesar disso, depois de 1989, muitos cientistas observaram experimentalmente excesso de calor, trítio, hélio e mutações nucleares. Estas experiências usam uma grande variedade de métodos.[1]

Catalizador de energia[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2011, o engenheiro italiano Andrea Rossi apresentou a professores da Universidade de Bolonha, na Itália, um dispositivo que alegadamente realiza fusão a frio (ou reações nucleares de baixa energia - LENR na sigla em inglês), utilizando gás hidrogênio comum e níquel em pó, o qual recebeu o apelido de Catalizador de energia (E-Cat). Após a demonstração de janeiro, várias outras demonstrações foram realizadas, e Andrea Rossi afirmou que em outubro de 2011 entraria em funcionamento na Grécia a primeira usina de 1 megawatt baseada nesta tecnologia.[2] [3] [4] [5]

No final de maio de 2011, Dennis M. Bushnell, um cientista-chefe[6] [7] da NASA, afirmou em uma entrevista ao site "EV World" que as reações nucleares de baixa energia (LENR) representam a tecnologia em fase de desenvolvimento "número um" (a primeira em relevância) no cenário mundial atual, e que tal tecnologia pode vir a introduzir grandes mudanças geoeconômicas e geopolíticas e "resolver os problemas climáticos". Na entrevista, Bushnell menciona especificamente o "Energy Catalyzer" desenvolvido por Andrea Rossi, o qual acredita estar efetivamente produzindo energia em excesso, creditando tal feito a reações que poderiam ser explicadas pela teoria de Widom-Larson.[8]

Em agosto de 2011, Andrea Rossi anunciou o rompimento das relações comerciais com a companhia grega Defkalion, informando que a prometida usina de 1 megawatt baseada no E-Cat teve sua data de lançamento mantida para o final do mês de outubro de 2011, porém o local foi transferido para os Estados Unidos da América, em uma cidade que não poderia ser ainda revelada, devido a acordos comerciais com um novo parceiro norte-americano.[9]

Em setembro de 2011, o portal sueco especializado em ciência e tecnologia NyTeknik divulgou as primeiras fotografias e vídeos do que seria o módulo principal da usina de 1 megawatt a ser inaugurada no final de outubro, que já estaria sendo embarcado para os EUA.[10]

Em 6 de outubro de 2011, Andrea Rossi realizou um novo teste público do seu E-Cat, contando com a presença de jornalistas e representantes da indústria. O teste durou cerca de sete horas e vários tipos de medições foram feitas.[11]

Em 11 de outubro de 2011, Andrea Rossi anunciou que a data do lançamento oficial da sua usina de 1 megawatt baseada no Energy Catalyzer foi definida, e será no dia 28 de outubro de 2011.[12]

Em 17 de outubro de 2011, um artigo publicado na conceituada revista de negócios norte-americana Forbes relatou a existência do E-Cat, abordou o potencial transformador da tecnologia caso funcione como anunciado, e informou a data do lançamento em 28 de outubro.[13]

Em 28 de outubro de 2011, a unidade de 1 megawatt composto por múltiplos "E-Cats" foi testada em Bolonha, supostamente por engenheiros ligados à misteriosa companhia "cliente" de Andrea Rossi, que pretende comprar a referida unidade. A presença de observadores externos e da imprensa no evento foi limitada, e um relatório divulgado na mesma noite atesta que supostamente a unidade produziu 470 kilowatts de energia térmica durante cinco horas em "modo auto-sustentado" (sem fornecimento de energia externa, exceto para ventiladores e instrumentos de medição). Andrea Rossi alegou que optou por diminuir a potência de 1 megawatt para 470 kilowatts para melhorar a estabilidade do sistema no "modo auto-sustentado". Ele diz que o cliente ficou satisfeito, e o negócio foi fechado.[14] [15]

De acordo, com Mark Gibbs, da revista Forbes, em maio de 2013 um artigo científico com o título “Indication of anomalous heat energy production in a reactor device" foi submetido ao site arxiv, a respeito de testes independentes realizados com o E-Cat. Os autores do artigo, professores da Universidade de Bolonha, na Itália, da Universidade de Uppsala, na Suécia, e do Royal Institute of Technology da Suécia, afirmam que não tiveram total controle de todos os aspectos do processo, mas concluíram que houve uma produção de energia (por litro de volume) no mínimo uma ordem de magnitude superior a qualquer fonte convencional conhecida de energia. Mark Gibbs nota que "o E-Cat tem aproximadamente quatro ordens de magnitude mais energia específica e três ordens de magnitude mais potência de pico do que a gasolina"[16]

Em 24 de janeiro de 2014, a empresa norte-americana Industrial Heat LLC anunciou que adquiriu os direitos de propriedade intelectual sobre o E-Cat, informando que está confiante na eficiência da nova tecnologia, e que deve dar prosseguimento à fase de pesquisa e desenvolvimento para colocar a tecnologia no mercado.[17]

Referências

  1. Fusão a Frio para Principiantes LENR-CANR.org (12-07-2006). Página visitada em 27-07-2014. (em português)
  2. "Pesquisadores afirmam ter criado reator de fusão a frio", HypeScience, 28 de abril de 2011.
  3. "Fusione nucleare a freddo 'A Bologna ci siamo riusciti'", La Repubblica, 14 de janeiro de 2011. (em italiano)
  4. "Cold Fusion getting hot with 10kw heater prepping for market", PESN, 17 de janeiro de 2011. (em inglês)
  5. "Swedish physicists on the E-cat: 'It’s a nuclear reaction'", NyTeknik, 6 de abril de 2011. (em inglês)
  6. Dennis Bushnell - Blue Tech Forum. Página visitada em 1º de junho de 2011.
  7. Dennis Bushnell (NASA's Chief Scientist) on Conquering Climate Change. Página visitada em 1º de junho de 2011.
  8. "Cold Fusion #1 Claims NASA Chief", PESN, 31 de maio de 2011. (em inglês)
  9. "Rossi Terminates Defkalion's E-Cat Rights and License", PESN, 07 de agosto de 2011. (em inglês)
  10. "Here’s Rossi’s one megawatt plant", NyTeknik, 14 de setembro de 2011. (em inglês)
  11. "Real-Time Updates on the October 6, 2011 E-Cat Test", PESN, 06 de outubro de 2011. (em inglês)
  12. "Friday, October 28, 2011 in Bologna Italy: Andrea Rossi Announces Date for 1MW E-Cat Plant Test", E-Cat World, 11 de outubro de 2011. (em inglês)
  13. "Hello Cheap Energy, Hello Brave New World", Forbes, 17 de outubro de 2011. (em inglês)
  14. "Half a megawatt E-cat in Bologna", NyTeknik, 29 de outubro de 2011. (em inglês)
  15. "Success for Andrea Rossi's E-Cat cold fusion system, but mysteries remain", Wired UK, 29 de outubro de 2011. (em inglês)
  16. http://www.forbes.com/sites/markgibbs/2013/05/20/finally-independent-testing-of-rossis-e-cat-cold-fusion-device-maybe-the-world-will-change-after-all/ Mark Gibbs, Forbes, 20 de maio de 2013
  17. http://www.e-catworld.com/2014/01/press-release-industrial-heat-has-acquired-andrea-rossis-e-cat-technology/ E-Cat World, 14 de janeiro de 2014

Ligações externas[editar | editar código-fonte]