Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Aquarius (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aquarius
Pôster promocional
 Brasil França
2016 •  cor •  145 min 
Direção Kleber Mendonça Filho
Produção Emilie Lesclaux
Saïd Ben Saïd
Michel Merkt
Coprodução Walter Salles
Roteiro Kleber Mendonça Filho
Elenco Sônia Braga
Humberto Carrão
Maeve Jinkings
Irandhir Santos
Gênero Drama
Suspense
Direção de arte Juliano Dornelles
Thales Junqueira
Direção de fotografia Pedro Sotero
Fabricio Tadeu
Companhia(s) produtora(s) CinemaScópio
SBS Productions
Videofilmes
Globo Filmes
Distribuição Vitrine Filmes (Brasil)
Vitagraph Films (EUA)
Lançamento França 17 de maio de 2016 (Cannes)
Brasil 1 de setembro de 2016
Portugal 16 de março de 2017
Idioma Português
Orçamento R$ 3,4 milhões[1]
Receita R$ 6,9 milhões (em dezembro de 2016)[2]
Página no IMDb (em inglês)

Aquarius é um filme franco-brasileiro,[3][4] dos gêneros drama e suspense, escrito e dirigido por Kleber Mendonça Filho. É produzido por Emilie Lesclaux, Saïd Ben Saïd e Michel Merkt, coproduzido por Walter Salles e estrelado por Sônia Braga, Humberto Carrão, Maeve Jinkings e Irandhir Santos.[5] Suas filmagens ocorreram no intervalo de sete semanas entre agosto e setembro de 2015, em vários bairros do Recife, bem como na Praia dos Carneiros, a 80 quilômetros da capital pernambucana.[6]

Seu enredo gira em torno de Clara (Braga), uma viúva de 65 anos que é a última moradora do edifício que dá título à obra, na orla da praia de Boa Viagem, no Recife. No decorrer do filme, acompanhamos o dia a dia da protagonista, sua relação com seus amigos e familiares, e a investida de uma construtora que pretende comprar o prédio a todo custo, visando erguer um mais moderno no local.[7] Assim, o longa-metragem aborda temas como especulação imobiliária, passagem do tempo e memórias, e discute ideias pré-concebidas sobre a vida e sexualidade de uma mulher na terceira idade.[8][9]

Aquarius teve sua primeira exibição mundial em 17 de maio de 2016 na 69° edição do Festival de Cannes, no qual concorreu à Palma de Ouro. Estreou nos cinemas brasileiros em 1.º de setembro do mesmo ano,[10] e possui distribuição confirmada para mais de sessenta países.[11] Foi muito bem recebido pelos críticos, que elogiaram sua direção, roteiro e a atuação de todo o elenco — particularmente a de Braga, considerada por alguns como uma das melhores de sua carreira.[3][7][12] O filme também teve amplo debate na mídia brasileira devido a um protesto feito por sua equipe no tapete vermelho de Cannes, no qual questionava o processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff.[13]

A produção foi indicada a diversos prêmios internacionais, entre eles Independent Spirit Awards, César e Prêmio Platino. Além disso, foi incluída nas listas de melhores filmes do ano de diversas publicações estrangeiras como Sight & Sound, Cahiers du Cinéma e The New York Times; conquistando, inclusive, o 1º lugar no ranking feito pelos alunos da mais prestigiada universidade de cinema do Reino Unido, a National Film and Television School. Também foi um sucesso de público, atingindo meio milhão de espectadores entre Brasil e França.[14]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Aquarius é dividido em três capítulos: "O cabelo de Clara", "O amor de Clara" e "O câncer de Clara".[15] O enredo começa em 1980, no aniversário de tia Lúcia (Thaia Perez), com a protagonista Clara (Bárbara Colen) casada e mãe de 3 filhos.[9] Ela ainda é jovem, e se recupera de um câncer.[7] Em seguida, a trama salta para 2016, e vemos que Clara (Sônia Braga), agora viúva, vive no edifício Aquarius há mais de 30 anos, criou seus filhos ali e guarda grandes lembranças do local.[16] Ela é a última moradora do Aquarius, que é situado em área valorizada do Recife; todos os demais apartamentos foram comprados pela Construtora Bonfim, que pretende demolir o prédio e erguer ali um maior e mais moderno.[7]

Contudo, a personagem não vê motivos para se mudar, e então passa a sofrer variadas formas de assédio e a receber ofertas que não lhe interessam,[17] principalmente de Diego (Humberto Carrão), o responsável pelo projeto do novo edifício.[18] Para além deste conflito, vemos o dia a dia da protagonista, em seus momentos mais íntimos e triviais. Ela parece flertar com o salva-vidas Roberval (Irandhir Santos), tem uma dinâmica difícil com a filha Ana Paula (Maeve Jinkings), que quer que ela venda o apartamento,[19] e é particularmente próxima de seu sobrinho Tomás (Pedro Queiroz), a quem aconselha a escutar Maria Bethânia e mostrar as músicas desta para a garota com que ele está se relacionando.[18]

Ao final do filme, Clara descobre que a Construtora Bonfim colocou diversas toras de madeira com colônias de cupins nos demais apartamentos vazios,[20] de forma a comprometer a estrutura do prédio. Com a ajuda de amigos jornalistas, ela obtém informações antigas e comprometedoras da Construtora,[21] e então confronta os executivos da empresa. O final termina em aberto.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Orçamento[editar | editar código-fonte]

Aquarius foi produzido por Emilie Lesclaux, através da CinemaScópio Produções, com coprodução de Saïd Ben Saïd, através da produtora francesa SBS Productions, e das brasileiras Videofilmes e Globo Filmes.[4] O longa obteve parte de seu financiado através da Lei do Audiovisual, que determina que a iniciativa privada possa patrocinar projetos e depois descontar parte do valor em seu imposto de renda. O filme foi autorizado a captar 2,9 milhões de reais pela Lei, e destes conseguiu levantar cerca de 1,95 milhões de reais.[23] Somando-se patrocínio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe),[4] o orçamento total da obra foi de 3,4 milhões de reais.[1]

Filmagens e locações[editar | editar código-fonte]

As filmagens aconteceram ao longo de sete semanas entre 4 de agosto e 23 de setembro de 2015, em vários bairros da cidade do Recife, entre eles Boa Viagem, Santo Antônio, Casa Forte, Campo Grande, Pina, Setúbal, Brasília Teimosa e na Praia dos Carneiros, a 80 quilômetros do Recife.[6] Cenas foram gravadas no Restaurante Leite, no Clube das Pás, na Livraria da Praça de Casa Forte, no Cemitério de Santo Amaro e no Edifício Oceania, que serviu como locação principal para as filmagens.[17][24][25]

O filme foi inspirado no Edifício Caiçara, erguido na década de 1930 e parcialmente demolido em 2013. Os planos iniciais eram que ele fosse gravado no próprio Caiçara, contudo, a demolição deste acabou impossibilitando a equipe de realizar as filmagens na locação. Com isso, as cenas tiveram que ser rodadas no Edifício Oceania, um prédio vizinho e com características bem parecidas com as do Caiçara.[17][26] Antes de encontrar o Oceania, a produção buscou locações também em João Pessoa e Maceió.[15] O ritmo de trabalho foi intenso, com a equipe chegando a fazer doze horas de filmagens por dia, seis dias por semana.[27]

A atriz Sônia Braga, o diretor Kleber Mendonça Filho e a equipe, durante as filmagens do longa.

Trata-se do primeiro trabalho de Sônia Braga no cinema brasileiro em quinze anos.[16] Mendonça Filho convenceu a atriz a fazer três semanas de ensaio antes das filmagens — método que ela, antes de conhecer o diretor, detestava.[28] Braga está em praticamente todas as cenas do filme, exceto no prólogo, e sentiu que o roteiro transmite muito dos seus próprios pensamentos sobre a sociedade brasileira.[28] Além disso, ela vê muito de si mesma em Clara.[27] De acordo com Mendonça Filho, Clara não foi escrita pensando na atriz, mas o perfil de ambas se revelou muito próximo; várias outras atrizes foram cotadas para protagonizar o filme, e houve, inclusive, a ideia de descobrir uma desconhecida para o papel. Foi o diretor de elenco, Marcelo Caetano, quem lembrou de Sônia Braga; ele descobriu que ela participava de filmagens no estado americano do Texas, e então lhe enviou o roteiro.[29]

Mendonça Filho vê Clara como uma projeção de sua própria mãe.[30] Ele define a personagem como uma "heroína clássica" do cinema, comparando-a com o perfil de mulheres resistentes interpretadas pela atriz Anna Magnani nos anos 1960.[15] Nesse sentido, o diretor vê Aquarius como "um filme clássico de herói" e usou como referências as produções italianas dos anos 1950 e 1960, nos quais há "mulheres fortes, com grande presença cinematográfica e uma série de desafios e obstáculos para enfrentar".[31] Ele, de início, tinha em mente outro final para o filme, com um close em um suporte de papel higiênico cujo rolo está quase no fim, quando então a câmera abre e percebe-se que o suporte está sobre uma montanha de entulho e restos de construção.[32] Ele abandonou a ideia por considerá-la “um fim muito literário”, que funcionaria muito bem em um livro, mas não em um longa-metragem, e achou o final escolhido mais satisfatório.[32]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

As músicas utilizadas em Aquarius servem como uma espécie de "ponte" para aquilo que era tocado principalmente nos anos 1970 – fase em que Clara trabalhou como crítica musical e que a personagem define como sua década preferida.[33] Ainda que a trilha sonora não tenha sido lançada para compra em formato físico ou mesmo digital, a distribuidora Vitrine Filmes produziu cerca de 100 fitas cassetes com as canções do longa-metragem e as enviou para um público selecionado. As fitas vieram acompanhadas de uma carta escrita numa máquina de escrever, assinada pela personagem Clara.[34][35] Também foi disponibilizada uma lista no serviço de streaming Spotify com todas as faixas utilizadas no filme; são elas:[36]

Trilha sonora
N.º Título Intérprete(s) Duração
1. "Another One Bites The Dust - Remastered 2011"   Queen 3:34
2. "Hoje"   Taiguara 3:05
3. "O Quintal do Vizinho"   Roberto Carlos 3:04
4. "Sentimental Demais"   Altemar Dutra 2:32
5. "Recife Minha Cidade"   Reginaldo Rossi 4:57
6. "Dois Navegantes"   Ave Sangria 4:16
7. "Toda Menina Baiana"   Gilberto Gil 3:45
8. "Pai e Mãe"   Gilberto Gil 3:52
9. "Canções de Cordialidade III - Feliz Natal"   Heitor Villa Lobos, Sonia Rubinsky 0:30
10. "Fat Bottomed Girls - Remastered 2011"   Queen 3:22
11. "Sufoco"   Alcione 3:59
12. "Nervos de Aço - Remaster 2012"   Paulinho da Viola 2:30
Duração total:
39:00

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Exibição e bilheteria[editar | editar código-fonte]

O longa-metragem teve sua primeira exibição mundial em 17 de maio, na sala Bazin, dentro do Festival de Cannes.[37] Sua primeira sessão no Brasil ocorreu em 20 de agosto, no Cinema São Luiz, em Pernambuco, para um público de 500 pessoas.[38] Seis dias depois, foi apresentado na 44.ª edição do Festival de Gramado, fora da competição oficial.[39]

Aquarius teve sua estreia em circuito comercial nos cinemas brasileiros em 1.º de setembro do mesmo ano.[10] Disponível em mais de oitenta salas durante seu primeiro fim de semana em exibição,[40] teve público estimado em 54 mil pessoas e arrecadação de 880 150 reais — tornando-se a melhor estreia da semana, com média de 600 pessoas por sala.[41] Além disso, tratava-se até então da segunda melhor semana de lançamento de um longa-metragem nacional em 2016, superada apenas pela de Os Dez Mandamentos, que vendera três milhões de ingressos quando entrou em cartaz.[41] Ao término de sua primeira semana completa em exibição, o filme contabilizou cem mil espectadores, expandiu seu circuito para 110 salas e aumentou o número de cidades em que se encontrava disponível de 20 para 33.[42][43]

O filme foi o oitavo mais visto no país em sua segunda semana em cartaz; além disso, em seus primeiros onze dias em exibição teve público total estimado em 150 mil pessoas.[44] Em sua terceira semana, caiu para a nona posição, com público de 250 mil espectadores e arrecadação na marca 3,4 milhões de reais,[45] fazendo dele a maior bilheteria da história do cinema pernambucano.[46] Estima-se que o filme tenha sido visto por 357 mil pessoas[47] e arrecadado cerca de 4,1 milhões de reais em bilheteria no Brasil.[2] Além disso, pouco após sua exibição em Cannes, Aquarius teve seus direitos de exibição on demand comprados pela Netflix, que o lançará na América Latina (exceto Brasil), Ásia (exceto China), América do Norte, Austrália, Nova Zelândia, e Grã-Bretanha, cerca de três meses após seu lançamento nos cinemas de cada território.[48] O longa-metragem tem distribuição confirmada para mais de sessenta países,[11] e participou de diversos festivais de cinema internacionais ao longo de todo o segundo semestre de 2016.[42]

Na França, o lançamento ocorreu em 28 de setembro, com 91 cópias.[11][49] O cinema parisiense Etoile Saint Germain des Prés exibiu Aquarius no formato Eclair Color, sendo a primeira vez que um filme é exibido nesse formato naquele país.[50][51] A obra levou mais de 40 mil pessoas aos cinemas franceses em seu primeiro fim de semana, tornando-se a terceira melhor média de público por sala.[49][52] Ao término de sua exibição, Aquarius foi assistido por 156 mil pessoas[53] e arrecadou mais de 2 milhões de reais na França.[2] Assim, somados apenas os públicos de Brasil e França, estima-se que ele tenha atingido meio milhão de espectadores.[14] A obra foi exibida entre os dias 9 e 11 de outubro no Festival de Cinema de Nova Iorque — após catorze anos sem um representante brasileiro na competição —[42] e entrou em cartaz nos Estados Unidos no dia 14 do mesmo mês, distribuída pela Vitagraph Films.[54]

Aquarius estreou na Itália no dia 15 de dezembro de 2016, distribuído pela Teodora Film.[55] Foi exibido nos cinemas locais com treze cópias e arrecadou 44 mil euros em seu primeiro fim de semana, o que lhe rendeu a terceira melhor média por sala (€3 387), superado apenas por Rogue One: A Star Wars Story e Miss Peregrine.[56][57] O filme foi lançado na Argentina em 5 de janeiro de 2017, com dezesseis cópias,[58] e em seu primeiro fim de semana atraiu 9.448 espectadores às salas de cinema, ocupando a 10.ª posição entre os filmes mais vistos daquela semana.[59] Em menos de um mês, Aquarius levou cerca de 30 mil espectadores aos cinemas do país; a última vez que um longa-metragem estrangeiro latino-americano havia obtido tal êxito fora em 2015, com a produção colombiana El abrazo de la serpiente.[60]

Somadas as arrecadações nos Estados Unidos, Reino Unido, Nova Zelândia, Austrália, Itália, Espanha e Portugal, chega-se a 544 mil dólares (1,7 milhões de reais).[61]

Home video e Televisão[editar | editar código-fonte]

Aquarius foi lançado em DVD e Blu-ray no Brasil no fim de novembro de 2016.[18] Ele teve seus direitos de exibição adquiridos no país pela rede de canais por assinatura Telecine e estreou através do Telecine Premium no dia 16 de janeiro de 2017, às 22h.[62] Em abril, Aquarius chegou à programação do Canal Brasil.[63] O filme também foi confirmado na programação da Rede Globo em 2017.[64]

Análise e temas[editar | editar código-fonte]

Aquarius é profundamente crítico a um status quo pernambucano, nordestino e brasileiro.[16] Ângela Prysthon, da revista Continente, observa que "ainda que apareçam a 'cor local', o sotaque, a crônica urbana recifense", o filme de Mendonça Filho é uma "tentativa de ruptura com certo padrão de caracterização regional que tenderia ao folclórico e ao caricatural".[65] O próprio diretor diz que a obra é "sobre memória e sobre história, que não são muito valorizadas na nossa cultura".[15] Ele quis fazer um filme "sobre arquivos pessoais", das relações de cada um com seu presente, passado e futuro. A ideia para o roteiro surgiu numa fase em que ele recebia muitas ligações de empresas oferecendo-lhe serviços, no que ele viu como "o mercado querendo entrar na sua vida".[66]

Clara é apresentada como uma personagem feminina forte e independente; Mendonça Filho sempre teve em mente que a obra seria protagonizada por uma mulher, pois segundo ele há aspectos sociopolíticos presentes no filme que não teriam o mesmo peso se o personagem central fosse um homem.[15] Eliana Robert Moares, escrevendo para a Folha de S.Paulo, observa que o início do filme nos anos 1980, que mostra Lúcia, tia de Clara, como uma mulher de sexualidade libertária, indica uma "passagem de cetro" da geração mais velha para a mais nova, revelando "uma interessante linhagem de mulheres combativas que, oriundas da classe média, começa a ganhar visibilidade no Brasil dos anos de chumbo".[9] Pedro Alexandre Sanches, escrevendo para a revista CartaCapital, aponta que aos poucos Clara percebe que "o mundo de alta prevalência masculina que a cerca passa a demonstrar de modo crescentemente violento (embora quase nunca explícito) que o projeto de continuidade da vida como ela era não tem futuro".[21]

Boa Viagem, bairro em que a personagem Clara vive, foi um dos principais afetados pelo movimento de especulação imobiliária no Recife.

Aquarius constrói certos simbolismos ao longo de sua narrativa; o crítico Pablo Villaça observa que os cabelos da protagonista aparecem curtos no início da trama devido à quimioterapia, para depois serem apresentados longos e muitas vezes soltos, "tornando-se uma representação da extensão de sua jornada ao se livrar da doença".[19] A situação da personagem, tendo de resistir ao assédio e à opressão de uma construtora, também foi apontada por críticos como um paralelo à situação da então presidenta Dilma Rousseff no momento em que seu processo de impeachment foi instaurado, ainda que o roteiro do filme tenha sido escrito dois anos antes do ocorrido e que a situação política do país então fosse diferente.[67]

Um dos temas centrais de Aquarius é a resistência,[65] mostrado no embate entre Clara e a fictícia Construtora Bonfim. Através dele, Mendonça Filho aborda a questão da realidade urbana do Recife, na qual cada vez surgem mais bairros verticalizados atendendo famílias de renda elevada, em detrimento de um modelo anterior de uma ou duas casas, ou mesmo de edifícios de poucos andares.[8][68] O bairro em que Clara vive, Boa Viagem, foi um dos principais afetados por esse movimento de especulação.[68] A pretensão das imobiliárias e a falta de leis que regulem a atividade gerou o caso notório da construção de duas "torres gêmeas" no cais de Santa Rita, em área protegida pelo patrimônio histórico,[68] referenciado com claro tom negativo em Aquarius numa tomada aérea da cidade, na qual as torres foram sumariamente "apagadas".[65]

A ligação de Clara e Ladjane, sua empregada, aborda de forma sutil as relações sociais entre patrões e empregados; ainda que ambas vivam geograficamente próximas (a primeira na orla da praia de Boa Viagem e a segunda no bairro de Brasília Teimosa), socialmente há muita diferença entre elas. O filme mostra que mesmo que o afeto de ambas não acrescente nada ao avanço da luta de classes no país, ele tem peso importante na vida das implicadas nessa situação.[9] Nesse sentido, Sanches ressalta que a protagonista, tratada com franca simpatia na história, é antes de tudo uma personagem burguesa de classe média alta "egoísta", capaz de viver "num edifício condenado e até a operar uma chantagenzinha aqui e outra ali".[21]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Opinião da crítica[editar | editar código-fonte]

A edição de janeiro de 2016 da revista francesa Cahiers du Cinéma apresentava Aquarius como um dos dez lançamentos internacionais mais aguardados do ano.[69] Ele foi ovacionado após sua exibição no Festival de Cannes e, para Isabelle Regnier, do jornal francês Le Monde, foi o filme mais bonito do evento.[70] As primeiras críticas vindas de Cannes foram igualmente positivas.[71]

Sônia Braga foi amplamente elogiada por sua performance no filme. Acima, atriz recebe o Prêmio Fênix por sua atuação em Aquarius.

Com base em 24 resenhas da imprensa brasileira, o website AdoroCinema lhe atribui uma nota média 4,5/5.[72] Francisco Russo, do próprio AdoroCinema, deu ao filme a classificação máxima de 5 estrelas (5 de 5 estrelas.) e disse: "Aquarius é um belíssimo estudo sobre o Brasil atual e suas idiossincrasias, apontadas com olhar clínico e sem lantejoulas pelo diretor, muitas vezes de forma bastante política".[73] Pablo Villaça, escrevendo para o portal Cinema em Cena, classifica Aquarius como um filme "sobre afeto", destacando que ele é “enriquecido por compreender e buscar a humanidade não só da protagonista, mas até de quase figurantes”. Nesse sentido, ele elogiou o trabalho de todo o elenco, que considerou “homogêneo em qualidade”, também dando à obra 5 estrelas (5 de 5 estrelas.).[19]

Luiz Zanin Oricchio, escrevendo para o jornal Estadão, afirma: “Aquarius é agradabilíssimo de se ver. Imprime na tela um ritmo musical, caloroso, forte em muitos momentos, divertido em outros. Conta com elenco excepcional, no qual desponta uma Sônia Braga em estado de graça”. Sobre Braga, ele completa: “[este é o trabalho] mais complexo de sua carreira cinematográfica”.[7] Pedro Butcher, do jornal Folha de S.Paulo deu a classificação máxima de 3 estrelas (3 de 3 estrelas.) ao filme e comparou o trabalho de direção de Mendonça Filho com o longa-metragem anterior deste, e sobre isso afirmou: “com o mesmo senso de enquadramento raro, um uso de som e da música de tirar o fôlego e um ritmo que desafia a maré dominante dos tempos acelerados, Aquarius é antes de tudo um estudo de personagem”.[3]

Agregadores de revisão estrangeiros confirmam uma recepção semelhante fora do Brasil. O site Rotten Tomatoes aponta que 97% dos críticos deram ao longa-metragem uma avaliação positiva, tendo por base 63 resenhas, com pontuação média de 8.2/10. O consenso crítico diz: "Guiado por uma poderosa performance de Sônia Braga, Aquarius utiliza o conflito entre uma proprietária e uma companhia para conduzir um olhar perspicaz sobre a relação entre espaço e identidade."[12] Metacritic, que calcula uma média aritmética ponderada entre as críticas, dá ao filme uma nota 87/100 com base em 21 resenhas — indicando "aclamação universal".[74] Desta forma, Aquarius foi ranqueado entre as 20 produções mais bem avaliadas do site em 2016, independente da nacionalidade.[75] Por fim, no IMDB a obra recebeu uma nota 7,8/10 por parte do público.[76]

Peter Bradshaw, do jornal britânico The Guardian, deu 4 de 5 estrelas (4 de 5 estrelas.) ao filme e disse: "É um rico e detalhado estudo de personagem, envolvendo o espectador na vida e mente de sua imperiosa protagonista, Clara, interpretada com domínio por Sônia Braga". Ele criticou apenas o final: "Aquarius não termina da maneira esperada, e talvez não termine definitivamente. Ele provavelmente é falho na medida em que depende de um deus ex machina para se resolver, algo que aparece como que milagrosamente no roteiro. No entanto, este é um retrato densamente observado e soberbamente bem escrito de uma mulher de mais idade".[77] Jay Weissberg, da revista norte-americana Variety, definiu Aquarius como um filme "mais sutil, mas não menos maduro" do que o primeiro trabalho de Mendonça Filho, e completou: "[...] é um estudo de personagem, bem como uma meditação perspicaz sobre a transitoriedade desnecessária do lugar e de como o espaço físico elide com a nossa identidade".[78] Robbie Collin, do jornal britânico The Daily Telegraph deu 5 estrelas (5 de 5 estrelas.) ao filme, dizendo que "Aquarius fará você querer se mudar para o Brasil".[79]

Por ocasião do lançamento da obra na Argentina, Diego Batlle, escrevendo para o website Otros Cines deu 4,5 estrelas (4.5 de 5 estrelas.) ao filme e disse: "A inteligência do roteirista/diretor; e a ductilidade assombrosa de Sônia Braga, vulnerável e arrasadora ao mesmo tempo, fazem deste um dos melhores filmes latino-americanos dos últimos tempos".[80] Na estreia de Aquarius na França, o website AlloCiné coletou diversas críticas feitas pela imprensa local e concluiu que ele era o filme mais bem avaliado daquela semana.[81] Algumas das principais publicações francesas escreveram artigos elogiando a produção, incluindo Le Parisien, Le Figaro, Libération e Le Monde.[30]

Listas de melhores do ano[editar | editar código-fonte]

Aquarius foi incluído nas listas de melhores filmes de 2016 de diversos críticos brasileiros e estrangeiros. Além disso, a atuação de Sônia Braga foi considerada uma das melhores do ano pelos veículos de mídia norte-americanos Rolling Stone, The Austin Chronicle, The Village Voice, The Hollywood Reporter, Slant Magazine, Salon, e IndieWire,[82][83][84][85][86][87][88] bem como pelas revistas francesas Premiere e Les Inrocks,[89][90] pelo portal da rede de televisão italiana Sky TG 24[91] e pelo website brasileiro iG.[92] Por sua vez, Kleber Mendonça Filho foi apontado como um dos dez cineastas mais promissores da atualidade pela revista norte-americana Variety.[93]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2016, o delegado geral do Festival de Cannes Thierry Frémaux anunciou que Aquarius estaria entre os 21 filmes daquele ano que concorreriam à Palma de Ouro, premiação máxima da competição francesa.[129] Foi a única produção latino-americana selecionada, bem como a primeira produção brasileira a figurar na mostra competitiva desde Linha de Passe, oito anos antes.[37][129] Aquarius participou de diversos outros festivais de cinema ao redor de mundo, tornando-se destinatário de vários prêmios; além do filme em si, a atuação de Braga foi particularmente reconhecida, rendendo-lhe indicações a Melhor Atriz em vários deles.

Ano Prêmio/Festival Categoria Resultado
2016 Festival de Cannes[130][131] Palma de Ouro Indicado
Queer Palm Indicado
ICS Cannes Awards 2016[132] Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Jameson CineFest[133][134] International Ecumenical Award Indicado
Festival de Sydney[135] Melhor Filme Venceu
Festival de Transatlantyk[136] Melhor Filme Venceu
Festival de Jerusalém[137] Melhor Filme Indicado
Festival de Lima[138][139] Prêmio do Juri Venceu
Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Festival World Cinema Amsterdam[140] Melhor Filme Venceu
Festival de Munique[141] Melhor Filme Indicado
Festival de Zurique[142][143] Melhor Filme Internacional Indicado
Festival Biarritz Amérique Latine[144] Prêmio do Júri Venceu
Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Festival de Mar del Plata[145][146][147] Astor de Ouro de Melhor Filme Indicado
Prêmio ACCA - Melhor filme da Competição Internacional Venceu
Prêmio do Público Venceu
Astor de Prata de Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Festival de Havana[148][149] Prêmio FRIPESCI Venceu
Prêmio Signis Venceu
Prêmio Roque Dalton Venceu
Prêmio Don Quixote Venceu
Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Troféu APCA[150] Melhor Filme Venceu
Melhor Roteiro Venceu
Prêmio Fênix[151] Melhor Filme Indicado
Melhor Direção (Kleber Mendonça Filho) Venceu
Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Melhor Som Indicado
San Diego Film Critics Society Awards[152] Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Melhor Filme Estrangeiro Indicado
2017 Movies for Grownups Awards[153] Melhor Filme Estrangeiro Indicado
Syndicat français de la critique de cinéma[154] Melhor Filme Estrangeiro Venceu
Prêmio AQCC[155] Melhor Longa-Metragem Internacional Indicado
International Cinephile Society Awards[156][157] Melhor Atriz (Sônia Braga) Indicado
Melhor Filme em Língua Não-Inglesa 8.º lugar
Prêmio César[158] Melhor Filme Estrangeiro Indicado
Independent Spirit Awards[159] Melhor Filme Estrangeiro Indicado
Chlotrudis Awards[160] Melhor Atriz (Sônia Braga) Indicado
Melhor Roteiro Original Indicado
Prêmio Bravo![161] Melhor Filme de Longa-Metragem Venceu
Festival de Cartagena das Índias[162] Melhor Filme Venceu
Dublin Film Critics Circle Awards[163] Melhor Filme Venceu
CINE SESC Melhores do Ano[164] Prêmio da Crítica de Melhor Filme Venceu
Prêmio da Crítica de Melhor Direção (Kleber Mendonça Filho) Venceu
Prêmio da Crítica de Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Prêmio da Crítica de Melhor Roteiro Venceu
Prêmio do Público de Melhor Filme Venceu
Prêmio do Público de Melhor Direção (Kleber Mendonça Filho) Venceu
Prêmio do Público de Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Prêmio do Público de Melhor Roteiro Venceu
Festival de Cinema do Panamá[165] Melhor Filme Ibero-Americano Venceu
Prêmio ABC de Cinematografia[166][167] Melhor Som Indicado
Melhor Montagem Venceu
Melhor Direção de Arte Indicado
Melhor Direção de Fotografia Indicado
Prêmio ABRA de Roteiro[168] Melhor Roteiro de Longa-Metragem de Ficção Venceu
Prêmio Platino[169] Melhor Filme Indicado
Melhor Diretor (Kleber Mendonça Filho) Indicado
Melhor Atriz (Sônia Braga) Venceu
Grande Prêmio do Cinema Brasileiro[170] Melhor Longa-Metragem de Ficção Pendente
Melhor Diretor (Kleber Mendonça Filho) Pendente
Melhor Atriz (Sônia Braga) Pendente
Melhor Atriz Coadjuvante (Maeve Jinkings) Pendente
Melhor Ator Coadjuvante (Irandhir Santos) Pendente
Melhor Roteiro Original Pendente
Melhor Direção de Arte Pendente
Melhor Efeito Visual Pendente
Melhor Montagem Ficção Pendente
Melhor Som Pendente
Melhor Trilha Sonora Pendente

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Protestos em Cannes[editar | editar código-fonte]

A equipe de Aquarius durante protesto em Cannes.

Durante o tapete vermelho de sua primeira exibição, no Festival de Cannes, a equipe de Aquarius — entre eles o diretor Kleber Mendonça Filho e a protagonista Sônia Braga — mostrou cartazes em inglês e francês com os dizeres "Um golpe está acontecendo no Brasil", "54 milhões de votos foram queimados" e "Dilma, vamos resistir com você" em protesto contra o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Em sua conta oficial no Twitter, Rousseff agradeceu o apoio de todos.[13] O protesto causou polêmica imediata nas redes sociais e alguns internautas a favor do impeachment chegaram a organizar um boicote ao filme;[171] o jornalista Reinaldo Azevedo, escrevendo para uma coluna on-line da revista Veja, afirmou que "assim que Aquarius estrear no Brasil, o dever das pessoas de bem é boicotá-lo".[172] A frase foi incorporada pela distribuidora Vitrine Filmes a um dos pôsteres do longa-metragem, ao lado de avaliações positivas de grandes veículos de mídia, no que foi entendido por internautas como uma declaração silenciosa de que receber uma crítica negativa de Azevedo fosse algo bom.[173]

Manifestações nas salas de cinema[editar | editar código-fonte]

Ao término da primeira exibição de Aquarius para um grande público, no Festival de Gramado, ouviram-se diversas vaias de "Fora Temer" por parte dos espectadores.[174] A atitude foi replicada por pessoas em diversas salas de cinema do país ao longo da primeira semana de exibição do filme.[175][176][177] Jornalistas observaram que as controvérsias que precederam o lançamento do longa-metragem no país deram-lhe uma aura de "desobediência civil" ou ainda de "símbolo de resistência" para grupos contrários ao governo Temer,[178][179] mesmo que ele seja primariamente uma expressão artística, e não uma obra política.[16]

Classificação indicativa[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2016, Aquarius recebeu do Ministério da Justiça brasileiro uma classificação indicativa de 18 anos, sob alegação de que o material contém "situação sexual complexa".[180] A distribuidora Vitrine Filmes tentou reverter a decisão por meio de recurso, salientando que nos mais de sessenta países nos quais o longa-metragem será distribuído, apenas no Brasil ele recebeu a classificação máxima.[181] O recurso foi negado; segundo a decisão oficial, o pedido de "reconsideração" da classificação do filme para "não recomendado para menores de 16 anos" foi indeferido pois este apresenta "sexo explícito e drogas", não cumprindo os critérios da faixa etária sugerida pela Vitrine Filmes.[182]

A classificação 18 anos poderia restringir o público do filme, tendo em vista que número expressivo dos pagantes nos cinemas brasileiros possuem idade entre 15 e 19 anos, por exemplo.[181] Nos dias seguintes à divulgação da notícia, surgiram diversos protestos em redes sociais e comentários nos veículos de mídia nacional e internacional, com alguns questionando a decisão e vendo-a como represália por parte do então governo interino aos artistas que protestaram, em Cannes, contra o processo de impeachment de Dilma Rousseff.[174][183][184][185] A elevada classificação foi questionada pelo diretor Mendonça Filho, que argumentou que outras produções recentes com teor sexual muito maior ou com fortes cenas de violência receberam uma indicação mais branda.[185] Por fim, no dia da estreia de Aquarius, o Ministério da Justiça voltou atrás e optou por uma classificação 16 anos.[40] Em contraste, o filme foi classificado como livre para todas as idades na França.[186]

Comissão da Secretaria do Audiovisual[editar | editar código-fonte]

Anualmente, o Ministério da Cultura, através da Secretaria do Audiovisual, define um júri de profissionais ligados ao cinema que se encarregará de analisar os longas-metragens nacionais lançados no período e definir um que representará o país no crivo da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, buscando uma vaga na categoria de Melhor Filme Estrangeiro de sua premiação.[187] No início de agosto de 2016, o anúncio dos nove jurados que comporiam o grupo deste ano gerou nova polêmica, com críticas em fóruns especializados à escolha do jornalista Marcos Petrucelli para integrar a comissão. Isto se deve ao fato de Petrucelli, meses antes, haver atacado o ato da equipe de Aquarius em Cannes, além de acusá-la de ter usado verbas públicas para a viagem ao festival.[187][188]

Iniciou-se uma discussão sobre a legitimidade do colegiado, que uma vez somada à controvérsia da classificação indicativa, levou a um debate na mídia sobre uma possível "censura" ao filme por parte do governo interino.[185][189][190] Por consequência, em solidariedade a Aquarius, três cineastas anunciaram que retirariam a candidatura de seus respectivos filmes da disputa: Boi Neon, de Gabriel Mascaro; Mãe Só Há Uma, de Anna Muylaert; e Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba.[188] Petrucelli negou partidarismo, afirmando que escolheria o filme "com maior chance de representar o país numa possível disputa ao Oscar".[191] Por sua vez, o Ministério da Cultura afirmou que "a escolha [dos jurados] se deu após ouvidas entidades representativas do setor".[187]

Aquarius esteve entre os dezesseis pré-selecionados pelo Ministério da Cultura para representar o Brasil na disputa,[192] mas por fim Pequeno Segredo foi o longa-metragem escolhido para a função.[193] A cineasta Anna Muylaert que teve o seu longa Que Horas Ela Volta? escolhido como representante brasileiro no Oscar 2016, criticou a escolha deste ano, dizendo que Aquarius foi vítima de um "golpe".[194] Apesar disso, a distribuidora norte-americana Vitagraph Films iniciou em outubro uma campanha independente nos Estados Unidos visando obter uma indicação para Sônia Braga na categoria Melhor Atriz.[54] As publicações The Guardian e Vulture reconheceram a possibilidade de uma indicação para Braga, ainda que dificultada pela grande concorrência da competição no próximo ano,[195][196] enquanto a revista norte-america Variety observou a dificuldade de atores oriundos de filmes estrangeiros obterem no país uma distribuidora forte o suficiente para sustentar uma campanha capaz de chamar a atenção de votantes da Academia.[197]

Quando foram anunciados os 336 filmes elegíveis ao Oscar 2017, Aquarius não estava incluído na lista.[198] Um dia após o anúncio dos indicados, o jornal Folha de S.Paulo informou que a obra era ilegível ao Oscar, pois os seus produtores norte-americanos não haviam preenchido a ficha de inscrição do prêmio.[199] Em entrevista ao jornal O Globo, o diretor Mendonça Filho classificou como "lamentável" o fato de a Vitagraph Films não ter feito a inscrição.[200]

Legado para o Edifício Oceania[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2016, o Conselho de Preservação do Patrimônio Cultural de Pernambuco (CPPC-PE) decidiu, por unanimidade, reavaliar um pedido de tombamento do Edifício Oceania, principal locação de Aquarius — o pedido original fora feito em 2003 e negado em 2006. Esta decisão de reabertura atende uma solicitação do arquiteto Milton Botler, que utilizou o longa-metragem como um dos argumentos de reabertura do processo de preservação do prédio.[201] No mesmo mês, em entrevista ao portal UOL, ao comentar o assunto, o diretor Kleber Mendonça Filho afirmou: "Eu lembro de uma coisa no final da première de Aquarius, no [Cinema] São Luiz, no Recife, em 20 de agosto: [o secretário de Cultura de Pernambuco] Marcelino Granja se virou para mim, ainda com os créditos passando, e disse: esse filme acaba de tombar o Oceania".[202] Além disso, por causa da popularidade do filme, o prédio se transformou em um ponto turístico da cidade do Recife, sendo comum pessoas fazerem selfies em frente a ele.[203]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Hermsdorff, Renato (2 de setembro de 2016). «Aquarius: "Eu não tenho o menor interesse em fazer filmes 'de arte'", diz diretor». AdoroCinema. Consultado em 6 de setembro de 2016 
  2. a b c «"Aquarius" já faturou mais de US$ 2 milhões no Brasil e no mundo». Glamurama. 5 de dezembro de 2016. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  3. a b c Butcher, Pedro (17 de maio de 2016). «Brasileiro volta a exibir domínio absurdo do cinema em 'Aquariusa». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  4. a b c O2 PÓS (18 abril de 2016). «AQUARIUS - ESCOLHIDO PARA CANNES - NA O2 PÓS». O2 Filmes. Consultado em 31 de agosto de 2016 
  5. «Aquarius - Filme 2016». AdoroCinema. Consultado em 11 de maio de 2016 
  6. a b Pitanga, Filippo (23 de setembro de 2015). «Terminam No Recife As Filmagens De "Aquarius"». Consultado em 28 de agosto de 2016 
  7. a b c d e Oricchio, Luiz Zanin (1 de setembro de 2016). «Brilhante e polêmico, 'Aquarius' é um elogio à resistência». Consultado em 17 de setembro de 2016 
  8. a b Camila Moraes (2 de setembro de 2016). «Não ficarás indiferente a 'Aquarius'». EL PAÍS Brasil. Consultado em 7 de abril de 2017 
  9. a b c d Moraes, Eliana Robert (9 de outubro de 2016). «O fim da utopia hippie em "Aquarius"». Folha de S.Paulo. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  10. a b «"Aquarius", filme marcado por protesto em Cannes, ganha primeiro trailer». Gazeta do Povo. Consultado em 27 de julho de 2016 
  11. a b c Jansen, Roberta (20 de setembro de 2016). «'Houve retaliação a Aquarius', diz Kléber Mendonça Filho sobre Oscar». G1. Consultado em 20 de setembro de 2016 
  12. a b «AQUARIUS» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 28 de agosto de 2016 
  13. a b Presse, France (17 de maio de 2016). «Equipe de 'Aquarius' protesta em Cannes contra impeachment de Dilma». G1. Consultado em 17 de maio de 2016 
  14. a b Nogueira, Renata (22 de novembro de 2016). «Kleber Mendonça sobre "Aquarius" no Oscar independente: "Vamos aos poucos"». UOL. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  15. a b c d e «"Aquarius", finalmente em cartaz». Revista Continente. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  16. a b c d Fireman, Chico (29 de agosto de 2016). «Arte e política andam juntas em "Aquarius", mas polêmica não se justifica». UOL. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  17. a b c Cavani, Júlio (20 de agosto de 2016). «Filme pernambucano Aquarius retrata o Recife de forma afetiva e crítica». Diário de Pernambuco. Consultado em 28 de agosto de 2016 
  18. a b c Redação (23 de novembro de 2016). «Longa 'Aquarius' é lançado em DVD e Blu-ray». Jornal de Jundiaí. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  19. a b c Villaça, Pablo (17 de maio de 2016). «Aquarius». Cinema em Cena. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  20. Abraccine (17 de agosto de 2016). «Tempo de Aquarius». Abraccine. Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  21. a b c Sanches, Pedro Alexandre (5 de setembro de 2016). «A era de Aquarius». CartaCapital. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  22. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z Cavani, Júlio (17 de maio de 2016). «Primeiro filme pernambucano indicado à Palma de Ouro, Aquarius estreia nesta terça em Cannes». Diário de Pernambuco. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  23. Cruz, Felipe Branco (13 de setembro de 2016). «Na corrida pelo Oscar, "Pequeno Segredo" captou quatro milhões de reais em incentivos». UOL. Consultado em 21 de setembro de 2016 
  24. Barros, Ernesto (8 de agosto de 2016). «Filmagens de Aquarius agitam o centro do Recife». UOL. Consultado em 28 de agosto de 2016 
  25. «Histórias dos figurantes e espectadores das filmagens de Aquarius nas ruas do Recife». Diário de Pernambuco. 26 de agosto de 2016. Consultado em 28 de agosto de 2016 
  26. Estarque, Thays (14 de abril de 2016). «Diretor de 'Aquarius' diz estar nervoso com indicação para Cannes». G1. Consultado em 8 de outubro de 2016 
  27. a b Monetti, Tino (12 de setembro de 2016). «"Estou inteirinha lá": uma entrevista com Sonia Braga sobre 'Aquarius'». Vice. Consultado em 15 de setembro de 2016 
  28. a b Bernardes, Marcelo (28 de agosto de 2016). «Aos 66, Sonia Braga diz que 'Aquarius' a fez se sentir adolescente de novo». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de setembro de 2016 
  29. Barros, Ernesto (8 de julho de 2015). «Sônia Braga se apaixona por personagem de Aquarius, o novo filme de Kleber Mendonça Filho». Jornal do Comércio. Consultado em 13 de outubro de 2016 
  30. a b «Jornais franceses repercutem estreia de 'Aquarius' na França nesta quarta». Folha de S.Paulo. 28 de setembro de 2016. Consultado em 8 de outubro de 2016 
  31. Pinheiro, Marcelo (1 de setembro de 2016). «Sob o signo de Aquarius». Brasileiros. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  32. a b Rodrigues, Tais (27 de setembro de 2016). «Em palestra, Kleber Mendonça Filho fala sobre sexo, política e racismo». Metrópoles. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  33. Dias, Tiago (6 de setembro de 2016). «Taiguara, Queen e até Roberto Carlos giram na vitrola de "Aquarius"». UOL. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  34. Justo, Marcelo (17 de setembro de 2016). «Trilha do filme "Aquarius" ganha versão em K7». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  35. Boldrini, Thayse (25 de setembro de 2016). «Trilha do filme "Aquarius" ganha versão em K7». Pernambuco.com. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  36. Rafael, Romero (29 de agosto de 2016). «Trilha sonora de "Aquarius" está em playlist do Spotify». UOL. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  37. a b «Lançamento de "Aquarius" em Cannes é marcado por protesto contra Temer e o impeachment». Zero Hora. 17 de maio de 2016. Consultado em 19 de maio de 2016 
  38. Redação (16 de Agosto de 2016). «Ingressos para a pré-estreia de Aquarius começam a ser vendidos às 16h nesta terça». Diário de Pernambuco. Consultado em 11 de setembro de 2016 
  39. Fraga, Raffaela (26 de agosto de 2016). «Sônia Braga é homenageada em exibição de 'Aquarius' em Gramado». G1. Consultado em 6 de setembro de 2016 
  40. a b Redação (1 de setembro de 2016). «Justiça volta atrás e reduz classificação de "Aquarius" para 16 anos». UOL. Consultado em 6 de setembro de 2016 
  41. a b Genestreti, Guilherme (5 de setembro de 2016). «Visto por 54 mil pessoas, 'Aquarius' tem 2.ª melhor estreia nacional do ano». Folha de S.Paulo. Consultado em 5 de setembro de 2016 
  42. a b c Redação (8 de setembro de 2016). «Aquarius expande circuito para 110 salas no Brasil». Folha de Pernambuco. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  43. Redação (9 de setembro de 2016). «Filme 'Aquarius' atinge 100 mil espectadores em uma semana». Notícias ao Minuto. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  44. Redação (12 de setembro de 2016). «Em onze dias, 'Aquarius' leva 150 mil pessoas aos cinemas». Veja. Consultado em 13 de setembro de 2016 
  45. Redação (19 de setembro de 2016). «Pets segue na liderança e Bruxa de Blair estreia em segundo». Omelete. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  46. Fernandes, Eduarda (21 de setembro de 2016). «Aquarius já é a maior bilheteria da história do cinema pernambucano». Diário de Pernambuco. Consultado em 21 de setembro de 2016 
  47. Perrone, Marcelo (31 de dezembro de 2016). «"Aquarius" é o filme do ano?». Zero Hora. Consultado em 29 de janeiro de 2016 
  48. Mendes, Taiani (31 de maio de 2016). «Após ser elogiado em Cannes, Aquarius é vendido para mais de 50 países e será exibido na Netflix no exterior». AdoroCinema. Consultado em 30 de agosto de 2016 
  49. a b Bardot, Nicolas (6 de outubro de 2016). «BOX-OFFICE FRANCE: "Radin" millionnaire, "Aquarius" se distingue, flop pour le Pape François» (em francês). FilmDeCulte. Consultado em 20 de outubro de 2016 
  50. Torres, Rodrigo (26 de setembro de 2016). «Aquarius será o primeiro filme exibido em novo formato digital na França». AdoroCinema. Consultado em 8 de outubro de 2016 
  51. Giardina, Carolyn (26 de setembro de 2016). «Aquarius' Mastered in EclairColor HDR Digital Cinema Format» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 8 de outubro de 2016 
  52. Tolipan, Heloisa. «Na França, "Aquarius" é visto por mais de 40 mil pessoas no fim de semana de estreia». Jornal do Brasil. Consultado em 8 de outubro de 2016 
  53. «Aquarius (2016) - JP's Box-Office» (em francês). Consultado em 13 de outubro de 2016 
  54. a b Aftab, Kaleem (25 de setembro de 2016). «'Aquarius' US distributor to launch Oscar campaign after Brazil snub» (em inglês). Screen Daily. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  55. Redazione (16 de novembro de 2016). «Aquarius – Rivelato il trailer italiano del film di Kleber Mendonça Filho» (em italiano). Cinematographe. Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  56. «Miss Peregrine – La casa dei ragazzi speciali e Poveri ma ricchi completano il podio». Consultado em 19 de Dezembro de 2016 
  57. «'Rogue One' senza rivali, Star Wars si prende la vetta del Box Office» (em italiano). Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  58. «Los estrenos de enero que calentarán la pantalla grande» (em espanhol). Tiempo de San Juan. 25 de dezembro de 2016. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  59. Batlle, Diego (9 de janeiro de 2017). «Sólido arranque de "Sing ¡Ven y canta!" en una taquilla muy renovada» (em espanhol). Otros Cines. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  60. Batlle, Diego (3 de fevereiro de 2017). «Un buen balance para la taquilla argentina en el primer mes del año» (em espanhol). La Nación. Consultado em 5 de fevereiro de 2017 
  61. «Aquarius (2016) - Financial Information - The Numbers» (em inglês). The Numbers. Consultado em 1 de abril de 2017 
  62. «Longa 'Aquarius' estreia no Telecine em janeiro». O DIA. 16 de dezembro de 2016. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  63. «Imperdível: assista "Aquarius" dia 11/04». Canal Brasil. 21 de março de 2017. Consultado em 8 de abril de 2017 
  64. Vergílio, Piero (21 de dezembro de 2016). «Globo anuncia alguns de seus filmes para 2017; "Frozen" chega à TV aberta». RD1. Consultado em 17 de janeiro de 2017 
  65. a b c Prysthon, Ângela (17 de agosto de 2016). «Clara e a resistência». Revista Continente. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  66. Moraes, Camila (28 de abril de 2016). «Kleber Mendonça: "Sucesso não é ter 2 milhões de espectadores e nada mais"». El País Brasil. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  67. Dias, Tiago (1 de setembro de 2016). «"Aquarius", idealizado há dois anos, captou no ar processo de impeachment». UOL. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  68. a b c Victor, Fabio (30 de setembro de 2016). «O Recife é metade roubado ao mar, metade à especulação». Folha de S.Paulo. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  69. O Globo (4 de janeiro de 2016). «'Cahiers du cinema' coloca filme brasileiro entre os mais esperados do ano». O Globo. Consultado em 11 de maio de 2016 
  70. Regnier, Isabelle (18 de maio de 2016). «« Aquarius » : face aux flots amnésiques, un récif d'art et de musique» (em francês). Le Monde. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  71. Carmelo, Bruno (18 de maio de 2016). «Festival de Cannes 2016: Descubra o que os críticos estão dizendo sobre o filme brasileiro Aquarius». AdoroCinema. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  72. «Críticas Imprensa». AdoroCinema. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  73. Russo, Francisco. «Críticas AdoroCinema do filme Aquarius». AdoroCinema. Consultado em 30 de julho de 2016 
  74. «AQUARIUS» (em inglês). Metacritic. Consultado em 28 de agosto de 2016 
  75. Dietz, Jason (4 de janeiro de 2017). «The Best Movies of 2016» (em inglês). Metacritic. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  76. «Aquarius (2016)» (em inglês). IMDB. Consultado em 28 de agosto de 2016 
  77. Bradshaw, Peter (17 de maio de 2016). «Aquarius review: rich and mysterious Brazilian story of societal disintegration» (em inglês). The Guardian. Consultado em 30 de Julho de 2016 
  78. Weissberg, Jay (17 de maio de 2016). «Cannes Film Review: 'Aquarius'» (em inglês). Variety. Consultado em 30 de julho de 2016 
  79. Collin, Robbie (17 de maio de 2016). «Cannes 2016: Aquarius will make you want to move to Brazil - review» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 30 de novembro de 2016 
  80. Batlle, Diego (3 de janeiro de 2017). «Crítica de "Aquarius", de Kleber Mendonça Filho, con Sonia Braga» (em espanhol). Otros Cines. Consultado em 14 de janeiro de 2017 
  81. Schenck, Laurent (1 de outubro de 2016). «Les 3 meilleurs films de la semaine selon la presse (28.09.2016)» (em francês). AlloCiné. Consultado em 13 de outubro de 2016 
  82. Fear, David (12 de dezembro de 2016). «25 Best Movie Performances of 2016» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  83. Kupecki, Josh (30 de dezembro de 2016). «Josh Kupecki's Top 10 Films of 2016» (em inglês). The Austin Chronicle. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  84. «FILM POLL 2016 - ACTRESS» (em inglês). The Village Voice. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  85. THR Staff (17 de dezembro de 2016). «Critics' Picks: The 25 Best Film Performances of 2016» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  86. Staff (15 de dezembro de 2016). «The 25 Best Film Performances of 2016» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  87. Kramer, Gary (18 de dezembro de 2016). «Best women: The 10 best actresses of 2016» (em inglês). Salon. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  88. Greene, Steve (19 de dezembro de 2016). «2016 IndieWire Critics Poll: Full List of Results» (em inglês). IndieWire. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  89. Narbonne, Christophe (29 de dezembro de 2016). «Le top 10 des meilleurs films de 2016» (em francês). Premiere. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  90. a b Deruisseau, Bruno (3 de janeiro de 2017). «Vous avez voté pour le meilleur film, le meilleur acteur et la meilleure actrice de 2016 (et vous avez bon goût)» (em francês). Les Inrocks. Consultado em 4 de janeiro de 2017 
  91. «Da Hanks a Portman, i migliori interpreti del 2016. FOTO» (em italiano). Sky Tg24. Consultado em 2 de janeiro de 2017 
  92. Glioche, Reinaldo (27 de dezembro de 2016). «As dez melhores atuações femininas do cinema em 2016». iG. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  93. Debruge, Peter (29 de novembro de 2016). «Variety Names 10 Directors to Watch for 2016» (em inglês). Variety. Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  94. «Film Studies Students Pick Their Top Films of 2016» (em inglês). National Film and Television School. Consultado em 5 de fevereiro de 2017 
  95. «"Aquarius" e "Elle" são eleitos os melhores filmes de 2016 pela Abraccine». Zero Hora. 16 de janeiro de 2017. Consultado em 16 de janeiro de 2017 
  96. La rédacion (27 de dezembro de 2016). «Le top 10 des meilleurs films de 2016» (em francês). Premiere. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  97. Horton, Robert (21 de dezembro de 2016). «The Year's Finest Films» (em inglês). Seattle Weekly. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  98. Benderitter, Antoine. «Palmarès Ciné 2016» (em francês). Il était une fois le cinéma. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  99. «Os 10 melhores filmes brasileiros de 2016». O Estado de S. Paulo. 16 de dezembro de 2016. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  100. «Júri elege 'Aquarius' o melhor filme nacional; público indica 'Elis'». Folha de S.Paulo. 30 de dezembro de 2016. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  101. Redação (26 de dezembro de 2016). «Os melhores e os piores filmes de 2016». Observatório do Cinema. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  102. «Associação de Críticos de Cinema do Pará elege Aquarius como o Melhor Filme de 2016». Papo de Cinema. 2 de janeiro de 2017. Consultado em 3 de janeiro de 2017 
  103. Carmelo, Bruno (18 de dezembro de 2016). «Os melhores filmes de 2016 segundo a redação do AdoroCinema». AdoroCinema. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  104. Medeiros, Wilker (26 de dezembro de 2016). «Os Melhores Filmes de 2016». Cine POP. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  105. Rosso, Jason Di (16 de dezembro de 2016). «Top 5 movies of 2016, chosen by RN's film critic» (em inglês). ABC Radio Australia. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  106. Villaça, Pablo. «2016 em Números e Estrelas». Cinema em Cena. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  107. Koza, Roger (26 de dezembro de 2016). «LA INTERNACIONAL CINÉFILA 2016: LAS MEJORES PELÍCULAS DEL AÑO» (em espanhol). La Internacional Cinéfila. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  108. Le Monde (30 de dezembro de 2016). «2016 au cinéma: les films préférés des critiques du « Monde » En savoir plus sur» (em francês). Le Monde. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  109. Redação (23 de dezembro de 2016). «Top 10 de la rédaction» (em francês). Les Fiches du Cinéma. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  110. «Las mejores películas latinoamericanas de 2016» (em espanhol). El País. 24 de dezembro de 2016. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  111. Watkins, Andre (13 de fevereiro de 2016). «The 15 Best Foreign Language Films of 2016» (em inglês). Taste of Cinema. Consultado em 15 de fevereiro de 2016 
  112. «Top Ten 2016 des Cahiers du Cinéma» (em francês). Cahiers du Cinéma. 29 de novembro de 2016. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  113. Lehnemann, Andrey (29 de dezembro de 2016). «Lista: Quais são os melhores filmes de 2016». Diário Catarinense. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  114. Marshall, Lee (13 de dezembro de 2016). «Films of the Year 2016: Lee Marshall» (em inglês). Screen Daily. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  115. a b AlloCiné (10 de dezembro de 2016). «Kubo, Elle, The Revenant : les meilleurs films 2016 selon AlloCiné» (em francês). AlloCiné. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  116. Travis, Scott (3 de janeiro de 2017). «The 30 Best Movies of 2016» (em inglês). Taste of Cinema. Consultado em 15 de fevereiro de 2017 
  117. a b Dargis, Manohla; Scott, A. O. & Holden, Stephen (7 de dezembro de 2016). «The Best Movies of 2016» (em inglês). The New York Times. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  118. Simon, Nathalie; Etienne, Sorin & Tranchant, Marie-Noëlle (17 de dezembro de 2016). «De Carol à Manchester by the Sea, nos 10 meilleurs films de 2016» (em francês). Le Figaro. Consultado em 20 de dezembro de 2016 
  119. Prado, Carol & Souto, Cesar (21 de dezembro de 2016). «Top 10 do cinema em 2016 tem 'Deadpool', 'Aquarius' e 'A chegada'». G1. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  120. Fernando, Gustavo (15 de dezembro de 2016). «Veja a lista dos melhores e piores filmes exibidos em 2016». Folha Vitória. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  121. Film Commentdata=18 de dezembro de 2016. «Best Films of 2016» (em inglês). Film Comment. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  122. Kupecki, Josh (30 de dezembro de 2016). «Top 10 Movies of 2016» (em ingl̃es). The Austin Chronicle. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  123. Powers, John (13 de dezembro de 2016). «It's Official—These Are the 10 Best Movies of 2016» (em inglês). Vogue. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  124. THR Staff (19 de dezembro de 2016). «Critics' Picks: The 10 Best Foreign-Language Films of 2016» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  125. Sight & Sound contributors (28 de novembro de 2016). «Best filmes of 2016...» (em inglês). Sight & Sound. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  126. IndieWire Staff (22 de dezembro de 2016). «The 50 Best Films of 2016» (em inglês). IndieWire. Consultado em 22 de dezembro de 2016 
  127. Finco, Nina (29 de dezembro de 2016). «Os Melhores Filmes de 2016». Revista Época. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  128. «MELHORES DO ANO - 2016». Associação de Criticos de Cinema do Rio de Janeiro. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  129. a b Genestreti, Guilherme (14 de abril de 2016). «'Aquarius', filme com Sonia Braga, é indicado à Palma de Ouro em Cannes». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de maio de 2016 
  130. Almeida, Carlos Helíde (22 de maio de 2016). «'Aquarius' sai sem prêmio do Festival de Cannes». O Globo. Consultado em 21 de junho de 2016 
  131. RFI (20 de maio de 2016). «'Espaço LGBT no cinema vai crescer', diz jurado brasileiro da Queer Palm em Cannes». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de junho de 2016 
  132. Klashorst, Marc van de (22 de maio de 2016). «ICS Cannes Awards 2016» (em inglês). International Cinephile Society Awards. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  133. «JAMESON CINEFEST 2016 INTERNATIONAL COMPETITION» (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  134. «Aquarius - Fievent.com» (em inglês). Fievent.com. 6 de novembro de 2016. Consultado em 10 de dezembro de 2016 
  135. «'Aquarius', de Kleber Mendonça, leva principal prêmio do Festival de Sydney». Folha de S.Paulo. 20 de junho de 2016. Consultado em 21 de junho de 2016 
  136. Viver/Diário (30 de junho de 2016). «Filme pernambucano Aquarius vence festival na Polônia». Diario de Pernambuco. Consultado em 2 de julho de 2016 
  137. Guerra, Fernanda (28 de outubro de 2016). «Aquarius chega a plataformas sob demanda em novembro». Diário de Pernambuco. Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  138. Caras Online (15 de agosto de 2016). «Na mira do Oscar, Sonia Braga ganha mais um prêmio por sua atuação em 'Aquarius». Caras. Consultado em 17 de agosto de 2016 
  139. «Sônia Braga, "Aquarius" e "Boi Neon" são premiados no Festival de Cinema de Lima». Jornal Correio do Povo. 15 de outubro de 2016. Consultado em 17 de agosto de 2016 
  140. G1 (28 de agosto de 2016). «'Aquarius' ganha o prêmio de melhor filme em festival de Amsterdã». G1. Consultado em 28 de agosto de 2016 
  141. Barros, Ernesto (19 de junho de 2016). «Dia do Cinema Brasileiro em festa com prêmio para Aquarius». UOL. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  142. «AQUARIUS - International Feature Film / Competition». Zurich Film Festival. Consultado em 2 de Outubro de 2016 
  143. Communications (13 de setembro de 2016). «Olivier Assayas honored at the Zurich Film Festival» (em francês). Unifrance. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  144. Constans, Marie-Eve (2 de outubro de 2016). «Festival Biarritz : Après la polémique, le film Aquarius enfin titré» (em francês). France3. Consultado em 2 de outubro de 2016 
  145. «Ya están a la venta las entradas para el Festival de Cine de Mar del Plata» (em espanhol). La Capital de Mar Del Plata. 15 de novembro de 2016. Consultado em 16 de novembro de 2016 
  146. Cine Set (27 de novembro de 2016). «'Aquarius' recebe dois prêmios no Festival de Mar del Plata». Cine Set. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  147. «Mar del Plata 2016: Todos los premios del festival» (em espanhol). Otros Cines. 26 de novembro de 2016. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  148. Gárciga, Thaís. «Premios Colaterales para el Cine Latinoamericano» (em espanhol). Festival de Havana. Consultado em 17 de dezembro de 2016 
  149. «Sonia Braga leva prêmio de melhor atriz por 'Aquarius' no Festival de Havana». Jornal do Brasil. 17 de dezembro de 2016. Consultado em 17 de dezembro de 2016 
  150. «'Aquarius', 'Velho Chico', Rita Lee e Montagner levam prêmios da APCA». Folha de S.Paulo. 1 de dezembro de 2016. Consultado em 1 de dezembro de 2016 
  151. Beauregard, Luis Pablo (9 de dezembro de 2016). «'Aquarius' sai consagrado de premiação do cinema ibero-americano». El País. Consultado em 5 de fevereiro de 2017 
  152. «San Diego Film Critics Society's 2016 Award Winners» (em inglês). San Diego Film Critics Society. 12 de dezembro de 2016. Consultado em 12 de dezembro de 2016 
  153. Newcott, Bill (13 de dezembro de 2016). «Movies for Grownups 2016 Awards Nominees» (em inglês). AARP. Consultado em 19 de dezembro de 2016 
  154. Jurgensen, Gauthier (31 de janeiro de 2017). «Prix SFCC 2017 : Elle, Aquarius, Le Bureau des légendes… Découvrez les lauréats !» (em francês). AlloCiné. Consultado em 1 de fevereiro de 2017 
  155. «Le fils de Saul (Saul fia) remporte le prix AQCC du meilleur long métrage international 2016» (em francês). Association québécoise des critiques de cinéma. 5 de fevereiro de 2017. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  156. Stevens, Beth (6 de fevereiro de 2017). «2017 ICS Award Nominees» (em inglês). International Cinephile Society. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  157. Stevens, Beth (19 de fevereiro de 2017). «2017 ICS Award Winners» (em inglês). International Cinephile Society. Consultado em 22 de fevereiro de 2017 
  158. «"Aquarius" perde, e "Daniel Blake" leva César francês de filme estrangeiro». UOL. 25 de fevereiro de 2017. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  159. Nordyke, Kimberly (26 de fevereiro de 2017). «Spirit Awards: The Complete Winners List» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 26 de fevereiro de 2017 
  160. Goldstein, Meredith (30 de janeiro de 2017). «The Chlotrudis Society announces its nominees» (em inglês). The Boston Globe. Consultado em 4 de fevereiro de 2017 
  161. «Os eleitos - Revista Bravo!». Bravo!. 31 de março de 2017. Consultado em 31 de março de 2017 
  162. Sobota, Guilherme (7 de março de 2017). «'Aquarius' leva prêmio internacional do Festival de Cinema de Cartagena». O Estado de S. Paulo. Consultado em 31 de março de 2017 
  163. «The DFCC Awards at the Audi Dublin International Film Festival» (em inglês). The Irish Times. 26 de fevereiro de 2017. Consultado em 31 de março de 2017 
  164. Carmelo, Bruno (6 de abril de 2017). «Aquarius vence oito prêmios no 43º Festival Sesc Melhores Filmes». AdoroCinema. Consultado em 8 de abril de 2017 
  165. «"Aquarius" vence Festival de Cinema do Panamá». Zero Hora. 6 de abril de 2017. Consultado em 8 de abril de 2017 
  166. «Prêmio ABC 2017 - Vencedores». Associação Brasileira de Cinematografia. Consultado em 30 de maio de 2017 
  167. «Prêmio ABC 2017 - Filmes mais votados». Associação Brasileira de Cinematografia. Consultado em 30 de maio de 2017 
  168. «1º Prêmio ABRA de Roteiro». Associação Brasileira de Autores Roteiristas. Consultado em 15 de julho de 2017 
  169. «Nominadas IV Edición» (em espanhol). Premios PLATINO del Cine Iberoamericano. Consultado em 31 de maio de 2017 
  170. «Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2017 anuncia indicados; veja a lista». G1. 13 de julho de 2017. Consultado em 15 de Julho de 2017 
  171. «Após protesto em Cannes, alguns internautas propõem boicote ao filme pernambucano Aquarius». Diário de Pernambuco. Consultado em 25 de agosto de 2016 
  172. Azevedo, Reinaldo (18 de maio de 2016). «Assim que "Aquarius" estrear no Brasil, o dever das pessoas de bem é boicotá-lo. Que os esquerdistas garantam a bilheteria». Veja. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  173. Redação (6 de setembro de 2016). «Aquarius provoca Reinaldo Azevedo, que responde em seu blog». UOL. Consultado em 26 de setembro de 2016 
  174. a b Mango, Agustín (27 de agosto de 2016). «'Aquarius' Political Controversy Clouds Brazil's Oscar Submission» (em inglês). IndieWire. Consultado em 10 setembro de 2016 
  175. Redação (5 de setembro de 2016). «"Aquarius", com Sonia Braga, bate 100 mil espectadores em uma semana». UOL. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  176. Silva, Paulo Henrique (6 de setembro de 2016). «Público de BH se manifesta em sessões de 'Aquarius'». Hoje em Dia. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  177. Redação (1 de setembro de 2016). «Sessão de "Aquarius" no São Luiz termina com gritos de "Fora Temer"». Folha de Pernambuco. Consultado em 10 de setembro de 2016 
  178. Redação (5 de setembro de 2016). «'Aquarius' se torna símbolo de resistência do mundo artístico contra Michel Temer». IstoÉ. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  179. Venceslau, Pedro (5 de setembro de 2016). «Aquarius e a desobediência civil na sala de cinema». Estadão. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  180. Redação do ZH (23 de agosto de 2016). «Filme "Aquarius" recebe classificação indicativa polêmica». Zero Hora. Consultado em 24 de agosto de 2016 
  181. a b Nogueira, Amanda (23 de agosto de 2016). «Em nova polêmica, 'Aquarius' recebe classificação indicativa de 18 anos». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  182. Macedo, Alessandra Xavier Nunes (22 de agosto de 2016). «Página 55• Seção 1• 22/08/2016• DOU». Diário Oficial da União. Jus Brasil. Consultado em 24 de agosto de 2016 
  183. Macedo, Nathali (23 de agosto de 2016). «Estaria Aquarius sendo boicotado pelo Ministério da Justiça?». Diário do Centro do Mundo. Consultado em 24 de agosto de 2016 
  184. Dore, Shalini; Fuente, Anna Marie de la & Tapley, Kristopher (26 de agosto de 2016). «'Oscars: Controversy Erupts Over Brazilian Film 'Aquarius'» (em inglês). Variety. Consultado em 10 setembro de 2016 
  185. a b c Fonseca, Rodrigo (25 de agosto de 2016). «Quais as consequências da polêmica censura de 18 anos recebida pelo filme». Omelete. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  186. Marafon, Renato (7 de setembro de 2016). «'Aquarius' recebe classificação indicativa LIVRE na França». CinePOP Cinema. Consultado em 8 de outubro de 2016 
  187. a b c Genestreti, Guilherme (19 de agosto de 2016). «Comissão brasileira do Oscar nega partidarização em escolha de indicação». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  188. a b Redação (26 de agosto de 2016). «Diretor de "Para Minha Amada Morta" retira filme da disputa ao Oscar». UOL. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  189. Medeiros, Jotabê (24 de agosto de 2016). «A censura que não ousa dizer seu nome». CartaCapital. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  190. Azevedo, Dodô (24 de agosto de 2016). «A quem interessa tentar censurar Aquarius?». G1. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  191. Petrucelli, Marcos (11 de agosto de 2016). «E o Oscar vai para... o melhor filme brasileiro com chance real». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de agosto de 2016 
  192. Assessoria de Comunicação (5 de setembro de 2016). «Dezesseis filmes disputam indicação nacional ao Oscar 2017». Ministério da Cultura. Consultado em 5 de setembro de 2016 
  193. Assessoria de Comunicação (12 de setembro de 2016). «Cultura divulga representante brasileiro na disputa ao Oscar». Ministério da Cultura. Consultado em 12 de setembro de 2016 
  194. Plasse, Marcel (12 de setembro de 2016). «Anna Muylaert chama de "golpe" e ridiculariza seleção de Pequeno Segredo para o Oscar 2017». Pipoca Moderna. Consultado em 18 de fevereiro de 2017 
  195. Smith, Nigel M (25 de novembro de 2016). «Oscars 2017: 11 female performances too good to be overlooked» (em inglês). The Guardian. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  196. Buchanan, Kyle (5 de setembro de 2016). «The Unsettled, Unsettling Oscars» (em inglês). Vulture. Consultado em 28 de novembro de 2016 
  197. Lodge, Guy (6 de janeiro de 2017). «Awards Voters Should Dig Deeper to Reward Performances Outside of Mainstream» (em inglês). Variety. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  198. Kilday, Gregg (21 de dezembro de 2016). «Oscars: 336 Feature Films Qualify for Consideration» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  199. Bernardes, Marcelo (25 de janeiro de 2017). «Distribuidor deixou 'Aquarius' de fora da corrida do Oscar». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  200. Ristow, Fabiano (26 de janeiro de 2017). «'Aquarius' não foi inscrito no Oscar, e diretor lamenta: 'Não temos o motivo'». O Globo. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  201. «Após Aquarius, Edifício Oceania pode se tornar patrimônio». UOL. 20 de outubro de 2016. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  202. Araújo, Mateus (20 de outubro de 2016). «Prédio onde foi filmado "Aquarius" pode ser tombado como patrimônio de PE». UOL. Consultado em 16 de dezembro de 2016 
  203. Guimarães, Cleo (28 de julho de 2016). «Prédio do Recife vira ponto de selfie por causa de filme com Sônia Braga». O Globo. Consultado em 16 de dezembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]