Lince-ibérico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cerval)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaLince-ibérico [1]
Linces19.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Mammalia
Subclasse: Eutheria
Ordem: Carnivora
Subordem: Feliformia
Família: Felidae
Subfamília: Felinae
Género: Lynx
Espécie: L. pardinus
Nome binomial
Lynx pardinus
(Temminck , 1827)
Distribuição geográfica
Distribuição em 1980
Distribuição em 1980
Distribuição em 2003
Distribuição em 2003
Sinónimos
pardella (Miller, 1907)

O lince-ibérico (nome científico: Lynx pardinus) é uma espécie de mamífero da família Felidae e género Lynx. Anteriormente considerado uma subespécie do lince-euroasiático (Lynx lynx), o lince-ibérico está agora classificado como espécie separada. Ambas as espécies percorriam juntas a Europa central durante o período Pleistoceno, separadas apenas por escolhas de habitat. Acredita-se que o lince-ibérico, assim como os outros linces, evoluiu a partir do Lynx issiodorensis.

Apresenta muitas das características típicas dos linces, como orelhas peludas, pernas longas, cauda curta e um colar de pelo que se assemelha a uma barba. Ao contrário dos seus parentes mais próximos, o lince-ibérico tem uma cor castanho-amarelada com manchas. O comprimento da cabeça e do corpo é de 85 a 110 centímetros, com a pequena cauda a acrescentar um comprimento adicional de 12 a 30 centímetros. O macho é maior que a fêmea e podem pesar até cerca de 27 kg. A longevidade máxima na natureza é de treze anos.

Endémico da Península Ibérica, no sul da Europa, o lince-ibérico é especialista na caça de coelhos, os quais representam 79,5% a 86,7% da sua dieta, com fraca capacidade de se adaptar a outro tipo de alimentação. Um macho necessita de um coelho por dia; uma fêmea grávida come três coelhos por dia. A queda acentuada das populações da sua principal fonte de alimento, em resultado de duas doenças, contribuiu para o declínio do felino. O lince também foi afectado pela perda de matagal, o seu habitat principal, pelo desenvolvimento humano, incluindo mudanças no uso do solo (como o mono-cultivo de árvores) e pela construção de barragens e estradas. Os atropelamentos com veículos são a principal causa de morte não-natural do lince-ibérico.

O lince-ibérico foi uma espécie em perigo crítico até 2015, para agora ser considerada uma espécie em perigo.[2] Ainda assim, é a espécie de felino mais ameaçada no mundo e o carnívoro em maior perigo na Europa. De acordo com o grupo de conservação SOS Lynx, se o lince-ibérico desaparecesse, seria a primeira espécie de felino a ficar extinta desde os tempos pré-históricos.[3] Está categorizado como espécie em perigo por várias organizações, incluindo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).[2] A reprodução em cativeiro e os programas de reintrodução têm aumentado o seu número. Em 2013, a Andaluzia tinha uma população de 309 indivíduos em estado selvagem e em Dezembro de 2014 foram reintroduzidos os primeiros exemplares em Portugal, com previsões para mais reintroduções durante o primeiro semestre de 2015. Numa tentativa de salvar esta espécie da extinção, teve início o projecto Europeu de Vida Natural que inclui a preservação do habitat, monitorização da população do lince, e gestão das populações de coelho.

Taxonomia e evolução[editar | editar código-fonte]

Relações filogenéticas do lince-ibérico.[4]


Leopardus





Lynx rufus - lince-pardo




Lynx canadensis - lince-canadense




Lynx lynx - lince-euroasiático



Lynx pardinus - lince-ibérico








Puma



Acinonyx





Felis




Otocolobus manul



Prionailurus







Filogenia inferida a partir de estudos citogenéticos e moleculares.

O lince-ibérico foi descrito em 1827 por Coenraad Jacob Temminck, inicialmente no género Felis.[1] Já foi considerado uma subespécie do lince-euroasiático (Lynx lynx), mas estudos morfológicos e genéticos corroboram a hipótese de ser uma espécie separada.[2] Não são conhecidas subespécies do lince-ibérico.[1]

A linhagem dos linces divergiu da dos outros felídeos há cerca de 7,2 milhões de anos.[4] O género Lynx começou a diversificar-se há cerca de 3,24 milhões de anos, e o lince-ibérico separou-se do lince-euroasiático há cerca de 1,18 milhão de anos.[4]

Segundo Werdelin (1981), os linces evoluíram a partir do Lynx issiodorensis.[5] O lince-ibérico e o lince euroasiático eram endémicos da Europa Central durante o Pleistoceno. O isolamento do ancestral comum entre essas duas espécies, no sul da Península Ibérica em refúgios na Era do Gelo, culminou no surgimento do lince-ibérico, resultado de uma diminuição do porte desta espécie.[6] Tal diminuição no tamanho é observada no registo fóssil e provavelmente deu-se pela especialização do felídeo em caçar coelhos.[6]

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

Até ao século XIX, o lince-ibérico encontrava-se distribuído por toda a Península Ibérica, excepto ao longo de uma estreita faixa no norte e noroeste peninsular.[6] O registo fóssil aponta para uma distribuição muito mais ampla do lince-ibérico no fim do Pleistoceno, ocorrendo numa área de até 650 000 km² que se prolongava até ao sul da França.[6] Por volta de 1950, a sua distribuição foi dividida em duas populações; uma nortenha, desde a Galiza e partes do norte de Portugal estendendo-se até ao Mediterrâneo, e a população sulista, em várias zonas de Espanha.[6][7] Estima-se que houve uma regressão de cerca de 80% na área de distribuição entre 1960 e 1990, tendência que se manteve até à actualidade. Na década de oitenta, a espécie apresentava uma distribuição localizada na zona central e sudoeste da Península Ibérica, com uma área de distribuição estimada em 11 000 km².[6][8][9]

Actualmente, a distribuição do lince pode estar restrita a duas áreas na Península Ibérica onde existem populações reprodutoras – Doñana e Andújar-Cardeña. Poderá também existir presença residual de indivíduos nas regiões dos Montes Toledo Oriental, Sistema central Ocidental e algumas áreas da Serra Morena. Mantêm-se populações estáveis em cerca de 350 km², constatando-se reprodução somente em 14000 ha.[9]

Este felino prefere um ambiente heterogéneo de pastagem aberto, com arbustos densos como o medronheiro, a aroeira e zimbros, e árvores como a azinheira e o sobreiro. Está agora em grande parte restrito a áreas montanhosas, com apenas alguns grupos encontrados na floresta de várzea ou em densos matagais maquis.[10][11][12] No Parque Nacional de Doñana, prefere a floresta mediterrânea de bosques e arbustos, na maior parte das vezes, associada a algum curso de água.[13] Geralmente, evita plantações de Pinus e Eucalyptus.[13]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Um espécime no Parque Nacional de Doñana.

O lince-ibérico apresenta muitas das características típicas dos linces, como orelhas peludas, pernas longas, cauda curta e um colar de pelo que se assemelha a uma barba.[14] Ao contrário dos seus parentes euroasiáticos, o lince-ibérico tem uma cor castanho-amarelada com manchas.[15] O pelo também é mais curto que o de outros linces, que geralmente estão adaptados a ambientes mais frios.[16] Algumas populações ocidentais não tinham manchas, no entanto acredita-se estarem extintas.[14] Geralmente as manchas têm uma cor mais intensa durante os meses do Verão.[17] Tem havido recentemente estudos sobre a configuração das manchas e a determinação do grau de diversidade genética dentro da espécie.[11]

A cabeça e o corpo medem de 85 a 110 centímetros, com a pequena cauda a acrescentar um comprimento adicional de 12 a 30 centímetros. O tamanho dos ombros é de 60 a 70 centímetros). O macho é maior e mais pesado que a fêmea; estes apresentam um peso médio de 12,9 kg e um máximo de 26,8 kg, enquanto que as fêmeas apresentam um peso médio de 9,4 kg; tal é cerca de metade do peso do lince-euroasiático (Lynx lynx).[18][19]

O lince-ibérico é um caçador muito especializado e que apresenta certas adaptações que melhoram a sua capacidade de capturar e matar pequenas presas. Têm um crânio encurtado, o que maximiza a força da mordidela dos caninos. Os seus focinhos são mais estreitos e têm mandíbulas mais longas e caninos menores do que animais que se alimentam de presas maiores.[11]

Como todos os felídeos, o lince-ibérico tem pupilas verticais e uma visão excelente, especialmente quando há pouca visibilidade. Têm também reflexos apurados; os bigodes fornecem dados táteis muito detalhados e as orelhas proporcionam uma excelente audição. A maioria dos gatos solitários são silenciosos, excepto quando se sentem ameaçados ou quando os juvenis se encontram em perigo.[11]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

O lince-ibérico é especialista em caçar coelhos — o coelho-europeu (Oryctolagus cuniculus) constitui a maior parte da sua dieta (79,5–86,7%), a qual é também composta por lebres (Lepus granatensis — 5,9%) e os roedores de uma maneira menos comum (3,2%).[18] Um macho necessita de um coelho por dia; uma fêmea grávida come três coelhos por dia.[20] A espécie ibérica não é capaz de mudar a sua dieta significativamente se as populações de coelhos diminuírem acentuadamente.[21][22]

O lince-ibérico é especialista em caçar coelhos; o coelho-europeu constitui a maior parte da sua dieta (79,5–86,7%).

O lince continua a necessitar dos coelhos para a maioria da sua dieta, 75%, mesmo depois de a sua presa favorita ter sido dizimada por duas doenças: a mixomatose, que se espalhou para a Península Ibérica depois de um médico a ter introduzido intencionalmente em França em 1952, e a doença hemorrágica dos coelhos que começou em 1988.[21][22] Houve dois grandes surtos e o último surgiu em 2011 e 2012.[23]

A recuperação tem ocorrido em algumas áreas durante o ano de 2013, a sobre-população de coelhos ocorreu em Córdoba, causando danos em transportes e propriedades agrícolas.[24] Em Dezembro de 2013, no entanto, foi reportado que as autoridades estavam preocupados com uma nova estirpe de doença hemorrágica, afectando principalmente os coelhos mais novos.[25]

O lince-ibérico também caça outros mamíferos (incluindo roedores e insectívoros), aves, répteis e anfíbios, mais activamente durante o crepúsculo e à noite.[26] Por vezes também caça jovens veados, gamos, corças, muflões e patos. Compete pela caça com a raposa vermelha, o sacarrabos (Herpestes ichneumon) e o gato-bravo. É uma espécie solitária e caça sozinha; persegue a presa ou deita-se à espera durante horas por detrás de um arbusto ou de uma pedra até a presa estar suficientemente perto para poder atacar com poucos passos.[10][11][15]

O lince-ibérico é menor que os seus parentes do norte, e caça tipicamente pequenos animais, geralmente nunca maiores que uma lebre. Também é diferente na escolha do seu habitat, preferindo matagais abertos, enquanto que o lince-euroasiático prefere as florestas.[18]

Um lince, especialmente os animais mais novos, vagueia em áreas muito amplas, chegando a mais de 100 km. O seu território (~ 10 a 20 km2) depende da comida disponível.[20] Um adulto necessita de pelo menos um espaço de 5 a 20 km2, e uma população de 50 fêmeas em fase de reprodução precisa de 500 km2 de área de habitat.[26] Todavia, uma vez estabilizado, as distâncias tendem também a estabilizar por vários anos, em que os limites são feitos pelo homem, como estradas ou caminhos de ferro. O lince-ibérico marca o seu território com urina, excrementos deixados pela vegetação e com marcas de arranhões nas cascas de árvores.[16]

Em Maio de 2013 foi avistado perto de Vila Nova de Milfontes (costa sudoeste de Portugal) um lince-ibérico pertencente ao Parque Nacional de Doñana. O seu trajecto de mais de 250 km demonstrou a grande capacidade de deslocação dos linces e a possibilidade de conectividade entre o Sul de Espanha e Portugal.[27]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Uma fêmea e a sua cria.

A época do cio ocorre de Janeiro a Julho, predominantemente em Janeiro-Fevereiro. Durante a época de acasalamento a fêmea deixa o seu território à procura de um macho. O típico período de gestação dura cerca de dois meses; as crias nascem entre Março e Setembro, com o ponto alto de nascimentos em Março e Abril. Uma ninhada consiste em duas ou três crias (raramente uma, quatro ou cinco). As crias pesam entre 200 e 250 gramas.[18][19]

As crias tornam-se independentes quando têm sete a dez meses, mas permanecem com a mãe até aos vinte meses de idade. Entre os 8 e os 23 meses os machos dispersam-se (as fêmeas dispersam-se mais tarde). A distância de dispersão máxima verificada foi de 42 km.[9] A sobrevivência dos mais novos depende muito da população de coelhos no seu habitat.[17] No estado selvagem, tanto os machos como as fêmeas alcançam a maturidade sexual com um ano de idade, embora na prática raramente se reproduzam sem que um território fique vago e tenha qualidade suficiente;[11] foi conhecida uma fêmea que só criou aos cinco anos de idade, quando a sua mãe morreu. A longevidade máxima na natureza é de treze anos.[18][19] A reprodução não é anual, pois no melhor habitat de Doñana, registou-se o valor de 0,8 ninhada/fêmea/ano.[9]

Os irmãos tornam-se violentos uns para com os outros entre os 30 e os 60 dias, com o ponto máximo nos 45 dias. Uma cria normalmente mata o seu irmão numa violenta luta. Desconhece-se por que razão ocorrem estes episódios agressivos. Muitos cientistas acreditam que têm a ver com mudanças hormonais, quando a cria muda do leite da mãe para a carne. Outros julgam que têm a ver com padrões de hierarquia, e de "sobrevivência do mais apto." Os tratadores separam as crias antes de chegar o período de 60 dias.[12]

A dificuldade em encontrar parceiros leva a um maior número de casos de endogamia, que resulta em menos crias e uma maior taxa de morte não traumática.[28] A endogamia leva a uma menor qualidade de sémen e a maiores taxas de infertilidade entre os machos, dificultando os esforços para aumentar a aptidão da espécie.[29]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Pormenor da cabeça.

O lince-ibérico foi uma espécie em perigo crítico até 2015,[2][30][31] para agora ser considerada uma espécie em perigo,[2][31] sendo ainda assim o felino mais ameaçado do mundo,[10][15] e o carnívoro em maior perigo na Europa.[32] Esteve categorizado como espécie em perigo crítico de conservação por várias organizações incluindo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).[2] Se o lince-ibérico for considerado extinto, será o primeiro felino a desaparecer desde o Smilodon populator, há 10 000 anos.[3]

A população reduzida torna o animal especialmente vulnerável à extinção, o que pode acontecer através de eventos inesperados, como doenças ou desastres naturais.[33] As medidas de conservação incluem o restauro do seu habitat nativo, a manutenção da população de coelhos selvagens, a redução de causas não naturais de morte e a reprodução em cativeiro para posterior libertação na natureza.[33] A Comissão Nacional Espanhola para a Protecção da Natureza endossou um programa de conservação e reprodução ex-situ, para servir como "rede de segurança" ao manter a população em cativeiro e também para ajudar a "estabelecer novas populações de lince-ibérico livres na natureza, através de programas de reintrodução."[33] Antes da libertação dos indivíduos criados em cativeiro, é possível simular o seu habitat natural com o intuito de prepará-los para a vida em estado selvagem.[33] Um estudo de 2006 usou um sistema de monitorização não invasivo que envolve câmaras para monitorizar os dados demográficos das populações de linces e coelhos na Serra Morena.[34] Na eventualidade de a população de coelhos selvagens entrar em declínio, podem ser fornecidos alimentos complementares.[34]

Um adulto do Programa Ex Situ.

O lince e o seu habitat estão totalmente protegidos e a sua caça é proibida. As principais ameaças ao animal incluem a perda de habitat, atropelamentos por veículos, envenenamento, cães selvagens, caça ilegal e surtos ocasionais de leucemia felina (um retro-vírus que infecta gatos).[35] Alguns animais em cativeiro são afectados por doenças do trato urinário.[36] A perda de habitat é em grande parte consequência da construção de infraestruturas, do desenvolvimento urbano e do monocultivo de árvores, factores que fragmentam a distribuição do lince.[37] Ao longo do século XX, a população de coelhos sofreu um declínio dramático em consequência de vários surtos de mixomatose e de doença hemorrágica, reduzindo assim a disponibilidade da principal fonte de alimentação do lince-ibérico.[23][38] Os atropelamentos com veículos são a principal causa de morte não natural,[30][39][40] tendo morrido 14 indivíduos em estradas espanholas durante o ano de 2013.[41] Outra das principais causas de morte não natural são as armadilhas ilegais para coelhos e raposas.[42]

Em 2013, verificou-se a presença de uma bactéria resistente a antibióticos no trato digestivo do lince-ibérico, o que pode levar a que infecções perigosas sejam de difícil tratamento e à diminuição da aptidão física do animal.[43][44] Outro estudo de 2013 sugere que as alterações climáticas podem vir a ameaçar o lince-ibérico devido à sua fraca adaptabilidade a novos climas. A sua deslocação para áreas com um clima mais favorável, mas com menor número de coelhos, aumentaria a sua mortalidade.[45]

Estão a ser desenvolvidos esforços de gestão no sentido de conservar e restaurar a escala nativa do animal.[7] Os conservacionistas com a função de libertar o lince do cativeiro para o estado selvagem têm a preocupação de escolher áreas de habitat adequado, com abundância de coelhos e aceitação pelas comunidades locais.[46] Entre 1994 e 2013 foram gastos cerca de 90 milhões de euros em medidas de conservação.[47] A União Europeia contribuiu com cerca de 61% dos fundos.[25][35] O SOS Lynx é uma organização não-governamental portuguesa que trabalha para evitar a extinção do lince-ibérico.[10][48][49]

População selvagem e reintroduções[editar | editar código-fonte]

Gráfico que a mostra a população selvagem do lince-ibérico em Espanha, 1960–2011.

A espécie de lince-ibérico diminuiu 80% nos últimos vinte anos. É estimado que havia em 1960 cerca de 4 000 indivíduos,[50] cerca de 400 em 2000, menos de 200 em 2002, e possivelmente menos de 100 em Março de 2005.[51] O Parque Nacional de Doñana e a Serra de Andújar, Jaén, tinham as únicas populações reprodutoras, até que em 2007 foi descoberta uma população de 15 indivíduos em Castela-La Mancha (Espanha central).[52][53] Em 2008, a população de Doñana estava avaliada em 24 a 33, enquanto que o grupo da Sierra Morena tinha de 60 a 110 adultos. A população total está estimada em 99 a 158 adultos, incluindo a população de La Mancha. O lince-ibérico foi, assim, listado como criticamente ameaçado na categoria C2a(i) (i), na Lista Vermelha do IUCN.[2][54]

A partir de 2009, o lince tem sido reintroduzido em Guadalmellato, resultando numa população de 23 indivíduos em 2013.[55] Desde 2010, a espécie tem também sido libertada em Guarrizas.[46][56] Tem havido discussões junto do Ministro do Ambiente para ser solto também na área de Campanarios de Azaba, junto a Salamanca.[57] Em Abril de 2013, foi reportado que a população selvagem total da Andaluzia (apenas 94 em 2002) tinha triplicado para 309 indivíduos.[55][58]

Um recém-nascido do Programa Ex Situ a ser alimentado.

A presença de linces-ibéricos em Portugal (particularmente no sul) tem sido verificada,[27][59] mas sem haver provas de reprodução. A Quercus (uma associação portuguesa para a conservação da natureza), considerou a espécie inexistente em Portugal em 2007, em resposta à criação do Plano de Acção para a Conservação do Lince-Ibérico em Portugal pelo governo português, embora existam testemunhas que reportaram terem avistado alguns linces perto da fronteira.[60]

Em Julho de 2013, grupos ambientalistas observaram uma ninhada selvagem na província de Cáceres (Extremadura).[61] Possíveis locais de libertação em Portugal, Extremadura e Castilla-La Mancha estão sob discussão desde 2013.[62] Um estudo publicado em 2013 em Nature Climate Change aconselhou que os programas de reintrodução ocorram no norte ibérico, o que sugere que a mudança climática poderia ameaçar os coelhos no sul.[47][63] Entretanto, Portugal fez as suas primeiras reintroduções em Dezembro de 2014. Num terreno com cerca de 2000 ha no Parque Natural do Vale do Guadiana,[64] foram colocados em liberdade um casal de linces que estão permanentemente monitorizados por uma equipa do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).[65][66][67][68] A 7 de Fevereiro de 2015 foi libertado outro par, mas a fêmea, de nome Kayakweru, foi encontrada morta perto de Mértola, vitima de envenenamento.[69] As autoridades portuguesas esperam colocar mais exemplares em liberdade durante o primeiro semestre de 2015.[70]

Desde 2007, devido a um surto do vírus da leucemia felina (FeLV), os linces selvagens foram testados periodicamente. As amostras retiradas entre Setembro–Dezembro de 2013 deram resultado negativo para o FeLV, mas um macho tornou-se o primeiro da sua espécie a ter uma análise positiva ao vírus da imunodeficiência felina (FIV), tendo sido colocado em quarentena.[71]

Em 2016 o Governo Português voltou a permitir a caça na Reserva Natural da Serra da Malcata, podendo colocar em perigo a recuperação do lince-ibérico e de outras espécies como o abutre-preto ou o lobo.[72]

Em abril de 2016, no conjunto da Península Ibérica, existiam 403 linces.[73]

Reprodução em cativeiro[editar | editar código-fonte]

O Centro Nacional de Reprodução do Lince-Ibérico (CNRLI), perto de Silves, Portugal.

Em 2002, o Zoo de Jerez confirmou que tinha três fêmeas e estava a desenvolver um plano para reprodução em cativeiro.[3] Uma dessas fêmeas era Saliega, capturada ainda em cria em Abril de 2002.[3] Ela tornou-se a primeira fêmea do lince-ibérico a reproduzir em cativeiro, dando luz a três crias saudáveis em 29 de Março de 2005, no centro de reprodução El Acebuche, no Parque Nacional de Doñana Huelva, Espanha.[74] Nos anos seguintes, o número de nascimentos foi aumentando e centros de reprodução foram sendo criados. Em Março de 2009, foi reportado que 27 crias já tinham nascido desde o começo do programa.[75] Em 2009, o governo espanhol planeou construir um centro de reprodução, com um custo de €5,5 milhões, em Zarza de Granadilla.[75] Portugal estabeleceu um centro de reprodução em Silves, o Centro Nacional de Reprodução do Lince-Ibérico (CNRLI).[76][77]

Havia 14 crias sobreviventes em 2008 e 15 em 2009.[78] Em 2010, o excesso de pluviosidade e questões de saúde fizeram com que os resultados de reprodução fossem mais baixos — 14 nascimentos e 8 sobreviventes[78] — mas no ano seguinte, os centros de reprodução registaram 45 nascimentos, com 26 crias sobreviventes.[79] Em 2012, os centros de Portugal e Espanha registaram um total de 44 sobreviventes e 59 nascimentos,[79][80] enquanto 2013 viu um total de 44 sobreviventes e 53 nascimentos.[81]

Em Março de 2013, foi reportado que tinham sido conservados pela primeira vez embriões e óvulos de lince-ibérico.[82] Os embriões foram recolhidos da fêmea Azahar (CNRLI) e os óvulos da fêmea Saliega (El Acebuche) (ambas esterilizadas e retiradas do programa de reprodução) pelo Instituto Leibniz de Berlim para Zoos e Pesquisa de Vida Selvagem, e armazenados em nitrogénio líquido no Museo Nacional de Ciências Naturales de Madrid (CSIC) para possíveis reproduções futuras.[82] Em Julho de 2014, o MNCN-CSIC anunciou que tinha reproduzido células de esperma retiradas do tecido testicular de um lince sexualmente imaturo.[83]

O lince-ibérico pode ser visto em cativeiro apenas no Zoo de Jerez,[84] e desde Dezembro de 2014, no Zoo de Lisboa.[85][86] Os animais de Jerez pertencem ao programa de reprodução, enquanto que o casal de Lisboa fazia parte do centro de reprodução português, mas no entanto já não são adequados, visto que Azahar falhou vários partos normais e foi esterilizada e o macho, Gamma, tem uma forma de epilepsia.[87]

Estudos genéticos[editar | editar código-fonte]

Em Agosto de 2012, pesquisadores anunciaram que o genoma do lince-ibérico tinha sido sequenciado.[88] Também planeiam fazer testes genéticos em restos mortais de lince, para quantificar a perda de diversidade genética e melhorar os programas de conservação.[89] Em dezembro de 2012, foi relatado que os investigadores tinham localizado restos mortais de 466 linces-ibéricos em colecções particulares e museus.[89] No entanto, ficou estimado que 40% dos espécimes armazenados em museus foram perdidos ao longo dos últimos 20 anos.[89]

A diversidade genética do lince-ibérico é mais baixa que a de outros felinos conhecidos por serem geneticamente pobres, incluindo a chita (Acinonyx jubatus), leões da cratera de Ngorongoro e o lince-euroasiático da Escandinávia.[90] Os investigadores acreditam que esta pode ser uma das consequências da diminuição do tamanho das populações e isolamento.[90] Um estudo publicado em 2013 indicou forte diferenciação genética entre as populações de Doñana e Andújar, tanto nas frequências e composições alélicas. Os linces de Doñana diferenciaram mais da população ancestral, devido a serem mais isolados e terem um índice baixo de população.[90] Os investigadores sugeriram colocar os dois grupos em conjunto, a fim de diminuir o grau de endogamia.[90]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Fisher, J. et al. 1969. Wildlife in Danger. The Viking Press, New York NY, USA.
  • IUCN 1978 Red Data Book. Vol. 1. Ed. by J. Thornback & M. Jenkins, IUCN. Gland, Switzerland.
  • Burton & Pearson. 1987. Rare Mammals of the World. Stephen Greene Press, Lexington, MA, USA.
  • Seidensticker & Lumpkin, Eds. 1991. Great Cats. Rodale Press, Emmaus, PA, USA.
  • Nowell & Jackson 1996. Wild Cats - Status Survey and Conservation Action Plan. IUCN/SSC, Gland, Switzerland.
  • Nowell & Jackson. 1995. New Red List categories for wild cats. Cat News. 23:23.
  • Cat News. 1998. Lynx threatened by massive toxic spill in Spain. Cat News 28:17.
  • IUCN. 2000. 2000 IUCN Red List of Threatened Species. Compiled by C. Hilton-Taylor. IUCN - The World Conservation Union. Gland, Switzerland.
  • Cat News. 2002. Spanish government conservation plan for Iberian lynx. Cat News 36:15.
  • Cat News. 2003. Captive breeding problems handicap efforts to save the Iberian lynx. Cat News 38:14.
  • Oryx 2004c. Iberian lynx population is less than 150. Oryx 38:361.
  • Cabral, M.J. et al. 2006. Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal. Instituto da Conservação da Natureza, Lisboa, Portugal.
  • Documento do Plano de Acção para a Conservação do Lince-Ibérico em Portugal

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Wozencraft, W.C. (2005). Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.), : . Mammal Species of the World 3 ed. (Baltimore: Johns Hopkins University Press). p. 539. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494. 
  2. a b c d e f g h Rodríguez, A. & Calzada, J. (2015). Lynx pardinus (em Inglês). IUCN 2015. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2015 Versão 1. Página visitada em 23 de Junho de 2015.
  3. a b c d Gonçalves, Eduardo (Abril de 2002). «Captured cubs hold future of Europe's tiger». Londres: The Guardian. Consultado em Julho de 2011. 
  4. a b c Johnson, W. E., Eizirik, E., Pecon-Slattery, J., Murphy, W. J., Antunes, A., Teeling, E. and O'Brien, S. J.. (2006). "The Late Miocene radiation of modern Felidae: A genetic assessment". Science 311 (5757): 73-77.
  5. Björn Kurtén (1968). Pleistocene Mammals of Europe Transaction Publishers [S.l.] 
  6. a b c d e f Ferreras, P.; Rodrígues, A.; Palomares, F.; Delibes, M. (2010). «Iberian lynx: the uncertain future of a critically endangered cat». In: Macdonald, D.W. & Loveridge, A. Biology and Conservation of Wild Felids (Oxford, Reino Unido: Oxford University Press). pp. 507–520. ISBN 978-0199234455. 
  7. a b Clavero, Miguel - Delibes, Miguel. (2013). "Using historical accounts to set conservation baselines: the case of Lynx species in Spain". Biodiversity Conservation Journal 22: 1691–1702. DOI:10.1007/s10531-013-0506-4.
  8. C. Michael Hogan (2011). «Alboran Sea». In: National Council for Science and the Environment. Encyclopedia of Earth (Washington DC: P. Saundry and C.J. Cleveland). 
  9. a b c d ICNF. Plano Sectorial da Rede Natura 2000 - Lynx pardinus [S.l.: s.n.] 
  10. a b c d «SOS Lynx». SOS Lynx.org. Consultado em 19-3-2014. 
  11. a b c d e f «Lynx pardinus - Description». Encyclopedia of Life. Consultado em 19-3-2014. 
  12. a b «Aspectos da reprodução no lince ibérico - A agressividade entre irmãos». IberLinx.com. Consultado em 19-3-2014. 
  13. a b Sunquist, M.E.; Sunquist, F.C. (2009). «Family Felidae (Cats)». In: Wilson, D.E.; Mittermeier, R. Handbook of the Mammals of the World - Volume 1 (Barcelona: Lynx). pp. 54–170. ISBN 978-84-96553-49-1. 
  14. a b "Lynx." (n.d.): 1-2. EBSCOhost (24-10-2013).
  15. a b c «Iberian lynx». WWF Panda.org. Consultado em 19-3-2014. 
  16. a b Mel Sunquist, Fiona Sunquist (2002). Wild cats of the World (Chicago: University of Chicago Press). pp. 177–184. ISBN 0-226-77999-8. 
  17. a b «Lynx Project - Species Lynx». LEIBNIZ INSTITUTE FOR ZOO AND WILDLIFE RESEARCH. Consultado em 11-4-2014. 
  18. a b c d e «Iberian lynx Lynx pardinus». IUCN Cat Specialist Group. 
  19. a b c «Lynx pardinus». Animal Diversity Web. 
  20. a b Dan Ward (2004). «The Iberian Lynx Emergency» (PDF). Consultado em 13-5-2007. 
  21. a b «Iberian Lynx Depends On Rabbits for Survival». Science Daily. 5-7-2011. 
  22. a b John R. Platt (12-7-2011). «Deadly Rabbit Disease May Have Doomed Iberian Lynx». Scientific American. 
  23. a b «La población de lince en Andalucía es de 305 ejemplares, 7 menos que en 2011». EFE. Terra.es. 17-9-2013. 
  24. J. J. Madueno (5-8-2013). «La Junta gasta 500.000 euros en conejos para el lince y no ataja las plagas en el sur». ABC.es. 
  25. a b Juana Viúdez (15-12-2013). «Iberian lynx faces new threat as disease decimates rabbit population». El Pais. 
  26. a b Lopez-Bao, JV., et al.. (2011). "Intraspecific interference influences the use of prey hotspots". OIKOS 120 (10): 1489–1496. DOI:10.1111/j.1600-0706.2011.19194.x.
  27. a b Paula Sarmento, Javier Madrid (Maio de 2013). «Lince-ibérico de Doñana detetado próximo de Vila Nova de Milfontes». ICNF. Consultado em 19-3-2014. 
  28. Palomares, Francisco, Jose Antonio Godoy, e Jose Vicente Lopez-Bao (2012). Possible Extinction Vortex for a Population of Iberian Lynx on the Verge of Extirpation. European Journal of Wildlife Research [S.l.] pp. 881–84. 
  29. Jose Ruiz-Lopez, Maria, Natalia Ganan, e Jose Antonio Godoy (2013). Heterozygosity-Fitness Correlations and Inbreeding Depression in Two Critically Endangered Mammals Conservation Biology [S.l.] p. 55. 
  30. a b «Plano Sectorial da Rede Natura - Lynx pardinus». ICNF. Consultado em 20-3-2014. 
  31. a b «Lince ibérico já não está "em perigo crítico" de extinção». JN. 23-6-2015. Consultado em 2-2-2016. 
  32. «EU 'put Portugal wildlife under threat'». BBC News. 8-4-2007. Consultado em 10-4-2007. 
  33. a b c d Vargas, A., et al.. (2008). "The Iberian lynx Lynx pardinus Conservation Breeding Program". International Zoo Yearbook 42: 190–198. DOI:10.1111/j.1748-1090.2007.00036.x.
  34. a b Gil-Sanchez, Simon, M.A., Cadenas, R., Bueno, J., Moral, M., & Rodriguez-Siles, J.. (2010). "Current Status Of the Iberian Lynx (Lynx pardinus) In eastern Sierra Morena, Southern Spain". Wildlife Biology in Practice 6 (3): 14–33. DOI:10.2461/wbp.lynx.2.
  35. a b «El lince ibérico inicia una incierta <<reconquista>>». EFE. ABC.es. 3-9-2009. 
  36. David Sierra (26-3-2010). «Expertos temen por la muerte de linces». rtve.es. 
  37. Alda, F. et al.. (2008). "Looking for the Iberian lynx in central Spain: a needle in a hay stack?". Animal Conservation 11 (4): 297–305. DOI:10.1111/j.1469-1795.2008.00185.x.
  38. Mitchell-Jones; et al. (1999). The Atlas of European Mammals Elsevier Science Limited [S.l.] ISBN 0124996205. 
  39. Javier Sala (5-12-2013). «El número de linces ibéricos atropellados se dispara por culpa de cuatro carreteras». Materia Ciencia. 
  40. «WWF insta a prevenir atropellos de linces en la Autovía Madrid-Sevilla». Europa Press. 11-9-2013. 
  41. «El atropello mortal de 14 linces en 2013 merma la recuperación de la especie». EFE. Andaluces Diario. 1-1-2014. Arquivado desde o original em 6-1-2014. 
  42. Ferreras, P., Aldama, J.J., Beltran, J., & Delibes, M. (1992). Rates and causes of mortality in a fragmented population of Iberian lynx Felis pardina Temminck, 1824. Biological Conservation, 62(3), 197-202.
  43. Alcaide, M. et al.. (2012). "Gene sets for utilization of Primary and Secondary Nutrition supplies in the Distal gut of Endangered Iberian Lynx". PLOS ONE 3 (12). DOI:10.1371/journal.pone.0051521.
  44. Gonçalves, Alexandre, Gilberto Igrejas, and Hajer Tiago. "Detection of Antibiotic Resistant Enterococci and Escherichia coli in Free Range Iberian Lynx (Lynx pardinus)." Science of the Total Environment 456-457 (2013): 115-19. Print.
  45. (2013) "Adapted conservation measures are required to save the Iberian lynx in a changing climate". Nature Climate Change 3: 899–903. DOI:10.1038/nclimate1954.
  46. a b Filipa Alves (21-6-2013). «Lince-ibérico: Jazz e Joaninha, que nasceram em Silves em 2012, foram hoje libertados na Andaluzia». Naturlink. 
  47. a b «Iberian lynx threatened by climate change». The University of Adelaide. 22-7-2013. 
  48. Pettifer, Julian (25-5-2005). «Algarve United and the Iberian lynx». BBC News. Consultado em Julho de 2011. 
  49. Lisboa, Eduardo Gonçalves (31-3-2002). «Last of the lynx facing oblivion in virus crisis». Londres: The Observer. Consultado em Julho de 2011. 
  50. «SOSLynx.org». Consultado em Julho de 2011. 
  51. «Iberian lynx in 'gravest danger'». BBC News. 10-3-2005. Consultado em 10-4-2007. 
  52. «New Population Of Iberian Lynx Raises Hope For Species' Survival». Science News. Outubro de 2007. Consultado em Julho de 2011. 
  53. Ward, Dan. (Abril de 2008). "Lynx presence in Castilla-La Mancha". LynxBrief 10: 3.
  54. Gil-Sanchez, JM - McCain, EB. (2011). "Former range and decline of the Iberian lynx (lynx pardinus) reconstructed using verified records". Journal of Mammology 92 (5): 1081–1090. DOI:10.1644/10-MAMM-A-381.1.
  55. a b «La Junta de Andalucía refuerza en el Guadalmellato la población de lince ibérico con la suelta de dos ejemplares». El Economista. 8-4-2013. 
  56. Ward, Dan (Dezembro de 2008). «LynxBrief» (PDF). Consultado em Julho de 2011. 
  57. «Wildlife returns to Western Iberia». Rewilding Europe. 8-5-2012. 
  58. «La población de linces se triplica en Andalucía en los últimos diez años». El Mundo. 9-4-2013. 
  59. Marisa Soares (1 -6-2013). «Lince ibérico, o mais ameaçado dos felinos, fotografado em Milfontes». Publico.pt. 
  60. «LINCE IBÉRICO DE NOVO EM PORTUGAL EM 2014». AEIOU. 25-10-2013. Consultado em 19-3-2014. 
  61. «Grupos ecologistas confirman que el lince ibérico cría en libertad en Cáceres». EFE. ABC.es. 6-7-2013. 
  62. «La Junta anuncia que en 2013 se definirán los lugares de las primeras sueltas de linces fuera de Andalucía». Europa Press. 20minutos. 21-6-2013. 
  63. Tia Ghose (21-7-2013). «Climate Change Could Wipe Out Iberian Lynx». Live Science. 
  64. CARRIE-MARIE BRATLEY (13-11-2014). «More space in Portugal in pipeline for Iberian Lynx». The Portugal News. Consultado em 16-12-2014. 
  65. Garcia, Ricardo (9-12-2014). «Primeiros linces vão ser libertados em Mértola na próxima semana». Público. PÚBLICO - Comunicação Social, S.A. Consultado em 10-12-2014. 
  66. C.C. (15-12-2014). «Programa para salvar lince ibérico arranca terça-feira». Correio da Manhã. Consultado em 16-12-2014. 
  67. «Casal de linces ibéricos vai ser libertado» (Vídeo). RTP. Sapo.pt. 16-12-2014. Consultado em 16-12-2014. 
  68. Reintrodução do Lince ibérico em Portugal (Nota Técnica) (PDF) Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas [S.l.] 2014. p. 9. 
  69. Tomás, Carla (16-4-2015). «Lince ibérico foi envenenado. Faltam meios para detectar envenenamentos». Expresso. Consultado em 17-4-2015. 
  70. «Primeiros Linces Ibéricos libertados em Mértola». Rádio Pax. 17-12-2014. Consultado em 17-12-2014. 
  71. «Resultado negativo en los chequeos a linces para detectar leucemia felina, con un positivo de virus de inmunodeficiencia». Europa Press. La Informacion. 30-1-2013. Arquivado desde o original em 31-12-2013. 
  72. «Governo volta a permitir caça na Reserva Natural da Serra da Malcata». tvi24. Consultado em 2016-02-23. 
  73. «População de lince ibérico quadruplicou em 15 anos». 
  74. «Hopes raised by Spain lynx births». BBC News. 30-3-2005. Consultado em 5-9-2012. 
  75. a b «Endangered Iberian lynx cubs born in Spain». Associated Press. 20-3-2009. Consultado em Julho de 2011. 
  76. Carrie-Marie Bratley (27-6-2013). «Silves-born Iberian lynx released in Spain». The Portugal News. 
  77. Carla Tomás, André de Atayde (2-4-2013). «Quinze crias de lince ibérico nascem em Silves». Expresso.sapo.pt. 
  78. a b David Sierra (18-8-2010). «Fallece 'Geo', uno de los cachorros de lince ibérico nacido en cautividad este año». rtve.es. 
  79. a b «Nacen 59 ejemplares de lince esta temporada en el Programa de Cría en Cautividad». Europa Press (em espanhol). 17-6-2012. Consultado em 13-7-2012. 
  80. «Success in Silves as seven lynx cubs are born». The Portugal News. 31-3-2012. Consultado em 13-7-2012. 
  81. «El programa de cría en cautividad del lince ibérico acaba la temporada con 44 cachorros». EFE. 20minutos.es. 9-9-2013. 
  82. a b «For the first time Iberian lynx embryos are collected and preserved». Forschungsverbund Berlin e.V. (FVB). phys.org. 23-3-2013. 
  83. Eva Mosquera Rodriguez (22-7-2014). «Esperma 'de laboratorio' para salvar al lince ibérico». El Mundo. Consultado em 10-12-2014. 
  84. «The Iberian Lynx at the Zoobotanico de Jerez (em espanhol)». 
  85. Filipa Alves (16-12-2014). «Conservação do Lince-ibérico em Portugal vive hoje dia histórico com a libertação de Katmandu e Jacarandá». Naturlink. Consultado em 17-12-2014. 
  86. «Lince-ibérico». Jardim Zoológico de Lisboa. Consultado em Janeiro de 2015. 
  87. «Os felinos mais ameaçados do mundo já moram em Lisboa». LxNoticias. 23-12-2014. Consultado em 15-1-2015. 
  88. Manuel Ansede (8-8-2012). «Genome of the Iberian lynx is sequenced». Materia (em espanhol). 
  89. a b c Manuel Ansede (31-12-2012). «Hay más linces ibéricos disecados o convertidos en alfombras que vivos». Materia (em espanhol). 
  90. a b c d Casas-Marce, M., Soriano, L., López-Bao, J. V. and Godoy, J. A.. (2013). "Genetics at the verge of extinction: insights from the Iberian lynx". Molecular Ecology. DOI:10.1111/mec.12498.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Lince-ibérico
Portal A Wikipédia possui o
Portal dos Felinos.