Ciência lixo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ciência Lixo)
Ir para: navegação, pesquisa

A expressão ciência lixo, ou ainda junk science, é usada para descrever pesquisas, análises, dados e teorias científicos que se consideram falsos ou fraudulentos. Embora não se restrinja a eles, o conceito é frequentemente invocado nos contextos político e jurídico, onde fatos e dados científicos têm um grande peso na tomada de uma decisão. Geralmente transmite a conotação pejorativa de que o dado, pesquisa ou análise em questão foi produzido por motivos políticos, ideológicos, financeiros ou simplesmente não-científicos.

O conceito se popularizou na década de 1990, em relação à prova pericial no processo civil. Mais recentemente, esse conceito tem sido utilizado para criticar investigações sobre consequências ambientais ou de saúde pública de determinadas atividades empresariais, e em resposta a tais críticas. Dan Agin, por exemplo, em seu livro Junk Science, criticou duramente aqueles que negam a ocorrência do aquecimento global,[1] enquanto o ex-comentarista da Fox News, Steven Milloy, tem denunciado pesquisas vinculando a indústria de combustíveis fósseis às mudanças climáticas.[2]

Em alguns contextos, o termo ciência lixo é usado em contraposição à dita "ciência sólida".[3] Essa dicotomia tem sido promovida principalmente por Steven Milloy e seu Advancement of Sound Science Center, mas essa acepção tem sido criticada por apresentar pouca diferença em relação às noções de pseudociência, ciência patológica e ciência marginal.

História[editar | editar código-fonte]

A expressão ciência lixo parece ter sido usada antes de 1985, ano em que um relatório apresentado ao Departamento de Justiça dos Estados Unidos observa que:

O uso de tais evidências científicas inválidas (comumente referidas como "junk science"), resultou em conclusões de nexo de causalidade que simplesmente não podem ser justificadas ou entendidas do ponto de vista do estado atual do conhecimento científico e médico confiável.[4]

Em 1989, o climatólogo Jerry Mahlman, diretor do Geophysical Fluid Dynamics Laboratory, caracterizou a teoria de que o aquecimento global resulta de ciclos solares (apresentada em Scientific Perspectives on the Greenhouse Problem por Frederick Seitz e outros autores) como um exemplo notório de ciência lixo.[5] Peter W. Huber popularizou o termo em relação ao seu uso em tribunais em seu livro de 1991, Galileo's Revenge: Junk Science in the Courtroom. Essa obra foi citada em mais de 100 livros e referências jurídicas, e como consequência algumas fontes citam Huber como o primeiro a utilizar o termo. Em 1997, a expressão havia efetivamente entrado no léxico jurídico americano, como se observa em um parecer de autoria de John Paul Stevens endereçado à Suprema Corte dos Estados Unidos:

"Um exemplo de "ciência lixo", que deve ser excluído [...] como muito duvidoso, seria o testemunho de um frenologista que pretenda provar a futura periculosidade de um réu com base no contornos do crânio do mesmo".[6]

Os tribunais americanos de instâncias inferiores têm, posteriormente, definido diretrizes para a identificação da ciência lixo, como no caso de um parecer de 2005 das Cortes de Apelação dos Estados Unidos para o Sétimo Circuito:

"Relatos positivos sobre tratamentos com água magnética não podem ser replicados; isso, mais a falta de uma explicação física para seus efeitos, são marcas típicas da ciência lixo".[7]

Como sugere o subtítulo do livre de Huber, Junk Science in the Courtroom, sua ênfase reside no uso e no mal uso de prova pericial no processo civil. Um exemplo importante citado no livro trata de um litígio relacionado à disseminação da AIDS, em que uma escola da Califórnia procurou impedir que um menino com AIDS frequentasse o jardim de infância. Essa escola contratou um perito, que declarou que existia a possibilidade de a AIDS ser transmitida aos colegas de escola do garoto, através de "vetores" ainda não descobertos. Por outro lado, cinco especialistas testemunharam em nome do garoto, afirmando que a AIDS não é transmitida através de contato casual. Nesse caso, o tribunal acabou por rejeitar o argumento do perito contratado pela escola.[8] Em 1999, Paul Ehrlich e outros defendiam políticas públicas para melhorar a divulgação de conhecimento científico ambiental válido e desencorajar a difusão de ciência lixo:

"Os relatórios do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas oferecem um antídoto para ciência lixo, articulando o consenso atual sobre as perspectivas para as alterações climáticas, descrevendo o grau de incertezas, e precisando os potenciais benefícios e custos das políticas para enfrentar a mudança climática".[9]

Em um estudo de 2003 sobre alterações na militância ambiental relacionada ao Glacier National Park, Pedynowski observou que a ciência lixo pode minar a credibilidade da ciência em ampla escala, uma vez que sua deturpação por interesses particulares põe em dúvida argumentos efetivamente científicos e mina a credibilidade de toda uma investigação.[10] Em seu livro 2006 Junk Science,[11] Dan Agin enfatizou duas principais causas de ciência lixo: a fraude e a ignorância. No primeiro caso, Agin discute resultados fabricados em pesquisas relacionadas ao desenvolvimento de transistores orgânicos:

"Quanto à ciência lixo, o aspecto importante é que ambos os Laboratórios Bell e a comunidade internacional de física foram enganados, até que alguém notou que o ruído dos registros publicados por Jan Hendrik Schön em diversos trabalhos eram idênticos—o que significa fisicamente impossível".[12]

No segundo caso, ele cita um exemplo que demonstra a ignorância de princípios estatísticos pela imprensa leiga:

"Uma vez que uma tal prova é impossível [que alimentos geneticamente modificados sejam inofensivos], o artigo no New York Times foi má propaganda para o Departamento de Agricultura dos EUA—uma má propaganda baseado em uma crença ciência-lixo de que é possível provar uma hipótese nula".[13]

Segundo Agin, a ciência lixo é, em última análise, motivada pelo desejo de ocultar do público verdades indesejáveis.[14]

Utilização em relações públicas corporativa[editar | editar código-fonte]

John Stauber e Sheldon Rampton, do grupo PR Watch, dizem que o conceito de ciência lixo passou a ser invocado em tentativas de negar as descobertas científicas que se interpõem no caminho de lucros corporativos de curto prazo. Em seu livro Trust Us, We're Experts (2001), eles dizem que as indústrias lançaram campanhas multimilionárias com o objetivo de associar na mente popular certas teorias como ciência lixo, muitas vezes não empregando elas mesmas o método científico. Por exemplo, a indústria do tabaco tem descrito pesquisas mostrando os efeitos nocivos do tabaco e do fumo passivo como ciência lixo, por meio de astroturfing.

Contrariamente, teorias mais favorável para atividades empresarial são costumeiramente retratadas como "ciência sólida", independentemente de sua qualidade. Exemplos passados incluem a investigação sobre a toxicidade do fitormônio Alar, que foi fortemente criticada por defensores anti-regulamentação, e as pesquisas de Herbert Needleman sobre envenenamento por baixas doses de chumbo. Needleman foi acusado de fraude e pessoalmente atacado.[15]

O comentarista da Fox News Steven Milloy muitas vezes invoca o conceito de ciência lixo para atacar os resultados credíveis de investigação científica sobre temas como o aquecimento global, a destruição da camada de ozônio, e o tabagismo passivo. A credibilidade de Milloy e de seu website junkscience.com tem sido questionada por Paul D. Thacker, um escritor da The New Republic, na sequência de provas de que Milloy havia recebido pagamentos da Philip Morris, da RJR Tobacco, e da Exxon Mobil.[16][17][18] Thacker também observou que enquanto Milloy classificava evidências sobre os perigos do tabagismo passivo como ciência lixo, ele recebia da Philip Morris quase US$100.000,00 por ano em honorários de consultoria. Após a publicação desse artigo, o Cato Institute, que hospedava o website junkscience.com, cessou a sua associação com o site e removeu Milloy da sua lista de acadêmicos.

Documentos da indústria do tabaco revelam que executivos da Philip Morris conceberam o "Projeto Whitecoat" na década de 1980 como uma resposta a dados científicos emergentes sobre a nocividade do tabagismo passivo.[19] O objetivo do Projeto Whitecoat, tal como concebido pela Philip Morris e outras empresas de tabaco, foi usar ostensivamente "consultores científicos" independentes para semear na mente do público dúvidas sobre dados científicos, por meio de invocação de conceitos como ciência lixo.[19] De acordo com o epidemiologista David Michaels, que trabalhou na administração Clinton, a indústria do tabaco inventou o movimento da "ciência sólida" na década de 1980, como parte de sua campanha contra a regulamentação do tabagismo passivo.[20]

Uso por cientistas[editar | editar código-fonte]

Em 1995, a Union of Concerned Scientists lançou iniciativa que reúne uma rede de cientistas empenhados em desmistificar a ciência lixo, através de divulgação na mídia, lobby e o desenvolvimento de estratégias conjuntas para participar em reuniões e audiências públicas.[21] A Associação Americana para o Avanço da Ciência também reconheceu a necessidade de um maior entendimento entre cientistas e legisladores, afirmando que "embora a maioria das pessoas concorde que uma ciência sólida é preferível à ciência lixo, poucos sabem reconhecer o que torna um estudo científico "bom" ou "ruim"".[22] Cientistas individuais também têm utilizado este conceito.[23][24][25]

Referências

  1. LaFee, Scott (22 de outubro de 2006). «'Junk' food for thought». San Diego Union Tribune (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2017 
  2. DeMelle, Brendan (6 de maio de 2014). «Climate Denier Steve Milloy Now Director at Coal Giant Murray Energy, On CPAC Global Warming Panel Today». Huffington Post (em inglês). Consultado em 29 de julho de 2017 
  3. Neff, Roni A.; Goldman, Lynn R. (1 de julho de 2005). «Regulatory Parallels to Daubert: Stakeholder Influence, "Sound Science," and the Delayed Adoption of Health-Protective Standards». American Journal of Public Health. 95 (S1): S81–S91. ISSN 0090-0036. doi:10.2105/ajph.2004.044818 
  4. Department of Justice of the United States (1986). Report of the Tort Policy Working Group on the Causes, Extent and Policy Implications of the Current Crisis in Insurance Availability and Affordability. Washington: ERIC. 39 páginas. Consultado em 29 de julho de 2017 
  5. Roberts, Leslie (24 de novembro de 1989). «Global Warming: Blaming the Sun». Science (em inglês). 246 (4933): 992–993. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.246.4933.992. Consultado em 29 de julho de 2017 
  6. United States, Supreme Court of the United States (1997). «General Electric Company v. Robert K. Joiner (96-188) 78 F.3d 524 reversed and remanded» (em inglês). Cornell University Law School. Consultado em 29 de julho de 2017 
  7. Huber, Peter William (1991). Galileo's revenge: junk science in the courtroom (em inglês). New York: Basic Books. p. 191. ISBN 9780465026234 
  8. United States, U.S. Court of Appeals for the Seventh Circuit (2005). «Charles H. Sanderson, Plaintiff-appellant, v. Culligan International Company, Defendant-appellee, 415 F.3d 620 (7th Cir. 2005)». Justia. Consultado em 29 de julho de 2017 
  9. Ehrlich, P. R.; Wolff, G.; Daily, G. C.; Hughes, J. B.; Daily, S.; Dalton, M. (1999). «Knowledge and the environment». Ecological economics (em inglês). 30: 267-284. Consultado em 20 de julho de 2017 
  10. Pedynowski, Dena (1 de outubro de 2003). «Toward a More "Reflexive Environmentalism": Ecological Knowledge and Advocacy in the Crown of the Continent Ecosystem». Society & Natural Resources (em inglês). 16 (9): 807–825. ISSN 0894-1920. doi:10.1080/08941920309168. Consultado em 29 de julho de 2017 
  11. Agin, Dan (2006). Junk Science - How Politicians, Corporations, and Other Hucksters Betray Us (reprint ed.). St. Martin's Griffin (published December 2007). ISBN 978-0-312-37480-8.
  12. Agin 2006, p. 39.
  13. Agin 2006, p. 63.
  14. Agin 2006, p. 249.
  15. Neff RA, Goldman LR (2005). «Regulatory parallels to Daubert: stakeholder influence, "sound science," and the delayed adoption of health-protective standards». Am J Public Health. 95 Suppl 1: S81–91. PMID 16030344. doi:10.2105/AJPH.2004.044818 
  16. Smoked Out: Pundit For Hire, The New Republic. Acesso em 24 de novembro de 2010.
  17. Rampton, Sheldon; Stauber, John (2000). How Big Tobacco Helped Create 'the JunkmanPR Watch7 (3). Center for Media and Democracy.
  18. Activity Report, R.J. Reynolds Tobacco Co., December 1996, describing R.J.R. Tobacco's direct input into Milloy's junkscience website. From the Legacy Tobacco Documents Library at the University of California, San Francisco. Acesso em 5 de outubro de 2006.
  19. a b Minutes of a meeting in which Philip Morris Tobacco discusses the inception of the "Whitecoat Project" Archived 2007-10-13 at the Wayback Machine.. Acesso em 5 de outubro de 2006.
  20. Michaels, David (2008). Doubt is Their Product: How Industry's Assault on Science Threatens Your Health. New York: Oxford University Press. p. 3. ISBN 978-0-19-530067-3.
  21. Union of Concerned Scientists. (1998, Winter). Sound science initiative. ASLO bulletin, 7(1), 13.
  22. Sound Science for Endangered Species. (2002, September). In Science and Technology in Congress. American Association for the Advancement of Science. Acesso em 12 de novembro de 2006 em http://www.aaas.org/spp/cstc/pne/pubs/stc/stc02-09.pdf
  23. Merrow, J. (2005, February 23). Unlearning Bad Science. Education Week. Retrieved November 3, 2006, from Public Broadcasting Service Web site: http://www.pbs.org/merrow/news/edweek4.html
  24. Merrow, J. (2005, February 23). Unlearning Bad Science. Education Week. Retrieved November 3, 2006, from Public Broadcasting Service Web site: http://www.pbs.org/merrow/news/edweek4.html
  25. Merrow, J. (2005, February 23). Unlearning Bad Science. Education Week. Retrieved November 3, 2006, from Public Broadcasting Service Web site: http://www.pbs.org/merrow/news/edweek4.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]