M'Banza Kongo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mbanza Congo)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


M'Banza Kongo
Localidade de Angola Angola
(Cidade e Município)
Flag-map of Angola.svg
Dados gerais
Província Zaire
Município(s) M'Banza Kongo
Características geográficas
População 67,600 hab. (2007)
Altitude 408 m

M'Banza Kongo está localizado em: Angola
M'Banza Kongo
Localização de M'Banza Kongo em Angola
6° 16' 00" S 14° 14' 00" E{{{latG}}}° {{{latM}}}' {{{latS}}}" {{{latP}}} {{{lonG}}}° {{{lonM}}}' {{{lonS}}}
Projecto Angola  • Portal de Angola

M'Banza Kongo (cidade do Kongo) é uma cidade e município da província do Zaire, em Angola.

Tem cerca de 68 mil habitantes. Foi a capital do antigo reino do Kongo e designou-se São Salvador do Congo até 1975.

História[editar | editar código-fonte]

A cidade foi fundada antes da chegada dos portugueses e era a capital de uma dinastia que governava desde 1483. O local foi abandonado durante guerras civis que eclodiram no século XVII.

M'Banza Kongo foi o lar dos Menekongo, monarcas que governavam o Reino do Kongo. No ano de 1549, por influência dos missionários portugueses, foi construída uma igreja católica Catedral de São Salvador do Congo no local em que os angolanos reclamam ser a mais antiga da África Sub-Saariana, o nome da igreja no local é nkulumbimbi. Foi elevada ao status de catedral em 1596. O papa João Paulo II visitou a catedral em 1992.

O nome São Salvador do Congo apareceu pela primeira vez em cartas enviadas por Álvaro I do Kongo ou Álvaro II do Kongo, entre os anos de 1568 e 1587. A cidade voltaria a se chamar M'Banza Kongo, após a Independência de Angola em 1975.

Quando os portugueses aí chegaram, ela já era uma grande cidade, a maior da África sub-equatorial. Durante o reinado de Afonso I, edificações de pedra foram criadas, incluindo o palácio e muitas igrejas. Em 1630 foram relatados cerca de 4000 a 5000 baptismos na cidade com uma população de 100.000 pessoas.

A cidade foi saqueada várias vezes durante as guerras civis do século XVII, principalmente na batalha de Mbwila e foi abandonada no ano de 1678, sendo reocupada em 1705 por seguidores de Dona Beatriz Kimpa Vita, a partir desta época a cidade não foi mais abandonada.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Sean Sheehan; Jui Lin Yong; Yong Jui Lin (Janeiro 2010). Angola. Marshall Cavendish. pp. 136–. ISBN 9780761448457.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Angola, integrado no Projecto Angola é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.