Sumbe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sumbe
Localidade de Angola Angola
(Cidade e Município)
Beach in Sumbe, Angola.jpg

Praia de Sumbe
Província Kuanza-Sul
Características geográficas
Área 3 890 km²
População 218 000 hab.
Densidade 56 hab./km²
AO-Sumbe.png
Sumbe está localizado em: Angola
Sumbe
Localização de Sumbe em Angola
11° 12' " S 13° 50' " E{{{latG}}}° {{{latM}}}' {{{latS}}}" {{{latP}}} {{{lonG}}}° {{{lonM}}}' {{{lonS}}}
Projecto Angola  • Portal de Angola

Sumbe é uma cidade e município de Angola, capital da província do Kwanza-Sul.

Tem 3 890 km² e cerca de 218 mil habitantes[1]. É constituído pelas comunas de Sumbe, Gangula, Kicombo e Gungo. Até 1975 designou-se Novo Redondo.[2] O município do Sumbe é naturalmente delimitado a Norte pelo curso inferior do rio Queve, a Sul curso inferior do rio Balombo e a Oeste Oceano Atlântico pelo Oceano Atlântico. A Este tem o limite convencional com o município da Conda na aldeia da Cassonga Uku Seles na comuna do Gungo.

Clima[editar | editar código-fonte]

O município do Sumbe segundo a classificação climática de Koppen engloba-se na faixa de clima tropical quente e semi-árido que caracteriza a aplanação litoral do centro de Angola. Em função da sua localização geográfica, as condições de aridez são muito acentuadas chegando mesmo a ser considerada uma região com características de clima árido se considerarmos outros parâmetros, devido à forte evapotranspiração potencial e real que se observa nesta região e à influência, de certa forma, da corrente fria de Benguela.

De acordo a sua eficiência térmica, os valores médios anuais da temperatura do ar variam entre os 22°C e 24°C, sendo por isso considerado o predomínio de um clima megatérmico. A estação das chuvas é de cerca de seis meses (Novembro a Abril), variando as precipitações entre os 300mm e 400mm., sendo Março o mês mais pluvioso, e Dezembro e Janeiro os meses de menor precipitação, verificando-se normalmente neste último mês um período seco (pequeno Cacimbo)[3]. A estação chuvosa coincide com o período mais quente do ano, com um máximo em Março ou Abril (temperatura média diária 26-27°C); os meses mais frios são Julho e Agosto (temperatura média diária 20-21°C).

As oscilações médias diárias da temperatura são sensivelmente uniformes ao longo do ano, sendo que a sua amplitude térmica diurna apresenta valores iguais ou inferiores a 10 o que lhe confere uma característica de clima oceânico. Nos valores médios da humidade relativa observa-se uma variação muito pronunciada sendo que o valor mais alto se encontra entre 75 e 85% chegando a observar-se valores mínimos entre 35 e 45%, sendo mínima a amplitude entre a média dos valores do período chuvoso e os do período seco.

De uma forma geral podemos dizer que na classificação racional de Thornthwaite o clima é semi-árido (D) a árido (E), megatérmico, e na classificação de Köppen é do tipo BSh’ (clima seco, de estepe, muito quente).

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia da zona fundamenta-se essencialmente na actividade pesqueira e agropecuária em pequena escala, em especial no milheiro, batata e horticultura assim como a exploração do gado bovino e caprino, que nos últimos anos tem sofrido considerável evolução, em resultado não só do alargamento das áreas de exploração, mas também em consequência do abandono dos métodos tradicionais de cultivo, encaminhando-se decididamente para uma cultura baseada na mecanização, seja no respeitante às operações de cultivo. Todavia, dois importantes problemas afectam sobremaneira os resultados desta exploração. O primeiro relaciona-se directamente com a escassez e variabilidade das precipitações, de tal modo que, em anos de insuficiência ou má distribuição das chuvas, as produções caem verticalmente, enquanto noutros os seus quantitativos são plenamente aceitáveis, atendendo ao regime de sequeiro usualmente praticado. Tal contingência, todavia, poderá ser anulada vantajosamente em relação a algumas extensas áreas, dada a possibilidade de poderem ser envolvidas por esquemas de regadio. O outro problema diz respeito à defesa dos solos contra a erosão, em face da susceptibilidade que as terras manifestam em relação ao fenómeno, mesmo em superfícies de suaves declives. Tratando-se de solos que recentemente foram submetidos à utilização agrícola, tal problema reveste-se de extrema acuidade.

Território[editar | editar código-fonte]

Do ponto de vista fisiográfico, o município do Sumbe é parte integrante da peneplanície litoral de Angola, que, com uma profundidade variável, se estende ao longo da costa atlântica. Precisamente a faixa norte corresponde, sensivelmente, à sua largura máxima, por coincidir também com o máximo desenvolvimento da Bacia sedimentar do Queve.

Esta peneplanície, que constitui uma unidade geomorfológica bem definida envolve não só as formações sedimentares, de idades compreendidas entre o Cretácico inferior e o Plistocénico (aplanação litoral) mas também as rochas do maciço Antigo (aplanação sub-litorânea).

Dentro da aplanação geral da superfície, poderão contudo observar-se diversas formas e tipos de relevo, de acordo com os diferentes materiais litológicos que aí ocorrem. Assim, é ondulado, com frequência miudamente ondulado, ao longo da faixa periférica interior (Nordeste, Este e Sudeste) em correspondência com as formações granito-gnássicas do Complexo de Base, e ainda com certos materiais margoso mais ou menos brandos do Cretácico. O relevo torna-se bastante irregular, alternando as superfícies aplanadas de menor cota com outras expressivamente dobradas ou, ainda, com plataformas residuais, no que respeita às formações calcárias do Cretássico superior e do Eocénico. Esta morfologia está em nítido contraste com as planuras largamente onduladas do Oligo-Miocénico, quando em correspondência com afloramentos de argilas e margas gipsíferas. O relevo junto a costa é profundamente ravinado, sobretudo quando atingem as formações de materiais brandos do Oligo-Miocénico de margas e argilas, contrastando com os estratos de rocha calcária que terminam aí em arribas pronunciadas, onde chegam a marcar desníveis próximos da centena de metros.

Na periferia interior da peneplanície erguem-se alterosos montes-ilha, formas de relevo residuais desgarradas da superfície de escarpa que lhes fica próxima, e que se formaram mercê do seu recuo gradual.

A peneplanície litorânea é bastante recortada por linhas de água secas, que apenas transportam caudais quando sobrevêm fortes e prolongadas chuvadas, principalmente no rigor da época chuvosa.

O rio N'gunza ou simplesmente Cambongo, apenas deu origem a reduzidas ou mesmo insignificantes orlas de aluviões, em virtude de, quase até à foz, circular através de plataformas de calcários duros que retalharam profundamente.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Angola, integrado no Projecto Angola é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.