Cláudio Manuel da Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cláudio Manoel da Costa)
Ir para: navegação, pesquisa
Cláudio Manuel da Costa Academia Brasileira de Letras
Nascimento 5 de junho de 1729
Vila do Ribeirão do Carmo, (MG)
Morte 4 de julho de 1789 (60 anos)
Vila Rica, (MG)
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Poeta
Escola/tradição Arcadismo, Neoclassicismo

Cláudio Manuel da Costa (Vila do Ribeirão do Carmo, Minas Gerais, 5 de junho de 1729Vila Rica, Minas Gerais, 4 de julho de 1789) foi um jurista e poeta do Brasil Colônia

Destacou-se pela sua obra poética e pelo seu envolvimento na Inconfidência Mineira. Foi também advogado de prestígio, fazendeiro abastado, cidadão ilustre, pensador de mente aberta e amigo do Aleijadinho, a quem teria possibilitado o acesso às bibliotecas clandestinas que seriam mais tarde apreendidas aos Inconfidentes.[1] [2] [3]

Como poeta, transitou entre o Barroco - marca dos seus escritos de juventude, enquanto era estudante de Cânones na Universidade de Coimbra (1749) - e o Arcadismo - a partir do seu contato com o iluminismo, que concebia práticas mais racionais nas belas-letras.[4]

Especula-se que tenha traduzido A Riqueza das Nações, de Adam Smith, para o português.[5] [6] Há quem afirme ter tido ligações com os Illuminati, sociedade secreta de cunho iluminista criada na Baviera e que teria influenciado inúmeras revoluções.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de João Gonçalves da Costa, português ligado a mineração, e Teresa Ribeira de Alvarenga, mineira, nasceu no sítio da Vargem do Itacolomi, freguesia da vila do Ribeirão do Carmo, atual cidade de Mariana em Minas Gerais.

Em 1749, aos vinte anos de idade, embarcou para Portugal, matriculando-se na Universidade de Coimbra, onde obteve o Bacharelato em Cânones.[8]

Entre 1753 e 1754, retornou ao Brasil, dedicando-se à advocacia em Vila Rica (atual Ouro Preto). Jurista culto e renomado à época, ali exerceu o cargo de procurador da Coroa, desembargador, e, por duas vezes, o de secretário do Governo. Por incumbência da Câmara de Ouro Preto elaborou a "Carta Topográfica de Vila Rica e seu termo" (1758).

Por sua idade, boa lição clássica, fama de doutor e crédito de autor publicado, exerceu uma espécie de magistério entre os seus confrades em musa, maiores e menores, uma vez que todos lhe liam as suas obras e lhe escutavam os conselhos. Foi, assim, uma das principais figuras da Capitania. Aos sessenta anos de idade teve uma participação colateral na Conjuração Mineira. Detido e, para alguns, apavorado com as conseqüências da acusação de réu de inconfidência, interrogado uma vez só, morreu em circunstâncias obscuras, em Vila Rica, no dia 4 de julho de 1789. Oficialmente, teria cometido suicídio por enforcamento na prisão.[8]

Os registros da trajetória da vida de Cláudio revelam uma bem sucedida carreira no campo político, literário e profissional. Foi secretário de governo, poeta admirado até em Portugal e advogado dos principais negociantes da capitania no seu tempo. Acumulou ampla fortuna e sua casa em Vila Rica, era uma das melhores vivendas da capital. Sólida e construção que ainda lá está a desafiar o tempo.

A memória de Cláudio Manuel da Costa, porém, não teve a mesma sorte. Até hoje paira sobre ele a suspeita de ter sido um miserável covarde que traiu os amigos e se suicidou na prisão[carece de fontes?]. Outros negam até a própria relevância da sua participação na inconfidência mineira, pintando-o como um simples espectador privilegiado, amigo de Tomás Antônio Gonzaga e Alvarenga Peixoto, freqüentadores assíduos dos saraus que ele promovia.

Cláudio tentou, ele próprio, diminuir a relevância da sua participação na conspiração, mas estava apenas tentando reduzir o peso da sua culpa diante dos juízes da devassa. Os clássicos da historiografia da inconfidência mineira são unânimes em valorizar sua participação no movimento. Parece que ele era meio descrente com as chances militares da conspiração. Mas não deixou de influenciar no lado mais intelectualizado do movimento, especialmente no que diz respeito à construção do edifício jurídico projetado para a república que pretendiam implantar em Minas Gerais, no final do século XVIII.

De qualquer modo José Pedro Machado Coelho Torres, juiz nomeado para a Devassa de 1789 em Minas Gerais, dele diz o seguinte: "O dr. Cláudio Manoel da Costa era o sujeito em casa de quem se tratou de algumas coisas respeitantes à sublevação, uma das quais foi a respeito da bandeira e algumas determinações do modo de se reger a República: o sócio vigário da vila de S. José é quem declara nas perguntas formalmente"...(Anais da Biblioteca Nacional, 1º vol. pg. 384).

É patrono da Academia Brasileira de Letras.

Morte: assassinato ou suicídio?[editar | editar código-fonte]

O ponto mais crítico da biografia do poeta inconfidente vem a ser a suspeita do seu suicídio. Sua morte está cercada de detalhes obscuros. Há mais de duzentos anos que o assunto suscita debates e há argumentos de peso tanto a favor como contra a tese do suicídio. Os partidários da crença de que Cláudio Manuel da Costa tenha se suicidado se baseiam no fato de que ele estava profundamente deprimido na véspera da sua morte.

Isso está estampado no seu próprio depoimento, registrado na Devassa. Além disso, seu padre confessor teria confirmando seu estado depressivo a um frade que trouxe o registro à luz. Os partidários da tese de que Cláudio tenha sido assassinado, contestam tanto a autenticidade do depoimento apensado aos autos da Devassa, quanto a honestidade do registro do frade.

Quem acredita na tese do assassinato se baseia em um argumento principal: o próprio laudo pericial que concluiu pelo suicídio. Pelo laudo, o indigitado poeta teria se enforcado usando os cadarços do calção, amarrados numa prateleira, contra a qual ele teria apertado o laço, forçando com um braço e um joelho. Muitos acreditam ser impossível alguém conseguir se enforcar em tais circunstâncias.

O historiador Ivo Porto de Menezes relata que ao organizar antigos documentos relativos à Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto, em 1957 ou 1958, encontrou no livro de assentos dos integrantes da Irmandade de São Miguel e Almas, a anotação da admissão de Cláudio Manuel e à margem a observação de que havia "sufragado com 30 missas" a alma do falecido, e "pago tudo pela fazenda real". De igual forma procedera a Irmandade de Santo Antônio, que lançou em seu livro: "falecido em julho de 1789. E feitos os sufrágios." Relembra que havia à época proibição de missas pelos suicidas.

Também Jarbas Sertório de Carvalho, em ensaio publicado na Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, defende com boa documentação a tese do assassinato.

Há ainda quem acredite que o próprio governador, Visconde de Barbacena, esteve envolvido na conspiração e Cláudio teria sido eliminado por estar disposto a revelar isso. Mas o fato é que somente a tese do suicídio pôde se lastrear em documentos, ainda que duvidosos quanto a sua honestidade e veracidade, como bem salientam os adeptos da tese de assassinato.

Joaquim Norberto de Souza e Silva (1820-1891), pesquisador e colaborador do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, assim escreve em sua obra "História da Conjuração Mineira" (1860), no capítulo XVII - "Ainda os interrogatórios":

"Na manhã de 4 de julho de 1789, o desem­bargador Pedro José Araújo de Saldanha e o doutor José Caetano César Manitti, acompanha­dos do tabelião Antônio Joaquim de Macedo e do escrivão da ouvidoria José Veríssimo da Fon­seca se dirigiram à casa do Real Contrato das Entradas e aí deferiram juramento aos cirurgiões aprovados Caetano José Cardoso e Manuel Fernandes Santiago, e parando ante um dos segre­dos[nota 1] ordenaram a sua abertura a Joaquim José Ferreira, alferes do esquadrão de cavalaria da guarda do vice-rei, que ali estava aquartelado com a sua companhia, e fazia a guarda dos pre­sos. Aberta a porta, uma cena lúgubre se apresentou aos olhos dos ministros e de sua comitiva. Um cadáver pendia de uma espécie de armário que não pudera ser removido daquele segredo. Era o dr. Cláudio Manuel da Costa! Lavrou a justiça com as formalidades do es­tilo o auto do corpo de delito e exame, e mandou sepultar o cadáver, sem as formalidades religiosas e em chão profano. Motivou a notícia deste acontecimento mil boatos, e ninguém ­acreditou que a morte do ilustre poeta fosse voluntária. Até aqui também a história sem os documentos oficiais, parando ante o cadáver do dr. Cláudio Manuel da Costa, encontrado em seu cárcere pendente de um baraço,[nota 2] hesitava entre a idéia de um suicídio ou de uma premeditação criminosa dos ministros do governo colonial. Sabe-se hoje, segundo as peças do longo processo, que espontânea fora sua morte. Ah! e que longa agonia não sofreu ele, como indicava a posição de seu cadáver tendo uma liga por baraço, pendente de um armário, com um dos joelhos firmado sobre uma das prateleiras e o braço direito forcejando debaixo para cima contra a tábua na qual prendera o baraço, como procurando estreitar o fatal laço que zombara da gravidade de seu corpo, já tão debilitado pelos anos e trabalhos!..." [9]

Ainda noutro ensaio "Inconfidência Mineira- As Várias faces", Júlio José Chiavenato lança um dado que reforça a tese da farsa montada do "suicídio" de Cláudio Manuel da Costa. Na tarde do mesmo dia em que o advogado é preso, são assassinados no sítio da Vargem a sua filha, o genro e outros familiares, bem como alguns escravos e roubados todos os seus bens. O Visconde de Barbacena só informou Lisboa da morte de Cláudio Manuel da Costa a 15 de julho, onze dias depois de ter ocorrido e quando dera conhecimento a Lisboa do seu interrogatório a 11 de Julho, sem nunca referir o facto. Se a morte do alferes (Tiradentes) não causaria embaraços em Lisboa a de Cláudio e da sua família poderia causar, daí a necessidade da farsa ser montada.

Dez dias depois da sua morte, a população de Paris tomava a fortaleza da Bastilha, marcando o início do fim da dinastia dos gloriosos Luíses de França. Começava a tomar corpo então, um projeto político, sonhado pelo próprio Cláudio Manuel da Costa para seu país. Demoraria, no entanto, mais trinta anos para que o Brasil se tornasse liberto de Portugal. Cem anos a mais seriam necessários para a realização da segunda parte do sonho, a implantação do regime republicano no Brasil.

Obras[editar | editar código-fonte]

Glauceste Saturnino (ou Glauceste Satúrnio), pseudônimo do autor, faz parte da transição do Barroco para o Arcadismo. Seus sonetos herdaram a tradição de Camões.

Fonte: A Poesia dos Inconfidentes, Obra completa de Cláudio Manuel da Costa - Editora Nova Aguilar, Rio de Janeiro, 2002.

Representações na cultura[editar | editar código-fonte]

Cláudio Manuel da Costa já foi retratado como personagem no cinema e na televisão, interpretado por: Emiliano Queiroz, no filme Tiradentes (1999); Fernando Torres, no filme Os Inconfidentes (1972) e na telenovela Dez Vidas (1969); e por Carlos Vereza, no filme Aleijadinho - Paixão, Glória e Suplício (2003).

Notas

  1. Prisão rigorosa, incomunicável, segundo o Dicionário Michaelis
  2. Corda ou laço para enforcamento, segundo o Dicionário Aulete

Referências

  1. Aleijadinho: nas origens da arte nacional, por Tatiana I. Krauts.
  2. Aleijadinho (Antônio Francisco Lisboa) e a importância do Barroco no Brasil. Por Lázaro Curvêlo Chaves.
  3. DREHER, Martin N. A Igreja Latino-Americana no contexto mundial. São Leopoldo: Sinodal, 1999; p.114.
  4. Cláudio Manuel da Costa - o letrado e o poeta. Por Marcela Verônica da Silva.
  5. Historiadora lança livro sobre o inconfidente Cláudio Manuel da Costa.22 de março de 2013
  6. O antigo e o moderno na obra de Cláudio Manuel da Costa
  7. SPINGOLA, Deanna.The Ruling Elite: A Study in Imperialism, Genocide and Emancipation. Trafford, 2011; p.146. ISBN 978-1-4269-5462-7.
  8. a b BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura brasileira. 43. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.
  9. Joaquim Norberto de Souza e Silva. História da Conjuração Mineira. Domínio Público.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • VERÍSSIMO, José. História da Literatura Brasileira.
  • Cláudio Manoel da Costa - notícia biográfica. in: Revista do Arquivo Público Mineiro, ano I, fasc. 2º. Ouro Preto: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1896.
  • MENEZES, Ivo Porto. Potencialidades da pesquisa em Minas. in: jornal Estado de Minas. Belo Horizonte, 5 de maio de 2007.
  • CARVALHO, Jarbas Sertório. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, nº LI.
  • SOUTHEY, Robert. História do Brasil. São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, 1981.
  • Maxwell, Kenneth Conflicts and Conspiracies: Brazil and Portugal, 1750-1808
  • Joaquim Norberto de Souza e Silva - História da conjuração mineira - Rio de Janeiro - 1860 - Ed. B.L. Garnier. Disponível em meio eletrônico: História da conjuração mineira

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Lorbeerkranz.png ABL - patrono da cadeira 8
Sucedido por
Alberto de Oliveira
(fundador)


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource