Nike Inc.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nike Inc)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Nike Inc.
Slogan Just Do It
Tipo Empresa de capital aberto
Indústria Calçados e equipamentos esportivos
Fundação 1972[1]
Sede Beaverton, Oregon,  Estados Unidos
Pessoas-chave Bill Bowerman, Co-Foundador (falecido em 24 de Dezembro de 1999);
Phillip Knight, Co-Fundador presidente;
Mark Parker, CEO e presidente
Empregados 30.200
Produtos Tênis, roupas, acessórios
Faturamento Aumento US$ 16.326 bilhões (FY 2007)[2]
Página oficial Página oficial

Nike, Inc. é uma empresa norte-americana de calçados, equipamentos esportivos, roupas, e acessórios que foi fundada em 1972 por Bill Bowerman e Phillip Knight, que é o atual presidente da empresa. Sua atual sede fica em Beaverton, no estado de Oregon , nos Estados Unidos.

História[editar | editar código-fonte]

Loja da Nike em Osaka, no Japão.

A empresa tirou seu nome da deusa grega da vitória, Niké. O chamado Swoosh, logotipo da marca, é um desenho gráfico criado por Carolyn Davidson em 1971 e vendido por apenas 35 dólares à empresa.

Fornecimento e patrocínios[editar | editar código-fonte]

Modelo de chuteira produzido pela Nike

A Nike é a líder mundial em vendas de material esportivo e na Europa a segunda maior, perdendo apenas para a alemã Adidas (Reebok*) em países como França, Espanha e Alemanha; no Reino Unido perde para marca local Umbro. Reebok foi adquirida pela Adidas em 2005 em busca do mercado perdido para a Nike.[carece de fontes?] Considerando como destaque, a Nike fornece os uniformes da Seleção Brasileira de Futebol e da Seleção Americana de Basquete. A Nike também patrocina os times brasileiros : Internacional, Corinthians, Coritiba, Santos, Bahia. Além disso a Nike patrocina vários times da Europa tais como: Barcelona, Manchester United, Shakthar Donestk, Internazionale de Milão, Roma e outros.

Jogadores[editar | editar código-fonte]

A Nike patrocina muitos jogadores de futebol, basquetebol e outros esportes. Entre os mais famosos encontra-se o ex-jogador de futebol Ronaldo que foi o primeiro jogador de futebol do mundo a ser patrocinado pela empresa Nike,[carece de fontes?] e o futebolista português Cristiano Ronaldo,[carece de fontes?] além do craque brasileiro Neymar.[3] O primeiro desportista a ter um contrato com a Nike foi o jogador de basquete Michael Jordan, para quem hoje a própria Nike fabrica acessórios esportivos da linha Air Jordan.[carece de fontes?] Também pelo basquete, Kobe Bryant e LeBron James são patrocinados pela Nike.[carece de fontes?]

Em janeiro de 2010, a tenista Maria Sharapova voltou a ser a desportista mais bem paga do mundo, ao renovar o seu contrato com a marca, no valor de 70 milhões de dólares (cerca de 48 milhões de euros).[4]

Parcerias[editar | editar código-fonte]

A Nike em 2006 fez um feito para concorrer com suas rivais Adidas, Mizuno e Asics: lançou o Nike+ para concorrer com o Adidas 1.1.[carece de fontes?] Para isso, foi firmada uma parceria com a Apple Inc., usando seu modelo mais popular de iPod, o iPod Nano.[carece de fontes?] O aparelho monitora as passadas e o desempenho do usuário e os registra no computador para que possam ser comparados.[carece de fontes?] Além disso, a Nike, introduziu uma linha de camisas projetadas com bolsos especiais na manga ou no tronco com as dimensões do pequeno aparelho da Apple Inc..[carece de fontes?] Entretanto para concorrer com a dobradinha, no início de 2008 a Samsung e a Adidas se uniram para criar o primeiro rival da tecnologia Nike+iPod, que permite aos seus usuários integrar seu calçado ao seu tocador portátil na hora de fazer exercícios e avaliar seu desempenho.[carece de fontes?] A resposta da Samsung foi batizada de miCoach, um sistema que combina o telefone miCoach com um monitor de batimento cardíaco e um sensor que dá respostas precisas sobre atividades físicas.[carece de fontes?] Será permitido transmitir dados para o website miCoach.com, que ajudará no planejamento de exercícios.[carece de fontes?] A Sony Ericsson também passou a equipar sua linha Walkman (W) com acelerômetros e aplicativos em prol de monitorar as passadas de seus usuários.[carece de fontes?] Para manter a competitividade ante os concorrentes, a Nike e a Apple lançaram uma pulseira chamada Nike+ SportBand, na qual a presença de um iPod Nano se faz desnecessária, além de uma opção mais em conta.[carece de fontes?]

Críticas[editar | editar código-fonte]

A Nike já foi criticada por explorar os trabalhadores em países como Indonésia, Paraguai, Índia, Turquia e México.[livro 1] A companhia é objeto de muitas críticas pelas condições de trabalho precárias e a exploração de mão de obra barata empregada em outros países sem legislação trabalhista adequada e com incentivos fiscais onde seus produtos são manufaturados.[livro 1] Fontes dessas críticas incluem o livro Sem Logo de Naomi Klein[livro 1] e os documentários de Michael Moore[carece de fontes?]. Max Barry ironizou a reputação da companhia através de críticas em seu romance Eu S/A (Jennifer Government em inglês), na qual um executivo da Nike imoral é o vilão da história responsável pelo financiamento do golpe militar de 1964, no Brasil.[livro 2] Hoje, a empresa comunica suas medidas para monitorar, fiscalizar e qualificar o trabalho nas fábricas.[carece de fontes?] Publicamente reconheceu os erros cometidos no passado e indica que esses escândalos foram responsáveis pela criação da sua plataforma de sustentabilidade, antes da maioria das empresas.[carece de fontes?]

A empresa também enfrentou críticas quando pediu imunidade a um processo de propaganda enganosa na Califórnia baseado no fato de que ela gozava dos direitos da Primeira Emenda, como se a corporação fosse um ser humano.[carece de fontes?] A disputa chegou até a Suprema Corte norte-americana (Nike v. Kasky), mas foi mandada de volta aos tribunais da Califórnia sem significativas resoluções e subsequentemente foi decidida fora do tribunal.[carece de fontes?]

Em 2011 a Nike foi acusada por ativistas de comprar materiais de fornecedores que poluem os rios da China com resíduos químicos perigosos à saúde humana e para o meio ambiente.[5]


Referências

  1. 2007 Annual Report [ligação inativa] (PDF) p. 2. Nike, Inc. (2007). Página visitada em 7 de janeiro de 2007.
  2. 2007 Annual Report: SEC 10K Filling [ligação inativa] (PDF). Nike, Inc. (2007). Página visitada em 7 de janeiro de 2007.
  3. SEGALLA, Amauri; CARDOSO, Rodrigo (23/06/2011). zika O Reino Encantado de Neymar. ISTOÉ. Página visitada em 17 de dezembro de 2012.
  4. ESTEVES, Madalena (14/01/2010). Maria Sharapova é a desportista mais bem paga do mundo. Diário de Notícias. Página visitada em 17 de dezembro de 2012.
  5. Greenpeace encontra resíduo tóxico em roupas de grife feitas na China. Folha de São Paulo (23 de agosto de 2011). Página visitada em 17 de dezembro de 2012.

Livros de referência

  1. a b c Klein, Naomi. Sem Logo. [S.l.]: Editora Record, 2003. ISBN 8501062626
  2. Barry, Max. Eu S/A. [S.l.]: Editora Record, 2005. ISBN 8501062626

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons