Acupuntura veterinária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pontos de acupuntura em suínos e um ponto equivalente em humanos.

A acupuntura veterinária é aplicação das técnicas da acupuntura e moxabustão à medicina veterinária, ou seja é a aplicação de um saber tradicional que inclui-se na área do conhecimento relacionada à manutenção e restauração da saúde animal e/ou consiste na prevenção das doenças que lhes acometem. [1] [2] A acupuntura veterinária é uma técnica utilizada na China há mais de 2.000 anos, e existem estudos que evidenciam uma eficácia significativa de sua aplicação em uma ampla variedade de doenças, incluindo algumas condições para as quais não há nenhum tratamento convencional eficaz. [3] [4] [5]

O termo acupuntura vem do latim acus, que significa agulha, e pungare, que significa inserir, furar. Desse modo, a prática desta terapia consiste na inserção de tipos especiais de agulhas em locais precisos do corpo, visando à introdução, à mobilização, à circulação e ao desbloqueio da "Energia", além da retirada das chamadas "energias turvas" ou "perversas" - (Xie Qi), promovendo a harmonização, o fortalecimento dos órgãos, vísceras e do corpo, com o intuito de prevenir ou tratar doenças.[6]

A acupuntura bem sucedida restaura o equilíbrio natural do organismo. No entanto, não é capaz de restituir de forma permanente o tecido.[7]

Mecanismos de ação / possibilidades de interpretação[editar | editar código-fonte]

Assim como as demais aplicações da medicina tradicional chinesa no ocidente, a acupuntura veterinária tem sido estudada do ponto de vista médico-científico, com hipóteses mais ou menos confirmadas por pesquisas de evidência/ eficácia clínica [8] [9] [10] [11] e, naturalmente, também possui uma explicação no âmbito das tradições histórico-étnicas daquele país, a exemplo da "teoria do yin-yang" e classificação dos órgãos e vísceras nas categorias Zang - Fu. [12]

No ponto de vista da antropologia cultural ou antropologia médica a acupuntura veterinária é, por extensão, o recurso terapêutico da medicina tradicional chinesa para o tratamento de animais como já referido. Os animais, nesta concepção, possuem canais de energia, que são chamados de meridianos (经络 - Jīng Luò), semelhantes aos encontrados em seres humanos, esses canais de energia se conectam aos órgãos internos, músculos, articulações, sistema nervoso, e também estão conectados entre si, fazendo uma rede em todo o organismo. Os pontos de acupuntura, (穴位) encontrados sobre os canais de energia, são áreas da pele das quais podemos afetar e alterar o fluxo de Qi ("氣"). Quando um animal está doente, existe um desequilíbrio ou interferência no fluxo de Qi. O acupunturista veterinário através da inserção de agulhas manipula o Qi do animal, estimulando específicos pontos de acupuntura, que melhorarão o fluxo energético e diminuirão o bloqueio, e, ou desequilíbrio. [13] [14] [15] [16] [17] [18]

Observe-se que nessa "estranha" (para nós ocidentais) concepção de energia, corpo e medicina, da cultura chinesa, o ideograma para animal inclui o homem (動物 dòng wù), o que é relativamente raro nos sistemas etnotaxonômicos, segundo Sterckx. [19] Este mesmo autor, assinala também, que o critério de classificação dos animais, desta cultura, também se remete, em um momento histórico específico, aos modelos correlativos de yin/yang (陰/陽) e das cinco fases ou elementos (五行) utilizados na medicina tradicional chinesa.

Felix Mann, considera que os pontos indianos dos chakras e nadir tem uma similar correspondência com os pontos de acupuntura e, inclusive, apresenta uma compilação realizada pelo diretor do Museu Nacional do Ceilão, Sr Deraniyagala, dos pontos (nila) em que o mahout, o condutor de elefantes da Índia, provoca várias respostas específicas do animal que conduz aguilhoando-o com vara aguçada, levantado a hipótese de possível correspondência destes com os nadis. [20] [21]

A técnica de inserção de agulhas em pontos específicos como método terapêutico é baseado na concepção tradicional, já bastante divulgada no ocidente de normalização de substância fundamental chamada de Qi, produzindo o fator intrínseco que traduz a resistência à doença, (Zheng Qi). A acupuntura atua harmonizando a energia vital ou Qi. [6]

Ao fazer isso, supõe-se, estabelecendo um paralelo com os conhecimentos científicos desenvolvidos no ocidente, que a inserção de agulhas em pontos específicos produz um estímulo no sistema imunológico que auxiliará na homeostasia e na capacidade de auto-cura do organismo. Tal estimulação da acupuntura também faz com que o organismo libere endorfinas e outros hormônios, ao mesmo tempo há uma diminuição das inflamações sejam elas internas ou externas.[6]

Os modelos de experimentação com animais constituem-se como uma via de mão dupla, tanto úteis para aplicação humana como são potencialmente úteis para terapêutica veterinária. No tratamento da dor inflamatória crônica, por exemplo, o modelo de produção e controle da dor inflamatória persistente em ratos é considerado um modelo animal ideal para investigar o efeito e mecanismos de acupuntura na dor inflamatória e tem produzido dados com potencial relevância clínica.[22]

Pontos de acupuntura dos membros dianteiros de um cão

História[editar | editar código-fonte]

A referência escrita mais antiga em relação a acupuntura e medicina chinesa é o Huang Di Nei-jing, uma compilação feita ao longo do tempo por diversos autores da antiguidade, iniciada por volta do século II a.C. no período da Dinastia Han [23]

A acupuntura veterinária é, provavelmente, tão antiga quanto a história da acupuntura humana. Estima-se que ela vem sendo praticada há cerca de 4000 anos, tendo sua origem na mesma época em que surge a acupuntura humana, na China antiga. No Ocidente, e vem sendo utilizada há décadas na clínica de pequenos animais. Os chineses praticavam a acupuntura regularmente em seus animais. Inicialmente em cavalos, muito importantes tanto para a agricultura quanto para a guerra. [24] Posteriormente, passaram esses conhecimentos para prática em outros animais e finalmente, em cães, gatos e aves.

Segundo Schoen [25] a acupuntura veterinária tem sido utilizada por milhares de a nos na China. Uma das mais antigas referência específicas à acupuntura veterinária é o Bai-le Zhen Jing ou Tratado (Cânon) da acupuntura veterinária de Bai-le, supostamente escrito no período Zhou, aproximadamente 659 a 621 a.C. por Sun-Yang vulgo Bai-le. [23] Registros mais recentes identificam sua presença durante a dinastia Jin (136-265) [26] indicando, logicamente, sua persistência durante a dinastia Han (206 a.C – 220) apesar da aparente ausência de registro nos referidos cânones dessa época.

Nos Estados Unidos da América do Norte em uma reunião realizada em 11 de janeiro de 2014 a American Veterinary Medical Association (AVMA) uma instituição fundada em 1863, aprovou a admissão da Academia Americana de Acupuntura Veterinária (AAVA) como constituinte integrante da associação. A acupuntura veterinária é praticada neste país desde a década de setenta. [27]

A prática da AP veterinária no Brasil é recente e seu primeiro registro oficial data de 1981 e descreve o uso da eletroacupuntura analgésica em cirurgias abdominais em cães [28]. Mas antes disso, em 1978, o Professor Paulo Iamaguti da FMVZ, UNESP, Botucatu já utilizava a técnica em partos distócicos e cirurgias de piometra em cadelas. Um dos principais incentivadores do estudo da AP veterinária no Brasil foi o Professor Tetsuo Inada, no Instituto de Veterinária da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, em meados da década 1980. Nesse período, a escassez de literatura fazia com que o “Mestre Tetsuo” ensinasse por transposição, utilizando mapas para humanos. Nessa época, muitos veterinários iniciaram a prática clínica da acupuntura em animais, contribuindo quase que anonimamente para sua difusão. [29]

O I Simpósio Brasileiro de Acupuntura Veterinária no Brasil se realizou em 1994, com a vinda do Prof Oswald Kothbauer da Faculdade de Veterinária, da Universidade de Viena, Áustria e Prof Wang Qing Lan, Vice-Reitor da Faculdade de Veterinária, da Universidade de Beijing, China, apoiada pela CAPES.[29]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Acupuntura veterinária

Referências

  1. International Veterinary Acupuncture Society (IVAS). What is Veterinary Acupuncture? IVAS Aces. set. 2015]
  2. KAO, Frederick F.; KAO, John J. Veterinary Acupuncture. Am. J. Chin. Med. 02, 89 (1974). URL/DOI
  3. XIE, Huisheng; WEDEMEYER, Lindsey. The Validity of Acupuncture in Veterinary Medicine American Journal of Traditional Chinese Veterinary Medicine; FEB 2012, Vol. 7 Issue 1, p35 PDF Aces. set.2015
  4. Magden ER, Haller RL, Thiele EJ, Buchl SJ, Lambeth SP, Schapiro SJ. Acupuncture as an Adjunct Therapy for Osteoarthritis in Chimpanzees (Pan troglodytes). Journal of the American Association for Laboratory Animal Science : JAALAS. 2013;52(4):475-480. NCBI Ref. Aces. 6/02/2017
  5. SCOGNAMILLO-SZABO, Márcia Valéria Rizzo; BECHARA, Gervásio Henrique. Acupuntura: bases científicas e aplicações. Cienc. Rural, Santa Maria , v. 31, n. 6, p. 1091-1099, Dec. 2001 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782001000600029&lng=en&nrm=iso>. access on 25 May 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782001000600029.
  6. a b c SCOGNAMILLO-SZABO, Márcia Valéria Rizzo; BECHARA, Gervásio Henrique. Acupuntura: histórico, bases teóricas e sua aplicação em Medicina Veterinária. Cienc. Rural, Santa Maria , v. 40, n. 2, fevereiro de 2010. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782010000200040&lng=en&nrm=iso>. access on 06 Feb. 2015.
  7. Christina Matern (2012). Acupuncture for Dogs and Cats. New York: Thieme 
  8. National Centre for Complementary and Integrative Health (Outubro de 2013). «Traditional Chinese Medicine, National Center for Complementary and Alternative Medicine, Traditional Chinese Medicine: An Introduction». nccih.nih.gov. Consultado em 1 de Fevereiro de 2015. 
  9. WHITE, S: Electroacupuncture in veterinary medicine, San Francisco, 1984, Chinese Materiais Center, apud: SCHOEN, Allen M. Eficácia da acupuntura, a controvérsia. in: SCHOEN, Allen M. (org.) Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. SP, Roca, 2006 p. p.XII
  10. Chuan Y: Handbook on Chinese veterinary acupuncture and moxibustion, Bangkok, 1990, FAO Regional Office for Asia and The Pacifico apud: SCHOEN, Allen M. Eficácia da acupuntura, a controvérsia. in: SCHOEN, Allen M. (org.) Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. SP, Roca, 2006 p.XII
  11. HABACHER G.; PITTLER, MH; ERNST, E. Effectiveness of acupuncture in veterinary medicine: systematic review. J Vet Intern Med. 2006 May-Jun;20(3):480-8. PDF Aces. set.2015
  12. KLIDE, Alan M.; KUNG, Shiu H. Veterinary Acupuncture. Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 2002 Google Books Acesso Maio, 2017
  13. XIE, Huisheng; PREAST Vanessa. Xie's (eds) Veterinary Acupuncture. Oxford, UK. Blackwell Publishing, 2007 Google Books Aces. Set. 2007
  14. Cantwell, Shauna L. Traditional Chinese Veterinary Medicine: The Mechanism and Management of Acupuncture for Chronic Pain. Topics in Companion Animal Medicine , Volume 25 , Issue 1 , 53 - 58
  15. HWANG, Yann-Ching; LIMEHOUSE, John H.B. Atlas de acupuntura canina. in: SCHOEN, Allen M. (org.) Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. SP, Roca, 2006 (Cap.9)
  16. FLEMING, Peggy. Atlas de transposição de acupuntura equina. in: SCHOEN, Allen M. (org.) Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. SP, Roca, 2006 (Cap.31)
  17. LIN, jen-Hsou. Atlas de transposição de acupuntura equina. in: SCHOEN, Allen M. (org.) Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. SP, Roca, 2006 (Cap.42)
  18. FOWLER, Murray E.; MIKOTA,Susan K. Biology, Medicine, and Surgery of Elephants. Iwoa, Blackwell Publishing, 2006. Google Books, acesso, set.2015
  19. STERCKX, Roel. Animal Classification in Ancient China. East Asian Science, Technology, and Medicine, [S.l.], p. 26-53, jan. 2005. ISSN 1562-918X. Available at: <http://www.eastm.org/index.php/journal/article/view/116>. Date accessed: 05 Sep. 2015.
  20. MANN, Felix. Acupuntura, segredos da medicina oriental. (apresentação de Aldous Huxley). RJ, Forum Editora LTDA, 1972
  21. ALTMAN, S. Acupuncture as an emergency treatment. California veterinarian, v.15, n.1, p.6-8, 1979. apud: RH Bannerman - Rev. Saúde do Mundo (OMS), dezembro, 1979
  22. NAPADOW V.; AHN A; LONGHURST J, et al. The Status and Future of Acupuncture Mechanism Research. Journal of Alternative and Complementary Medicine. 2008;14(7):861-869. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3155097/ Acesso: 15/7/2017
  23. a b JAGGAR, David H.; ROBINSON. História da acupuntura veterinária. in: SCHOEN, Allen M. Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. SP, Roca, 2006 (Cap I)
  24. ESPER, Greyson Vitor Zanatta et al . Alterações hematológicas em cães (Canis lupus familiaris) após tratamento com eletroacupuntura. Pesq. Vet. Bras., Rio de Janeiro , v. 32, n. 2, Feb. 2012 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2012000200015&lng=en&nrm=iso>. access on 28 Mar. 2015.
  25. SCHOEN, Allen M. Acupuntura veterinária: da arte antiga à medicina moderna. SP, Roca, 2006
  26. MARKEY, Sean. Acupuncture: More Pets Get the Point. National Geographic News November 25, 2002 http://news.nationalgeographic.com/2002/111125_021125_vetacupuncture/ Acesso: 15/7/2017
  27. COHN, Sherman (18 October 2008), "The History of Acupuncture", given to the General Assembly at the AAAOM’s 2008 Conference
  28. TAFFAREL, Marilda Onghero; FREITAS, Patricia Maria Coletto. Acupuntura e analgesia: aplicações clínicas e principais acupontos. Cienc. Rural, Santa Maria , v. 39, n. 9, Dec. 2009 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782009000900047&lng=en&nrm=iso>. access on 28 Mar. 2015.
  29. a b FARIA, A. B.; SCOGNAMILLO-SZABÓ, M. V. R. Acupuntura veterinária: conceitos e técnicas - revisão. ARS VETERINARIA,Jaboticabal,SP ,v.24, n.2, 083-091, 2008 DOI: http://dx.doi.org/10.15361/2175-0106.2008v24n2p83-91

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina veterinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.