Aston Martin na Fórmula 1

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aston Martin F1)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Reino Unido Aston Martin-Mercedes
Nome completo Aston Martin F1 Team
Sede Silverstone, Inglaterra
Chefe de equipe Otmar Szafnauer
(chefe de equipe e diretor executivo)
Diretores Andrew Green
(diretor técnico)
Andy Stevenson
(diretor esportivo)
Stephen Curnow
(diretor comercial)
Tom McCullough
(diretor de engenharia de performance)
Nome anterior Racing Point
Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 2021
Pilotos 5. Alemanha Sebastian Vettel[1]
18. Canadá Lance Stroll[2]
Pilotos de teste Por anunciar
Chassis Por anunciar
Motor Mercedes[3]
Pneus Pirelli
Histórico na Fórmula 1
Estreia Grande Prêmio dos Países Baixos de 1959
Último GP Grande Prêmio da Grã-Bretanha de 1960
Grandes Prêmios 5
Campeã de construtores 0
Campeã de pilotos 0
Vitórias 0
Pódios 0
Pole Position 0
Voltas rápidas 0
Pontos 0
Posição no último campeonato
(1960)
NC (0 ponto)

A Aston Martin competiu em algumas corridas de Fórmula 1 como construtor entre as temporadas de 1959 e 1960, fornecendo carros para a equipe da David Brown Corporation, porém a fabricante se retirou da categoria sem conseguir marcar nenhum ponto. Em 31 de janeiro de 2020, foi confirmado que a Aston Martin retornará a Fórmula 1 como construtor e equipe em 2021, quando a equipe Racing Point será transformada na Aston Martin F1 Team.[4] A mudança de nome é em razão do coproprietário da equipe, Lawrence Stroll, ter se tornado acionista da Aston Martin.[3][5]

História[editar | editar código-fonte]

Primeira participação como construtor[editar | editar código-fonte]

As primeiras tentativas da Aston Martin de entrar na Fórmula 1 datam de 1951, quando a fabricante tentou adaptar o DB3 às realidades da categoria. Este modelo deveria usar um motor de dois litros e seis cilindros derivado do modelo DB3, e seu corpo também seria uma versão convertida do DB3. O supervisor do projeto, o ex-projetista da Auto Union, Eberan von Eberhorst, rejeitou a versão DB3 GP por causa de sua origem em um carro esportivo. Em 1955, uma nova modificação foi feita com um motor de três litros (depois dois e meio), chamado DB3S, testado por Reg Parnell, que também ficou em quarto lugar no Troféu Lady Wigram. O carro foi então vendido para Geoff Richardson e renomeado para RRA Special.[6] No entanto, o DB3 na versão de assento único foi bem-sucedido, incluindo o segundo lugar de Lex Davison no Grande Prêmio da Austrália de 1960, evento não válido como etapa da Fórmula 1.[7]

Em 1959, a Aston Martin conquistou uma dupla vitória nas 24 horas de Le Mans, quando os pilotos do DBR1 Carroll Shelby e Roy Salvadori venceram a competição e, Maurice Trintignant e Paul Frère chegaram em segundo lugar. No mesmo ano, David Brown decidiu inscrever sua equipe na Fórmula 1. Para esse fim, a fábrica da Aston Martin em Feltham construiu o modelo DBR4 de acordo com o projeto de Ted Cutting. No momento de sua estreia, este veículo já era um modelo desatualizado com o motor na frente e, além do segundo lugar de Salvadori no Troféu Internacional, ele não apresentou resultados competitivos. O carro foi redesenhado para a temporada de 1960 e sendo designado DBR5. Devido à falta de melhorias nos resultados, a Aston Martin se retirou da Fórmula 1 em 1960.[7]

Cinquenta anos depois, em 23 de abril de 2009, o presidente da Aston Martin e presidente e fundador da Prodrive David Richards anunciou sua intenção de retornar à Fórmula 1 em 2010 com a possibilidade de usar o nome Aston Martin,[8] no entanto isso nunca se materializou.

Parceria com a Red Bull Racing[editar | editar código-fonte]

Em 2016, a Aston Martin estabeleceu uma cooperação com a equipe de Fórmula 1 Red Bull Racing para o desenvolvimento de automóveis de luxo.[9] Como resultado desta cooperação, a empresa britânica tornou-se patrocinadora da equipe e as duas entidades colaboraram na criação do carro esportivo Valkyrie.[10] Na temporada de 2018, a Aston Martin tornou-se o patrocinador principal da Red Bull, como resultado do qual o nome oficial foi alterado para Aston Martin Red Bull Racing.[11]

Retorno como construtor e equipe[editar | editar código-fonte]

Em 31 de janeiro de 2020, foi anunciado que Lawrence Stroll (coproprietário da equipe de Fórmula 1 Racing Point) adquiriu cerca de 16,7% das ações da Aston Martin Lagonda, além de realizar um investimento financeiro na fabricante inglesa. Também foi confirmado que por meio de um acordo entre Stroll e a Aston Martin, a marca irá retornar como "equipe de fábrica" para a Fórmula 1 a partir da temporada de 2021, quando a equipe Racing Point será rebatizada para Aston Martin F1 Team.[3][5]

O acordo é válido inicialmente por dez anos e a Aston Martin Lagonda recebeu um interesse econômico na equipe.[3][12] O acordo incluiu também o patrocínio da Aston Martin a partir de 2021, que permanecerá por um período de quatro anos, que pode ser prorrogado sob certas condições.[3][13] Mas com a Mercedes-Benz permanecendo como fornecedora das unidades de potência e outros componentes da equipe.[3][5][14] Além disso, como resultado deste acordo, a Aston Martin encerrará o patrocínio da Red Bull Racing no final de 2020.[15]

Resultados[editar | editar código-fonte]

(legenda) (resultados em negrito indicam pole position; resultados em itálico indicam volta mais rápida)

Ano Chassi Motor Pneu Piloto 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 Pontos Pos.
1959[16] Aston Martin DBR4 Aston Martin L6 A


D

MON 500 NED FRA GBR ALE POR ITA EUA 0 NC
Reino Unido Roy Salvadori Ret 6 6 Ret
Estados Unidos Carroll Shelby Ret Ret 8 10
1960[16] Aston Martin DBR4 Aston Martin L6 D ARG MON 500 NED BEL FRA GBR POR ITA EUA 0 NC
Reino Unido Roy Salvadori DNS
Aston Martin DBR5 Ret
França Maurice Trintignant 11
1961 – 2020: A Aston Martin não participou como equipe.
2021 ? Mercedes 1.6 V6 Turbo P AUS BAR CHN TBA ESP MON AZE CAN FRA AUT GBR HUN BEL PBS ITA RUS SIN JAP EUA MEX SPO ARA ABU 0*
Alemanha Sebastian Vettel
Canadá Lance Stroll
Notas

* Temporada ainda em andamento.
† – Os pilotos não completaram a prova, mas foram classificados pois concluíram 90% da prova.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Vettel to make sensational Racing Point switch in 2021 as they re-brand as Aston Martin | Formula 1®». www.formula1.com (em inglês). Consultado em 10 de setembro de 2020 
  2. «Racing Point descarta Vettel e garante Stroll na equipe em 2021». F1 Mania. 18 de maio de 2020. Consultado em 18 de junho de 2020 
  3. a b c d e f «Após acordo com Stroll, Racing Point passa a se chamar Aston Martin em 2021». motorsport.uol.com.br. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  4. «Aston Martin Lagonda Global Holdings plc». London Stock Exchange. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  5. a b c «Stroll se torna acionista, e Racing Point é rebatizada para Aston Martin em 2021». Grande Prêmio. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  6. Mattijs Diepraam, 'Uechtel', Rafael Reyna, Leo Breevoort, Jasper Heymans, Michael Sheard. «Grand Prix cars that never raced (work in progress)» (em inglês). forix.com. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  7. a b «Aston Martin» (em inglês). grandprix.com. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  8. «Richards keen on Formula One return». BBC News. 23 de abril de 2009. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  9. «Red Bull anuncia acordo com a Aston Martin. Mas para carros de passeio». uol.com.br. 17 de março de 2016. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  10. «O que o acordo com a Aston Martin significa para a Red Bull?». motorsport.uol.com.br. 25 de setembro de 2017. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  11. «Red Bull amplia parceria e anuncia Aston Martin como patrocinadora principal a partir da temporada 2018». F1 Mania. 25 de setembro de 2017. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  12. «Stroll, Aston Martin e F1: muito além de um capricho de pai». Terra. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  13. «Racing Point se tornará Aston Martin F1». autoracing.com.br. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  14. «Após acordo com Stroll, Racing Point passa a se chamar Aston Martin em 2021». F1 Mania. 29 de fevereiro de 2020. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  15. «Red Bull e Aston Martin vão se separar no final de 2020». F1 Mania. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 4 de fevereiro de 2020 
  16. a b Small, Steve (1994). The Guinness Complete Grand Prix Who's Who. [S.l.]: Guinness. pp. 333, 352 and 383. ISBN 0851127029