República do Nagorno-Karabakh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Լեռնային Ղարաբաղի Հանրապետություն
República do Nagorno-Karabakh
Bandeira da República de Nagorno-Karabakh
Brasão de armas de Nagorno-Karabakh
Bandeira de Nagorno-Karabakh Brasão de armas de Nagorno-Karabakh
Lema: Ազատ ու Անկախ Արցախ (arménio)
Artsakh Livre e Independente

Localização

Localização de Nagorno-Karabakh
Capital Stepanakert
Língua oficial Armênio
Governo República Presidencialista (não reconhecida)
 - Presidente Bako Sahakyan
 - Primeiro-ministro Arayik Harutyunyan
Independência do Azerbaijão 
 - Referendo 10 de dezembro de 1991 
 - Proclamação 6 de janeiro de 1992 
 - Reconhecimento 3 não-membros da ONU 
Área  
 - Total 11458,38 km² 
População  
 - Censo 2010 141400 hab. 
Moeda Dram arménio
Fuso horário UTC+4
 - Verão (DST) UTC+5
Cód. ISO .nkr.am
Cód. telef. ++374 47
Website governamental nkrusa.org

Mapa

A República do Nagorno-Karabakh[1] [2] (também República do Alto Karabakh, República do Alto Carabaque[3] [4] ou República do Karabakh Montanhoso; em armênio: Լեռնային Ղարաբաղի Հանրապետություն, transl. Lernayin Gharabaghi Hanrapetut’yun) ou República Artsakh[1] é uma república independente de facto, localizada na região do Nagorno-Karabakh (ou região de Artsakh, em armênio: Արցախ), na Transcaucásia, a cerca de 270 quilômetros a oeste da capital do Azerbaijão, Baku. Reconhecido pela ONU como parte do Azerbaijão, Nagorno-Karabakh controla a maior parte do território do antigo Oblast Autônomo do Nagorno-Karabakh e algumas áreas circundante, dando-lhe uma fronteira com a Armênia, a oeste, e com o Irã, ao sul.[5]

A região predominantemente armênia do Nagorno-Karabakh se tornou motivo de disputa entre a Armênia e o Azerbaijão quando os dois países se tornaram independentes do Império Russo, em 1918. Depois que a União Soviética tomou o controle da área, em 1923, formou-se o Oblast Autônomo do Nagorno-Karabakh (OANK), dentro da República Socialista Soviética do Azerbaijão, por decisão de Josef Stalin. Nos últimos anos da União Soviética a região voltou a ser palco de conflitos entre armênios e azeris, o que culminou com a Guerra do Nagorno-Karabakh, que durou de 1988 até 1994.

Em 10 de dezembro de 1991, à medida que a União Soviética entrava em colapso, um referendo foi realizado no OANK e na região vizinha de Shahumian, que teve como resultado uma declaração de independência do Azerbaijão, e a formação da República do Nagorno-Karabakh. O país permanece sem reconhecimento de qualquer organização internacional ou país, inclusive da Armênia.

Desde o cessar-fogo de 1994, a maior parte do Nagorno-Karabakh e diversas regiões do Azerbaijão ao seu redor permanecem sob o controle conjunto de tropas armênias e das forças armadas do Nagorno-Karabakh. Representantes dos governos da Armênia e do Azerbaijão têm mantido negociações de paz desde então, mediadas pelo Grupo de Minsk.

História[editar | editar código-fonte]

A região de Nagorno-Karabakh é parte da área geográfica chamada "Karabakh". O nome desta parte do país é composto por duas palavras em azeri: "qara" (preto) e "bakh" (jardim).

Nagorno-Karabakh é um enclave de população armênia cristã encravado no Azerbaijão (país majoritariamente/maioritariamente islâmico) onde, entre 1987 e 1988 deflagrou um conflito extremamente sangrento. Este conflito foi ainda mais atiçado devido ao progrom massivo antiarménio organizado pela cidade de Sumgait no Azerbaijão, no final de fevereiro de 1988 - a primeira explosão de violência étnica nesta antiga república soviética. Em novembro de 1991, esperando debelar aquelas contestações armênias, o parlamento daquele país aboliu o estatuto de autonomia da região. Como resposta, os armênios de Nagorno-Karabakh realizaram um referendo em 10 de dezembro de 1991, no qual a esmagadora maioria da população votou pela independência. A comunidade azeri local boicotou o referendo.

Esses acontecimentos conduziram a ações violentas contra armênios que viviam em Baku e por todo o Azerbaijão e de azerbaijanos residentes na Armênia. Como resultado, uma vasta maioria de azerbaijanos da Armênia e armênios no Azerbaijão (excepto Nagorno-Karabakh) viram-se obrigados a fugir para os países de origem. Uma guerra entre a Armênia e o Azerbaijão seguiu-se aos eventos de violência civil. As ações militares foram fortemente influenciadas pela inspiração militar russa. As vitórias das ofensivas armênias nos anos seguintes proporcionaram-lhe o controle de grande parte do território,[5] até que em 12 de maio de 1994 foi negociado um acordo de cessar-fogo que permanece em vigor ainda hoje.

Atualmente, Nagorno-Karabakh é de facto um estado independente autoproclamado República de Nagorno-Karabakh. Está fortemente dependente da República da Armênia e usa a sua moeda, o dram. Os sucessivos governos armênios têm resistido à pressão interna de unir o Nagorno-Karabakh àquele país, temendo as represálias do Azerbaijão e da comunidade internacional, que considera Nagorno-Karabakh parte do Azerbaijão. As políticas armênias e do Nagorno-Karabakh estão tão intimamente ligadas que um antigo primeiro-ministro da República do Nagorno-Karabakh, Robert Kocharian, tornou-se primeiro-ministro (1997) e depois presidente armênio (de 1998 até ao presente).

Em setembro de 2004 realizaram-se conversações entre os presidentes da Arménia e do Azerbaijão, mas a disputa por esse território continua e o futuro permanece incerto.

Símbolos nacionais[editar | editar código-fonte]

A bandeira nacional deriva da bandeira da Arménia com a adição de um padrão branco. Simboliza a população da região e a herança Arménia, e Nagorno-Karabakh como um enclave da Arménia. O padrão assemelha-se também aos padrões dos tapetes Arménios.

O brasão de armas consiste de uma águia coroada. No peito da águia está um escudo com um panorama de uma cadeia montanhosa sobre uma bandeira de Nagorno-Karabakh disposta verticalmente. Sobre isto estão as duas cabeças de pedra; "Avó e Avô" (Տատիկ և Պապիկ, Tatik yev Papik) do monumento Nós Somos As Nossas Montanhas em Stepanakert, a capital de Nagorno Karabakh. A águia segura nas patas vários produtos agrícolas como trigo e uvas. O desenho completa-se por uma fita circular com a inscrição "Lernayin Gharabaghi Artsakh Hanrapetoutioun" ("República Artsakh do Karabakh Montanhoso") em língua arménia oriental.

Política[editar | editar código-fonte]

Situação atual em Nagorno-Karabakh.

A República do Nagorno-Karabakh é uma democracia presidencial. O poder executivo é exercido pelo presidente. O presidente nomeia e demite o primeiro-ministro. A Assembleia Nacional de Nagorno-Karabakh é o Legislativo, e tem 33 membros, 22 eleitos para um mandato de cinco anos em círculos eleitorais individuais e 11 por representação proporcional.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Mapa das subdivisões da República do Nagorno-Karabakh. 1: Shahumyan; 2: Mardakert; 3: Askeran; 4: Martuni; 5: Hadrut; 6: Shushi; 7: Kashatagh. (Stepanakert não mostrado.)
Principais cidades da República de Nagorno-Karabakh.

Geografia[editar | editar código-fonte]

  • Superfície: 4.400 km²
  • A capital é a cidade de Stepanakert.

Essa província do Azerbaijão, autoproclamada república independente, não reconhecida por nenhum país, fica situada no maciço do Pequeno Cáucaso. O seu relevo culmina no monte Giamys. O rio Terter é o principal curso de água.

Economia[editar | editar código-fonte]

Nas encostas e nos vales cultivam-se árvores de fruto, tabaco e vinhas, além de cereais e algodão.

A sericultura e a criação de gado bovino, ovino e suíno estão muito difundidas.

O principal centro industrial até ao conflito em 1991 era a cidade de Stepanakert. As indústrias mais importantes eram as madeireiras e as alimentares.

Demografia[editar | editar código-fonte]

  • População: 145.000 hab. (est. 2002) A grande maioria da população é de etnia arménia (95%) e 5% de minorias étnicas.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Constituição da República do Nagorno-Karabakh. cap. 1, artigo 1.2 (em inglês).
  2. Também são usadas as formas Carabaque ou Karabaque.
  3. Correia, Paulo. (Outono de 2008). "Geografia do Cáucaso". A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 28): 11-13. Sítio web da Direcção-Geral da Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. ISSN 1830-780-9 1830-780-9. Página visitada em 7 de outubro de 2012.
  4. Rocha, Carlos (21 de outubro de 2013). Aportuguesamento de vários topónimos estrangeiros Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Página visitada em 21 de outubro de 2013.
  5. a b Official website of the President of the Nagorno Karabakh Republic. General Information about NKR (em inglês) President.nkr.am. Página visitada em 10 de agosto de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira de Nagorno-Karabakh República do Nagorno-Karabakh
Bandeira • Brasão • Economia • Geografia • História • Imagens