Roberto Gómez Bolaños

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Roberto Gómez Bolaños
Nome completo Roberto Gómez Bolaños
Nascimento 21 de Fevereiro de 1929 (85 anos)
Cidade do México, DF
Nacionalidade  México
Progenitores Mãe: Elsa Bolaños Cacho
Pai: Francisco Gómez Linares
Cônjuge Graciela Fernández Pierre (1958-1977)
Florinda Meza (2004-presente)
Filho(s) Roberto Gómez Fernández
Teresa
Marcela
Graciela
Paulina
Cecilia
Ocupação Ator
Escritor
Compositor
Comediante
Dramaturgo
Diretor
Influências
Magnum opus El Chavo del Ocho, El Chapulín Colorado
Escola/tradição Universidade Nacional Autônoma do México
Página oficial
www.chespirito.com
Assinatura
Chespirito signature.jpg

Roberto Gómez Bolaños (Cidade do México, 21 de fevereiro de 1929), mais conhecido como Chespirito, é um ator, escritor, comediante, dramaturgo, compositor e diretor mexicano.[1] [2] Ficou conhecido mundialmente pela criação das séries televisivas El Chavo del Ocho (Chaves no Brasil e em Angola) e El Chapulín Colorado (Chapolin no Brasil), e com o Programa Chespirito que ganhou o título de o programa número 1 da televisão humorística, as quais lhe trouxeram grande prestígio e garantiram-lhe o reconhecimento como um dos escritores comediantes mais respeitados do mundo.[3] [4] [5] É sobrinho do ex-presidente mexicano Gustavo Díaz Ordaz Bolaños (1911-1979).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de uma secretária bilíngue Elsa Bolaños Cacho e do pintor, cartunista e ilustrador Francisco Gómez Linares, Roberto Goméz Bolaños estudou na Universidade Nacional Autônoma do México, mas nunca se formou.

Ele começou sua carreira como escritor criativo, através do rádio e televisão durante a década de 1950, quando começou a escrever roteiros para programas da dupla Viruta e Capulina (Marco Antonio Campos e Gaspar Henaine). Também fez vários roteiros de cinema e começou a representar como ator em 1960, no filme Dos Criados Malcriados.[6] No entanto, continuou a dedicar a maior parte de seu tempo a escrever, contribuindo para o diálogo de scripts e filmes de televisão mexicana.

"Chespirito" é a forma diminutiva e castelhanizada do vocábulo inglês Shakespeare (Chekspir). Tal apelido foi dado a Bolaños pelo diretor de cinema Agustín P. Delgado, que o considerava um pequeno William Shakespeare, capaz de escrever histórias tão prolíficas e versáteis quanto o autor inglês. Roberto ganhou este apelido quando escreveu o roteiro para o filme Los Legionarios, primeiro filme em que Chespirito trabalhou.

Em 1968, começaram as transmissões Independentes de Televisão no México e Chespirito foi chamado como escritor para a realização de um programa com duração de meia hora. E assim, nasceu "Los Supergenios de la Mesa Cuadrada". Ao lado de Chespirito, contracenavam Ramón Valdés, Rubén Aguirre e María Antonieta de las Nieves.

Em 1970, o programa teve sua duração aumentada. Nessa época, surge o Chapolin Colorado, um herói atrapalhado. Um ano depois, foi criado o personagem que se tornaria o maior sucesso de Bolaños, Chaves. Ambos os personagens funcionaram tão bem que as sketches se tornaram séries independentes de 30 minutos de duração em 1973, após o fim do Programa Chespirito.

Apesar de ser mais conhecido pelos papéis Chaves e Chapolin, Chespirito também foi autor de vários personagens, como Chompiras, Dr. Chapatin, Vicente Chambon e Chaparrón Bonaparte.

Por causa de seus roteiros recorrentes, os programas se tornaram sucesso em todo o mundo, graças a simpatia de Roberto Gómez Bolaños e do grupo de atores em distintas épocas formado por Carlos Villagrán, Ramón Valdés, Florinda Meza, Rubén Aguirre, Édgar Vivar, Angelines Fernandez, Raúl Padilla, Horacio Gómez Bolaños e María Antonieta de las Nieves, que também encontraram a fama internacional.

Em 1980, seus sketches criaram um programa de uma hora semanal chamado de "Programa Chespirito", e permaneceu no ar até 1995.

Chespirito também estrelou em filmes mexicanos, escritos e realizados por ele mesmo como "El Chanfle" e "El Chanfle 2", "Don Ratón e Don Ratero", "Charrito" e "Música de viento".

Em 1992, recebe o "Prêmio de Literatura da Sociedade Geral de Escritores do México" pelo roteiro da peça "La Reina Madre"[7] .

Em 2000, a rede de televisão mexicana Televisa homenageou todo o elenco dos seriados Chaves, Chapolin e Chespirito com o programa "¡No contaban con mi astucia!", ano em que o seriado completava 30 anos.[8]

Em 12 de novembro de 2009, Chespirito foi internado em emergência em um hospital na Cidade do México. De acordo com declarações de seu filho Roberto Gómez Fernandez, Chespirito teve uma complicação da próstata, e teve de fazer uma cirurgia.

Em 28 de maio de 2011, Chespirito abriu sua conta no Twitter chegando em menos de um dia mais de 170.000 seguidores, o segundo dia um total de 250.000 seguidores,

Em 2012, um evento denominado América celebra a Chespirito em comemoração os quarenta anos de carreira do ator[9] foi programado para ocorrer em 17 países, entre eles Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Equador, Estados Unidos, México, Peru e Nicarágua.[3] [4] [5] [10]

No dia 20 de novembro de 2013, foi condecorado com o Premio Ondas Iberoamericano pela trajetória destacada na televisão mundial.[11]

Casamentos[editar | editar código-fonte]

Bolaños casou-se pela primeira vez com Graciela Fernández Pierre, falecida em 26 de agosto de 2013. Tiveram os filhos Paulina, Graciela, Marcela, Teresa, Cecília e Roberto. o casamento durou de 1958 a 1977.

Depois de 27 anos convivendo com Florinda Meza, a atriz que interpretava a maioria dos personagens femininos inclusive a Dona Florinda, Bolaños casou-se com ela, no dia 19 de novembro de 2004, e comemorou com uma grande festa num restaurante da Cidade do México.

Ele teve 6 filhos do primeiro casamento, mas nenhum com Florinda, por ter feito uma vasectomia.

Atuações políticas[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Bolaños nunca revelou sua orientação política de forma aberta, porém aparenta ser partidário da direita política: participou, em 2006, de anúncios televisivos apoiando a campanha eleitoral do Partido da Ação Nacional. Também fez fortes críticas contra o candidato esquerdista Andrés López Obrador, acusando-o de dividir os mexicanos, e contra a esquerda em geral.

Em abril de 2007 uniu-se ao protesto de grupos católicos e conservadores que buscavam manter o aborto como um delito, frente à postura da Assembleia Legislativa, cujos representantes inclinaram-se por despenalizá-lo durante as doze primeiras semanas de gestação. Bolaños lançou anúncios em canais de televisão e chamadas telefônicas contra tal lei.

Em maio de 2007, levantou controvérsias por seus comentários sobre o famoso quadro Guernica, de Pablo Picasso, na Colômbia, declarando que a obra "é uma caricatura".

Declarou, em seu perfil no Twitter, ser contra as manifestações de rua, pois elas diminuem o tempo e a capacidade para o trabalho, e afirmou votar em um candidato que impeça essas manifestações.

Principais trabalhos[editar | editar código-fonte]

Os programas de Chespirito foram gravados no México pela rede Televisa entre os anos de 1968 e 1995, e exibidos em mais de 90 países.

Como ator[editar | editar código-fonte]

Como escritor[editar | editar código-fonte]

Como produtor[editar | editar código-fonte]

Como compositor[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1980 El Chavo Canta: Eso, Eso, Eso
  • 1978 Síganme Los Buenos a La Vecindad del Chavo
  • 1977 Así Cantamos y Vacilamos en la Vencidad del Chavo
  • 1975 Chespirito y sus Canciones

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Indicação Resultado Ref.
1992 México Prêmio de Literatura da Sociedade Geral de Escritores do México Roteiro da peça "La Reina Madre" Venceu [7]
1997 México Mexican Cinema Journalists Awards (Special Silver Goddess) Pela carreira e brilhante trajetória do personagem Chaves Venceu [12]
2010 Estados Unidos Premio Latino Conjunto da Obra - Personagem Chaves Venceu [13]
2012 25th Annual Hispanic Heritage Awards Conjunto da Obra Venceu [14]
2013 Espanha Premio Ondas Iberoamericano Trajetória destacada na televisão mundial Venceu [11]

Referências

  1. Bolãnos, ator de Chaves, está com depressão
  2. 'Chaves' chega a 1 milhão de seguidores no Twitter em 2 meses
  3. a b Bolívia faz homenagem a ator de "Chaves" por seus 40 anos de carreira
  4. a b Ator de Chaves faz 40 anos de carreira e ganha homenagem
  5. a b Dois mil bolivianos dançam em homenagem a ator de 'Chaves'
  6. Editorial Televisa "Chaves: a história oficial ilustrada", São Paulo: Universo dos Livros, 2012.
  7. a b diversao.terra.com.br/tv/chaves Roberto Gómez Bolaños o criador do Chaves
  8. Linha do tempo de Chespirito
  9. Página do evento
  10. Em homenagem, ator de ‘Chaves’ vai embora de ambulância
  11. a b ADN Radio (30 de octubre de 2013). Premios Ondas 2013 reconocieron la trayectoria de Chespirito. Página visitada em 31 de octubre de 2013.
  12. imdb.com/
  13. chavodel8.com/ Premios Latinos 2010, dedicados a Chespirito
  14. huffingtonpost.com/ "El Chavo Del Ocho" Still Bringing In Big Revenue After 41 Years On Air

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Roberto Gómez Bolaños

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.