Adriano Fonseca Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Adriano Fonseca Filho
Nascimento 18 de dezembro de 1945
Ponte Nova, Brasil
Morte 3 de dezembro de 1973 (27 anos)
Araguaia, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação guerrilheiro

Adriano Fonseca Filho (Ponte Nova, 18 de dezembro de 1945 - Araguaia, 3 de dezembro de 1973) foi um militante do Partido Comunista do Brasil, e guerrilheiro integrante da Guerrilha do Araguaia.

Fez seus estudos primário e secundário em Minas Gerais, seu estado natal, transferindo-se para o Rio de Janeiro em 1967. Aprovado no vestibular, cursava Filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro, até entrar para a clandestinidade devido à militância no PCdoB e a respectiva perseguição policial.

Transferido pelo partido para a área rural, integrou-se à Guerrilha do Araguaia em abril de 1972, no começo das operação militares contra os guerrilheiros. Estabeleceu-se na Gameleira, área base do Destacamento B da guerrilha, sob o comando de Osvaldão, recebendo o codinome 'Chico'.

Em dezembro de 1973, quando procurava jabutis na mata para alimentação de um grupo de oito guerrilheiros, foi abatido numa emboscada militar, morrendo na hora. Decapitado por ordem do comandante do pelotão, sua cabeça foi transportada para Xambioá, como prova da morte do guerrilheiro no meio da selva. Seu corpo nunca foi encontrado. O relatório oficial da Marinha informa a data de sua morte como 3 de dezembro de 1973. É dado como desaparecido político.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]