Issami Nakamura Okano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Issami Nakamura Okano
Nome completo Issami Nakamura Okano
Nascimento 23 de novembro de 1945
Cravinhos, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileiro
Ocupação estudante, militante
Influências

Issami Nakamura Okano (Cravinhos, 23 de novembro de 1945 – ?) foi um guerrilheiro brasileiro integrante da Aliança Nacional Libertadora (ALN) desaparecido na ditadura militar brasileira. É um dos casos investigados pela Comissão da Verdade, que apura mortes e desaparecimentos durante a ditadura militar brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Issami Nakamura Okano nasceu no dia 23 de novembro de 1945, em Cravinhos, interior de São Paulo. Filho de Hideo Okano e Sadae Nakamura Okano.[1] Mudou-se para São Paulo e cursou química na Universidade de São Paulo. Foi assistente de laboratório do Departamento de Engenharia Química da Escola Politécnica e do Instituto de Física da USP.[2]

Militância[editar | editar código-fonte]

Issami iniciou-se na atividade política quando entrou para o movimento estudantil. Posteriormente, tornou-se militante da Aliança Libertadora Nacional, em resistência ao regime militar brasileiro.

Em 1969, foi preso e torturado pela primeira vez por manter ligações com a ALN e com membros da VAR-Palmares.[3]

No dia 24 de março de 1971, foi condenado a dois anos de reclusão pela Auditoria da Guerra da 2ª Circunscrição da Justiça Militar (CJM) de São Paulo. Okano cumpriu pena no presídio Tiradentes, em São Paulo, até outubro de 1972.

Issami foi julgado em outro processo e absolvido em 11 de fevereiro de 1974. [3]

Desaparecimento[editar | editar código-fonte]

A segunda prisão, consequência da infiltração do médico João Henrique Ferreira de Carvalho (Jota), aconteceu no dia 14 de maio de 1974. Agentes do DOI-CODI/SP prenderam Issami, na época com 29 anos, em sua residência no bairro de Pinheiros.

Em 7 de fevereiro de 1975, o ministro da Justiça, Armando Falcão, declarou em comunicado oficial que Issami foi preso e que estava foragido. O advogado Idibal Piveta respondeu em defesa de Issami, pois já havia cumprido pena e retornado ao trabalho.[2]

Em entrevista publicada na revista Veja do dia 18 de novembro de 1992,[4] o ex-agente do DOI-CODI/SP, Marival Dias Chaves do Canto, citou o nome de Issami, como um dos delatados por Jota. Chaves do Canto relata que Issami foi preso em São Paulo e levado para o Rio de Janeiro.

A Comissão Nacional da Verdade lista Issami entre os mortos e desaparecidos na Casa da Morte, em Petrópolis.[5]

Na trigésima audiência pública da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo Rubens Paiva, no dia 10 de abril de 2013, ocorreu a leitura do memorial de Issami Nakamura Okano. Na ocasião, o advogado Idibal Piveta descrevou que, na Casa da Morte, Issami "foi submetido a terríveis torturas, foi morto e seu corpo está desaparecido até hoje."

Documentos[editar | editar código-fonte]

O nome de Issami, de número 53, consta no Anexo I [6] da Lei nº 9.140/95, de 4 de dezembro de 1995. [7]

O processo, de número 155/96, foi protocolado na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos.[3]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de dezembro de 1992,[8] São Paulo oficializou o nome de Issami Nakamura Okano em uma rua no bairro Jardim Nova América.

Rio de Janeiro também possui uma rua no bairro Paciência em sua homenagem, mas a grafia do sobrenome foi alterada - de Okano para Okamo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dossiê Ditadura: Mortos e Desaparecidos Políticos no Brasil (1964-1985) - Instituto de Estudos Sobre Violência do Estado e Imprensa Oficial (IEVE), São Paulo, 2009
  2. a b http://www.comissaodaverdade.org.br/caso_integra.php?id=21 - Caso Issami Nakamura Okano. Comissão da Verdade do Estado de São Paulo Rubens Paiva. Acessado em 15/06/2014
  3. a b c http://cemdp.sdh.gov.br/modules/desaparecidos/acervo/ficha/cid/236 - Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Ficha descritiva: Issami Nakamura Okano. Acessado em 15/06/2014
  4. http://veja.abril.com.br/arquivo_veja/capa_18111992.shtml - Arquivo Veja - Autópsia da Sombra. Acessado em 15/06/2014
  5. http://www.cnv.gov.br/images/pdf/petropolis/mortos_desaparecidos.pdf - Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos na Casa da Morte de Petrópolis - Acessado em 15/06/2014
  6. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1995_1997/anexo/ANL9140-95.pdf
  7. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9140.htm
  8. http://www.arquiamigos.org.br/info/info18/i-logra.htm - Arquivo Histórico Municipal. A história nas ruas: homenagens à comunidade nipônica através dos logradouros paulistanos. Acessado em 15/06/2014