Cultura Clóvis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vestígios da Cultura Clóvis
Mapa da América mostrando sítios anteriores à Cultura Clóvis.

A Cultura Clóvis é uma cultura pré-histórica da América que surgiu há cerca de 13 500-13 000 anos, no final da última Idade do Gelo. Chama-se assim por causa dos artefatos encontrados perto da cidade americana de Clovis (Novo México). O povo de Clóvis era considerado o mais antigo habitante do Novo Mundo. Contudo, essa visão tem sido contestada nos últimos trinta anos por várias descobertas que aparentam ser mais antigas.[1]

No início do século XX, um vaqueiro e antigo escravo, George McJunkin, achou um esqueleto de bisão perto de Folsom, Novo México. Em 1929, James Ridgley Whiteman descobriu o principal sítio arqueológico da cultura Clóvis. Contudo, a primeira evidência da cultura foi aceita em 1932, em escavações em Clovis (Novo México).[carece de fontes?]

Até recentemente, a teoria padrão era de que a cultura Clóvis correspondia à dos primeiros habitantes da América. Acreditava-se que os primeiros povos tinham cruzado o Estreito de Bering da Sibéria para o Alasca quando o nível do mar entre os continentes baixara, iniciando assim uma caminhada em direção ao sul do continente.

Novas evidências, contudo, indicam que a cultura Clóvis pode não ter sido a primeira das Américas, pois datações em carbono demonstraram que haveria agrupamentos humanos mais antigos no continente.[1]

Alguns sítios arqueológicos que revelaram evidências de grupos humanos anteriores à cultura Clóvis são:

Referências

  1. a b c «Homem ocupou o Piauí há 58 mil anos». Folha de S. Paulo. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.