Economia da América Latina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
São Paulo, Brasil, um dos maiores e mais ricos centros urbanos da região.

A economia da América Latina de um modo geral é considerada uma economia em desenvolvimento, pois grande parte da sua população e do setor primário. Somente alguns países apresentam significativas parcelas da população economicamente ativa no setor secundário. Porém é o setor terciário que mais tem crescido em quase todos os países latino-americanos.

Extrativismo[editar | editar código-fonte]

Mina de cobre no Chile. A América Latina produz mais da metade do cobre mundial
Mina de prata na Bolívia
Mina de ametista em Ametista do Sul. A América Latina é um grande produtor de gemas como ametista, topázio, esmeralda, água-marinha e turmalina.
Mina de ferro em Minas Gerais

A caça, como base econômica de sobrevivência, é praticada somente por esparsos grupos indígenas. A pesca, além de atividade econômica de valor regional para todos os países que apresentam extensões litorâneas, tem especial importância para o Peru,[1] maior exportador de pescado da América Latina,[2] embora o Chile seja o maior produtor.[3]

O extrativismo vegetal aparece sempre como atividade complementar da agricultura e da pecuária, merecendo destaque a extração do látex da seringueira, em toda a Floresta Amazônica (Brasil, Colômbia, Peru e Bolívia); do quebracho, no Pantanal (Argentina,[4] Paraguai[5] e Brasil); de madeira, em quase toda a América Central, Brasil[6] e Chile;[7] e ainda de babaçu e carnaúba, no Brasil.[8]

O extrativismo mineral tem considerável importância em praticamente todos os países latino-americanos, ainda que muitas vezes a exploração seja realizada graças a capitais estrangeiros. Na extração do petróleo, possuem grande destaque México,[9] Venezuela,[10] Brasil,[11] Argentina,[12] Colômbia[13] e Equador.[14]

Na produção de petróleo, o Brasil foi o 10º maior produtor mundial de petróleo em 2019, com 2,8 milhões de barris/dia. O México foi o 12º maior produtor, com 2,1 milhões de barris/dia. A Colômbia vinha em 22º lugar com 886 mil barris/dia, a Venezuela em 23º lugar com 877 mil barris/dia, o Equador em 28º com 531 mil barris/dia e a Argentina em 29º com 507 mil barris/dia. Como a Venezuela e o Equador consomem pouco petróleo e exportam a maior parte de sua produção, eles fazem parte da OPEP. A Venezuela registrou uma queda acentuada na produção após 2015 (onde produziu 2,5 milhões de barris/dia), caindo em 2016 para 2,2 milhões, em 2017 para 2 milhões, em 2018 para 1,4 milhões e em 2019 para 877 mil, por falta de investimentos. [15]

Na produção de gás natural, em 2018, a Argentina produziu 1.524 bcf (bilhões de pés cúbicos), o México 999, a Venezuela 946, Brasil 877, Bolívia 617, Peru 451, Colômbia 379.[16]

O Brasil é o segundo maior exportador mundial de minério de ferro, possui 98% das reservas conhecidas de nióbio no mundo e é um dos 5 maiores produtores mundiais de bauxita, manganês e estanho, além de ter produções consideráveis de cobre, ouro e níquel. O Chile contribui com cerca de um terço da produção mundial de cobre. Em 2018, o Peru era o segundo maior produtor de prata e cobre do mundo e o sexto produtor de ouro (os 3 metais que mais geram valor), bem como era o terceiro maior produtor mundial de zinco e estanho e o quarto de chumbo. A Bolívia é o quinto maior produtor de estanho, o sétimo produtor de prata e o oitavo produtor de zinco do mundo. [17] [18]

O México é o maior produtor de prata do mundo, representando quase 23% da produção mundial, produzindo mais de 200 milhões de onças em 2019. Também possui importantes cobre e zinco e produz uma quantidade significativa de ouro.[19]

Acerca das pedras preciosas, o Brasil é o maior produtor mundial de ametista, topázio, ágata e é um dos principais produtores mundiais de turmalina, esmeralda, água marinha, granada e opala. Também há produção considerável de ametista no Uruguai e na Bolívia. Na produção de esmeralda, a Colômbia é o maior produtor mundial. A Guiana é um grande produtor de diamante. [20][21][22][23][24][25]

O Brasil é o segundo produtor mundial de ferro;[26] o Chile,[27] o Peru,[28] sendo o Chile o maior produtor do mundo;[29] o Brasil é um dos cinco maiores produtores mundiais de manganês,[30] além de grande produtor de estanho, minério do qual a Bolívia é grande exportadora.[31]

A América Latina destaca-se ainda por sua produção de chumbo (Peru[32] e México[33]), níquel (Cuba[34]), prata (México[35] e Peru[36]), zinco (Peru[36]), bauxita (Brasil[37] e Venezuela[38]) e platina (Colômbia[39]).

Agropecuária[editar | editar código-fonte]

Plantação de soja no Mato Grosso. Em 2020, o Brasil era o maior produtor mundial, com 130 milhões de toneladas. A América Latina produz metade da soja do mundo.
Cana-de-açúcar em São Paulo. Em 2018, o Brasil era o maior produtor mundial, com 746 milhões de toneladas. A América Latina produz mais da metade da cana-de-açúcar do mundo.
Laranja em São Paulo. Em 2018, o Brasil era o maior produtor mundial, com 17 milhões de toneladas. A América Latina produz 30% das laranjas do mundo.
Café em Minas Gerais. Em 2018, o Brasil era o maior produtor mundial, com 3,5 milhões de toneladas. A América Latina produz metade do café do mundo.
Milho em Dourados. Brasil, Argentina e México estão entre os 10 maiores produtores mundiais
Plantação de uvas na Argentina. A Argentina e o Chile estão entre os 10 maiores produtores de uvas e vinho do mundo, e o Brasil está entre os 20 maiores.
Abacaxi em Veracruz, México. A América Latina produz 35% do abacaxi mundial.

A América Latina, que inclui essencialmente países subdesenvolvidos, de maneira geral é pouco industrializada, ficando sua economia subordinada à agropecuária e à mineração. Mesmo com essa dependência agrícola, a maior parte de suas terras é cultivada de forma extensiva e possui um reduzido PIB per capita.

Em muitos países, a atividade agrícola ainda se desenvolve segundo os moldes do período colonial: grandes propriedades, pertencentes a poucas famílias, cuja produção se destina quase integralmente ao mercado externo. Devido principalmente à concentração das terras mais férteis nas mãos de poucos proprietários e ao grande número de agricultores sem terras para cultivar, surgiram nessas áreas muitos conflitos fundiários, o que originou projetos de reforma agrária que visam à distribuição mais igualitária da terra, em países como México,[40] Bolívia,[41] Chile,[42] Peru[carece de fontes?] e Cuba.[43]

Em todos os países da América Latina é possível identificar basicamente dois tipos de agricultura: a de subsistência,[44] praticada com o uso de técnicas primitivas, e a de caráter comercial, em geral monoculturas realizadas em grandes extensões de terra. Como exemplos característicos desse sistema, podemos citar o café,[45] responsável por uma parte substancial das rendas de exportação da Colômbia,[46] Costa Rica,[47] Guatemala[48] e El Salvador,[49] e a banana, com igual importância para o Panamá[50] e Honduras,[51] soja, trigo, cana-de-açúcar, entre outros.

Os quatro países com a maior agricultura na América do Sul são Brasil, Argentina, Chile e Colômbia:

Na América Central, destacam-se:

O México é o maior produtor mundial de abacate, um dos cinco principais produtores mundiais de pimenta, limão, laranja, manga, mamão, morango, toranja, abóbora e aspargos, e um dos 10 maiores produtores mundiais de cana-de-açúcar, milho, sorgo, feijão, tomate, coco, abacaxi, melão e mirtilo.[53]

Criação de salmão no Chile. Um terço de todo o salmão vendido no mundo vem do país.
Caminhão de uma empresa de carnes no Brasil. A América Latina produz 25% da carne bovina e de frango do mundo.

A pecuária, atividade de grande destaque na América Latina[44] , é praticada em todos os países, ainda que de formas diferentes. A pecuária extensiva é realizada em grandes propriedades e sem o emprego de técnicas especiais; já na intensiva, utilizam-se técnicas de seleção do plantio, isto é, animais de boa raça, e cultivam-se pastagens.

Os rebanhos mais numerosos na América latina, pela ordem, são os de bovinos, suínos e ovinos. Brasil, Argentina e México são os países que possuem a maior quantidade de cabeças de gado.

O Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango: 3,77 milhões de toneladas em 2019. [54] [55] O país é dono do segundo rebanho do maior rebanho bovino do mundo, 22,2% do rebanho mundial. O país foi o segundo maior produtor de carne bovina em 2019, responsável por 15,4% da produção mundial. [56] Foi também o terceiro maior produtor de leite do mundo em 2018. Este ano o país produziu 35,1 bilhões de litros. [57] Em 2019, o Brasil era o 4º maior produtor de carne de porco do mundo, com quase 4 milhões de toneladas. [58]

Em 2018, a Argentina era o quarto maior produtor de carne bovina do mundo, com uma produção de 3 milhões de toneladas (atrás apenas dos Estados Unidos, Brasil e China). O Uruguai também é um grande produtor de carne bovina. Em 2018, produziu 589 mil toneladas. [59]

Na produção de carne de frango, o México está entre os 10 maiores produtores do mundo, a Argentina entre os 15 maiores e Peru e Colômbia entre os 20 maiores. Na produção de carne bovina, o México é um dos 10 maiores produtores do mundo e a Colômbia um dos 20 maiores produtores. Na produção de suínos, o México está entre os 15 maiores produtores do mundo. Na produção de mel, a Argentina está entre os 5 maiores produtores do mundo, o México entre os 10 maiores e o Brasil entre os 15 maiores. Em termos de produção de leite de vaca, o México está entre os 15 maiores produtores do mundo e a Argentina entre os 20.[60]

Indústria[editar | editar código-fonte]

EMS, a maior indústria farmacêutica do Brasil
Braskem, a maior indústria química do Brasil
Fábrica de chocolate Neugebauer em Arroio do Meio. A América Latina é especialista em processamento de alimentos
Siderúrgica CSN, em Volta Redonda. O Brasil é um dos 10 maiores produtores de aço do mundo, o México é um dos 15 maiores, e a Argentina, um dos 30 maiores
Complexo industrial da Klabin, em Ortigueira. O Brasil é o 2º maior produtor de celulose do mundo e o 8º maior produtor de papel

O Banco Mundial lista os principais países produtores a cada ano, com base no valor total da produção. Pela lista de 2019, o México tem a 12ª indústria mais valiosa do mundo (US $ 217,8 bilhões), o Brasil tem a 13ª indústria mais valiosa do mundo (US $ 173,6 bilhões), a Venezuela a 30ª maior (US $ 58,2 bilhões, mas depende do petróleo para obter esse valor), a Argentina era a 31ª maior ($ 57,7 bilhões), Colômbia a 46º maior ($ 35,4 bilhões), Peru a 50º maior ($ 28,7 bilhões) e Chile a 51º maior ($ 28,3 bilhões). [61]

O Brasil é o líder industrial da América do Sul. Na indústria de alimentos, o Brasil foi o segundo maior exportador mundial de alimentos processados ​​em 2019. [62][63][64] Em 2016, o país foi o 2º produtor de celulose no mundo e o 8º produtor de papel. [65][66][67] No setor de calçados, em 2019, o Brasil ocupou o 4º lugar entre os produtores mundiais. [68][69][70][71] Em 2019, o país foi o 8º produtor de veículos e o 9º produtor de aço do mundo. [72][73][74]. Em 2018, a indústria química brasileira ocupava a 8ª posição mundial. [75][76][77]. Na indústria têxtil, o Brasil, embora estivesse entre os 5 maiores produtores do mundo em 2013, estava mal integrado ao comércio mundial. [78] No setor de aviação, o o Brasil tem a Embraer, a terceira maior fabricante de aeronaves do mundo, atrás apenas da Boeing e Airbus.

Na América Latina, são poucos os países que alcançam projeção na atividade industrial: Brasil,[79] Argentina,[80] México[81] e, menos destacadamente, Chile.[82] Iniciada tardiamente, a industrialização desses países tomou grande impulso a partir da Segunda Guerra Mundial:[83] esta impediu os países em guerra de comprar os produtos que estavam habituados a importar e de exportar o que produziam.

Nessa época, beneficiando-se das abundantes matérias-primas locais, dos baixos salários pagos à mão-de-obra e de uma certa especialização trazida pelos imigrantes, países como Brasil[79] , México[81] e Argentina[80] , além de Venezuela,[84] Chile[82] , Colômbia[85] e Peru,[86] puderam implantar expressivos parques industriais. De maneira geral, nesses países sobressaem indústrias que exigem pouco capital e tecnologia simples para sua instalação, como as indústrias de beneficiamento de produtos alimentícios e têxteis. Destacam-se também as indústrias de base (siderúrgicas, etc.), além das metalúrgicas e mecânicas.

Os parques industriais brasileiro, mexicano, argentino e chileno apresentam, contudo, uma diversidade e sofisticação muito maiores, produzindo artigos de avançada tecnologia.

Nos demais países latino-americanos, principalmente da América Central, predominam indústrias de beneficiamento de produtos primários para exportação.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Comércio[editar | editar código-fonte]

A porcentagem de população ativa empregada no setor terciário depende bastante do nível de desenvolvimento de cada país. É maior nas nações latinas mais industrializadas - Brasil,[87] Argentina[12] , Colômbia[88] e México[89] -, reduzindo-se nos demais países. Assim, a atividade comercial, que é a mais importante desse setor, apresenta pesos diferentes conforme o país, ainda que constitua uma importante fonte de recursos.

As exportações da maior parte dos países da América Latina ainda se apoiam em produtos naturais, cujos preços no mercado internacional oscilam muito, não representando grande aumento de divisas. Um dos fatores que criam sérias dificuldades ao desenvolvimento econômico e à integração social da América Latina é a relativa carência de vias de transporte em boas condições de uso.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Copacabana Palace, o melhor hotel da América do Sul, no Rio de Janeiro

Na lista dos destinos turísticos mundiais, em 2018, o México foi o sétimo país mais visitado do mundo, com 41,4 milhões de turistas internacionais (e receitas de US $ 22,5 bilhões), boa parte deles pela fronteira com os Estados Unidos. A Argentina foi o 47º país mais visitado, com 6,9 milhões de turistas (e faturamento de US $ 5,5 bilhões); o Brasil foi o 48º mais visitado, com 6,6 milhões de turistas (e faturamento de US $ 5,9 bilhões); a República Dominicana em 49º lugar, com 6,5 milhões de turistas (e receitas de US $ 7,5 bilhões); o Chile em 53º lugar com 5,7 milhões de turistas (e receita de US $ 2,9 bilhões); o Peru na posição 60 com 4,4 milhões de turistas (e receita de US $ 3,9 bilhões); a Colômbia em 65º lugar com 3,8 milhões de turistas (e receitas de US $ 5,5 bilhões); o Uruguai em 69ºlugar com 3,4 milhões de turistas (e receita de US $ 2,3 bilhões); a Costa Rica em 74º lugar com 3 milhões de turistas (e receitas de US $ 3,9 bilhões). Observe que o número de turistas nem sempre reflete o valor monetário que o país recebe do turismo. Alguns países praticam um turismo de nível mais alto, obtendo maiores benefícios. O turismo na América do Sul ainda é pouco desenvolvido: na Europa, por exemplo, os países obtêm valores anuais de turismo como 73,7 bilhões de dólares (Espanha), recebendo 82,7 milhões de turistas ou 67,3 bilhões de dólares (França), recebendo 89,4 milhões de turistas. Enquanto a Europa recebeu 710 milhões de turistas em 2018, a Ásia 347 milhões e a América do Norte 142,2 milhões, a América do Sul recebeu apenas 37 milhões, a América Central 10,8 milhões e o Caribe 25,7 milhões. [90]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Ruta 9 / 14, em Zarate, Argentina
Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro
Porto de Itajaí, Santa Catarina, Brasil

As dificuldades impostas pelo relevo; a tropicalidade dominante do clima, caracterizada por chuvas freqüentes; o predomínio de rios de planalto, dificultando a navegação; e a densidade da vegetação, quase intransponível em certos trechos, são fatores naturais que têm de ser vencidos. Mas é principalmente a ausência de recursos financeiros para a construção de modernos portos, grandes rodovias, comportas fluviais ou aeroportos modernos, que impede que essa parte do continente apresente uma densa malha de circulação. Entre os países latino-americanos, os mais industrializados são, naturalmente, os mais bem servidos nessa área, ainda que em todos eles haja grandes deficiências quanto aos meios de transporte.

Na região mais densamente povoada da América do Sul e servida pela bacia dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai (bacia Platina) vem sendo desenvolvida uma hidrovia que fará a interligação fluvial entre os quatro países do sudeste do continente.

O transporte na América do Sul é feito basicamente no modal rodoviário, o mais desenvolvido da região. Há também uma infraestrutura considerável de portos e aeroportos. O setor ferroviário e fluvial, embora tenha potencial, costuma ser tratado de forma secundária.

O Brasil tem mais de 1,7 milhão de quilômetros de estradas, dos quais 215.000 km são pavimentados e cerca de 14.000 km são rodovias duplicadas. As duas rodovias mais importantes do país são BR-101 e BR-116. [91] A Argentina tem mais de 600.000 km de estradas, sendo cerca de 70.000 km pavimentadas e cerca de 2.500 km são rodovias duplicadas. As três rodovias mais importantes do país são a Rota 9, Rota 7 e Rota 14. [92] A Colômbia possui cerca de 210.000 km de rodovias e cerca de 2.300 km são rodovias duplicadas. [93] O Chile tem cerca de 82.000 km de estradas, 20.000 das quais são pavimentadas e aproximadamente 2.000 km são rodovias duplicadas. A rodovia mais importante do país é a Ruta 5 (Rodovia Panamericana) [94] Na América do Sul, esses 4 países têm a melhor infraestrutura viária e o maior número de rodovias de pista dupla.

A malha rodoviária do México tem uma extensão de 366.095 km, dos quais 116.802 km são pavimentados; Destes, 10.474 km são rodovias duplicadas: 9.544 km são rodovias de quatro pistas e o restante tem 6 ou mais pistas. [95][96]

Devido à Cordilheira dos Andes, ao Rio Amazonas e à Floresta Amazônica, sempre houve dificuldades na implantação de estradas transcontinentais ou bioceânicas. Praticamente a única rota que existia era a que ligava o Brasil a Buenos Aires, na Argentina e depois a Santiago, no Chile. Porém, nos últimos anos, com o esforço conjunto dos países, novas rotas começaram a surgir, como a rota Brasil-Peru (Rodovia Interoceânica), e uma nova rodovia entre Brasil, Paraguai, norte da Argentina e norte do Chile (Corredor Bioceânico).

Existem mais de 2.000 aeroportos no Brasil. O país possui o segundo maior número de aeroportos do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. O Aeroporto Internacional de São Paulo, localizado na Região Metropolitana de São Paulo, é o maior e mais movimentado do país - o aeroporto conecta São Paulo a praticamente todas as principais cidades do mundo. O Brasil tem 44 aeroportos internacionais, como os do Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Florianópolis, Cuiabá, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém e Manaus, entre outros. A Argentina tem aeroportos internacionais importantes, como os de Buenos Aires, Córdoba, Bariloche, Mendoza, Salta, Puerto Iguazú, Neuquén e Usuhaia, entre outros. O Chile tem aeroportos internacionais importantes, como os de Santiago, Antofagasta, Puerto Montt, Punta Arenas e Iquique, entre outros. A Colômbia tem aeroportos internacionais importantes, como os de Bogotá, Medellín, Cartagena, Cali e Barranquilla, entre outros. O Peru tem aeroportos internacionais importantes como os de Lima, Cuzco e Arequipa. Outros aeroportos importantes são os das capitais do Uruguai (Montevidéu), Paraguai (Assunção), Bolívia (La Paz) e Equador (Quito). Os 10 aeroportos mais movimentados da América do Sul em 2017 foram: São Paulo-Guarulhos (Brasil), Bogotá (Colômbia), São Paulo-Congonhas (Brasil), Santiago (Chile), Lima (Peru), Brasília (Brasil), Rio de Janeiro. (Brasil), Buenos Aires-Aeroparque (Argentina), Buenos Aires-Ezeiza (Argentina) e Minas Gerais (Brasil). [97]

Existem 1.834 aeroportos no México, o terceiro maior número de aeroportos por país no mundo. [98] Os sete maiores aeroportos, que absorvem 90% das viagens aéreas, são (por ordem de tráfego aéreo): Cidade do México, Cancún, Guadalajara, Monterrey, Tijuana, Acapulco e Puerto Vallarta. Considerando toda a América Latina, os 10 aeroportos mais movimentados em 2017 foram: Cidade do México (México), São Paulo-Guarulhos (Brasil), Bogotá (Colômbia), Cancún (México), São Paulo-Congonhas (Brasil), Santiago (Chile ), Lima (Peru), Brasília (Brasil), Rio de Janeiro (Brasil) e Tocumen (Panamá). [99]

Sobre portos, o Brasil tem alguns dos portos mais movimentados da América do Sul, como o Porto de Santos, Porto do Rio de Janeiro, Porto de Paranaguá, Porto de Itajaí, Porto de Rio Grande e Porto de Suape. A Argentina possui portos como o Porto de Buenos Aires e o Porto de Rosário. O Chile tem portos importantes em Valparaíso, Caldera, Mejillones, Antofagasta, Iquique, Arica e Puerto Montt. A Colômbia possui portos importantes como os de Buenaventura e Baía de Cartagena. O Peru tem portos importantes em Callao, Ilo e Matarani. Os 15 portos mais ativos da América do Sul são: Porto de Santos (Brasil), Porto da Bahía de Cartagena (Colômbia), Callao (Peru), Guayaquil (Equador), Buenos Aires (Argentina), San Antonio (Chile), Buenaventura (Colômbia), Itajaí (Brasil), Valparaíso (Chile), Montevidéu (Uruguai), Paranaguá (Brasil), Rio Grande (Brasil), São Francisco do Sul (Brasil), Manaus (Brasil) e Coronel (Chile). [100]

Os quatro principais portos marítimos que concentram cerca de 60% do tráfego de mercadorias no México são Altamira e Veracruz no Golfo do México, e Manzanillo e Lázaro Cárdenas no Oceano Pacífico. Considerando toda a América Latina, os 10 maiores portos em termos de movimentação são: Colón (Panamá), Santos (Brasil), Manzanillo (México), Bahía de Cartagena (Colômbia), Pacífico (Panamá), Callao (Peru), Guayaquil ( Equador), Buenos Aires (Argentina), San Antonio (Chile) e Buenaventura (Colômbia). [101]

A malha ferroviária brasileira tem uma extensão de cerca de 30.000 quilômetros. É usado basicamente para transportar minerais. O transporte ferroviário de passageiros é deficitário em quase todo o mundo: mesmo na Europa, é realizado através de pesado subsídio estatal. No Brasil, não vem sendo aplicado, basicamente, por causar prejuízo ao invés de lucro: as empresas são livres para aplicá-lo mas optam por não fazê-lo. [102] A Argentina tem uma rede de 47.000 km que já foi uma das maiores do mundo e continua a ser a mais longa da América Latina. Tinha cerca de 100 mil km de trilhos, mas o levantamento de trilhos e a ênfase no transporte motorizado foram reduzindo o volume de ferrovias gradativamente. Possui quatro trilhas diferentes e conexões internacionais com o Paraguai, Bolívia, Chile, Brasil e Uruguai. O Chile tem quase 7.000 km de ferrovias, com conexões para Argentina, Bolívia e Peru. A Colômbia tem apenas cerca de 3.500 km de ferrovias. [103]

Dentre as principais vias navegáveis brasileiras, duas se destacam: Hidrovia Tietê-Paraná (que tem 2.400 km de extensão, sendo 1.600 no rio Paraná e 800 km no rio Tietê, escoando a produção agrícola dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e parte de Rondônia, Tocantins e Minas Gerais) e Hidrovia do Solimões-Amazonas (tem dois trechos: Solimões, que vai de Tabatinga a Manaus, com aproximadamente 1600 km, e Amazonas, que se estende de Manaus a Belém, com 1650 km. Quase todo o transporte de passageiros da planície amazônica é feito por esta hidrovia, além de praticamente todo o transporte de cargas que vai para os centros regionais Belém e Manaus). No Brasil, esse transporte ainda é subutilizado: os trechos mais importantes das hidrovias, do ponto de vista econômico, localizam-se no Sudeste e no Sul do país. A sua plena utilização depende ainda da construção de eclusas, grandes dragagens e, principalmente, de portos que permitam a integração intermodal. Na Argentina, a rede hidroviária é composta pelos rios La Plata, Paraná, Paraguai e Uruguai. Os principais portos fluviais são Zárate e Campana. O porto de Buenos Aires é historicamente o primeiro em importância individual, mas a área conhecida como Up-River, que se estende ao longo de 67 km da porção Santa Fé do rio Paraná, reúne 17 portos que concentram 50% das exportações totais do país.

Energia[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

Complexo Solar Pirapora, o maior do Brasil e da América Latina com 321 MW.

O governo brasileiro empreendeu, ao longo de décadas, um programa ambicioso para reduzir a dependência do petróleo importado. Anteriormente, as importações representavam mais de 70% das necessidades de petróleo do país, mas o Brasil tornou-se autossuficiente em petróleo em 2006-2007. O Brasil foi o 10º maior produtor de petróleo do mundo em 2019, com 2,8 milhões de barris/dia. A produção consegue atender a demanda do país. No início de 2020, na produção de petróleo e gás natural, o país ultrapassou pela primeira vez 4 milhões de barris de óleo equivalente por dia. Em janeiro deste ano, foram extraídos 3,168 milhões de barris de petróleo por dia e 138,7 milhões de metros cúbicos de gás natural. [104][105]

O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de energia hidroelétrica. Em 2019, o Brasil contava com 217 usinas hidrelétricas em operação, com capacidade instalada de 98.581 MW, 60,16% da geração de energia do país. Na geração total de eletricidade, em 2019 o Brasil atingiu 170.000 MW de capacidade instalada, mais de 75% de fontes renováveis ​​(a maioria hidrelétricas). [106][107]

Em 2013, a Região Sudeste consumiu cerca de 50% da carga do Sistema Integrado Nacional (SIN), sendo a principal região consumidora de energia do país. A capacidade instalada de geração de eletricidade da região totalizou quase 42.500 MW, o que representou cerca de um terço da capacidade de geração do Brasil. A geração hidrelétrica representou 58% da capacidade instalada da região, os 42% restantes correspondendo basicamente à geração termelétrica. São Paulo representava 40% dessa capacidade; Minas Gerais em aproximadamente 25%; Rio de Janeiro com 13,3%; e o Espírito Santo representou o resto. A Região Sul possui a Usina de Itaipu, que foi a maior hidrelétrica do mundo por vários anos, até a inauguração da Hidrelétrica das Três Gargantas na China. Continua a ser a segunda maior hidrelétrica em operação no mundo. O Brasil é coproprietário da Usina de Itaipu com o Paraguai: a barragem está localizada no Rio Paraná, na fronteira entre os países. Tem uma capacidade instalada de geração de 14 GW, com 20 unidades geradoras de 700 MW cada. A Região Norte possui grandes hidrelétricas, como a Usina de Belo Monte e a Usina de Tucuruí, que produzem grande parte da energia nacional. O potencial hidrelétrico do Brasil ainda não foi totalmente explorado, então o país ainda tem capacidade para construir várias usinas de energia renovável em seu território. [108][109]

Em 2019, estimava-se que o país teria um potencial de geração estimada de energia eólica em torno de 522 GW (isto, apenas em terra, desconsiderando as usinas eólicas que podem ser instaladas no mar), potência suficiente para atender três vezes a demanda atual do país. Em setembro de 2020, de acordo com a ONS, a capacidade instalada total de energia eólica era de 16,3 GW, com um fator de capacidade médio de 58%. Embora o fator de capacidade eólica médio mundial seja de 24,7%, existem áreas no Nordeste do Brasil, especialmente no estado da Bahia, onde alguns parques eólicos registram um fator de capacidade médio superior a 60%; o fator de capacidade médio na Região Nordeste é de 45% no litoral e 49% no interior. Em 2019, a energia eólica representava 9% da energia gerada no país. [110][111][112]

A energia nuclear representa cerca de 4% da eletricidade do Brasil. O monopólio de geração de energia nuclear é de propriedade da Eletronuclear (Eletrobrás Eletronuclear S/A), uma subsidiária integral da Eletrobrás. A energia nuclear é produzida por dois reatores em Angra. Está localizada na Usina Nuclear Almirante Álvaro Alberto (CNAAA), na Praia de Itaorna, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro. É composto por dois reatores de água pressurizada, Angra I, com capacidade de 657 MW, conectado à rede elétrica em 1982, e Angra II, com capacidade de 1.350 MW, conectado em 2000. Um terceiro reator, Angra III, com um deverá ter 1.350 MW, deve ser concluído. [113][114]

Em setembro de 2020, de acordo com a ONS, a capacidade instalada total de energia solar fotovoltaica era de 6,9 ​​GW, com um fator de capacidade médio de 23%. Alguns dos estados brasileiros mais irradiados são MG (Minas Gerais), BA (Bahia) e GO (Goiás), que atualmente possuem recordes mundiais de irradiação. Em 2019, a energia solar representava 1,27% da energia gerada no país. [115][116]

Divisão socioeconômica[editar | editar código-fonte]

Embora os problemas sociais, econômicos e políticos que atingem os países latinos sejam basicamente os mesmos, eles apresentam algumas diferenças que permitem distribuir esses países em quatro grandes grupos.[117]

O Grupo 1 engloba países com graves problemas econômicos, mas sem grandes desníveis sociais. Três deles se localizam na América Central: Cuba, a única nação socialista do continente; Panamá, em cujo território foi construído um canal ligando o Atlântico ao Pacífico, o que acarretou a interferência norte-americana na região, já que foram os Estados Unidos que construíram esse canal e obtiveram o domínio da faixa territorial onde ele se situa; e, finalmente, Costa Rica, que difere de seus vizinhos pelo baixo índice de analfabetismo, baixa taxa de mortalidade infantil e ampla democracia política.[117]

Governada pelo ditador Fulgêncio Batista, Cuba era um dos países mais ricos da América Latina sendo a 29ª economia a nível mundial. Sua economia esteve fortemente vinculada a norte-americana até 1959, quando a Revolução Cubana, liderada por Fidel Castro, depôs o governo de Batista. Foi realizada a reforma agrária e bens e empresas — norte-americanos em sua maioria — foram nacionalizados.[118]

Os Estados Unidos cortaram relações diplomáticas com o novo regime cubano, que se alinhou com a extinta União Soviética, adotando o socialismo como sistema de governo. Em represália, os Estados Unidos impuseram um embargo econômico à ilha, impedindo cidadãos ou empresas norte-americanas de negociar com Cuba e pressionaram para que os demais países ocidentais fizessem o mesmo.[118]

A partir de então, isolada, Cuba estabeleceu relações comerciais exclusivamente com os países socialistas, que lhe foram muito vantajosas: recebia uma ajuda anual de 10 bilhões de dólares, vendia açúcar a preços superiores aos do mercado internacional e importava bens a preços menores. Tudo isso permitiu que Cuba conseguisse avanços muito significativos em seu quadro social, sobretudo nos setores de saúde e educação.[119]

Porém, com o colapso dos regimes socialistas, que culminou com a extinção da União Soviética em 1991, as vantagens de que Cuba desfrutava junto a esses países foram cortadas. A situação cubana tornou-se crítica, refletindo-se nas condições de vida de sua população. Enfrentando graves problemas, como racionamento de alimentos e energia, e cada vez maior o número de cubanos que deixam Cuba, especialmente para morar nos Estados Unidos, a poucos quilômetros da costa da ilha.[119]

Os outros três países do Grupo 1, localizados na América do Sul, Argentina, Chile e Uruguai, os mais meridionais do continente, que formam o chamado Cone Sul. Em comparação com o restante da América Latina, esses países apresentam reduzidas taxas de analfabetismo, elevado percentual de estudantes universitários e satisfatórias condições de moradia, de atendimento médico-hospitalar e de alimentação, guardando ate mesmo muitas semelhanças com países do sul da Europa.[119]

Com exceção do Chile, a maioria da população desses países é constituída por brancos, com forte participação dos europeus, sobretudo de ascendência espanhola e italiana, devido à migração que ocorreu a partir do século XVIII. As cidades rurais e urbanas apresentam relativo equilíbrio socioeconômico entre si. Em média, mais de 80% da população vive nas cidades, o que facilita o atendimento médico, escolar etc.[119]

O Grupo 2 reúne países com acentuadas diferenças sociais e econômicas entre o meio rural e o urbano: Brasil, Colômbia, México e Venezuela. Todos têm expressiva extensão territorial e revelam fortes diferenças, sensíveis disparidades entre o meio urbano — rico, desenvolvido e industrializado, embora com bolsões de pobreza — e o meio rural, no qual a maior parte das terras concentra-se nas mãos de poderosos latifundiários e a população camponesa geralmente é muito pobre, mal alimentada e quase sempre analfabeta.[120]

Por apresentarem essa divisão tão nítida, são chamados países de contrastes. A zona rural, devido a influência das grandes cidades, sofre contínuo esvaziamento, que tem como consequência imediata o excesso de população urbana e a formação de cortiços e favelas.[120]

A Colômbia tem enfrentado um sério problema: o combate a produção e ao tráfico de drogas, especialmente cocaína. Num país com tamanhos desníveis socioeconômicos, essa atividade, que movimenta somas milionárias, tem dominado e envolvido grandes parcelas da população.[120]

No Grupo 3 enquadram-se países pobres, de estrutura social e econômica arcaica: na América do Sul, Bolívia, Equador, Paraguai e Peru; na América Central, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, Jamaica, Nicarágua e República Dominicana. Os integrantes desse grupo tem como características renda per capita geralmente muito baixa, graves problemas de subnutrição, altas taxas de natalidade e de mortalidade, sobretudo infantil, elevados índices de analfabetismo, desigual distribuição de terras e, consequentemente, de riqueza e de poder.[120]

Os países do Grupo 4 ou são territorialmente minúsculos, apresentando área total muitas vezes equivalente à de um município brasileiro, ou têm população absoluta pequena, geralmente inferior a um milhão de habitantes, ou ambas as coisas. Estes países que, no passado foram colônias de países de cultura e língua anglo-saxônica — notadamente Inglaterra e Holanda —, mas do ponto de vista econômico, eles mantem semelhanças com alguns países latino-americanos citados anteriormente, mais com os do Grupo 3, podendo-se incluir Guiana e Suriname, na América do Sul; Belize, na América Central; e os seguintes países das Antilhas: Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Dominica, Granada, Santa Lúcia, São Cristóvão e Névis, São Vicente e Granadinas e Trindade e Tobago.[121]

Esses países, devido ao seu tamanho, ocupam uma posição especial entre os países subdesenvolvidos da América Latina, com problemas de natureza diferente daqueles dos países com grande área e população. A maior parte deles tornou-se independente nos últimos vinte anos, depois de séculos de colonização europeia. Sua atividade econômica de maior destaque é o turismo, a monoexportação de produtos agrícolas (banana, cana-de-açúcar, etc.) ou a exportação de algum mineral valioso.[121]

Referências

  1. FERREIRAlberto Passos; PERU. In: Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações, 1993. v. 16, p. 8824.
  2. «Publications». Fisheries and Aquaculture Department of Food and Agriculture Organization of the United Nations. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  3. «Publications». Fisheries andAquaculture Department of Food and Agriculture Organization of the United Nations. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  4. FERREIRA, Inácio; GUIMARÃES, Alberto Passos; PERU. In: Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações, 1993. v. 3, p. 746.
  5. PINHO, Maria Salette Ney Tavares de; GUIMARÃES, Alberto Passos; In: Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações, 1993. v. 16, p. 8569.
  6. ANTUNES, Celso. Atividades primárias no Brasil: Exrativismo. In: Geografia do Brasil: 2º grau. São Paulo: Scipione: 1993. p. 159.
  7. FERREIRA, Orlando da Costa; GUIMARÃES, Alberto Passos; CHILE. In: Enciclopédia Mirador Internacional. São Paulo: Encyclopaedia Mirador Internacional, 1993. v. 5, p. 2302.
  8. ANTUNES, Celso. Atividades primárias no Brasil: Exrativismo. In: Geografia do Brasil: 2º grau. São Paulo: Scipione: 1993. p. 160.
  9. «Mexico: Petroleum». Country Studies (em inglês). Junho de 1996. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  10. «Venezuela: Petroleum». Country Studies (em inglês). Junho de 1996. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  11. «Brazil: Petroleum». Country Studies (em inglês). Junho de 1996. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  12. a b Calvert, Peter A.R. «Argentina». Encyclopaedia Britannica Online (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  13. «Colombia: Petroleum». Country Studies (em inglês). Junho de 1996. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  14. «Ecuador:Petroleum and Natural Gas». Country Studies (em inglês). Junho de 1996. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  15. Production of Crude Oil including Lease Condensate 2019
  16. Natural Gas production
  17. [1]
  18. Diretório Brasileiro de Minerais 2018
  19. A mineração no México será reiniciada na próxima semana
  20. Anuário Mineral Brasileiro 2018
  21. Brasil extrai cerca de 2 gramas de ouro por habitante em 5 anos
  22. Votorantim Metais adquire reservas de zinco da Masa
  23. Nióbio: G1 visita em MG complexo industrial do maior produtor do mundo
  24. Algumas Gemas Clássicas
  25. Rio Grande do Sul: o maior exportador de pedras preciosas do Brasil
  26. «World Iron Ore Producers». Maps of World.com (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  27. Marcello A. Carmagnani Paul; W. Drake César, N. Caviedes. «Chile». Encyclopaedia Britannica Online (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  28. «Peru: Mining and Energy». Country Studies (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 <> e o México destacam-se na produção de cobre«Mexico: Electricity». Country Studies (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  29. Marcello A. Carmagnani Paul; W. Drake César, N. Caviedes. «Chile». Encyclopaedia Britannica Online (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  30. «World Manganese Producers». Maps of World.com (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  31. «World Mineral Statistics 1998-2002» (PDF). British Geological Survey (em inglês). 2004. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  32. James S. Kus. «Peru». Encyclopaedia Britannica Online (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  33. «Mexico: Nonfuel Mining». Country Studies (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  34. Knight, Franklin W. «Cuba». Encyclopaedia Britannica Online (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  35. «México: Nonfuel Mining». Country Studies (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  36. a b «Peru: Mining and Energy». Country Studies (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  37. «Brazil: Mining». Country Studies (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  38. «Venezuela: Mining». Country Studies (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  39. «Colombia: Mining and Energy». Country Studies (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2009 
  40. TANAKA, Laura Saldívar (9 de novembro de 2005). «Reforma agrária mexicana: do ejido à privatização». Rede de Ação e Pesquisa á Terra. Consultado em 29 de outubro de 2008. Arquivado do original em 16 de novembro de 2006 
  41. Doe, John (8 de maio de 2006). «Morales prepara reforma agrária na Bolívia». Portal Terra. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  42. «História da reforma agrária no Chile». Reforma Agrária. 21 de julho de 2007. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  43. SCHILLING, Voltaire. «Che Guevara - Cuba: o poder, 1959-1965». Terra Educação. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  44. a b «A Economia da América Latina». Colégio Web. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  45. DAROLT, Moacir Roberto (23 de março de 2001). «Agricultura orgânica na América Latina». Planeta Orgânico. Consultado em 29 de outubro de 2009. Arquivado do original em 28 de fevereiro de 2009 
  46. «Historia del café y economia del café en Colombia». Monografias.com (em espanhol). Dezembro de 1997. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  47. «História del Café en Costa Rica». Instituto de Café de Costa Rica (em espanhol). Consultado em 29 de outubro de 2009. Arquivado do original em 3 de dezembro de 2009 
  48. Wagner, Regina; Rothkirch, Cristóbal von (Novembro de 2001). «História del café en Guatemala». Google Books (em espanhol). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  49. «A economia e a agricultura do El Salvador». Fotografias e imagens de viagens. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  50. «Economia do Panamá». Fotografias e imagens de viagens. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  51. «Agricultura indústria e economia do Honduras». Fotografias e imagens de viagens. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  52. Produção dos países da América do Sul em 2018, pela FAO
  53. Produção da América Central e México, pela FAO
  54. Conheça os 3 países que desafiam o Brasil nas exportações de frango
  55. Os maiores exportadores de carne de frango entre 2015 e 2019
  56. IBGE: O rebanho bovino somou 218,23 milhões de cabeças em 2016
  57. O Brasil é o 3º maior produtor de leite do mundo, superando o padrão europeu em alguns municípios
  58. Principais países produtores de carne suína entre 2017 e estimativa para 2019
  59. Produção da Argentina e Uruguai em 2018, pela FAO
  60. Produção de carne e leite, pela FAO
  61. Fabricação, valor agregado (US $ corrente)
  62. A indústria de alimentos e bebidas na sociedade brasileira atual
  63. Faturamento da indústria de alimentos cresceu 6,7% em 2019
  64. https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-02/industria-de-alimentos-e-bebidas-faturaram-r-6999-bi-em-2019
  65. Produção nacional de celulose cai 6,6% em 2019, aponta Ibá
  66. Sabe qual é o estado brasileiro que mais produz Madeira? Não é São Paulo
  67. São Mateus é o 6º maior produtor de madeira em tora para papel e celulose no país, diz IBGE
  68. Industrias calcadistas em Franca SP registram queda de 40% nas vagas de trabalho em 6 anos
  69. Produção de calçados deve crescer 3% em 2019
  70. Abicalçados apresenta Relatório Setorial 2019
  71. Exportação de Calçados: Saiba mais
  72. Minas Gerais produz 32,3% do aço nacional em 2019
  73. O novo mapa das montadoras
  74. Indústria automobilística do Sul do Rio impulsiona superavit na economia
  75. Indústria Química no Brasil
  76. Estudo de 2018
  77. Produção nacional da indústria de químicos cai 5,7% em 2019, diz Abiquim
  78. Industria Textil no Brasil
  79. a b «A Industrialização no Brasil». Suapesquisa.com. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  80. a b «La Industrialización Argentina 1958-1962». Monografias (em espanhol). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  81. a b Brugger, Samuel. «La industrialización en México» (PDF). Página pessoal de Samuel Brugger (em espanhol). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  82. a b «La industrialización de Chile». Escolares.net (em espanhol). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  83. «A industrialização da América Latina». Mundo Educação. Consultado em 29 de outubro de 2009 
  84. «La industrialización de Venezuela» (PDF). Universidad de Los Andes (em espanhol). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  85. Botero, Fernando. «Arranca la gran industria». ColombiaLink.com (em espanhol). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  86. Motta, Duilio De la. «Industrialización en el Peru». Blog do Barril de Diógenes (em espanhol). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  87. Burns, E. Bradford; Schneider, Ronald Milton. «Brazil». Encyclopaedia Britannica Online (em inglês). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  88. «Colombia: Foreign Trade». Country Studies (em inglês). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  89. «Mexico: Foreign Trade». Country Studies (em inglês). Consultado em 29 de outubro de 2009 
  90. Destaques do turismo internacional
  91. Anuário CNT do Transporte 2018
  92. Anuário CNT do Transporte 2018
  93. Transport in Figures Statistics 2015
  94. Carta Caminera 2017
  95. CIA - Le World Factbook
  96. Infraestructura Carretera
  97. Brasil tem 9 dos maiores aeroportos da América Latina
  98. Classificação do número de aeroportos por país. CIA Factbook
  99. Brasil tem 9 dos maiores aeroportos da América Latina
  100. actividad portuaria de América Latina y el Caribe 2018
  101. actividad portuaria de América Latina y el Caribe 2018
  102. The World Factbook - Central Intelligence
  103. Diagnostico Transporte
  104. Production of Crude Oil including Lease Condensate 2019
  105. Produção de petróleo e gás no Brasil ultrapassa 4 milhões de boe/d pela primeira vez
  106. Brasil alcança 170 mil megawatts de capacidade instalada em 2019
  107. IEMA (Instituto de Energia e Meio Ambiente),2016.Série TERMOELETRICIDADE EM FOCO: Uso de água em termoelétricas
  108. O BNDES e a questão energética e logística da Região Sudeste
  109. Power: World's biggest hydroelectric facility
  110. Ventos promissores a caminho
  111. Brazilian onshore wind potential could be 880 GW, study indicates
  112. Boletim Mensal de Geração Eólica Setembro/2020
  113. Nuclear Power in Brazil
  114. Brazil plans to build seven nuclear reactors
  115. Quantas usinas geradoras de energia temos no Brasil?
  116. Boletim Mensal de Geração Solar Fotovoltaica Setembro/2020
  117. a b ANTUNES, pp. 67
  118. a b ANTUNES, pp. 68
  119. a b c d ANTUNES, pp. 69
  120. a b c d ANTUNES, pp. 70
  121. a b ANTUNES, pp. 71