Gladio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados, veja Gládio (desambiguação).

Gladio (em português, "gládio") é uma organização clandestina do tipo stay-behind ("ficar atrás"), constituída pelos serviços de informação italianos e pela OTAN à época da Guerra Fria, para contrapor-se a uma eventual invasão da Itália pela União Soviética.

A Operação Gladio foi planeada após a Segunda Guerra Mundial pela CIA e MI6, com o objectivo de proteger a Europa Ocidental duma eventual invasão soviética através do uso secreto de forças paramilitares de elite, destacadas em vários países capitalistas. Com o tempo, a situação degenerou no emprego de várias estratégias de guerra suja (a chamada estratégia da tensão, como a infiltração e as operações de bandeira falsa (como a bomba na Piaza Fontana de Milão, Itália, em 1969) com o objectivo de destruir a imagem pública de partidos ou organizações políticas (apontando-os falsamente como autores do ataque) que não apoiassem os Estados Unidos (nacionalistas e comunistas), e impedindo com isso a sua subida nas urnas.

Durante a Guerra Fria, quase todos os países da Europa Ocidental organizaram redes stay-behind sob o controle da OTAN (Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Noruega, Países Baixos, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia e Reino Unido) contando com apoio do Vaticano.[1]

No entanto, a existência da Gladio - da qual apenas se suspeitava até as revelações feitas pelo membro da Avanguardia Nazionale, Vincenzo Vinciguerra, durante seu processo, em 1984 - só foi reconhecida pelo Presidente do Conselho italiano, Giulio Andreotti, em 24 de outubro de 1990, quando se referiu a uma "estrutura de informações, resposta e salvaguarda". A Gladio tentou influir na política interna italiana, usando a estratégia da tensão.[2][3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • (em italiano) Daniele Ganser, Gli eserciti segreti della NATO. Operazione Gladio e terrorismo in Europa occidentale (NATO's Secret Armies: Operation GLADIO and Terrorism in Western Europe), Fazi Editore, 2005, ISBN 88-8112-638-9
  • (em francês) La Guerre secrète an Allemagne (Capítulo 15 do livro de Ganser, sobre as ligações entre ex-nazistas e a operação Gladio).
  • (em inglês) David Hoffman, "The Oklahoma City bombing and the Politics of Terror", 1998 (Capitulo 14 online sobre a estratégia da tensão)
  • (em italiano) Giovanni Fasanella e Claudio Sestieri com Giovanni Pellegrino, "Segreto di Stato. La verità da Gladio al caso Moro", Einaudi, 2000 (v. [1])
  • (em inglês) Jan Willems, Gladio, 1991, EPO-Dossier, Bruxelles, ISBN 2-87262-051-6
  • (em alemão) Jens Mecklenburg, Gladio. Die geheime terrororganisation der Nato, 1997, Elefanten Press Verlag GmbH, Berlim, ISBN 3-88520-612-9
  • (em francês) Thierry Meyssan, Stay-behind: les réseaux d’ingérence américains, Voltaire, 20 agosto 2001
  • (em alemão) Leo A. Müller, Gladio. Das Erbe des kalten Krieges, 1991, RoRoRo-Taschenbuch Aktuell no 12993, ISBN 3-499-12993-0
  • (em francês) Jean-François Brozzu-Gentile, L’Affaire Gladio. Les réseaux secrets américains au cœur du terrorisme en Europe, 1994, Albin Michel, Paris, ISBN 2-226-06919-4
  • (em italiano)Anna Laura Braghetti com Paola Tavella, Il prigioniero, 1998, Edizioni Mondadori (Le Frecce) ISBN 88-04-45154-8
  • (em alemão) Regine Igel, Andreotti. Politik zwischen Geheimdienst und Mafia, 1997, Herbig Verlagsbuchhandlung GmbH, Monaco, ISBN 3-7766-1951-1
  • (em inglês) Arthur E. Rowse, "Gladio: The Secret U.S. War to Subvert Italian Democracy" in Covert Action #49, 1994 [2]
  • (em inglês) Anti-Fascist Action (AFA), "StayingBehind: NATO's Terror Network" in Fighting Talk #11, maio 1995
  • (em francês) François Vitrani, "L’Italie, un État de 'souveraineté limitée' ?", in Le Monde Diplomatique, dez. 1990
  • (em francês) Patrick Boucheron, "L'affaire Sofri : un procès en sorcellerie ?", na revista L'Histoire, n°217 (jan. 1998) ([3])
  • (em francês) "Les procès Andreotti en Italie" "I processi di Andreotti in Italia" de Philippe Foro, pubblicado pela Universidade de Tolouse II, Groupe de recherche sur l'histoire immédiate

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.