Terapia craniossacral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sistema craniossacral)
Ir para: navegação, pesquisa

Terapia craniossacral também chamada CST, osteopatiacraniana, ou simplesmente trabalho corporal ou terapia CranioSacral, é um método de medicina alternativa e complementar usada por fisioterapeutas, massoterapeutas, naturopatas, quiropatas e osteopatas. A sessão de terapia craniosacral consiste no terapeuta por as mãos no paciente, em harmonia com aquilo que eles chamam de sistema cranio sacral.[1] Um praticante de terapia cranial-sacral também pode aplicar toques leves na coluna e na bacia do paciente. Os praticantes acreditam que esta manipulação regula o fluxo de líquido cefalorraquidiano e auxilia na "respiração primária".[2]

De acordo com a American Cancer Society, embora CST possa aliviar os sintomas de estresse ou tensão, "a evidência científica disponível não suporta alegações de que a terapia craniosacral ajuda no tratamento de câncer ou qualquer outra doença".[2] A CST foi caracterizada como pseudociência[3] e sua prática foi chamada de charlatanismo.[4]

A osteopatia craniana recebeu uma avaliação semelhante, com um artigo de 1990 encontrando lá não foi uma base científica para qualquer das reivindicações dos profissionais que o documento examinou.[5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Através de um trabalho suave com a Coluna vertebral, o esqueleto e as suturas cranianas, diafragmas, e fascia, as restrições de passagens nervosas são ditas, o movimento de CSF através da [medula espinhal]] pode ser otimizado e os ossos desalinhados são devolvidos à sua posição correta. Os terapeutas craniosacrais usam a terapia para tratar estresse mental, dor no pescoço e dor nas costas, enxaqueca, síndrome de TMJ e para condições de dor crônica, como a fibromialgia.[6][7][8] Não há suporte científico para os principais elementos do modelo subjacente[9][10] e há pouca evidência científica para apoiar a terapia e métodos de pesquisa que podem avaliar conclusivamente a eficácia da terapia não foram aplicados.[11]

História[editar | editar código-fonte]

A terapia craniosacral foi desenvolvida por John Upledger, na década de 1970, como um tipo de osteopatia no campo craniano.[2][12] Enquanto olhava para um crânio desarmado, Sutherland ficou impressionado com a idéia de que as suturas cranianas do osso temporal onde eles encontraram os ossos parietais eram "chanfadas" como a brânquia de um peixe, indicando mobilidade articular para um mecanismo respiratório ".[13] A idéia de que os ossos do crânio poderiam se mover era contrária à crença anatômica contemporânea.


Referências

  1. «The Craniosacral Therapy Association of the UK» 
  2. a b c Russell J, Rovere A, eds. (2009). «Craniosacral Therapy». American Cancer Society Complete Guide to Complementary and Alternative Cancer Therapies 2nd ed. [S.l.]: American Cancer Society. pp. 187–189. ISBN 9780944235713 
    • Norcross, John C.; Koocher, Gerald P.; Garofalo, Ariele (2006). «Discredited psychological treatments and tests: A Delphi poll». Professional Psychology: Research and Practice. 37 (5): 515–22. doi:10.1037/0735-7028.37.5.515 
  3. Aronoff, George R., ed. (1999). Evaluation and Treatment of Chronic Pain 3rd ed. [S.l.]: Lippincott Williams and Wilkins. p. 571. ISBN 978-0-683-30149-6 
  4. Ferré, J. C.; Chevalier, C.; Lumineau, J. P.; Barbin, J. Y. (1 de setembro de 1990). «[Cranial osteopathy, delusion or reality?]». Actualités Odonto-Stomatologiques. 44 (171): 481–494. ISSN 0001-7817. PMID 2173359 
  5. The Upledger Institute (2001). Craniosacral Therapy. Retrieved March 27, 2004.
  6. Ferrett, Mij (1998). What Is Craniosacral Therapy? Retrieved March 27, 2004.
  7. The Sutherland Society General information on Cranial Osteopathy Retrieved January 24, 2006
  8. Hartman, Steve E (2006). «Cranial osteopathy: Its fate seems clear». Chiropractic & Osteopathy. 14. 10 páginas. PMC 1564028Acessível livremente. PMID 16762070. doi:10.1186/1746-1340-14-10 
  9. Atwood, KC (2004). «Naturopathy, pseudoscience, and medicine: Myths and fallacies vs truth». MedGenMed. 6 (1). 33 páginas. PMC 1140750Acessível livremente. PMID 15208545 
  10. Green, C.; Martin, C.W.; Bassett, K.; Kazanjian, A. (1999). «A systematic review of craniosacral therapy: Biological plausibility, assessment reliability and clinical effectiveness». Complementary Therapies in Medicine. 7 (4): 201–7. PMID 10709302. doi:10.1016/S0965-2299(99)80002-8 
  11. «Craniosacral Therapy». UPMC Center for Integrative Medicine. 2012. Consultado em 19 de maio de 2013 
  12. Sutherland A (1962). With Thinking Fingers. Indianapolis, IN: Cranial Academy, 13.