Zoés

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Zo'é
Membros da etnia Zo'é
População total

256

Regiões com população significativa
 Brasil, Pará 256 Cartagenes, 2010[1]
Línguas
Língua zoé
Religiões
Xamanismo
Etnia
Tupi-guarani

Os Zo'é (ou Poturu) são um grupo indígena que habita o noroeste do estado brasileiro do Pará, entre os rios Erepecuru e Curuá, mais precisamente na Terra Indígena Cuminapanema/Urucuriana. A sua população em 2010 era de 256 indivíduos.[2] O seu povo é do tipo tupi–guarani[3] [4] e fala a língua Zo'é.[5] Com exceção de alguns jovens que aprenderam palavras em português ouvindo funcionários da Funai falar no rádio, sua população é essencialmente monolíngue.[2] Habitam o município de Óbidos.[5] São conhecidos pelo uso de um cilindro numa perfuração do lábio inferior chamado Poturu.

Modo de vida :

Os Zo'és são nômades. caçadores e coletores que durante certos períodos do ano param para cultivar mandioca. habitando normalmente uma ou duas cabanas ao redor da plantação. quando a colheita acaba estes se mudam para outra localidade para iniciar novamente o plantio. Os Zo'és são especialistas em caça. possuindo um tipo de flecha para cada animal. desde antas e macacos até pequenos peixes que eles pescam com pequenas flechas e veneno. Apesar disso os Zo'és possuem muitos animais de estimação. incluindo especies de que eles próprios costumam se alimentam; porém, levam os animais de estimação para onde forem e nunca se alimentam destes.

Cultura :

Os Zo'és possuem como principal tradição o Poturu um botoque de madeira que tanto homens como mulheres usam no lábio inferior. o uso do Poturu iniciasse com um palito quando crianças e vai aumentando conforme a idade. As mulheres Zo'és usam um chapéu feito de plumas brancas de aves na parte frontal da cabeça. eo cabelo amarrado atrás. enquanto os homens ocasionalmente usam um cocar de palha. os homens usam um corte de cabelo que arrendonda completamente a testa independente do cabelo ser longo ou comprido. os Zo'és se pintam de completamente de vermelho com alguns desenhos pretos exceto o rosto em ocasiões especiais.

Habitação :

As habitações Zo'és variam de tamanho e construção conforme o local. normalmente em volta das plantações eles habitam bases de madeira apenas com um teto de palha e algumas redes. porem na floresta constroem construções arrendondas de folhas de palmeira. construindo uma especie de salão verde em volta das bases. sempre com fogueiras no meio.

Casamento e família :

Os rituais de casamento dos Zo'és nunca foram completamente compreendidos. Os Zo'és praticam ao mesmo tempo as duas formas de poligamia: poliandria e poliginia; isto é, uma mulher pode ter vários maridos e um homem várias esposas. Os jovens são normalmente se tornam esposos ou esposas de membros mais velhos para aprenderem como cuidar de uma família. e como serem um esposo ou esposa. os Zo'és quando são jovens aprendem o necessário para cuidar de uma família e de varias crianças. porém quando ficam velhos estes são cuidados com muita atenção pelas próprias famílias. os Zo'és normalmente vivem em famílias pequenas e muito próximas. e cuidam com atenção de cada membro.

Tradições e Mitologia :

Os Zo'és realizam uma especie de festival todo ano. onde vários se encontram dançam e cantam. na principal dança os homens cantam batendo um taco de madeira no chão. os Zo'és normalmente cantam e conversam em volta de fogueiras, as mulheres normalmente cozinham e ajudam os homens a prepararem as flechas. porém durante as caçadas acompanham os homens e ajudam a carregar os animais em cestos de palha. Os Zo'és nunca acampam próximo a rios pois acreditam que uma deidade ou um deus em forma de caranguejo habita os rios e águas e esmaga crânios com sua grande garra.

Origems :

Os antigos botocudos cujo modo de vida lembra muito o dos Zo'é

Os Zo'é são uma etnia relativamente pequena. Provavelmente recente tendo surgido em algum momento após a chegada dos europeus. Porém, o contato com estes só teria acontecido no final do seculo XX. A historia do Zo'és em si é desconhecida. porém estes falam uma língua do tronco Tupi-Guarani. No entanto o modo de vida dos Zo'és relembra muito o dos antigos Botocudos criando uma certa controvérsia ou dúvida sobre suas origens. Os botocudos falavam línguas do tronco Macro-Jê porem como os Zo'és viviam completamente nus, carregavam as próprias flechas e eram nômades, além de claro também usarem os Botoques.

Referências

  1. Povos Indígenas no Brasil: 2006-2010 2011, p. 9-16
  2. a b Instituto Socioambiental. Zo'é (em português) Povos Indígenas do Brasil. Visitado em 31 de março de 2014.
  3. The case of the Zo'é (em inglês) Indigenous Peoples in Brazil Instituto Socioambiental. Visitado em 18 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2007.
  4. Jipohan is someone like yourself (em inglês) socioambiental.org. Visitado em 18 de outubro de 2007. Cópia arquivada em 5 de julho de 2007.
  5. a b Zo’é (em português) Ethnologue. Visitado em 4 de abril de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]