Erictónio de Atenas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Erictónioportuguês europeu ou Erictônioportuguês brasileiro, filho de Atena com Hefesto[1] , foi (segundo algumas versões) primeiro rei mítico de Atenas; segundo outras versões, Erictónio foi o sucessor de Anfictião[1] [2] .

Ele reinou de 1487 a.C. a 1437 a.C., e seu sucessor foi Pandíon I[2] .

Newton identifica Erictónio a Erecteu[3] , um dos pastores do Egito (os hicsos) [4] que reinou na Ática por volta de 1035 a.C.[5] .

Nascimento[editar | editar código-fonte]

Herse, Pandroso e Aglauros, as três filhas do rei da Ática Cécrope I [1] , receberam de Atena uma caixa fechada, proibindo que elas olhassem o que havia dentro[6] . Pandroso obedeceu, mas as outras duas não, e enlouqueceram quando viram Erictônio, se jogando da parte mais íngreme da acrópole[6] . Erictônio era filho de Atena e de Hefesto[1] .

Segundo Jerónimo de Estridão, Erictónio era filho de Vulcano e Minerva, e reinou de 1437 a.C. a 1487 a.C., sendo antecedido por Anfictião e sucedido por Pandião I[2] .

Pseudo-Apolodoro, após apresentar Erictónio como filho de Hefesto e Átis, filha de Cranau, explica a versão alternativa de como ele poderia ser filho de Atena, sendo Atena virgem: Atena se aproximara de Hefesto, desejosa das armas que ele fabricava, quando, rejeitado por Afrodite, Hefesto se apaixona por Atena. Ele a persegue, mas ela foge, e quando consegue agarrá-la, ela não permite o ato sexual, e Hefesto ejacula sobre a coxa de Atena. Enojada, ela se limpa, e faz o sêmem cair no chão, e daí nasce Erictónio[7] .

Após Erictónio ter nascido, Atena o criou, escondido dos outros deuses, e colocou-o em um baú, entregando-o a Pândroso, filha de Cécrope I, e proibindo-a de abrir o baú. Mas suas irmãs, curiosas, o abriram, e viram uma serpente enrolada no bebê. Segundo alguns autores, elas foram mortas pela serpente, segundo outros, elas enlouqueceram pela ira de Atena e se jogaram da acrópole[7] .

Reinado[editar | editar código-fonte]

Cécrope I, cujo filho homem morreu antes dele, foi sucedido por Cranau, um homem poderoso dos atenienses[1] , e este foi deposto por Anfictião, seu genro[1] .

Após ter sido criado por Atena[7] , Erictónio liderou uma rebelião[1] , expulsou Anfictião de Atenas, se tornou rei[1] [7] , estabeleceu o culto de Atena, e se casou com a náiade Praxiteia, com quem teve o filho Pandião[7] .

Ele foi sucedido por Pandião I[8] [9] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Anfictião
Rei de Atenas
1487 a 1437 a.C.[2]
Sucedido por
Pandíon I

Referências

  1. a b c d e f g h Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.2.6
  2. a b c d Jerónimo de Estridão, Chronicon
  3. Isaac Newton, The Chronology of Ancient Kingdoms Amended, Chapter 1: Of the Chronology of the First Ages of the Greeks, 143
  4. Isaac Newton, The Chronology of Ancient Kingdoms Amended, Chapter 1: Of the Chronology of the First Ages of the Greeks, 135
  5. Isaac Newton, The Chronology of Ancient Kingdoms Amended, A Short Chronicle from the First Memory of Things in Europe, to the Conquest of Persia by Alexander the Great
  6. a b Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.18.2
  7. a b c d e Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.14.6
  8. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.5.3
  9. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 3.14.7
Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia grega é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.