Guerras judaico-romanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerras judaico-romanas
Parte da(o) Guerras judaico-romanas
Data 66 - 629[1]
Local Província da Judeia
Desfecho Vitórias romanas; diáspora judaica.
Mudanças
territoriais
Judeia permanece como Província Romana até à conquista muçulmana do Levante
Combatentes
Império Romano Zelotas
Vítimas
Muitos Muitíssimos; escravidão de alguns e diápora

Guerras judaico-romanas é o termo genérico que designa a série de revoltas movidas pelos judeus contra a dominação pelo Império Romano. Foram três guerras, mas alguns historiadores consideram que houve apenas duas, descartando a "Guerra de Kitos".

Primeira guerra[editar | editar código-fonte]

Também chamada de "Grande Revolta Judaica", iniciada em 66 d.C., na província romana da Judeia, e oficialmente encerrada em 70 d.C., embora a luta tenha se prolongado até 73 d.C., com a tomada da fortaleza de Massada. Foi sufocada pelas tropas do comandante romano (e futuro imperador), Vespasiano, secundado por seu filho, Tito. Morreram mais de um milhão de judeus e o Templo de Jerusalém foi destruído, restando apenas o Muro das Lamentações.

Segunda guerra[editar | editar código-fonte]

Também chamada de "Guerra de Kitos", ocorreu entre os anos 115 e 117, no governo do imperador Trajano. Consistiu em uma revolta das comunidades judaicas da Diáspora (judeus que viviam fora da Judeia), disseminando-se, principalmente, por Cirene (Cirenaica), Chipre, Mesopotâmia e Egito. Foi sufocada pelo comandante romano Lúsio Quieto.

Terceira guerra[editar | editar código-fonte]

Também chamada de "Revolta de Bar Kokhba", ocorreu entre os anos de 132 e 135, durante o governo do imperador Adriano, sendo liderada por Simão bar Kokhba, que alguns consideraram ser o Messias davídico esperado pelos judeus. Foi sufocada pelas tropas do comandante romano Sexto Júlio Severo. Para os historiadores que não consideram a "Guerra de Kitos" como uma das guerras judaico-romanos, esta seria a segunda guerra entre romanos e judeus.

Outras revoltas[editar | editar código-fonte]

Além dessas guerras, houve também uma rebelião dos judeus da Síria Palestina contra Constâncio Galo, césar do Império Romano, conhecida como "Guerra contra Galo", ocorrida entre 351 e 352, que foi sufocada pelo comandante romano Ursicínio.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Jews of Palestine assisted the Persians in fighting the Byzantine before defecting to the Byzantines again
Guerras judaico-romanas
Primeira guerra judaico-romana | Segunda guerra judaico-romana | Terceira guerra judaico-romana