Segundo Triunvirato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Segundo triunvirato)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde Agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Segundo Triunvirato foi estabelecido em 43 a.C., na República Romana, entre Marco António, Otávio e Lépido, prolongou-se até 33 a.C..

Ao contrário do primeiro triunvirato, um acordo informal entre Júlio César, Pompeu, o Grande e Marco Licínio Crasso, este triunvirato foi uma aliança política formal. Com o nome oficial de Triunviros para a Organização do Povo (em Latim: Triumviri Rei Publicae Constituendae Consulari Potestate), o triunvirato foi legislado pela Lex Titia e aprovado pela Assembleia do Povo, conferindo poderes universais aos três homens por um período de cinco anos.

A constituição do Segundo Triunvirato e atribuição de poderes excepcionais a António, Otaviano e Lépido justificou-se no período de crise sem precedentes que se seguiu ao assassinato de Júlio César nos Idos de Março de 44 a.C.. Otaviano então com cerca de 20 anos era filho adoptivo do ditador, António e Lépido dois dos seus comandantes de maior confiança; todos ambicionavam poder e vingança. A primeira ação dos triúnviros foi a de eliminar todos os homens que conspiraram contra César - Cícero foi uma das vítimas – e perseguir Bruto e Cássio que entretanto se haviam refugiado na Grécia.

Tirando Lépido, que era uma figura de consenso e sem grande ambição política, Otaviano e António odiavam-se e conspiraram um contra o outro desde a formação do triunvirato. Em 38 a.C. o acordo foi renovado por mais cinco anos, mas as relações entre os três estavam longe de ser amigáveis. Lépido foi afastado do poder e exilado de Roma na sequência de uma manobra política falhada, enquanto António, estacionado com o exército no Egito, atacava Otaviano com todas as armas. Finalmente em 33 a.C., o triunvirato chegou ao fim e António e Otaviano entraram na guerra aberta que haveria de resultar na Batalha de Áccio (31 a.C.) e no suicídio do primeiro. Com os seus pares afastados do poder, Otaviano ficou sozinho para governar Roma. Em 27 a.C. aceita o título de augusto e inicia o Império Romano.

Extensão do domínio romano durante o Segundo Triunvirato[editar | editar código-fonte]

Mapa da República Romana durante o Segundo Triunvirato (32 a.C.). A área em verde escuro é o setor sob poder de Otávio. A área em azul escuro estava sob pode de Marco Antônio. A área em azul claro, sob poder de aliados ou vassalos de Antônio.

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • Segundo Triunvirato
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Segundo Triunvirato