Mulato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mulatos)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: ""Mulata"" redireciona para este artigo. Para a canção dos Irmãos Valença, veja Mulata (canção). Para outros significados de "mulato", veja Mulato (desambiguação).
Mulato, por Albert Eckhout.

Mulato é um termo que designa a pessoa que é descendente de africanos e europeus. Inicialmente o termo era também aplicado para designar mestiços.[1] Mulatos podem apresentar os mais variados perfis fenotípicos e culturais.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Existem duas teorias para a origem da palavra mulato: a latina e a árabe. Segundo a primeira, o termo 'mulato' adota o prefixo de mula (mulus, em latim). A mula é o progênito do cruzamento do cavalo com a jumenta ou do jumento com a égua. Por analogia, no século XVI, teria surgido o termo "mulato", que remete à ideia de "híbrido" (descendente de pessoas brancas e negras).[2][2]

A segunda teoria sustenta que o termo mulato provém do árabe mowallad ("aquele que é nascido de pai árabe e de mãe estrangeira, ou de pai escravo e de mãe livre"). Também remete à ideia de filho nascido de pais de etnias diferentes.[2][3]

Grande parte dos etimólogos e lexicógrafos acreditam na hipótese de que a palavra "mulato" seja proveniente do prefixo latino mulus, porém a teoria de que provém do termo árabe mowallad também tem defensores, não havendo, portanto, consenso sobre o tema.[4][5][6][7][8][9][10][11][12][13][14][15][16][17][18][2]

Polêmica quanto ao uso[editar | editar código-fonte]

Nos últimos anos, vem ocorrendo polêmicas acerca do uso do termo "mulato". Grupos ligados ao Movimento Negro sustentam que a palavra é ofensiva e racista e que deveria ser abolida, porquanto deriva do animal "mula". [19][20]

Por outro lado, há quem argumente que uma palavra não deveria ser condenada em virtude da sua etimologia. O escritor Sérgio Rodrigues, por exemplo, argumenta que o termo mulato é usado no idioma português desde o século XVI e que a etimologia da palavra já foi praticamente esquecida pois, há tempos, refere-se simplesmente ao filho de branco e negro. Ele faz uma comparação com o substantivo "rapaz", bastante usado em português para referir-se a um homem jovem, mas que deriva do latim rapacem, que significava "ladrão" ou "indivíduo que rouba".[21][22][23]

No mundo[editar | editar código-fonte]

Na África de língua oficial portuguesa[editar | editar código-fonte]

Cabo Verde é o país africano onde a maioria da população é etnicamente mulata. Segundo estudo genético de 2010, no país, 57% dos genes são de origem africana e 43% de origem europeia, principalmente do oeste africano e de Portugal, respectivamente.[24] Em Angola, os mulatos são uns 2% da população do país.[25] Em Moçambique, não chegam a 1%.[26]

Na África do Sul e na Namíbia[editar | editar código-fonte]

A história recente da África do Sul começou com a fundação da cidade do Cabo por colonos de origem holandesa e francesa, que viram rapidamente que não era fácil converter os habitantes locais, principalmente khoisan, em trabalhadores agrícolas ou, em geral, negros escravizados. Por isso, tiveram que importar malaios das Índias Orientais Neerlandesas, a Indonésia e a Malásia, para além de negros de outras regiões da África Austral. Muitos desses malaios conservaram a sua cultura e religião (o islão) mas, com o tempo, apareceram pessoas de origem mestiça, que as autoridades trataram de separar num grupo a que chamaram “coloured” (ou “de cor”, para dizer que tinham características diferentes dos brancos e dos negros, “inferiores” aos primeiros, mas “superiores” aos segundos). Com a chegada (e dominação) dos britânicos e a importação de novos “assalariados” da Índia, mais misturas se produziram e, com o apartheid, a estes “coloured” foram concedidos alguns direitos políticos [27].

Considerado o maior nome da literatura brasileira,[28][29][30][31][32] Machado de Assis era filho de mãe branca (portuguesa) e pai mulato.[33][34][35]

Com a democratização na África do Sul, em 1995, o estado deixou de classificar as pessoas em termos raciais (durante o apartheid, as pessoas tinham direitos cívicos de acordo com a “raça” a que pertenciam) mas, os censos e estudos demográficos continuaram a manter as antigas denominações, sendo que são os próprios inquiridos que se autoclassificam. Por isso, neste momento, os cerca de quatro milhões de “coloured” da África do Sul (e os da Namíbia, que se consideram um grupo ou etnia diferente dos vizinhos, ver nota anterior) correspondem à diversidade genética que foi imposta pela história, incluindo uma minoria de “malaios”, possivelmente sem “mistura” que ainda subsistem. Por isso, dizer que na África do Sul existem quatro milhões de “mulatos” é uma simplificação duma situação étnica bastante complexa [36].

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Os mulatos são comuns no Brasil desde os tempos coloniais, em decorrência da interação sexual sobretudo entre homens portugueses e mulheres africanas. Esses mulatos são resultado dos mais diversos cruzamentos: o banda forra (branco com negro), o salta-atrás (mameluco com negro), o terceirão (branco com mulato). Segundo Darcy Ribeiro, os mulatos foram parte essencial da formação da identidade brasileira, porquanto, por serem mestiços, não se identificavam com suas origens europeias e africanas, restando a eles assumir uma identidade brasileira.[37]

Não se sabe ao certo qual o tamanho da população mulata no Brasil, uma vez que o censo brasileiro não inclui essa categoria, existindo a categoria de pardos, que não abrange somente os mulatos, mas também outros tipos de miscigenação, como os caboclos. [38]

Segundo diferentes estudos genéticos, a maioria dos brasileiros, incluindo os "brancos", "pardos" e "negros", têm ancestrais europeus, africanos e indígenas, não se enquadrando perfeitamente na definição de mulato, que não inclui a ancestralidade indígena.[39] [40]

Meghan Markle, norte-americana e membro da Família real britânica, é filha de mãe negra e pai branco.[41]
Barack Obama, ex-presidente norte-americano, é filho de mãe branca e pai negro.[42]

Estudos mostram que o termo "mulato" é pouco usado pelos brasileiros: segundo pesquisa de 2008 do IBGE, somente 0,6% dos entrevistados classificaram-se como "mulatos"[43]; conforme outra pesquisa, de 2007, com estudantes do Rio de Janeiro, somente 0,21% deles classificam-se como "mulatos".[44]

No Brasil, o termo "moreno" é mais usado pela população, embora seja um termo ambíguo e que apenas parcialmente esteja ligado à miscigenação. [45]

Nos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, os mulatos eram contados nos censos do século XIX, mas a categoria foi eliminada em 1920, em decorrência da adoção do conceito da "regra de uma gota" ("one-drop rule"). Assim, os mulatos foram forçados a identificar-se como negros.[46] Todavia, no ano 2000, o censo americano modernizou-se e passou a aceitar que as pessoas possam escolher mais de uma raça com a qual se identificam. No censo de 2010, 1,8 milhão de americanos identificaram-se como a combinação de negro e branco.[47]

No Haiti[editar | editar código-fonte]

Na história do Haiti, os mulatos, conhecidos nos tempos coloniais como "pessoas de cor livres", adquiriram alguma educação e propriedade antes da Revolução haitiana. Em alguns casos, seus pais brancos conseguiram que seus filhos mestiços fossem educados na França e se juntassem às forças armadas, dando-lhes uma vantagem econômica. Mestiços ganharam algum capital social e poder político antes da Revolução, foram influentes durante a Revolução e depois dela. Os mulatos mantiveram sua posição de elite, baseada na educação e no capital social, que é evidente na hierarquia política, econômica e cultural do Haiti atual.[48]

Após a Revolução haitiana, a maioria dos franceses brancos que habitavam o Haiti foram massacrados ou deixaram a ilha, de modo que a minoria mulata se tornou o grupo econômico dominante do país, controlando as principais empresas e os bancos, enquanto a maioria negra vive na mais absoluta miséria, nesse que é o país mais pobre das Américas.[49][50][51][52] Os mulatos e brancos são 5% da população, e os negros 95%.[53]

Na América Hispânica[editar | editar código-fonte]

Nos países americanos de língua espanhola, os mulatos também são comuns. Na República Dominicana, eles são a maioria da população, resultado da miscigenação entre espanhóis e africanos.[54] [55] Há também muitos mulatos em Cuba (um quarto da população),[56] em Porto Rico,[57] na Venezuela, na Colômbia, na Costa Rica e no Panamá. [58]

Notas e referências

  1. Diccionario de la lengua española: mulato, ta
  2. a b c d Um mulato assanhado
  3. Historiadora defende que a palavra ‘mulata’ não vem de mula
  4. BUENO, Márcio, A Origem Curiosa das Palavras e/ou dos Significados. Rio de Janeiro: José Olympio Editora. 2003, p.158
  5. HOUAISS, Antônio, Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: 2004, p.1975
  6. VICTORIA, Luiz A. P., Dicionário da Origem e da Evolução das Palavras - Apêndice Citações Históricas, 3ª edição. Rio de Janeiro: Editora Científica. 1963, p.126
  7. VICTORIA, Luiz A. P., Dicionário da Origem e da Evolução das Palavras - Apêndice Citações Históricas, 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora Científica. 1960, p.122
  8. LITTLE, William; FOWLER, Henry Watson; COULSON, Jessie; ONIONS, Charles Talbut, The Oxford Universal Dictionary Illustrated - 3ª edição. Londres: 1959, p.1294
  9. NASCENTES, Antenor, Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: 1955, p.346
  10. WEEKLEY, Ernest, A Concise Etymological Dictionary of Modern English. Londres: 1952, p.270
  11. BLOCH, Oscar, WARTBURG, W. Von, Dictionaire Étymologique de la Langue Française, 2ª edição. Paris: 1950, p.402
  12. SHIPLEY, Joseph, Dictionary of Word Origins. Nova York: Editora Philosophical Library. 1945, p.236
  13. MOTTA, Othoniel, O Meu Idioma, 2ª edição. São Paulo: Weiszflog Editora. 1917, p.64
  14. VIANA, A. R. Gonçalves, Apostilas aos Dicionários Portugueses II. Lisboa: 1906, p.170
  15. SILVA JR., Manuel Pacheco da; ANDRADE, Lameira de, Grammatica da Lingua Portugueza. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves. 1887, p.476
  16. DOZY, Reinhart Pieter Anne; ENGELMANN, Willem Herman, Glossaire des mots Espagnols et Portugais deriva de l'arabe, 2ª edição. 1869, p.384
  17. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda, Dicionário Aurélio - Século XXI. Editora Nova Fronteira, p.1377
  18. MULATTO AND MALIGNITY (em inglês)
  19. Não me chame de mulata: uma reflexão sobre a tradução em literatura afrodescendente no Brasil no par de línguas espanhol-português
  20. O teu discurso não nega, racista
  21. Mulata veio de 'mula'? Isso torna a palavra racista?
  22. O termo 'mulato' nasceu racista, mas sem ele é difícil entender o Brasil
  23. Michaelis Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa
  24. População cabo-verdiana: “57% dos genes são de origem africana e 43 %, de origem europeia”
  25. Prof. Dr. Silvio de Almeida Carvalho Filho. As relações étnicas em Angola: as minorias branca e mestiça (1961-1992) (em português)
  26. PASSADOR, Luiz Henrique; THOMAZ, Omar Ribeiro. Raça, sexualidade e doença em Moçambique. "Rev. Estud. Fem.", Florianópolis, v. 14, n. 1, 2006. Disponível em: Scielo. Acesso em: 11 de outubro de 2008. DOI: 10.1590/S0104-026X2006000100014.
  27. «MixedFolks.com - Orville Boyd Jenkins (August 1996) The Coloureds of Southern Africa». Consultado em 21 de outubro de 2008. Arquivado do original em 17 de maio de 2008 
  28. Candido, 1970, p.18.
  29. Fernandez, 1971, pp.255-256.
  30. Damata, Fernandes, Luz, 2007, p.236.
  31. Achcar, 2005, p.9.
  32. Giron, 2008, p.136.
  33. Gondin da Fonseca, Machado de Assis e o Hipopótamo, 6ªed, 1974
  34. «Machado de Assis» 
  35. Scarano, p.765
  36. South African Census 2001 (em inglês)
  37. Darcy Ribeiro (2003). O Povo Brasileiro. [S.l.]: Companhia de Bolso. pp. – 
  38. Pardos, mestiços ou caboclos: os índios nos censos nacionais no Brasil (1872-1980)
  39. Rodrigues de Moura, Ronald; Coelho, Antonio Victor Campos; de Queiroz Balbino, Valdir; Crovella, Sergio; Brandão, Lucas André Cavalcanti (10 de setembro de 2015). «Meta-analysis of Brazilian genetic admixture and comparison with other Latin America countries». American Journal of Human Biology. 27 (5): 674–680. doi:10.1002/ajhb.22714. Consultado em 21 de agosto de 2017 – via Wiley Online Library 
  40. Saloum de Neves Manta F, Pereira R, Vianna R, Rodolfo Beuttenmüller de Araújo A, Leite Góes Gitaí D, Aparecida da Silva D, de Vargas Wolfgramm E, da Mota Pontes I, Ivan Aguiar J, Ozório Moraes M, Fagundes de Carvalho E, Gusmão L (2013). «Revisiting the Genetic Ancestry of Brazilians Using Autosomal AIM-Indels». PLoS ONE. 8 (9): e75145. Bibcode:2013PLoSO...875145S. PMC 3779230Acessível livremente. PMID 24073242. doi:10.1371/journal.pone.0075145 
  41. Markle, Meghan (17 de agosto de 2015). «I'm More Than An 'Other'». Elle UK. Consultado em 4 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2017 
  42. A vida não convencional da mãe de Barack Obama
  43. Características Étnico-Rciais da População
  44. Cotas para negros no Ensino Superior e formas de classificação racial
  45. questão “cor” ou “raça” nos A questão “cor” ou “raça” nos A questão “cor” ou “raça” nos A questão “cor” ou “raça” nos c cc censos nacionais ensos nacionais ensos nacionais ensos nacionais
  46. The End of the “One-drop” Rule?: Hypodescent in the Early 21st century
  47. The Two or More Races Population: 2010
  48. Smucker, Glenn R. "The Upper Class". A Country Study: Haiti (Richard A. Haggerty, editor). Library of Congress Federal Research Division (December 1989).
  49. Los mulatos reinan en Haití
  50. REVOLUÇÃO HAITIANA: DA HISTÓRIA ÀS PERSPECTIVAS FICCIONAIS – ELREINO DE ESTE MUNDO (1949), DE CARPENTIER, E
  51. Pára-quedas com rádios prenunciam invasão
  52. Saiba mais sobre o Haiti, o país mais pobre da América Latina
  53. CIA World Factbook
  54. República Dominicana, un país de mulatos
  55. Como consequência da mestiçagem entre os colonos espanhóis e os escravos africanos, cerca de 73 % da população da ilha é mulata.
  56. Nem brancos ou pretos: cubanos são cada vez mais mulatos
  57. Historia de la Esclavitud Negra en Puerto Rico
  58. Africana: The Encyclopedia of the African and African American Experience

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]