Imigração venezuelana no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Crise de refugiados venezuelanos no Brasil deverá ser fundido aqui. (desde junho de 2018)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Venezuela Venezuelano-brasileiros Brasil
Protests opposing Venezuelan Bolivarian Revolution in São Paulo, Brazil 14.jpg
Venezuelanos em um protesto contra a Revolução Bolivariana em São Paulo, Brasil.
População total

12.000[1] - 70.000[2]

Regiões com população significativa
Região norte (Roraima e Amazonas)
Região Sudeste (sobretudo São Paulo e Rio de Janeiro)
Línguas
Português e Castelhano
Religiões
Cristianismo

A imigração venezuelana no Brasil era, até o início da década de 2010, pouco expressiva se comparasse com a imigração de outros povos sul-americanos como os argentinos, bolivianos ou paraguaios. O Brasil, junto com Colômbia, México, Panamá, Cuba e Argentina é um dos países que mais têm venezuelanos na América Latina (apesar dos Estados Unidos e da Espanha serem os países mais procurados por esta população). A maioria destas pessoas vêm ao Brasil a trabalho (por meio de governo e empresas privadas), porém, com os problemas que vêm acometendo a Venezuela desde meados dos anos 2010, acabou por surgir venezuelanos fugindo do país sob os governos socialistas de Hugo Chávez e Nicolás Maduro e se denominando refugiados.

De 15º país com mais venezuelanos fora da Venezuela, em 2018 o Brasil se tornou um dos 10 países com mais venezuelanos do mundo por conta de refugiados, que entram no país pelo estado de Roraima.

Migração de indígenas waarao[editar | editar código-fonte]

Uma quantidade notável dos venezuelanos que emigram para o Brasil são da etnia indígena warao. A maioria deles, ao migrar, se assentam no estado de Roraima, na qual é limítrofe com a Venezuela.[3]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. El Mundo (18 de abril de 2017). «El éxodo de venezolanos en Brasil es una tragedia humana» (em espanhol). Consultado em 23 de julho de 2017. 
  2. Globo. «Maduro fecha fronteira com Brasil e Colômbia até 2017». Consultado em 23 de julho de 2017. 
  3. Efecto Cocuyo. «Venezolanos deportados de Brasil vivían de la venta de artesanías y limosnas» (em espanhol). Consultado em 23 de março de 2017.