Terra Indígena Yanomami

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Reserva Indígena Yanomami foi homologada pelo presidente Fernando Collor em 25 de maio de 1992. Possui uma área contínua de 9.419.108 hectares de floresta tropical úmida com relevo montanhoso, na fronteira com a Venezuela.

Na reserva indígena, além dos ianomâmis, também residem os iecuanas, de etnia e língua caraíbas, também conhecidos pelos etnônimos "maiongong", no Brasil, e "maquiritare", na Venezuela. A etnologia descreve-os como comerciantes e peritos em navegação nos rios amazônicos, historicamente sendo registradas viagens comerciais que atingiam as cidades de Manaus, Boa Vista e Georgetown. A religião ianomâmi baseia-se na visão pelos pajés de espíritos chamados xapiripë, através da ingestão de um rapé alucinógeno chamado yakoana ou yãkõana (Virola sp.). Festas também costumam ser celebradas para marcar acontecimentos como a coleta da pupunha e os funerais (festa do reahu).

É o território indígena mais pressionado da Amazônia.[3]

Referências

  1. Editores do Aulete. «Vocábulo ianomâmi». 2005. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  2. Editores do Aulete (2008). «Verbete ianomâmi». Dicionário Caldas Aulete 
  3. DUDA MENEGASSI (22 de junho de 2020). «Terra Indígena Yanomami é a área protegida mais pressionada da Amazônia» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]