Universidade Federal do Amapá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de UNIFAP)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Universidade Federal do Amapá
UNIFAP
Lema "Na pátria do Cruzeiro do Sul, no meio do mundo, a estrela do conhecimento brilha"[1]
Nomes anteriores Núcleo Avançado de Ensino (NEM)[2]
Fundação 2 de março de 1990 (29 anos)
Tipo de instituição Pública Federal
Mantenedora Coat of arms of Brazil.svg Ministério da Educação[3]
Localização Macapá, Amapá
Reitor(a) Júlio César Sá de Oliveira
Vice-reitor(a) Simone de Almeida Delphim Leal
Graduação 10.095 (2019)[4]
Campus
Cores da escola      Azul
     Amarelo
     Verde
Afiliações ANDIFES,[5] RENEX[6]
Orçamento anual 137 420 903,77 (exercício de 2015)[7]
Página oficial unifap.br

A Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) é uma instituição de ensino superior pública federal, situada no estado do Amapá. Sua sede está em Macapá, com campi em Santana, Laranjal do Jari, Oiapoque e Mazagão, além de um campus em construção em Tartarugalzinho.[8]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A estrutura precursora da Universidade Federal do Amapá veio com a montagem em 1970[9] do "Núcleo de Educação em Macapá" (NEM), ligado a Universidade do Pará (atual UFPA).[10] No NEM, passaram a ser oferecidas cerca de 500 vagas de licenciatura de curta duração no campo do Magistério,[11] no intuito de reverter o atraso de pessoal nesse sentido na região do Território Federal do Amapá, e formar um quadro permanente e qualificado, eminentemente regional.

Com a iminente elevação do Território Federal do Amapá em uma unidade federativa plena, passou-se a discutir seriamente a necessidade de construção de uma universidade autônoma na região do Amapá. Tal proposta culminou na elaboração da Lei Federal nº 7.530, de 29 de agosto de 1986 que criou a UNIFAP, tornando-se vigente através do Decreto nº 98.997, de 2 de março de 1990, publicado no Diário Oficial da União nº 43, de 5 de março de 1990. O NEM permaneceu em atividade até 1992, quando suas estruturas foram reaproveitadas para formar a recém-criada UNIFAP.[12][13]

Além de oferecer cursos de graduação, a universidade também conta com programas de pós-graduação (lato sensu e stricto sensu), pesquisa e extensão, de acordo com o artigo 207 da Constituição Federal. Por ser uma fundação pública de ensino está vinculada ao Ministério da Educação (MEC), através da Secretaria de Ensino Superior (SESu). Foi criada pelo Decreto nº 98.997 de 2 de março de 1990, assinado pelo então presidente da República José Sarney.

Seu orçamento em 2015 foi de mais de 137 milhões de reais.[14]

Reitores[editar | editar código-fonte]

Em 1970, foi criado um polo de extensão da Universidade Federal do Pará (UFPA), em Macapá. A docente Maria Sá foi indicada pelo responsável do programa para coordenar a formação dos professores em nível de 1º e 2º graus, permanecendo por 20 anos até a criação da UNIFAP. De 1990 a 1992, assumiu o cargo de Reitora Pro Tempore (temporariamente) por 2 anos.[15]

Listas de Reitores

Reitor (a) Gestão Ref.
1 Maria Alves de Sá 1990 — 1992 [16][15]
2 Laíses do Amparo Braga — 1992 [16]
3 Antonio Gomes de Oliveira 1992 — 1997 [16][15]
4 João Renor Ferreira de Carvalho 1997 — 1999 [16]
5 Paulo Fernando Batista Guerra 1999 — 2002 [16]
6 João Brazão da Silva Neto 2002 — 2006 [16]
7 José Carlos Tavares 2006 — 2014 [16]
8 Eliane Superti 2014 — 2018 [17][18]
9 Júlio César Sá de Oliveira 2018 — em exercício [19][20][21]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A UNIFAP é uma universidade multi-unidade, composta por 5 campi. São unidades educacionais de propriedade da Universidade Federal do Amapá:

  • Campi: 5
  • Institutos: 6
  • Escola de Aplicação da UNIFAP - Maria Luiza Bello da Silva[22]

Televisão e Rádio Universitária[editar | editar código-fonte]

A formalização para a criação da Rádio Universitária 96.9 FM teve seu início em 18 de maio de 2009, por meio do processo 53000.064826/2009-18, do Ministério das Comunicações, Brasília, DF. Em 16 de setembro de 2009, por meio da Portaria nº 717, o Ministro de Estado das Comunicações consignou à Empresa Brasil de Comunicações – EBC, o canal 245E, para execução do serviço de radiodifusão sonora em frequência modulada, com fins exclusivamente educativos, temos, portando, criada a Rádio Universitária 96.9 FM.[23] Em 19 de fevereiro de 2010, foi inaugurado o prédio para a instalação da emissora a qual passou a funcionar em caráter experimental e alguns meses depois em caráter permanente. Por meio das Resoluções 39 e 40, de 21.12.2015 do Conselho Superior da Unifap-CONSU/Unifap foi inserida na estrutura oficial da Universidade a Rádio Universitária, bem como foi aprovado seu Regimento geral, respectivamente.[23]

A Rádio Universitária 96.9 FM conta como uma programação diversificada, voltada para a divulgação da cultura local, regional e nacional em várias dimensões e com programas que evidenciam as atividades finalísticas da Universidade Federal do Amapá quais sejam Pesquisa, Ensino e Extensão além de dar publicidade às atividades da gestão administrativa da universidade.[23] As instalações da TV e Rádio Universitária da UNIFAP contam com laboratórios de prática jornalística (TV e Rádio), do Curso de Jornalismo, laboratório de fotografia e conteúdo digital, sala de aula, sede do administrativo, além da Agência Experimental (AGCOM). O prédio possui três estúdios, sendo dois para gravação e edição, e o estúdio dos programas ao vivo, com tecnologias modernas – bancada, microfones, mesa de operação digital, gerador de conteúdos, mídias de transmissão, entre outros.[24]

Objetivando socializar suas atividades de radiodifusão a Rádio Universitária 96.9 FM têm firmado parcerias institucionais para realização de programas radiofônicos, sendo as parcerias mais recentes firmadas foram com a Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária do Amapá-DIAGRO,[23] Tribunal de Justiça do Amapá, [23]Ministério Público do Estado do Amapá,[23] dentre outras. Destaca-se ainda que a Rádio Universitária 96.9 FM é utilizada como laboratório aos estudantes dos diversos cursos de graduação com destaque ao curso de Jornalismo.[23]

Hospital Universitário[editar | editar código-fonte]

Uma equipe da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), visitou a UNIFAP para tratar do plano de trabalho que estabelece medidas a serem tomadas para colocar o Hospital Universitário da Unifap em funcionamento.[25] Segundo os técnicos. o prédio está em fase bem adiantada e deve ser concluído no mês de Janeiro do ano de 2020, conforme o cronograma estabelecido, o orçamento total do prédio foi orçada em 276 milhões.[25] O Hospital Universitário está previsto para funcionar no primeiro trimestre de 2021.[25]

A estimativa é que sejam realizadas, diariamente, até 1.920 consultas, 719 exames de patologia clínica e 35 de ultrassom.[26] A unidade poderá comportar até 1.180 internações mensais. O projeto prevê que, ao estar em pleno funcionamento, o HU da Unifap terá disponíveis 240 leitos para internação, 60 leitos de UTI, dez salas cirúrgicas, além de triagem especializada com urgência e emergência referenciadas. Os projetos básicos e executivos foram contratados pela universidade com assistência técnica da Ebserh, por meio da Organização das Nações Unidas de Serviços para Projetos (Unops).[26]

Estarão disponíveis serviços como diagnóstico por imagem (radiologia, hemodinâmica, tomografia, ultrassonografia, ressonância magnética, endoscopia e exames oftalmológicos) e métodos gráficos (eletrocardiograma, eletroencefalograma, urodinâmica).[26] O hospital terá ainda a unidade de apoio técnico, com nutrição, farmácia, centro obstétrico e atendimento em fisioterapia e reabilitação.[26]

De acordo com o senador Randolfe Rodrigues, no dia 7 de outubro de 2019 o mesmo recebeu um ofício da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, que afirma retirar as especialidades de cardiologia cirúrgica e intervencionista, obstetrícia e cuidados neonatais, centro de tratamento de pacientes com doenças renais crônicas, cirurgia endovascular e cerebral endovascular. [27] No dia 9 de outubro de 2019, foi marcado uma audiência na sede da Ebserh com a participação dos representantes da Unifap e a bancada do Amapá,[27] bem como uma audiência em 10 de outubro de 2019 com o secretário do Tribunal de Contas da União em Macapá, para tratar de reverter esta situação.[27]

Campi[editar | editar código-fonte]

Marco Zero do Equador[editar | editar código-fonte]

O campus sede da UNIFAP se localiza-se na cidade de Macapá. Em 1991, com a nomeação de um reitor pro tempore, a UNIFAP realiza o primeiro vestibular para os cursos de Direito, Secretariado Executivo, Geografia, História, Matemática, Letras, Educação Artística e Enfermagem.[28]

Santana[editar | editar código-fonte]

Campus Universitário de Santana (CSTN) possui instalações próprias localizadas em uma área de 2 hectares, ao longo da Rodovia Duca Serra, nº 1233 – Bairro Fonte Nova no Município de Santana, vinculado a Universidade Federal do Amapá, o qual foi instituído pela Resolução nº 019/2006 – Consu.[29] Em 2 de maio de 2005 entrou em funcionamento com a criação do curso de arquitetura e urbanismo, que desde 2016 está funcionando no Campus Marco Zero do Equador. No dia 9 de dezembro de 2015 começou a funcionar as primeiras turmas dos Cursos de Licenciatura em Filosofia, Letras, Química e Pedagogia, regulamentado pela Resolução Nº 046/2013-Consu de 21 de novembro de 2013, após da assinatura de pactuação entre a UNIFAP e a Diretoria do Desenvolvimento da Rede de IFES da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação, a Diretora do Difes/SESu/MEC e a Coordenadoria Geral de Recursos Humanos.[29] Diante da exigência do colegiado do curso de química, por melhoria estrutural em seu laboratório, e não Havendo possibilidade de atender tais demandas. O curso foi transferido para o campus marco zero. Com isso, passam a existir em 2018 três cursos que atendem 333 alunos.[29]

Mazagão[editar | editar código-fonte]

Binacional[editar | editar código-fonte]

O Campus Binacional localiza-se no município de Oiapoque, na fronteira com a Guiana Francesa.[30]

Em 2007 foi criado e implantado no Campus Norte o curso de Licenciatura Intercultural Indígena, com o objetivo de formar professores para as escolas indígenas do estado. O curso possui formato de módulos, com aulas nos períodos de Janeiro/Fevereiro e Julho, ofertando 30 vagas anualmente. Foi o primeiro curso implantado no campus, com corpo docente e infraestrutura próprias. Em 2011 foi dado inicio à construção de novos edifícios, com o objetivo de ampliar a capacidade do campus e receber novos cursos. Em 2013, o Campus Norte é transformado em Campus Binacional, através da Resolução Nº 01/2013 do Consu/Unifap. [31]Com isso, além do status transfronteiriço, o campus passa a ser administrado por uma direção geral e uma estrutura administrativa própria. O primeiro Diretor Geral do Campus Binacional foi o Técnico em Assuntos Educacionais Paulo Roberto Miranda da Silva, que administrou o campus por 2 anos.[31]

Em 2013 foram criados sete novos cursos: Letras-Francês, História, Geografia, Pedagogia, Ciências Biológicas, Direito e Enfermagem, que tiveram o ingresso da primeira turma no primeiro semestre de 2014. Atualmente o Campus Binacional segue em expansão, com o ingresso de novas turmas, professores e técnicos, sendo cerca de mil alunos, cem professores e quarenta técnicos.[31] Há projeto de construção de novas instalações em terreno de cerca de cem hectares no município de Oiapoque para criar uma cidade universitária, que abrigará os cursos já existentes e outros que serão criados, além de alojamento, restaurante universitário, anfiteatro e centro poliesportivo.[31]

Laranjal do Jari[editar | editar código-fonte]

Tartarugalzinho[editar | editar código-fonte]

O campus localiza-se no município de Tartarugalzinho, distante 230 quilômetros da capital do estado.[32] O terreno possui cem hectares[33] e foi doada para a Unifap pela Prefeitura de Tartarugalzinho com apoio da empresa Amapá Florestal e Celulose (AMCEL),[33] que atua na região. Entre os cursos a serem oferecidos na futura Faculdade de Ciências Agrárias constam Agronomia,[33] Veterinária e Zootecnia.[32]

Organização[editar | editar código-fonte]

Organizações estudantis e sindicatos[editar | editar código-fonte]

O Diretório Central dos Estudantes é a principal representação estudantil da UNIFAP. Cada curso também possui seu centro acadêmico (C.A.).

Os servidores do campus são representados pelo SINSTAUFAP, e os professores pelo SINDUFAP - Andes.

Forma de ingresso[editar | editar código-fonte]

A partir do primeiro semestre de 2013, os novos alunos que desejem ingressar nos os cursos de graduação da Universidade Federal do Amapá, terão que obrigatoriamente realizarem a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). e optar pelo processo seletivo da instituição ou pelo Sistema de Seleção Unificada (SISU). Os cursos que requerem comprovação de habilidade específica podem ter uma avaliação adicional, o que ainda está será analisado pelas respectivas unidades de ensino.

Recentemente o CONSU aprovou a bonificação de 30% para estudantes do Amapá e mesorregião do Marajó[34][35] que quiserem adentrar na instituição. Inicialmente o texto proposto trazia a diferenciação de 30% para os alunos da rede pública e 25% para os alunos da rede privada contudo a esta proposta teve voto vencido.[36]

Alunos egressos ilustres[editar | editar código-fonte]

Alguns nomes relevantes passaram pela universidade ao longo das décadas. Destacam-se

Artes[editar | editar código-fonte]

Política[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Imagem comemorativa dos 24 anos de UNIFAP - Portal UNIFAP
  2. Aguiar Junior, Alan (9 de outubro de 2015). «Histórico da UNIFAP». "Universidade Federal do Amapá". Consultado em 3 de dezembro de 2017 
  3. Fundação Universidade Federal do Amapá - Portal e-MEC
  4. «Unifap-Oficial». www.facebook.com. Consultado em 20 de junho de 2019 
  5. «Norte». ANDIFES. Consultado em 27 de junho de 2019 
  6. User, Super. «Instituições - RENEX - Rede Nacional de Extensão». RENEX. Consultado em 27 de junho de 2019 
  7. Total destinado pelo Governo Federal em âmbito nacional em 2016 - Portal da Transparência (Acessado em 13 de junho de 2016)
  8. Unifap terá Faculdade de Ciências Agrárias em Tartarugalzinho (Acessado em 28 de agosto de 2018)
  9. MENDES, Allan Jasper Rocha. A Expansão da Educação Superior no Amapá - PPGMDR
  10. Histórico do Programa - Programa de Pós-Graduação em Direito Ambiental e Políticas Públicas
  11. Relatório de Gestão 2003 - Universidade Federal do Amapá - Portal UNIFAP
  12. Decreto que institui a Fundação Universidade Federal do Amapá - Portal UNIFAP
  13. «UNIFAP: Prestação de Contas do exercício de 1992». Diário Oficial da União de 16 de setembro de 1996. p. 79 e 80 
  14. Unifap pode sofrer corte de 30% no orçamento - Diário do Amapá
  15. a b c «Maria Alves de Sá, a primeira reitora da UNIFAP». UNIFAP. 19 de setembro de 2019. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  16. a b c d e f g «Galeria dos ex-reitores é inaugurada. – UNIFAP». Consultado em 20 de junho de 2019 
  17. «Currículo do Sistema de Currículos Lattes (Adelma das Neves Nunes Barros Mendes)». buscatextual.cnpq.br. Consultado em 20 de junho de 2019 
  18. «Currículo do Sistema de Currículos Lattes (Eliane Superti)». buscatextual.cnpq.br. Consultado em 20 de junho de 2019 
  19. «Reitoria – Reitoria». Consultado em 20 de junho de 2019 
  20. Figueiredo, Fabiana (7 de junho de 2018). «Júlio César Sá vence eleição para reitoria da Universidade Federal do Amapá». G1. Consultado em 20 de junho de 2019 
  21. «MEC divulga o nome do novo reitor da Unifap». SelesNafes.com. 20 de setembro de 2018. Consultado em 20 de junho de 2019 
  22. «Desfile da Escola de Aplicação da UNIFAP recorda mês da pátria». UNIFAP. 27 de setembro de 2019. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  23. a b c d e f g «Histórico-Rádio.pdf» (PDF). UNIFAP 
  24. «Diretoria apresenta novos projetos da TV e Rádio Universitária». UNIFAP. 20 de setembro de 2019. Consultado em 6 de outubro de 2019 
  25. a b c SOUSA, Silvio (27 de junho de 2019). «EBSERH e Unifap ajustam plano de ação para funcionamento do Hospital Universitário – UNIFAP». Universidade Federal do Amapá. Consultado em 27 de junho de 2019 
  26. a b c d «Todo estado tem que ter um HU, diz presidente da Ebserh | Ebserh - Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares». www.ebserh.gov.br. Consultado em 6 de outubro de 2019 
  27. a b c «Randolfe denuncia que Governo Federal quer transformar Hospital Universitário da Unifap em UBS». Diário do Amapá. Consultado em 9 de outubro de 2019 
  28. «apresentação». UNIFAP. Consultado em 6 de outubro de 2019 
  29. a b c «Apresentação/infraestrutura – Campus de Santana». Universidade Federal do Amapá 
  30. «Localização – Oiapoque». UNIFAP. Consultado em 6 de Outubro de 2019 
  31. a b c d «Histórico – Oiapoque». UNIFAP 
  32. a b «Unifap terá Faculdade de Ciências Agrárias em Tartarugalzinho». Diário do Amapá. Consultado em 6 de outubro de 2019 
  33. a b c «Reunião de serviço debate curso de agronomia, protocolo de intenções entre Esleg e Unifap e andamento do Hospital Universitário». ALAP. Consultado em 9 de outubro de 2019 
  34. Torrinha, Rita (19 de junho de 2019). «Estudantes amapaenses terão acréscimo de 30% na nota do Enem para vagas na Unifap». G1. Consultado em 20 de junho de 2019 
  35. «Unifap dará bônus de 30% em cima da nota do Enem para estudantes do Marajó e Amapá - Portal Amazônia». portalamazonia.com. Consultado em 20 de junho de 2019 
  36. Sousa, Silvio (18 de junho de 2019). «Conselho Universitário aprova bonificação de 30% para estudantes do Amapá e mesorregião do Marajó – UNIFAP». Consultado em 20 de junho de 2019 
  37. «Biografia no Cravo Albin». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 5 de outubro de 2019 
  38. «Professora Marcivânia». www.facebook.com. Consultado em 29 de setembro de 2019 
  39. «Sobre». Deputado Paulo Lemos - PSOL. 2 de fevereiro de 2015. Consultado em 26 de maio de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Universidade Federal do Amapá