Barry Mazur

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Barry Mazur
Nascimento 19 de dezembro de 1937 (83 anos)
Nova Iorque
Nacionalidade Estadunidense
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade de Princeton
Ocupação matemático
Prêmios Prêmio Oswald Veblen de Geometria (1966), Prêmio Cole (1982), Prêmio Chauvenet (1994), Medalha Nacional de Ciências (2011)
Empregador Universidade Harvard
Orientador(es) Ralph Fox, R. H. Bing
Orientado(s) Nigel Boston, Noam Elkies, Jordan Ellenberg, Matthew Emerton, Ofer Gabber, David Goss, Michael Harris, Daniel Mertz Kane, Michael Liam McQuillan, Paul Vojta
Instituições Universidade Harvard
Campo(s) Matemática
Tese 1959: On Embeddings of Spheres

Barry Charles Mazur (Nova Iorque, 19 de dezembro de 1937) é um matemático estadunidense, Gerhard Gade University Professor da Universidade Harvard.[1][2] Trabalha nas áreas de topologia, teoria dos números e geometria

Trabalho[editar | editar código-fonte]

Seu trabalho inicial foi em topologia geométrica. De maneira elementar, ele provou a conjectura generalizada de Schoenflies (sua prova completa exigia um resultado adicional de Marston Morse), mais ou menos na mesma época de Morton Brown. Brown e Mazur receberam o Prêmio Veblen por essa conquista. Ele também descobriu o manifold de Mazur e a fraude de Mazur.

Suas observações na década de 1960 sobre analogias entre primos e nós foram retomadas por outros na década de 1990, dando origem ao campo da topologia aritmética.

Sob a influência da abordagem de Alexander Grothendieck à geometria algébrica, ele se mudou para áreas da geometria diofantina. O teorema de torção de Mazur, que fornece uma lista completa dos subgrupos de torção possíveis de curvas elípticas sobre os números racionais, é um resultado profundo e importante na aritmética de curvas elípticas. A primeira prova de Mazur desse teorema dependeu de uma análise completa dos pontos racionais de certas curvas modulares. Essa prova foi veiculada em seu artigo seminal "Curvas modulares e o ideal de Eisenstein". As ideias deste artigo e a noção de Mazur sobre as deformações de Galois estavam entre os principais ingredientes da prova de Wiles do Último Teorema de Fermat. Mazur e Wiles haviam trabalhado juntos anteriormente na conjectura principal da teoria de Iwasawa.

Em um artigo expositivo, Number Theory as Gadfly,[3] Mazur descreve a teoria dos números como um campo que

"produz, sem esforço, inúmeros problemas que têm um ar doce e inocente sobre eles, flores tentadoras; e ainda ... a teoria dos números fervilha de insetos, esperando para morder os tentados amantes de flores que, uma vez mordidos, são inspirados a excessos de esforço!"

Ele expandiu seus pensamentos no livro de 2003 Imagining Numbers[4] and Circles Disturbed, uma coleção de ensaios sobre matemática e narrativa que ele editou com o escritor Apostolos Doxiadis.[5]

Obras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hoffman, Jascha (2012). «Q&A: The maths raconteur, Barry Mazur». Nature. 483 (7390). 405 páginas. doi:10.1038/483405a 
  2. Barry Mazur (em inglês) no Mathematics Genealogy Project
  3. http://www.maa.org/programs/maa-awards/writing-awards/number-theory-as-gadfly
  4. Mazur, Barry (2003). Imagining Numbers: (particularly the Square Root of Minus Fifteen) (em inglês). [S.l.]: Macmillan 
  5. Hoffman, Jascha (março de 2012). «Q&A: The maths raconteur». Nature (em inglês) (7390): 405–405. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/483405a. Consultado em 20 de dezembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
David Harold Bailey
Prêmio Chauvenet
1994
Sucedido por
Donald Gene Saari


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) matemático(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.