Har Khorana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Har Khorana
Nascimento 9 de janeiro de 1922
Punjab
Morte 9 de novembro de 2011 (89 anos)
Concord (Massachusetts)
Residência Estados Unidos
Nacionalidade estadunidense
Alma mater Universidade de Liverpool (Ph.D.), Universidade do Punjab (B.S.) (M.S.)
Prêmios Prêmio Remsen (1968), Prêmio Albert Lasker de Pesquisa Médica Básica (1968), Prêmio Louisa Gross Horwitz (1968), Nobel prize medal.svg Nobel de Fisiologia ou Medicina (1968), Medalha Nacional de Ciências (1987)
Instituições Instituto de Tecnologia de Massachusetts (1970 - ), Universidade do Wisconsin-Madison (1960-70), Universidade da Colúmbia Britânica (1952-60), Universidade de Cambridge (1950-52), Instituto Federal de Tecnologia de Zurique (1948-49)
Campo(s) biologia molecular
Notas Membro da Pontifícia Academia das Ciências

Har Gobind Khorana (Punjab, 9 de Janeiro de 1922Concord (Massachusetts), 9 de novembro de 2011[1]) foi um biologista molecular indiano, de ascendência punjabi.

Foi agraciado com o Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1968, em conjunto com Robert Holley e Marshall Warren Nirenberg, pelo seu trabalho na interpretação do código genético e sua função na síntese proteica.

Naturalizado cidadão dos Estados Unidos em 1966, tendo vivido em Cambridge, Massachusetts trabalhando na Faculdade de Química do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, e recebeu a Medalha Nacional de Ciência em 1987.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Khorana nasceu de Krishna Devi Khorana e Ganpat Rai Khorana, em Raipur, uma vila em Multan, Punjab, Índia Britânica (agora no atual Paquistão) em uma família hindu Punjabi.[3] A data exata de seu nascimento não é certa, mas ele acreditava que poderia ter sido 9 de janeiro de 1922.[4]

Khorana viveu na Índia britânica até 1945, quando se mudou para a Inglaterra para estudar química orgânica na Universidade de Liverpool com uma bolsa do governo da Índia.[5]

Ele se mudou para Vancouver, British Columbia, com sua família em 1952 depois de aceitar um cargo no British Columbia Research Council na University of British Columbia.[3][6]  

Em 1960, Khorana aceitou o cargo de codiretor do Institute for Enzyme Research no Institute for Enzyme Research da University of Wisconsin em Madison.[5][7] Ele se tornou um professor de bioquímica em 1962 e foi nomeado Conrad A. Elvehjem Professor de Ciências da Vida em Wisconsin-Madison.[8] Enquanto estava em Wisconsin, "ele ajudou a decifrar os mecanismos pelos quais o RNA codifica para a síntese de proteínas" e "começou a trabalhar na síntese de genes funcionais", de acordo com a American Chemical Society.[5] Durante sua gestão nesta universidade, ele completou o trabalho que o levou a compartilhar o prêmio Nobel. O site do Nobel afirma que foi "por sua interpretação do código genético e sua função na síntese de proteínas". O papel de Har Gobind Khorana é declarado da seguinte forma: ele "fez contribuições importantes para este campo ao construir diferentes cadeias de RNA com a ajuda de enzimas. Usando essas enzimas, ele foi capaz de produzir proteínas. As sequências de aminoácidos dessas proteínas resolveram o resto do quebra-cabeça".[9]

Ele se tornou um cidadão americano em 1966.[10]

Har Gobind Khorana casou-se com Esther Elizabeth Sibler em 1952. Eles se conheceram na Suíça e tiveram três filhos, Julia Elizabeth, Emily Anne e Dave Roy.

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

O ácido ribonucleico (RNA) com duas unidades de repetição (UCUCUCU → UCU CUC UCU) produziu dois aminoácidos alternado. Isso, combinado com o experimento de Nirenberg e Leder, mostrou que a UCU codifica geneticamente para serina e CUC para leucina. Os RNAs com três unidades de repetição (UACUACUA → UAC UAC UAC ou ACU ACU ACU ou CUA CUA CUA) produziram três cadeias diferentes de aminoácidos. Os RNAs com quatro unidades de repetição, incluindo UAG, UAA ou UGA, produziram apenas dipeptídeos e tripeptídeos, revelando assim que UAG, UAA e UGA são códons de terminação.[11]

A palestra do Nobel foi entregue em 12 de dezembro de 1968.[11] Khorana foi o primeiro cientista a sintetizar oligonucleotídeos quimicamente.[12] Essa conquista, na década de 1970, também foi o primeiro gene sintético do mundo; nos últimos anos, o processo se generalizou.[13] Cientistas subsequentes se referiram a sua pesquisa enquanto avançavam na edição do genoma com o sistema CRISPR/Cas9.[10]

Pesquisa subsequente[editar | editar código-fonte]

Ele estendeu a pesquisa para polímeros de DNA longos usando química não aquosa e os montou no primeiro gene sintético, usando enzimas polimerase e ligase que ligam pedaços de DNA juntos,[12] bem como métodos que anteciparam a invenção da reação em cadeia da polimerase (PCR).[14] Essas peças personalizadas de genes artificiais são amplamente utilizadas em laboratórios de biologia para sequenciamento, clonagem e engenharia de novas plantas e animais, e são essenciais para o uso crescente da análise de DNA para entender doenças humanas baseadas em genes, bem como a evolução humana. A(s) invenção(ões) de Khorana se tornaram automatizadas e comercializadas para que qualquer um agora possa solicitar um oligonucleotídeo sintético ou um gene de qualquer uma de várias empresas. Basta enviar a sequência genética a uma das empresas para receber um oligonucleotídeo com a sequência desejada.

Depois de meados da década de 1970, seu laboratório estudou a bioquímica da bacteriorodopsina, uma proteína de membrana que converte a energia da luz em energia química criando um gradiente de prótons.[15] Mais tarde, o laboratório passou a estudar o pigmento visual estruturalmente relacionados conhecidos como rodopsina.[16]

Um resumo de seu trabalho foi fornecido por um ex-colega da Universidade de Wisconsin: "Khorana foi um dos primeiros praticantes, e talvez um dos fundadores, do campo da biologia química. Ele trouxe o poder da síntese química para decifrar a genética código, contando com diferentes combinações de trinucleotídeos".[5][17]

Morte[editar | editar código-fonte]

Har Gobind Khorana morreu em 9 de novembro de 2011, em Concord, Massachusetts, aos 89 anos. Sua esposa, Esther, e sua filha, Emily Anne, morreram antes,[5] mas Khorana deixou seus outros dois filhos.[18] Julia Elizabeth escreveu mais tarde sobre o trabalho de seu pai como professor: "Mesmo enquanto fazia todas essas pesquisas, ele sempre se interessou muito pela educação, pelos alunos e pelos jovens".[19]

Referências

  1. «Gobind Khorana, MIT professor emeritus, dies at 89» (em inglês) 
  2. "Google Doodle honors DNA researcher Har Gobind Khorana". usatoday.com.
  3. a b Zhao, Xiaojian; Ph.D, Edward J. W. Park (26 November 2013). Asian Americans: An Encyclopedia of Social, Cultural, Economic, and Political History [3 volumes]: An Encyclopedia of Social, Cultural, Economic, and Political History. ABC-CLIO. ISBN 9781598842401. Retrieved 9 January 2018 – via Google Books.
  4. "Har Gobind Khorana: Why Google honours him today". Al Jazeera
  5. a b c d e Ainsworth, Susan J. "Har Gobind Khorana Dies At 89 – November 21, 2011 Issue – Vol. 89 Issue 47 – Chemical & Engineering News". cen.acs.org.
  6. RajBhandary, Uttam L. (14 December 2011). "Har Gobind Khorana (1922–2011)". Nature. 480 (7377): 322. Bibcode:2011Natur.480..322R. doi:10.1038/480322a. PMID 22170673.
  7. "Biochemist Har Gobind Khorana, whose UW work earned the Nobel Prize, dies". news.wisc.edu.
  8. Kresge, Nicole; Simoni, Robert D.; Hill, Robert L. (29 May 2009). "Total Synthesis of a Tyrosine Suppressor tRNA: the Work of H. Gobind Khorana". The Journal of Biological Chemistry. 284 (22): e5. ISSN 0021-9258. PMC 2685647.
  9. "H. Gobind Khorana – Facts". www.nobelprize.org.
  10. a b "Har Gobind Khorana deciphered DNA and wrote the dictionary for our genetic language". vox.com.
  11. a b "HG Khorana Nobel Lecture".
  12. a b Khorana, H. G. (1979). "Total synthesis of a gene" (PDF). Science. 203 (4381): 614–625. Bibcode:1979Sci...203..614K. doi:10.1126/science.366749. PMID 366749.
  13. "Who Is Har Gobind Khorana? Why Google Is Celebrating the Nobel Prize-Winner". Time.
  14. Kleppe, K.; Ohtsuka, E.; Kleppe, R.; Molineux, I.; Khorana, H. G. (1971). "Studies on polynucleotides *1, *2XCVI. Repair replication of short synthetic DNA's as catalyzed by DNA polymerases". Journal of Molecular Biology. 56 (2): 341–361. doi:10.1016/0022-2836(71)90469-4. PMID 4927950.
  15. Wildenauer, D.; Khorana, H. G. (1977). "The preparation of lipid-depleted bacteriorhodopsin". Biochimica et Biophysica Acta (BBA) - Biomembranes. 466 (2): 315–324. doi:10.1016/0005-2736(77)90227-9. PMID 857886.
  16. Ahuja, S.; Crocker, E.; Eilers, M.; Hornak, V.; Hirshfeld, A.; Ziliox, M.; Syrett, N.; Reeves, P. J.; Khorana, H. G.; Sheves, M.; Smith, S. O. (2009). "Location of the Retinal Chromophore in the Activated State of Rhodopsin*". Journal of Biological Chemistry. 284 (15): 10190–10201. doi:10.1074/jbc.M805725200. PMC 2665073. PMID 19176531.
  17. Kumar, Chandan. "H. Gobind Khorana – Biographical"
  18. "H Gobind Khorana". The Telegraph. 15 November 2011.
  19. "Gobind Khorana, MIT professor emeritus, dies at 89". mit.edu.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Ragnar Granit, Haldan Hartline e George Wald
Nobel de Fisiologia ou Medicina
1968
com Robert Holley e Marshall Nirenberg
Sucedido por
Max Delbrück, Alfred Hershey e Salvador Luria