Guerra sul-africana na fronteira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Guerra sul-africana na fronteira
Guerra Fria e Descolonização de África
SABorder War Montage2.jpg
Data 26 de agosto de 196615 de janeiro de 1990
(23 anos, 4 meses, 2 semanas e 6 dias)
Local África do Sul (Namíbia), Zâmbia e Angola
Desfecho Impasse militar[1][2]
  • Retirada das forças estrangeiras (cubanas, sul-africanas) de Angola, Independência de Namíbia do domínio sul-africano
Beligerantes
1966-1974:
Flag of South-West Africa People's Organisation.svg SWAPO (PLAN)
Movimento Popular de Libertação de Angola (bandeira).svg MPLA
Flag of UNITA.svg UNITA
Bandeira da FNLA.svg FNLA

1975-1990:
Flag of South-West Africa People's Organisation.svg SWAPO
 Angola
 Cuba
ANC UmkhontoweSizwe.png Umkhonto we Sizwe

Apoiados por:
 União Soviética
 China
 Alemanha Oriental
 Egito[3]
Nigéria[4]
 Líbia[5]
1966-1974:
 África do Sul
Portugal Portugal
1975-1990:
 África do Sul
Flag of UNITA.svg UNITA
Bandeira da FNLA.svg FNLA
Forças
c. 122 000 (1988)
(incluindo 40 000 cubanos)
c. 71 000 (1988)
Baixas
11 335 namibianos mortos[6]
2 016 cubanos mortos[7]
~ 2 500 mortos[8]

A Guerra sul-africana na fronteira, comumente referida como a Guerra das matas de Angola na África do Sul e Guerra de Independência da Namíbia em outros países, foi um conflito que ocorreu entre 1966 e 1989 no Sudoeste Africano (atual Namíbia) e Angola entre África do Sul e suas forças aliadas (principalmente a UNITA) de um lado e o governo angolano, a Organização do Povo da África do Sudoeste (SWAPO), e seus aliados - principalmente Cuba - de outro. Estava intimamente ligada com a Guerra Civil Angolana.

Foi um dos mais longos conflitos na África e um dos maiores, tanto em número de tropas como carro de combates, artilharia autopropulsada, veículos blindados e aeronaves utilizadas por ambos os lados.

Os acontecimentos desta guerra ocorreram durante 1965 e 1988 entre, por um lado, as tropas sul africanas, o grupo angolano UNITA contra os membros da SWAPO na Namíbia, os soldados de Angola e conselheiros enviados por Cuba. Nela participaram indiretamente os Estados Unidos, Israel, Grã-Bretanha, França e Irã (antes da Revolução Islâmica) tomando parte da África do Sul e a URSS ao lado dos cubanos e angolanos que combateram junto com a SWAPO. Além disso, a guerra levantou um número indeterminado de mercenários ocidentais, também do lado sul-africano e da UNITA.

A guerra terminou com a independência da Namíbia em 21 de março de 1990, e nas eleições que se seguiram a SWAPO obteve 55 dos 72 lugares na Assembleia Nacional da Namíbia, o que lhes permitiu formar um governo nacional.[9]

Um período de paz se seguiu entre as nações do sul da África, que foram assinando a paz com os distintos grupos guerrilheiros financiados pelo regime de apartheid sul-africano. A longo prazo, contribuiu para a reforma legal na África do Sul e o fim do Apartheid, com a saída do isolamento internacional a que este país estava submetido.

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

A África do Sul administrava o território então conhecido como Sudoeste Africano, pois forças da entente, comandadas pelo general Louis Botha, conquistaram o território do Império Alemão durante a Primeira Guerra Mundial. Após o armistício e fim da guerra, as colônias alemãs e turcas foram posicionadas sob o controle de um sistema de mandatos criado pela Liga das Nações. O sistema de mandatos foi criado como um compromisso entre aqueles que defendiam a anexação dos territórios anteriormente possuídos pelos impérios alemão e otomano, e outra proposição criada por quem desejava lhes garantir uma tutela internacional até que estivessem aptos para se auto-gerir.[10] A União Sul-Africana recebeu a responsabilidade de administrar o local como uma província integral de seu território, mas não possuía soberania total sobre ele[10].

Todos os territórios afetados por esse sistema de mandatos foram divididos em três categorias - os territórios "Classe A" eram predominantemente localizados no Oriente Médio, os "Classe B" se localizavam principalmente na África central, e os "Classe C" eram as colônias alemãs menos populosas e/ou menos desenvolvidas: A colônia do Sudoeste Africano, a Nova Guiné Alemã, e as ilhas de colonização alemã no Oceano Pacífico.[10] Devido às suas densidades populacionais reduzidas, isolamento geográfico, pequenas dimensões ou proximidade das nações que receberam seus mandatos, as colônias Classe C poderiam ser administradas como províncias integrais do país administrador, embora não garantisse soberania total do país administrador sobre elas, apenas a responsabilidade administrativa.[10]

Em 1966, a Assembleia Geral da ONU revogou o mandato da África do Sul para governar o território do Sudoeste Africano e declarou que estava sob administração direta da ONU. A África do Sul se recusou a reconhecer esta resolução e continuou a administrar o território de facto.[11]

Conflito[editar | editar código-fonte]

Após vários anos de petições malsucedidas por meio das Nações Unidas e do Tribunal Internacional de Justiça para garantir a independência da Namíbia, na época parte da África do Sul, a Organização do Povo do Sudoeste Africano (ou SWAPO) formou o PLAN ("People's Liberation Army of Namibia") em 1962 com apoio da União Soviética, China e nações africanas como Tanzânia, Gana e Argélia.[12] O conflito armado começou entre o PLAN e as autoridades sul-africanas em 1966. Entre 1975 e 1988, a Força de Defesa da África do Sul (ou SADF) liderou uma guerra convencional em Angola e na Zâmbia para eliminar as bases de operação do PLAN naquela região.[13] O governo sul-africano também mandou forças especiais e unidades especialistas em contra-insurgência, como a Koevoet e o Batalhão 32 para realizar missões de reconhecimento externo e rastrear movimentos de guerrilha.[14]

As táticas sul-africanas tornaram-se cada vez mais agressivas à medida que o conflito progredia.[13] As incursões das forças militares sul-africanas (o SADF) causaram muitos mortes em Angola e também geraram danos colaterais ao danificar instalações importantes para a economia da região.[15] Ostensivamente para impedir esses ataques, mas também para interromper a crescente aliança entre o SADF e a UNITA, com os sul-africanos abertamente armando a UNITA com equipamento capturado da milícia PLAN,[16] os soviéticos começaram a apoiar o FAPLA (Forças Armadas Populares de Libertação de Angola) por meio de um grande contingente de conselheiros militares e até quatro bilhões de dólares em tecnologia de defesa moderna na década de 1980.[17] Começando em 1984, tropas regulares angolanas, sob comando soviético, começaram de forma bem sucedida a lutar contra o SADF.[17] Os rebeldes ganharam ainda mais apoio quando Cuba mandou milhares de soldados para intervir diretamente em Angola.[17] A guerra entre a África do Sul e Angola terminou por um breve período com a assinatura dos Acordos de Lusaka (1984), mas as hostilidades recomeçaram em agosto de 1985 com o PLAN e a UNITA tirando vantagem do cessar-fogo para intensificar suas próprias atividades de guerrilha, levando a uma fase renovada de operações pela FAPLA que culminou na Batalha de Cuito Cuanavale.[15] A Guerra de fronteira da África do Sul foi virtualmente encerrada pelo Acordo Tripartido, mediado pelos Estados Unidos, que firmou a retirada dos militares cubanos e sul-africanos de Angola e do Sudoeste da África, respectivamente.[18] A última campanha de guerrilha lançada pelo PLAN aconteceu em abril de 1989.[19] O Sudoeste da África recebeu a independência formal, como a República da Namíbia, um ano depois, em 21 de março de 1990.[2]

Apesar de ter sido amplamente travada em estados vizinhos, a Guerra de fronteira da África do Sul teve um impacto cultural e político significativo na sociedade sul-africana.[20] O governo do país (que impunha a política do apartheid) dedicou um esforço considerável para apresentar a guerra como parte de um programa de contenção contra o expansionismo soviético na região[21] e utilizou isso para atiçar o sentimento anticomunista público.[22] O conflito continua a ser um tema integral na literatura sul-africana contemporânea em geral e trabalhos na língua africâner, em particular, tendo dado origem a um gênero único conhecido como grensliteratuur (traduzido como "literatura de fronteira").[15] A guerra foi brutal, envolvendo ações de guerrilha e atrocidades cometidas por todos os lados.[23]

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

A Guerra sul-africana na fronteira é a maneira que se traduz a expressão inglesa South African Border War e que em fontes oficiais sul-africanas pós-apartheid corresponde à chamada Guerra da fronteira com a Angola.[24] James Cimet, em sua enciclopédia do conflito, chama o conflito de Guerra pela libertação nacional da Namíbia.[25] Esse título foi o utilizado pela SWAPO, e é comumente utilizado no contexto da Namíbia. No entanto, o termo foi criticado por ignorar grandes implicações regionais do conflito, e o fato de que o Exército Popular de Libertação da Namíbia (PLAN; braço armado da SWAPO) não tinha base na Namíbia, nem realizou a maior parte de seus ataques naquele território.[26]

Referências

  1. Vanneman, Peter (1990). Soviet Strategy in Southern Africa: Gorbachev's Pragmatic Approach. Stanford: Hoover Institution Press. pp. 41–57. ISBN 978-0817989026 
  2. a b Hampson, Fen Osler (1996). Nurturing Peace: Why Peace Settlements Succeed Or Fail. Stanford: United States Institute of Peace Press. pp. 53–70. ISBN 978-1878379573 
  3. Williams, Christian (Outubro de 2015). National Liberation in Postcolonial Southern Africa: A Historical Ethnography of SWAPO's Exile Camps. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 73–89. ISBN 978-1107099340 
  4. Abegunrin, Olayiwola (1997). Nigerian Foreign Policy Under Military Rule, 1966-1999. Westport, Connecticut: Praeger Publishers. pp. 81, 93. ISBN 978-0275978815 
  5. Gebril, Mahmoud (1988). Imagery and Ideology in U.S. Policy Toward Libya 1969–1982. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press. p. 70. ISBN 978-0822985075 
  6. Corum, James; Johnson, Wray (2003). Airpower in small wars: fighting insurgents and terrorists. Lawrence: University Press of Kansas. p. 315. ISBN 978-0700612406 
  7. Polack, Peter (2013). The Last Hot Battle of the Cold War: South Africa vs. Cuba in the Angolan Civil War illustrated ed. Oxford: Casemate Publishers. pp. 72, 92–108, 156–171. ISBN 978-1612001951 
  8. Reginald Herbold Green. «Namibia : The road to Namibia – Britannica Online Encyclopedia». Britannica.com. Consultado em 15 de janeiro de 2013 
  9. "Namibian Voters Deny Total Power to SWAPO," by Michael Johns, The Wall Street Journal, November 19, 1989..
  10. a b c d Rajagopal, Balakrishnan (2003). International Law from Below: Development, Social Movements and Third World Resistance. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 50–68. ISBN 978-0521016711 
  11. «Namibian War of Independence 1966-1988». Armed Conflict Events Database. Consultado em 30 de novembro de 2009 
  12. Hooper, Jim (2013) [1988]. Koevoet! Experiencing South Africa's Deadly Bush War. Solihull: Helion and Company. pp. 86–93. ISBN 978-1868121670 
  13. a b Clayton, Anthony (1999). Frontiersmen: Warfare in Africa since 1950. Philadelphia: UCL Press, Limited. pp. 119–124. ISBN 978-1857285253 
  14. Stapleton, Timothy (2013). A Military History of Africa. Santa Barbara: ABC-CLIO. pp. 251–257. ISBN 978-0313395703 
  15. a b c Jacklyn Cock, Laurie Nathan (1989). War and Society: The Militarisation of South Africa. [S.l.]: New Africa Books. pp. 124–276. ISBN 978-0-86486-115-3 
  16. Weigert, Stephen (2011). Angola: A Modern Military History. Basingstoke: Palgrave-Macmillan. pp. 71–72. ISBN 978-0230117778 
  17. a b c Blank, Stephen (1991). Responding to Low-Intensity Conflict Challenges. Montgomery: Air University Press. pp. 223–239. ISBN 978-0160293320 
  18. Harris, Geoff (1999). Recovery from Armed Conflict in Developing Countries: An Economic and Political Analysis. Oxfordshire: Routledge Books. pp. 262–264. ISBN 978-0415193795 
  19. Hearn, Roger (1999). UN Peacekeeping in Action: The Namibian Experience. Commack, New York: Nova Science Publishers. pp. 89–95. ISBN 978-1-56072-653-1 
  20. Du Preez, Max (2011). Pale Native: Memories of a Renegade Reporter. Cape Town: Penguin Random House South Africa. pp. 88–90. ISBN 978-1770220607 
  21. Mashiri, Mac; Shaw, Timothy (1989). Africa in World Politics: Into the 1990s. Basingstoke: Palgrave-Macmillan. pp. 208–209. ISBN 978-0333429310 
  22. Baines, Gary (2014). South Africa's 'Border War': Contested Narratives and Conflicting Memories. London: Bloomsbury Academic. pp. 1–4, 138–140. ISBN 978-1472509710 
  23. Colletta, Nat; Kostner, Markus; Wiederhofer, Indo (1996). Case Studies of War-To-Peace Transition: The Demobilization and Reintegration of Ex-Combatants in Ethiopia, Namibia, and Uganda. Washington DC: World Bank. pp. 127–142. ISBN 978-0821336748.
  24. Embajada de Sudáfrica en Cuba: Historia de Suráfrica, última visita: 8 de fevereiro de 2007
  25. James Ciment: Encyclopedia of conflicts since World War II, última visita em 3 de maio de 2007.
  26. Baines, Gary (2014). South Africa's 'Border War': Contested Narratives and Conflicting Memories. Londres: Bloomsbury Academic. pp. 1–4, 138–140. ISBN 978-1472509710