Chaval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Chaval
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 22 de novembro
Fundação 1953
Gentílico chavalense
Prefeito(a) Pacheco Neto (PSD[1] )
(2013–2016)
Localização
Localização de Chaval
Localização de Chaval no Ceará
Chaval está localizado em: Brasil
Chaval
Localização de Chaval no Brasil
03° 02' 02" S 41° 14' 38" O03° 02' 02" S 41° 14' 38" O
Unidade federativa  Ceará
Mesorregião Noroeste Cearense IBGE/2008[2]
Microrregião Litoral de Camocim e Acaraú IBGE/2008[2]
Municípios limítrofes Barroquinha (a Norte e Leste), Granja (a Sudeste), Luís Correia (Piauí) (a Sudoeste), Cajueiro da Praia(a Noroeste).
Distância até a capital 400 km
Características geográficas
Área 238,228 km² [3]
População 12 617 hab. IBGE/2010[4]
Densidade 52,96 hab./km²
Altitude 9 m
Clima Quente e úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,579 baixo PNUD/2000[5]
PIB R$ 40 363,676 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 3 201,18 IBGE/2008[6]
Página oficial

Chaval é um município brasileiro do estado do Ceará. Sua população estimada em 2006 era de 13.348 habitantes. Chaval se limita com o Piauí, separado pelo Rio Ubatuba.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topônimo Chaval é Explicado pelo fato de terem achado um molho de chaves nas margens do rio Timonha. Mas, há quem diga que o nome vem da palavra "chavala" que significa fazenda em francês. Outra explicação seria o uso figurado da palavra "cavalar", que significa enorme/ descomunal, em alusão às pedras gigantes encontradas na região. Sua denominação original era Ibassu, depois Ibuaçú e, desde 1911, Chaval.

História[editar | editar código-fonte]

Mapa do costa do Ceará em 1629.

A região às margens dos rios Timonha e Baracuzinho era habitada pelos índios Tremembé.[7] [8]

As bases de Chaval são: o aldeiamento Tremembé, a chegada das missões para a catequização dos mesmos e dos moradores de Granja e as ações do religioso Monsenhor Carneiro e seus familiares.

Em 1879 iniciou a construção de uma capelinha em louvor a Santo Antônio (que mas tarde ganhou estatus de catedral), e em torna da qual desenvolveu-se o povoado de Chaval. Nos dias de hoje a cidade está mais desenvolvida para lado oposto da entrada da igreja.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Tropical quente semi-árido com pluviometria média de 1.030 mm[9] com chuvas concentradas de janeiro à abril.[10]

Hidrografia e recursos hídricos[editar | editar código-fonte]

As principais fontes de água fazem parte da bacia do rio Coreaú, sendo as principais os rios Timonha, Baiacuzinho, Camurupim e rio Ubatuba(também conhecido por São João da Praia), além do riacho Cajueiro. O Açude Itaúna é açude de grande porte.[11] [12]

Relevo e solos[editar | editar código-fonte]

O território de Chaval tem um relevo plano, com áreas de drenagens, e não existem elevações superiores a 200 metros.[11] .

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Nas terras de Chaval a vegetação predominantes é a de tabuleiros, ocorrendo também a caatinga e manguezais em zonas mais restritas[11] .

Subdivisão[editar | editar código-fonte]

O município é dividido em dois distritos: Chaval (sede) e Passagem.[13]

Política[editar | editar código-fonte]

A administração municipal localiza-se na sede. A Cidade é dividida em 2 grupos político que são conhecidos como: Jacaré e leões Chaval.
Prefeitos de Chaval [13] .

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia é baseada na produção de sal marinho em salinas, na agricultura de subsistência (algodão arbóreo, caju, arroz, milho, mandioca e feijão), na pecuária (bovinos, suínos e avícola), e na piscicultura (criatórios de camarão).

Existem ainda 18 indústrias, sendo doze de extração a mineral (sal marinho) e seis de moagem e embalagem de sal para uso na pecuária.

Em seu território foram registradas a ocorrência de ferro, na produção de 65% em minérios de hematita com magnesita e na proporção de 50% e 30% em Itabirutus.

O turismo também é uma das fontes de renda devido as belezas naturais: Porto do Mosquito,banho na Barragem do Caldeirão,Balneario dos "Urubu", passeio pelos Rios e Salinas, visitação à Pedra das Carnaúbas (com 100 metros de altura), Pedra da Santa,Pedra do Céu, Pedra da Gruta Nossa Senhora de Lourdes (um santuário no centro da cidade) entre outras.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Os principais eventos culturais são:

  • Pescaria artesanal de linha (agosto, dia variável)
  • Festa Nossa senhora de Lourdes (17 a 27 de novembro),
  • Regata de canoas (em um fim de semana, durante os festejos de novembro),
  • Festa de Santo Antônio (7 a 13 de junho).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Prefeito eleito mais novo tem 21 anos e é de Chaval, no CE. Página visitada em 03/04/2013.
  2. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  3. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  4. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  7. Sebok. Lou, Atlases published in the Netherlands in the rare atlas collection. Compiled and edited by Lou Seboek. National Map Collection (Canada), Ottawa. 1974
  8. Aragão, R. B, Índios do Ceará e Topônimios Índigenas, Fortaleza, Barraca do Escritor Cearense. 1994
  9. Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos - FUNCEME.
  10. Instituto nacional de Pesquisa espacial - INPE.
  11. a b c http://www.cprm.gov.br/
  12. SIRH/Ce - Sistema de Informações dos Recursos Hídricos do Ceará. Página visitada em 2 de abril de 2010.
  13. a b http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/ceara/Chaval.pdf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]