Quixeramobim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde janeiro de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Município de Quixeramobim
Bandeira de Quixeramobim
Brasão de Quixeramobim
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 14 de agosto
Fundação 14 de agosto de 1856 (158 anos)
Gentílico quixeramobinense
Prefeito(a) Cirilo Pimenta (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Quixeramobim
Localização de Quixeramobim no Ceará
Quixeramobim está localizado em: Brasil
Quixeramobim
Localização de Quixeramobim no Brasil
05° 11' 56" S 39° 17' 34" O05° 11' 56" S 39° 17' 34" O
Unidade federativa  Ceará
Mesorregião Sertões Cearenses IBGE/2008 [1]
Microrregião Sertão de Quixeramobim IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Norte: Madalena, Leste: Quixadá, Banabuiú e Choró, Sul: Senador Pompeu, Solonópole e Pedra Branca, Oeste: Boa Viagem
Distância até a capital 203 km
Características geográficas
Área 3 275,838 km² [2]
População 75 565 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 23,07 hab./km²
Altitude 191 m
Clima Semi-árido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,642 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 405 315,389 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 5 636,26 IBGE/2010[5]
Página oficial

Quixeramobim é um município brasileiro do estado do Ceará, localizado na Mesorregião dos Sertões Cearenses.

Formação Administrativa[editar | editar código-fonte]

Em 1755 foi criado o distrito de Quixeramobim (sem município). Em 13 de junho 1789, foi elevado à categoria de vila, e 1856 (90 anos depois) é elevado à categoria de cidade. Em 1910, Quixeramobim tem criado seu primeiro distrito: São João. Em 1912 Uruquê também se torna distrito. Em 1933 mais 4 distritos: Boa Viagem, Canafístula, Madalena e Olinda. No mesmo ano Uruquê tem seu nome mudado para Francisco Sá. No mesmo ano de 1933, mais distritos: Algodão e Belém. Em 1933 os distritos Boa Viagem e Olinda se desmembram para formar o novo município de Boa Viagem. Em 1936, mais dois distritos: Belém Quirim e São José de Castro. Em 1938, os distritos tiveram uma mudança de nome: São José de Castro mudou o nome para Castro, Canafístula muda o nome para Pirabibu, Francisco Sá volta a se chamar Uruquê, e São João muda o nome para Lacerda, e Belém Quirim volta a ser um simples povoado. Em 1943 o distrito de Belém mudou o nome para Itatira, Algodão mudou o nome para Manituba, e Castro mudou o nome para Macaoca. Em 1951, Itatira é elevada à categoria de município, e no mesmo ano, o povoado Passagem torna-se distrito de Quixeramobim. Em 1953 mais dois distritos: Encantado e São Miguel. Em 1986, os distritos de Macaoca e Madalena se desmembram de Quixeramobim para formar o novo município de Madalena. Em 1990, o distrito Pirabibu muda o nome para Algodões, e é elevado à categoria de vila. Em 1990 mais dois distritos: Nenelândia e Belém. Em 1994 o distrito Algodões muda o nome para Damião Carneiro.

Atualmente Quixeramobim tem 12 distritos:

  1. Belém
  2. Berilândia
  3. Damião Carneiro
  4. Encantado
  5. Lacerda
  6. Manituba
  7. Nenelândia
  8. Passagem
  9. Paus Brancos
  10. Quixeramobim (distrito-sede)
  11. São Miguel
  12. Uruquê

História[editar | editar código-fonte]

Segundo a tradição, os primitivos habitantes da região eram os índios quixarás. Os primeiros euro-decendentes que penetraram as terras do atual Município vieram do Jaguaribe, seguindo o rio Banabuiú. Eram membros das famílias Correia Vieira e Rodrigues Machado, que ali se estabeleceram com fazendas de criar. A povoação parece ter nascido precisamente dessas fazendas. No ano de 1704, foram concedidas por Carta Régia muitas léguas de terras a vários portugueses e, entre eles, ao portuense Antônio Dias Ferreira. Além das que Ihe foram concedidas, adquiriu este boas terras às margens do rio que o gentio chamava de Ibu, fundando ali a Fazenda de Santo Antônio do Boqueirão. Tratou logo de erigir, nas proximidades da sua casa de morada, uma pequena capela, sob a invocação de Santo Antônio de Pádua, mais tarde Santo Antônio de Quixeramobim.

Com a construção da capela, Antônio Dias Ferreira muito concorreu para o desenvolvimento da região, "atraindo-lhe os moradores". Vinte e cinco anos mais tarde, a capelinha arruinada era substituída pela Igreja, que seria a futura Matriz da cidade, edificada pelo portuense, "homem solteiro de avultada fortuna, que possuía 20 léguas de terras". O volume 16º da Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, edição de 1959, fundamenta que quixeramobim tinha a denominação de Nova Vila de Campo Maior(página 456).

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município é banhado pelo rio Quixeramobim (daí o nome), o maior afluente esquerdo do rio Banabuiú. Sua divisão política é distribuída por nove distritos, além de sua sede. Marco obelisco com cerca de 10 metros de altura, em granito e aço que foi anteriormente instalado pelo IBGE que referencia o presumido ponto de eqüidistância geodésica do Estado; fica na Praça Dias Ferreira. Quixeramobim portanto, é conhecida como a cidade "Coração do Ceará".

Clima[editar | editar código-fonte]

Tropical quente semi-árido com chuvas concentradas de fevereiro a abril.[6] A pluviometria média é de 708 mm.

Hidrografia e recursos hídricos[editar | editar código-fonte]

Praticamente todo o território do município está na bacia hidrográfica do rio Banabuiú, que corta a parte sul do seu território. Contudo, o principal curso d'água é o rio Quixeramobim que é um afluente do Banabuiú. É no rio Quixeramobim que estão as principais barragens do município, o açude Quixeramobim e o açude Fogareiro.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação presente em praticamente todo município é a caatinga arbustiva densa ou aberta, caracterizada pela presença de cactos e vegetação rasteira com árvores baixas e cheias de espinho. Apenas em uma pequena área no extremo sudoeste, próximo à fronteira com Pedra Branca ocorre a floresta caducifólia espinhosa, ou caatiga arbórea.[6]

Sua cobertura vegetal tem sofrido grande intervenção desde a fundação do município, através de desmatamentos e queimadas com o objetivo de preparar o solo para a agricultura e, em grande parte, para a pecuária extensiva.


Administração pública[editar | editar código-fonte]

Divisões administrativas[editar | editar código-fonte]

Quixeramobim está dividido em doze unidades, a Sede e mais onze distritos: Belém, Berilândia, Nenelândia, Uruquê, Lacerda, Paus Brancos, Damião Carneiro, Passagens, São Miguel, Encantado e Manituba.

Economia[editar | editar código-fonte]

Industrialização e recente crescimento[editar | editar código-fonte]

O Município caracteriza-se por ter a maior produção leiteira do estado do Ceará. Nos últimos 10 anos, vem experimentando um grande progresso econômico com a chegada de indústrias que oferecem milhares de empregos. Isso transformou Quixeramobim no maior centro urbano do sertão central. Em 2007, a cidade ultrapassou a marca dos 68 mil habitantes e agora em 2010 já chega a mais de 73 mil habitantes.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Esporte[editar | editar código-fonte]

  • Quixeramobim Esporte Clube: time pioneiro no futsal da região centro único da região a chegar até uma final de campeonato estadual feito acontecido no ano de 2010.[carece de fontes?]
  • Portuguesa Futebol Clube do Jaime Lopes: com fundação nos anos de 2009 e 2010 tendo na presidência e no comando técnico "Moura" que em sua a primeira participação no certame local consegui um feito inédito de chegar até a final e ganhar o campeonato.[carece de fontes?]
  • Cruzeiro da 14 de agosto: o maior time do município e maior vencedor do campeonato municipal.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking IDH-M Ceará. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 11 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 09 set. 2013.
  6. a b dados da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos - FUNCEME.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]