Croatá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Croatá
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 28 de abril de 1988 (26 anos)
Fundação 28 de abril de 1988
Gentílico croataense
Prefeito(a) Antonio Felinto Filho (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Croatá
Localização de Croatá no Ceará
Croatá está localizado em: Brasil
Croatá
Localização de Croatá no Brasil
04° 24' 00" S 40° 54' 39" O04° 24' 00" S 40° 54' 39" O
Unidade federativa  Ceará
Mesorregião Noroeste Cearense IBGE/2008 [1]
Microrregião Ibiapaba IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Norte: Guaraciaba do Norte; Sul: Ipueiras; Leste: Guaraciaba do Norte, Ipu e Ipueiras; Oeste: estado do Piauí
Distância até a capital 352 km
Características geográficas
Área 700,356 km² [2]
População 17 077 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 24,38 hab./km²
Altitude 571 m
Clima Tropical subúmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,557 baixo PNUD/2000 [4]
PIB R$ 67 623,912 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 3 745,02 IBGE/2008[5]
Página oficial

Croatá é um município brasileiro do estado do Ceará. Localiza-se na microrregião da ibiapaba, Mesorregião do Noroeste Cearense. Sua população estimada em 2010 era de 17.077 habitantes.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topônimo Croatá vem do tupi-guarani e pode significar:

  • caruá: cará (espinhento); (talo, caule) e atá (forte, duro), significando talo com espinhos;
  • Para Von Martius, croatá é uma contração de caragoatá: caranhe (arranhar) e oatá (o que anda por causa dos espinhos), significando erva que arranha o viajante;[6]
  • Para Teodoro Fernandes Sampaio deriva o termo de carauá-tá, traduzindo-o como o o carauá duro.

O topônimo Croatá é uma alusão à planta silvestre da família das bromélias, também chamada gravatá, coroatá, caruá, coroá, crauá, croá, caroá, que é abundante na região e que tem diversas utilidades. Das folhas retira-se fibra sedosa que serve para fazer cordas, linhas de pesca, capacho e até alimento.

Sua denominação original era Croatá, depois Presidente Kennedy (alterado pela Lei Estadual nº 6570, de 18 de setembro de 1963) e, desde 1965, novamente Croatá (alterado pela Lei Estadual nº 8339, de 14 de dezembro de 1965).[7]

História[editar | editar código-fonte]

As terras da serra dos Cocos, localizado no lado sul da Chapada da Ibiapaba na divisa com as terras do Sertão de Cratéus, era habitados por nações indígenas como os Tupi(Tabajara, Tupinambá) e Tapuia(Calabaça, Carariju, Kariri, Inhamun, Karati, Jaburu, Javanbé),,.[8] [9] ,,[10] [11]

Ao redor da primitiva Capela de Nossa Senhora das Dores, desenvolveu-se o atual centro urbano, que se emancipou do Inhussu.

A Elevação do povoado a categoria de vila ocorreu segundo a lei n° 2.677, de agosto de 1929 e a de município conforme lei n° 8.339, de 14 de dezembro de 1965, antes de serem instalado e restaurado na forma da lei n° 11.430, de 28 de abril de 1988.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Tropical quente semi-árido com pluviometria média de 610 mm [12] com chuvas concentradas de janeiro à abril.[13]

Hidrografia e recursos hídricos[editar | editar código-fonte]

As principais fontes de água fazem parte da bacia do rio Parnaíba, sendo elas o rio Inhussu, os riachos Cana Brava, Canindé Grande, Cruz, Macambira e São Roque e outros tantos. Existem ainda açudes de grande porte, mas destaca-se a Logoas das Mercês.,[14] [15] .

Relevo e solo[editar | editar código-fonte]

O município de Croatá está situado na Chapada da Ibiapaba e seu relevo apresenta um leve declínio para o lado do estado do Piauí. As principais elevações possuem altitudes com até 800 metros acima do nível do mar, atingindo o ápice no Morro do Pico.[16]

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A vegetação da região de Croatá faz parte da flora da Chapada da Ibiapaba, com predominância da uma vegetação arbustiva densa, de caules finos (carrasco). No leste do de Croatá encontra-se a mata úmida, serrana (floresta subperenifólia tropical plúvio-nebular).[16]

Subdivisão[editar | editar código-fonte]

O município é dividido em oito distritos: Croatá (sede), Barra do Sotero, Betânia, Santa Tereza, Repartição, Lagoa da Cruz, Vista Alegre e São Roque.[17]

Aspectos socioeconômicos[editar | editar código-fonte]

A maior concentração populacional encontra-se na zona rural. A sede do município dispõe de abastecimento de água, fornecimento de energia elétrica, serviço telefônico, agência de correios e telégrafos, serviço bancário, hospitais, hotéis e ensino de 1° e 2° graus.[14]

A partir de Fortaleza o acesso ao município pode ser feito por via terrestre através da rodovia Fortaleza/Tianguá BR 222, seguindo depois estrada estadual (CE-187) que passa Ubajara, Ibiapina, São Benedito e Guaraciaba do Norte. As demais vilas, lugarejos, sítios e fazendas são assecíveis(com franco acesso durante todo o ano) através de estradas estaduais, asfaltadas ou carroçáveis[18] ..[19]

A economia local é baseada na agricultura (café, banana, cana-de-açúcar, mandioca e feijão); na pecuária (bovinos, suínos e avícola.[15]

O turismo também é uma das fontes de renda, devido ao clima ameno.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Os principais eventos culturais são:

Política[editar | editar código-fonte]

A administração municipal localiza-se na sede, Croatá.[17]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
  6. http://www.institutodoceara.org.br/Rev-apresentacao/RevPorAno/1887/1887-VocabularioIndigenaemusonaProvinciaCeara.pdf Página 274
  7. Página do IBGE. Visitado em 10 de fevereiro de 2010.
  8. Sebok. Lou, Atlases published in the Netherlands in the rare atlas collection. Compiled and edited by Lou Seboek. National Map Collection (Canada), Ott
  9. Aragão, R. B, Indios do Ceará e Topônimios indiígens, Fortaleza, Barraca do Escritor Cearense. 1994
  10. Sebok. Lou, Atlases published in the Netherlands in the rare atlas collection. Compiled and edited by Lou Seboek. National Map Collection (Canada), Ottawa. 1974
  11. Aragão, R. B, Índios do Ceará e Topônimios Índigenas, Fortaleza, Barraca do Escritor Cearense. 1994
  12. Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos - FUNCEME.
  13. Instituto nacional de Pesquisa espacial - INPE.
  14. a b Página do CPRM. Visitado em 10 de fevereiro de 2010.
  15. a b Atlas do Ceará.
  16. a b Página do CPRM 10. Visitado em 10 de fevereiro de 2010.
  17. a b Página do IBGE. Visitado em 10 de fevereiro de 2010.
  18. DER Departamento de Edificações e Rodovias. Visitado em 2 de Abril de 2010.
  19. Página do DER. Visitado em 10 de fevereiro de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]