Jardim (Ceará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Jardim
Vista geral da cidade

Vista geral da cidade
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 3 de janeiro de 1814 (200 anos)
Fundação 1814
Gentílico jardinense
Prefeito(a) Analeda Neves Sampaio (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Jardim
Localização de Jardim no Ceará
Jardim está localizado em: Brasil
Jardim
Localização de Jardim no Brasil
07° 34' 55" S 39° 17' 52" O07° 34' 55" S 39° 17' 52" O
Unidade federativa  Ceará
Mesorregião Sul Cearense IBGE/2008[1]
Microrregião Cariri IBGE/2008[1]
Região metropolitana Cariri
Municípios limítrofes Barbalha, Cedro-PE,Porteiras, Penaforte, Missão Velha, Jati.
Distância até a capital 540 km
Características geográficas
Área 457,034 km² [2]
População 26 697 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 58,41 hab./km²
Altitude 648 m
Clima Tropical semiárido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,614 médio PNUD/2010[4]
PIB R$ 107 518 mil IBGE/2011[5]
PIB per capita R$ 4 025,39 IBGE/2011[5]
Página oficial

Jardim é um município brasileiro do estado do Ceará. Localiza-se na Região Metropolitana do Cariri.

História[editar | editar código-fonte]

O Município de Jardim era conhecido como Barra do Jardim e Santo Antonio do Jardim, uma antiga região indígena e, logo depois, palco de memoráveis acontecimentos históricos. As origens do Município de Jardim são remontadas desde o século XVIII, tendo como referência o fazendeiro Bento Moreira, casado com D. Sebastiana de Oliveira onde moravam no sítio chamado de corrente de Ramalho. Havia outro colono, pobre e consequentemente sem identificação no sítio cabeça do negro. Sua localização foi bastante isolada, de modo que somente por ocasião das grandes estiagens atrairia maiores investidores. Com a grande seca de 1791 á 1793, chegou a Jardim o primeiro imigrante Padre João Bandeira de Melo, vindo de flores acompanhado de índios e negros onde catequizava os pajeús. Era um homem muito valente e o que fez pela primeira vez foi promover o plantio de alguns cereais e edificar uma casa de barro, no local em que existe a residência do Padre Antônio Manuel de Sousa, que ainda hoje é conservada como monumento histórico. Logo em seguida ele construiu uma capela para Bom Jesus, que assim atraiu para grande número de pessoas, e suas casas foram se agrupando junto à capela. Anos depois, o fundador de Jardim dirigiu-se para Piancó, na Paraíba, seguindo rumo ao Piauí, passando em Porteiras, em cuja capela celebrou uma missa no dia 6 de janeiro de 1821.

Em 1799, o povoado recebeu a visita de Frei Vital de Frascarolo. Sua passagem ficou perpetuada num cruzeiro por ele erguido, no dia 29 de junho à frente da capela, onde foi transplantado no centro do Cemitério de São Miguel e hoje está á frente da Matriz Santo Antônio de Jardim. Em 30 de agosto de 1814, o território foi desmembrado de Crato, quando passou a denominar-se Vila de Santo Antonio do Jardim.

Deve-se sua evolução à categoria de vila, à grande rivalidade entre José Pereira Filgueiras, capitão-mor do Crato, e o sargento-mor José Alexandre Corrêa Arnaud, descendente do povoador de Missão Velha, que saindo da cadeia do Icó, em 1812, conseguiu do Regente Imperial, pessoalmente, a criação do município e sua nomeação para o cargo de capitão-mor da nova vila.

A emancipação política do município ocorreu em 3 de janeiro de 1816, onde, não pôde comparecer o capitão-mor José Arnaud, por ter falecido no seu regresso do Rio de Janeiro. Com seu falecimento, foi nomeado capitão-mor do Município de Jardim, Pedro Tavares Muniz.

No ano de 1933, o município dividiu-se em dois distritos: Jardim e Macapá(atual Jatí). Desmembrado por força da Lei nº 1153, de 22 de novembro de 1951, foi criado um novo distrito denominado até hoje de Jardim-Mirim. No dia 24 de abril de 1916, foi realizada a fundação do Colégio 24 de Abril, pelo Juiz de Direito, Dr. Francisco de Lima Botelho. O Colégio funcionou ininterruptamente até meados de 1923, marcou o período áureo de Jardim. Em 16 de fevereiro de 1937, o município foi dotado de iluminação elétrica, por iniciativa do Prefeito Francisco Ancilon de Alencar Barros.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 07º34'57" sul e a uma longitude 39º17'53" oeste, estando a uma altitude de 652m (680 ou 620 ocupando o 10º lugar entre as demais cidades cearenses). A cidade está localizada no sul do Ceará, na microrregião do Cariri, distante cerca de 542,4 (536)Km da capital Fortaleza. Sua área é de 500,9 ( 457,034 ) Km². Seus limites são: ao Norte com o município de Barbalha - CE, ao Sul com o estado de Pernambuco, ao Leste com Porteiras - CE, Jati - CE e Penaforte - CE e ao Oeste também com o estado de Pernambuco, cidade de Serrita - PE e Moreilândia - PE.

Relevo[editar | editar código-fonte]

Possui relevo formado por um planalto, representado pela Chapada do Araripe e por algumas serras entre as quais destacam-se Serra do Cruzeiro, Boca da Mata, Boa Vista e Serra do Portal. O ponto que mais chama atenção é o talhado do cruzeiro com 1100m de altitude. Sua vegetação é marcada pela presença da Floresta Nacional do Araripe, que cobre grande parte do município.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima é caracterizado por temperaturas amenas que variam de 19 a 28°C. A temperatura especialmente nos meses de junho-julho pode descer a 15°C, exigindo que a população vista agasalhos apropriados.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Formada por um rio, o Rio Jardim, periodicamente seco, e pelos riachos: Jacundá, Porcos, Gravatá e Boca da Mata. Do sopé da Chapada há o afloramento dos lençóis freáticos em forma de belíssimas fontes de água cristalinas que são a maior atração turística.

São 72 fontes, destas: 30 secaram, 22 estão atualmente com suas vazões reduzidas e apenas 20 permanecem inalteradas; dentre as quais as mais conhecidas são: Boca da Mata (que abastece a cidade) e Boa Vista (atração turística).

Solos[editar | editar código-fonte]

Bruto não cálcico, Litólico, Eutrófico, Latossolo vermelho-amarelo, distrófico e Vertissolo. De uso potencial em culturas diversificadas, fruticultura, algodão e pecuária extensiva.

Demografia[editar | editar código-fonte]

O município conta com uma população de 26.414 habitantes, uma densidade demográfica de 53,06 hab/Km²; sendo que a população está mais centrada na zona rural. O distrito Cidade de jardim é constituído de 6.836 domicílios ocupado, tendo uma população de 26.697 habitantes no ano de 2010, obtendo um crescimento de 1,07% na ultima década. Nesta cidade se encontra 13.076 homens, correspondendo a 49% de sua população e 13.621 mulheres, equivalendo a 51%. Jardim é um município rural onde 17.699 pessoas situam-se em áreas rurais equivalendo a 66,3% de sua população e apenas 8.998 pessoas 33,7% residem em Áreas urbanas. Apesar de sua maior parte da população residirem e trabalharem no campo, 74,2% de sua economia é baseada na prestação de serviço, tendo como contribuição 17,8% na agropecuária e 8% na indústria.

Economia[editar | editar código-fonte]

Conhecida na região por suas fontes de água mineral, a economia jardinense está baseada principalmente na agricultura: algodão herbáceo e arbóreo, cana-de-açúcar, milho e feijão.[6]

Pecuária: bovinos, suínos e aves.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Jardim tem Santo Antônio como padroeiro e sua principal manifestação folclórica é a Festa dos Caretas, que ocorre na semana de Páscoa, ou Semana Santa, como é conhecida no nordeste.

Há vários eventos na cidade:

  • Festa dos Karetas (Semana Santa)
  • Procissão com todos os santos (01 de janeiro) - Segundo relatos, existente só em jardim.
  • Semana do Município (janeiro)
  • Celebração da Semana Santa na Matriz
  • Festa Coração de Nossa Senhora (maio)
  • Festa do Padroeiro Santo Antônio (13 de junho)
  • Vaquejada (novembro)
  • Festa ao Bom Jesus 23 a 31 de Dezembro

Além das festas tradicionais, a cidade disponibiliza aos moradores e visitantes outras opções de lazer, como os atrativos naturais:

  • Nascente Boa Vista
  • Nascente Boca da Mata
  • Nascente Gravatá
  • Nascente Olho d'água
  • Nascente do Toré
  • Sítio Cabeça do Negro.


Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 09 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 20 dez. 2013.
  6. Jardim no Ceara.com.br

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Ceará é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.