Sistema de Trens Urbanos de Natal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de VLT de Natal)
Ir para: navegação, pesquisa
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes.

Sistema de Trens Urbanos de Natal
TUDH Bom Sinal Maceio-AL 27.06.2012 - ELIAS VIEIRA.png
Mobile 3, que está em operação no sistema.
Informações
Local Região Metropolitana de Natal
Tipo de transporte VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) VLT (Veículo Leve sobre Trilhos)
Número de linhas 2
Número de estações 22
Tráfego 8,2 mil/dia
Website Portal CBTU - Natal
Funcionamento
Operadora(s) CBTU Logo2.svg CBTU - STU/NAT
Dados técnicos
Extensão do sistema 56,2 km
Bitola Bitola métrica (1000 mm)
Velocidade média 30 km/h

O Sistema de Trens Urbanos de Natal é o sistema de trens metropolitanos da Região Metropolitana de Natal. É operado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) através da Superintendência de Trens Urbanos de Natal.

É composta atualmente por 22 estações em duas linhas que somam 56,2 quilômetros de extensão, que interligam os municípios de Ceará Mirim, Extremoz, Natal e Parnamirim, transportando uma média de 8,2 mil passageiros por dia.[1]

História[editar | editar código-fonte]

VLT[editar | editar código-fonte]

Como parte de um projeto de mobilidade urbana, o sistema de trens urbanos foi modernizado e passou a ter em sua frota VLT's modernos.[2] Além das novas composições, o projeto contempla também a construção de novas estações e a recuperação do leito ferroviário existente.

Características do Sistema[editar | editar código-fonte]

Este sistema atualmente possui 56,2 km de extensão, dividido em duas linhas e é servido por 22 estações. Os veículos deste sistema possuem uma velocidade comercial de 30 km/h. A bitola é métrica em via singela e os trens são movidos a diesel.

Tabela do Sistema[editar | editar código-fonte]

Linha Terminais Inauguração Comprimento (km) Estações Duração das viagens (min) Funcionamento
Norte Ceará MirimNatal A partir de 1984 38,5 13 --- De segunda a sexta, das 5h25 às 19h40 e aos sábados das 5h25 às 15h45.
Sul NatalParnamirim A partir de 1984 17,7 10 --- De segunda a sexta, das 5h25 às 19h40 e aos sábados das 5h25 às 15h45.

Frota[editar | editar código-fonte]

Este sistema conta atualmente com uma frota de 3 locomotivas ALCO, diesel de bitola métrica e 13 carros Pidner, semelhantes aos dos sistemas de João Pessoa, Maceió e Recife compostas por aço carbono formando três composições. Além desses, uma frota de 2 carros do modelo Mobile 3 atualmente estão em operação. Ao todo essas composições realizam 24 viagens diárias.[3]

Modelo/Série Potência (kW) Bitola (m) Fabricante Origem Ano de Fabricação Adquirente Inicial Frota Ativa Frota Inativa Frota Total
RSD-8/6000* 671 1,00 ALCO EUA 1958 RFFSA 2 1 3
UC** --- 1,00 Pidner Brasil 1978 --- 9 4 13
Mobile 3 --- 1,00 Bom Sinal Brasil 2014 --- 2 0 2
Total 13 5 18

(*) Locomotivas • (**) Carros de Passageiros

VLT[editar | editar código-fonte]

Com uma frota de 245.845 mil carros em 2008 (o equivalente a um carro para cada três habitantes), a cidade de Natal, no estado do Rio Grande do Norte, está enfrentando um trânsito cada vez mais caótico, principalmente devido ao alto crescimento da cidade e dos municípios conurbados a essa, a chamada Região Metropolitana de Natal. Como forma de minimizar esses efeitos, está em estudo a implantação de um sistema de veículo leve sobre trilhos. Faz parte do Projeto de Modernização do Sistema de Trens Urbanos de Natal, o chamado VLT de Natal ou ainda erroneamente de metrô de superfície de Natal que atualmente vem se despontando como a solução mais adequada para a capital potiguar.[4]

O presidente da CBTU, Elionaldo Magalhães, informou que a CBTU já conta com o projeto do VLT e que o início de sua implantação está sendo objeto de estudos da Casa Civil, atendendo a um pleito da governadora do estado, Rosalba Ciarlini, e da deputada petista Fátima Bezerra, junto à então Ministra-Chefe da Casa Civil, hoje presidenta da República, Dilma Rousseff.[5]

O arquiteto e urbanista, Joao Paulo Camboim de Brito,[6] foi premiado pela CBTU em 2006 no 2ºConcurso de Monografia CBTU[7] com a monografia "Tramway Natal - Sistema de Transporte Integrado".[8] Sua monografia trata de uma proposta para implantação do VLT na cidade.

Esperava-se que com a escolha de Natal como uma das sedes da Copa do Mundo de 2014, o projeto do VLT ganhasse celeridade.[9] Entretanto, o projeto corre o risco de ser substituído por um sistema de Veículo leve sobre pneus (VLP)[10] [11] ou mesmo nem sair do papel.[12]

O projeto[editar | editar código-fonte]

Segundo o superintendente da Companhia de Trens Urbanos de Natal (CBTU), José Fernandes, a obra e os equipamentos necessários à implantação do sistema custarão R$ 518 milhões e tem previsão de transportar 800 pessoas por viagem.[4] Porém o governo federal não sabe de onde tirar esse montante para a implantação do sistema.[13] Porém com o advento do Plano de Mobilidade Urbana do Ministério do Turismo e da Copa do Mundo de 2014, o projeto poderá ser acelerado logo.[14]

O projeto antigo previa que o VLT corresse somente por alguns municípios da Região Metropolitana tais como Natal, Parnamirim, Extremoz e Ceará-Mirim. Porém, a proposta sofreu alteração a pedido da governadora do estado, Wilma de Faria, para que o sistema também chegasse ao futuro Aeroporto Internacional da Grande Natal e aos outros três municípios da Grande Natal: São Gonçalo do Amarante, Macaíba e São José do Mipibu. Com isso, o projeto dobrou de tamanho e teve seu custo expandido. O atual projeto - que foi elaborado pela CBTU e pelo Ministério das Cidades - prevê a utilização de 12 trens.[13]

A governadora declarou que o VLT de Natal será um dos "mais baratos" da copa de 2014.[15]

Terminais e estações[editar | editar código-fonte]

A configuração atual do projeto prevê que o VLT terá terminais no bairro da Ribeira, na Avenida Bernardo Vieira, em Ceará-Mirim e em São José do Mipibu. São Gonçalo será servido por uma linha circular e um prolongamento para o aeroporto. Já Nísia Floresta não terá estação própria, mas sim uma ligação rodoviária com a estação de São José.

No município de Natal, o VLT terá 18 estações, em bairros e conjuntos como Quintas, Alecrim, Igapó, Bom Pastor, Cidade da Esperança, Pitimbu, Cidade Satélite, Nova Natal, Santa Catarina e Soledade, entre outros.[13]

Referências

  1. CBTU. Portal CBTU - História. Visitado em 25 de abril de 2015.
  2. SOUZA, Carolina (04 de julho de 2014). CBTU lança edital para Projeto de Recuperação dos Trens Urbanos de Natal O Jornal de Hoje. Visitado em 26 de junho de 2015.
  3. CBTU. Portal CBTU - Sistemas. Visitado em 25 de abril de 2015.
  4. a b [1]
  5. [2]
  6. Diario de Natal - 19-11-2006
  7. Premiados 2º Concurso de Monografia CBTU
  8. "Tramway Natal - Sistema de Transporte Integrado"
  9. [3]
  10. [4]
  11. [5]
  12. [6]
  13. a b c [7]
  14. [8]
  15. [9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]