Zina (humorista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Zina
Nome completo Marcos da Silva Heredia
Pseudônimo(s) Zina
Nascimento 30 de outubro de 1981 (37 anos)
Barueri, São Paulo
Residência São Paulo
Nacionalidade  Brasil
Ocupação Humorista
Principais trabalhos Pânico na TV

Marcos da Silva Heredia, mais conhecido pelo apelido Zina (Barueri, 30 de outubro de 1981), é um ex-humorista brasileiro e guardador de carros, nascido no Jardim Pan-Americano, em São Paulo, que acabou contratado pela equipe do Pânico na TV por conta do seu jeito peculiar.

Pânico na TV[editar | editar código-fonte]

Sua primeira aparição no programa foi quando o repórter Alfinete entrevistava pessoas na Praça Charles Miller sobre a contratação do futebolista Ronaldo Luís Nazário de Lima por parte do Sport Club Corinthians Paulista. E um destes entrevistados foi Marcos, que respondeu à câmera somente as palavras "Ronaldo. Ronaldo, e brilha muito no Corinthians".[1]

Isto aconteceu em janeiro de 2009. Mas, algumas semanas depois, o Pânico na TV começou a exibir Marcos falando somente "Ronaldo", o que foi interpretado pelo entrevistado como uma forma de deboche de sua pessoa. Ele solicitou a indenização de R$ 232,5 mil no dia 22 de maio.[2]

O processo continuou aberto até o dia 28 de junho, quando foi cancelado, após Zina aparecer pela primeira vez no palco do programa e assinar um contrato.[3] Desde esta data, começou a fazer matérias com Alfinete e Sabrina Sato, geralmente em matérias relacionadas ao seu time, o Corinthians, e a seu bairro, o Jardim Pan-Americano, bem como o time de várzea de lá, a Xurupita. Por ser um morador de origem humilde, recebeu uma casa de presente da produção; na verdade, fazia parte do acordo judicial para extinção do processo.[4] Além disso, conheceu Ronaldo,[5] o Pacaembu e o Maracanã.

Escândalos[editar | editar código-fonte]

Mas, pouco tempo depois, foi detido por posse de cocaína.[6] Foi liberado após pagar fiança e voltou à equipe do programa, mas no dia 16 de janeiro de 2010, foi preso novamente, desta vez por porte ilegal de arma.[7] Ele foi solto no dia 5 de fevereiro de 2011, mas não regressou ao programa.[8]

Em julho de 2012, outro problema levou Zina de volta para a cadeia. Ele foi preso por roubar uma garrafa de cachaça, segundo o dono de um bar. Desta vez, foram três meses de prisão. [9]

Em 2013, Zina foi internado no Centro Terapêutico Araçoiaba da Serra. Após algum tempo, Zina apresentou grandes melhoras e chegou a dizer: “Estou melhor, estou mais calmo. Sou bem tratado aqui, as psicólogas são legais”. Assim, ele foi liberado.[10]

Em julho de 2017, Zina foi visto pedindo dinheiro nas ruas da Lapa, na Zona Oeste de São Paulo, segundo a coluna de Leo Dias, do jornal O Dia.[11] Em setembro do mesmo ano, foi flagrado usando drogas no vagão de um trem, em São Paulo, cinco meses após sair da clínica de reabilitação onde estava internado, em março. Na imagem, ele ignorava a presença de outros passageiros e não fazia questão de esconder o entorpecente. Pessoas que estavam ao redor de Zina perceberam a movimentação, mas apenas o observaram sem falar nada.[12] Em meados de outubro, ele foi flagrado usando drogas no metrô de São Paulo. Um homem flagrou Zina como puxador de uma loja de eletrônicos e vídeo games no bairro de Santa Efigênia, bairro de comércio popular em São Paulo. O homem ressaltou que Zina estava “bem louco”, o que dava a entender que poderia estar sob efeito de drogas. Zina, logicamente, era sempre reconhecido, e aproveitou isso. Ele tinha cobrado 5 reais para tirar fotos com fãs, justamente para tirar algum proveito, já que ser puxador de loja era apenas um bico.[13]

Em 2018, Zina fugiu da clínica de reabilitação em que estava internado em Mairinque, a 70 km de São Paulo, desde o dia 11 de janeiro. A informação foi confirmada pela irmã dele, Cleonice Pereira da Silva. Abalada, ela disse que o irmão apareceu em casa cerca de um mês antes e estava bastante transtornado. Portador de esquizofrenia e dependente químico, o ex-integrante do Pânico também voltou a usar drogas. Cleonice disse que Zina ainda retornou ao centro de São Paulo para trabalhar como puxador de lojas e tinha usado o dinheiro que ganhava para alimentar o vício. Diferentemente do que vinha acontecendo até o fim do ano anterior, segundo a irmã, Zina tinha regressado para a casa todos os dias e seguia tomando a medicação indicada.[14]

Atualmente, Zina é visto por diversos moradores do Jaraguá, sempre andando na rua, o que acaba com o mito de que ele havia morrido.

Referências[editar | editar código-fonte]


  1. «BOMBA: a verdadeira história de Zina <<Blog do Imbroglione>>». Blog do Imbroglione. Consultado em 17 de abril de 2010 
  2. «Zina, Pânico na TV». Limeira Jovem. Consultado em 17 de abril de 2010 
  3. «BOMBA: a verdadeira história de Zina<<Blog do Imbroglione>>». Blog do Imbroglione. Consultado em 17 de abril de 2010 
  4. «Jornal Documento». Jornal Documento. Consultado em 17 de abril de 2010 
  5. «O ENCONTRO DO SÉCULO: RONALDO E ZINA ("RONALDO BRILHA MUITO NU CURINTIA") | TOP TELA - CURTINDO VÍDEO ADOIDADO!». Top Tela. Consultado em 13 de dezembro de 2009 
  6. «Detido com cocaína, Zina atrai fãs para delegacia». Terra. Consultado em 17 de abril de 2010 
  7. «Zina é preso novamente em SP, por porte ilegal de arma». Terra. Consultado em 17 de abril de 2010 
  8. «Comediante Zina, do 'Pânico na TV', é solto em São Paulo». Terra. Consultado em 17 de abril de 2010 
  9. «Conheça a história secreta de Zina e sua luta contra as Drogas». Gazeta Digital. 22 de março de 2018. Consultado em 13 de fevereiro de 2019 
  10. Soares, Alefy (5 de fevereiro de 2019). «Afinal, o que aconteceu com o Zina, do 'Pânico na TV'?». Metropolitana FM. Consultado em 13 de fevereiro de 2019 
  11. R7, R7 TV e Entretenimento (27 de julho de 2017). «Zina é visto pedindo esmola em bares, diz jornal». R7 Diversão. Consultado em 13 de fevereiro de 2019 
  12. Juliotti, Camila (18 de setembro de 2017). «Zina, ex-integrante do Pânico, é flagrado usando drogas em trem». R7 TV e Entretenimento. Consultado em 13 de fevereiro de 2019 
  13. Vaquer, Gabriel Vaquer (3 de novembro de 2017). «Ex-Pânico, Zina vira puxador de loja em São Paulo e cobra 5 reais por fotos». Observatório da Televisão. Consultado em 13 de fevereiro de 2019 
  14. Aguiar, Aurora (4 de julho de 2018). «Zina, ex-Pânico, põe fogo em clínica, foge e volta a usar drogas». R7 TV e Entretenimento. Consultado em 13 de fevereiro de 2019