Naturopatia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Naturologia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Naturopatia ou medicina natural é uma forma de medicina alternativa que recorre a uma série de práticas pseudocientíficas comercializadas como "naturais", "não invasivas" ou "regenerativas". A ideologia e os métodos da naturopatia têm por base o vitalismo e a medicina popular, e não a medicina baseada em evidências.[1] Os naturopatas geralmente recomendam às pessoas que não recorram a práticas medicinais modernas, como exames médicos, medicamentos, vacinas ou cirurgias.[2][3][4][5] Em vez disso, os estudos e práticas naturopatas assentam em noções não científicas, que levam frequentementemente a diagnósticos e tratamentos sem mérito factual.[6][7]

A naturopatia é considerada pelos profissionais de medicina como sendo ineficaz e potencialmente prejudicial, o que levanta questões de ética médica acerca da sua prática.[6][8][9][10] Os naturopatas têm sido continuamente acusados de charlatanismo.[6][11][12][13][14][15] Nos tribunais de muitos países, vários naturopatas têm sido julgados como responsáveis por vários crimes. Em alguns países, é crime os naturopatas apresentarem-se como profissionais de saúde.[16]

Histórico[editar | editar código-fonte]

O termo naturopatia surge da fusão das palavras natura (termo latino para nascimento) e pathos (raiz grega para sofrimento), para sugerir uma "cura natural"; seus defensores afirmam que Hipócrates, o "Pai da Medicina", teria sido o primeiro defensor da naturopatia - mesmo antes de o termo ter sido criado.[17][18] Tem suas raízes no movimento de "Cura Natural" que surgiu na Europa no século XIX.[19][20] Na Escócia Thomas Allinson começou a defender sua "Medicina Higiênica" na década de 1880, promovendo uma dieta natural e exercícios, evitando o fumo e o excesso de trabalho.[21][22]

O termo foi cunhado em 1895 por John Scheel,[23] e incorporado por Benedict Lust, a quem os adeptos consideram ser o "Pai da Neuropatia dos Estados Unidos".[24] Lust fora discípulo na Alemanha do padre Sebastian Kneipp, com quem aprendera hidroterapia e outras práticas naturais de saúde e, depois, fora por ele enviado aos EUA para divulgar seus métodos sem uso de drogas.[12] Lust definiu a naturopatia como uma disciplina ampla, em vez de um método particular, e incluiu técnicas como hidroterapia, fitoterapia e homeopatia, além de eliminar a ingestão excessiva de chá, café e álcool.[25] ele descrevia o corpo humano em termos espirituais e vitalísticos com "absoluta fé nas forças cósmicas da natureza do homem" [26] De acordo com o Merriam-Webster Dictionary o primeiro uso impresso conhecido de "naturopatia" é de 1901.[27]

Foi em 1901 que Lust fundou a American School of Naturopathy, em Nova Iorque; no ano seguinte as Kneipp Societies que existiam naquele país foram descontinuadas e renomeadas como "sociedades naturopáticas". Em setembro de 1919, a Naturopathic Society of America foi dissolvida e Benedict Lust fundou a American Naturopathic Association no seu lugar.[24][28] Os profissionais eram então licenciados para atuar na naturopatia ou terapia sem drogas em vinte e cinco dos estados, nas primeiras três décadas do século XX.[24] A naturopatia foi adotada por muitos quiropatas, e muitas escolas ofereciam os graus de doutorado em naturopatia e em quiropraxia.[24] As estimativas do número de escolas naturopatas ativas nos Estados Unidos durante este período variam entre uma a duas dúzias.[10][23][24]

Após um período de rápido crescimento, a naturopatia entrou em declínio por várias décadas após a década de 1930. Em 1910, a Fundação Carnegie para o Avanço do Ensino publicou o Relatório Flexner , que criticava muitos aspectos da educação médica, especialmente a qualidade e a falta de rigor científico. O advento da penicilina e outras "drogas milagrosas" e a consequente popularidade da medicina moderna também contribuíram para o declínio da naturopatia. Nas décadas de 1940 e 1950, uma ampliação do escopo das leis de prática médica levou muitas escolas de quiropraxia a abandonar seus graus de doutorado em naturopatia, embora muitos quiropráticos continuassem a praticá-la. De 1940 a 1963, a American Medical Association fez campanha contra sistemas médicos heterodoxos. Em 1958, a prática da naturopatia era licenciada em apenas cinco estados.[24]

Em 1968 o Departamento de Saúde, Educação e Bem-Estar dos Estados Unidos publicou um relatório sobre a naturopatia, concluindo que ela não era baseada na ciência médica e que a educação naturopática era inadequada para preparar os graduados para fazer o diagnóstico apropriado e fornecer tratamento; o relatório recomendou não expandir a cobertura do Medicare para incluir tratamentos naturopatas.[10][29] Em 1977 uma comissão australiana de inquérito chegou a conclusões semelhantes e não recomendava licenciamento para naturopatas.[30]

A partir dos anos 1970, houve um renascimento do interesse nos Estados Unidos e no Canadá , no bojo do movimento de "saúde holística".[24][25] Em 2009 , quinze estados dos EUA, Porto Rico, as Ilhas Virgens dos EUA e o Distrito de Columbia licenciaram médicos naturopatas,[31] e o estado de Washington exige que as seguradoras ofereçam reembolso por serviços prestados por médicos naturopatas .[32] Por outro lado, alguns estados como a Carolina do Sul e o Tennessee proíbem a prática da naturopatia.[33][34][35]

Em 2015 a ex-médica naturopata Britt Marie Hermes começou a escrever criticamente sobre sua experiência sendo treinada e praticando medicina naturopática.[36][37]

O IHS (Indian Health Service) dos Estados Unidos começou a aceitar médicos naturopatas em suas clínicas e consultórios em 2013, também disponibilizando o reembolso do empréstimo para os doutorados na área.[38]

Prática[editar | editar código-fonte]

Paciente sujeito a uma sessão de hidroterapia.
Suplemento nutricional de picolinato de crómio.
Os naturopatas recorrem frequentemente a preparados homeopáticos,[39][40] uma prática considerada pseudociência.[41]

A prática de medicina natural baseia-se na crença de que o corpo tem a capacidade de se curar das doenças por si próprio através de uma força ou energia vital que orienta internamente os processos corporais.[6] Os diagnósticos e os tratamentos consistem sobretudo em terapias alternativas e métodos ditos "naturais", que os naturopatas alegam promover essa capacidade natural do corpo em se curar.[25][42] A naturopatia tem por base uma abordagem holística, geralmente evitando o recurso a cirurgia ou medicamentos.[10][43] Os naturopatas alegam prevenir doenças através apenas da diminuição do stresse e de alterações na dieta e no estilo de vida, muitas vezes rejeitando os métodos da medicina baseada em evidências.[1][44] Os naturopatas opõem-se frequentemente à medicina baseada em evidências e à administração de vacinas ou antibióticos, mesmo em casos onde a medicina é amplamente eficaz.[9][9]

Uma consulta de naturopatia começa geralmente com uma entrevista demorada ao paciente. As perguntas focam-se no estilo de vida, historial clínico, tom emocional e características físicas, sendo complementada com um exame físico.[25] Muitos naturopatas apresentam-se como prestadores de cuidados de saúde primários. Alguns podem prescrever medicamentos, realizar pequenas cirurgias ou integrar na sua prática outras abordagens da medicina convencional, como aconselhamento nutricional ou modificações no estilo de vida.[25][45] No entanto, os naturopatas tradicionais lidam exclusivamente com alterações no estilo de vida, não diagnosticamente nem tratando doenças.[9]

Métodos[editar | editar código-fonte]

Os métodos usados por cada naturopata dependem da sua formação e do âmbito da prática. Entre os métodos mais comuns na naturopatia estão o herbalismo, homeopatia,[39] acupunctura, curas naturais, medicina física, cinesiologia aplicada,[46] lavagem intestinal,[12][40] terapia de quelação,[11] cromoterapia,[46] terapia craniossacral, análises ao cabelo, iridologia,[46] análise de sangue vivo, ozonoterapia,[10] psicoterapia, medidas de higiene e saúde pública,[44] reflexoterapia,[46] rolfing,[28] massoterapia e medicina tradicional chinesa. As "curas naturais" incluem uma série de terapias baseadas na exposição aos elementos naturais como a radiação solar, ar puro, calor ou frio. Incluem também conselhos de nutrição, como seguir uma dieta vegetariana ou integral, jejum ou abstenção de bebidas alcoólicas ou açúcar.[47] Os métodos de medicina física incluem terapia manual dos ossos ou tecidos moles, medicina desportiva, exercício físico e hidroterapia. O aconselhamento psicológico incluem meditação, técnicas de relaxamento e outros métodos para gerir o stresse.[47]

Evidências científicas[editar | editar código-fonte]

Paciente sujeito a ozonoterapia com radiação ultravioleta. O ozono é um gás tóxico sem qualquer aplicação médica conhecida.[48]

A naturopatia não possui bases científicas[1] os seus métodos divergem do discurso científico, e é rejeitada pela comunidade médica.[1] Alguns métodos assentam em supostos "campos de energia vital", cuja existência nunca foi demonstrada.[49][50][51] A naturopatia é criticada pela sua dependência e associação com tratamentos alternativos não provados, refutados ou de qualquer forma controversos.[9][10]

Vários tratamentos de medicina natural alegam ser eficazes no tratamento do cancro. No entanto, a American Cancer Society afirma que não há quaisquer evidências que apoiem a alegação de que a naturopatia possa curar o cancro ou qualquer outra doença.[10] Os nutracêuticos demonstraram ser pouco promissores para o tratamento de doenças, principalmente de cancro. Nos ensaios em laboratório demonstraram ter efeito terapêutico limitado nas vias metabólicas, enquanto nos ensaios clínicos demonstraram ter pouca biodisponibilidade.[52]

Os praticantes de naturopatia geralmente opoêm-se à vacinação. As razões para se oporem são parcialmente baseadas nos fundamentos da prática.[53] Embora as evidências de associação entre eturopatia e vacinação pediátrica sejam escassas, os estudos publicados sugerem que apenas uma minoria de naturopatas apoiam a vacinação completa.[54][55]

Segurança[editar | editar código-fonte]

Os naturopatas recomendam frequentemente a exposição a substâncias naturais como a radiação solar, plantas medicinas, determinados alimentos e atividades que descrevem como "naturais", como exercício físico, meditação e relaxamento. Os naturopatas alegam que estes tratamentos naturais ajudam o corpo a curar-se a si próprio sem os efeitos adversos da medicina convencional. No entanto, os métodos e as substâncias químicas ditas "naturais" não são necessariamente mais seguras ou mais eficazes do que as artificiais ou sintéticas, e qualquer tratamento que possua um efeito pode também espoletar um efeito adverso.[12][10][56][57]

Alguns tratamentos de medicina natural, como a homeopatia, o rolfing ou a iridologia são amplamente considerados pseudociência ou charlatanismo.[58][59][60] Os praticantes de pseudomedicina, entre os quais os naturopatas, recorrem a fraudes e métodos não científicos num público que, tendo poucos conhecimentos de medicina, se limita a acreditar nas alegações de tais praticantes.[61] A OMS tem vindo a fazer esforços no sentido de regulamentar a Naturopatia nos estados membros, bem como outras medicinas tradicionais, complementares e alternativas, baseadas em teses, crenças e experiências nativas de várias culturas, explicáveis ou não.[62][63][64]

Referências

  1. a b c d Jagtenberg, Tom; Evans, Sue; Grant, Airdre; Howden, Ian; et al. (abril de 2006). «Evidence-based medicine and naturopathy». Journal of Alternative and Complementary Medicine. 12 (3): 323–328. PMID 16646733. doi:10.1089/acm.2006.12.323 
  2. Wilson, K. (1 de março de 2005). «Characteristics of Pediatric and Adolescent Patients Attending a Naturopathic College Clinic in Canada». Pediatrics. 115 (3): e338–e343. PMID 15741360. doi:10.1542/peds.2004-1901 
  3. Busse, Jason W.; Wilson, Kumanan; Campbell, James B. (novembro de 2008). «Attitudes towards vaccination among chiropractic and naturopathic students». Vaccine. 26 (49): 6237–6243. PMID 18674581. doi:10.1016/j.vaccine.2008.07.020 
  4. Wilson, Kumanan; Mills, Ed; Boon, Heather; Tomlinson, George; Ritvo, Paul (janeiro de 2004). «A survey of attitudes towards paediatric vaccinations amongst Canadian naturopathic students». Vaccine. 22 (3–4): 329–334. doi:10.1016/j.vaccine.2003.08.014 
  5. Mielczarek, Eugenie V.; Engler, Brian D. (2014). «Selling Pseudoscience: A Rent in the Fabric of American Medicine». Skeptical Inquirer. 38.3. Consultado em 2 de setembro de 2015 
  6. a b c d Atwood, Kimball C., IV (2003). «Naturopathy: A critical appraisal». Medscape General Medicine. 5 (4): 39. PMID 14745386 
  7. «Family Physicians versus Naturopaths» (PDF). aafp.org. American Academy of Family Physicians. Consultado em 20 de julho de 2015 
  8. Gorski, David H. (18 de setembro de 2014). «Integrative oncology: really the best of both worlds?». Nature Reviews Cancer. 14: 692–700. PMID 25230880. doi:10.1038/nrc3822 
  9. a b c d e Singh S, Ernst E (2009). Naturopathy. Trick or Treatment?: Alternative Medicine on Trial. [S.l.]: Transworld. pp. 197–. ISBN 978-1-4090-8180-7. many naturopaths are against mainstream medicine and advise their patients accordingly – for instance many are not in favour of vaccination. 
  10. a b c d e f g h Russell, Jill; Rovere, Amy, eds. (2009). American Cancer Society Complete Guide to Complementary and Alternative Cancer Therapies Second ed. Atlanta: American Cancer Society. pp. 116–119 
  11. a b Atwood IV, Kimball. C. (26 de março de 2004). «Naturopathy, pseudoscience, and medicine: Myths and fallacies vs truth». Medscape General Medicine. 6 (1): 33. PMC 1140750Acessível livremente. PMID 15208545 
  12. a b c d Barrett, Stephen (26 de novembro de 2013). «A close look at naturopathy». QuackWatch. Consultado em 21 de março de 2015 
  13. Harvey, Claire (11 de julho de 2015). «Don't duck the law by sending kids to quacks». The Daily Telegraph. Consultado em 2 de setembro de 2015 
  14. Chivers, Tom (10 de novembro de 2014). «How does naturopathy work? A bit like a flying vacuum-cleaner to Mars». Spectator (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2015 
  15. Caulfield, Timothy (22 de janeiro de 2013). «Don't legitimize the witch doctors». National Post (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2015 
  16. Robins, Rebecca (17 de maio de 2016). «Funded by vitamin makers, naturopaths push to expand in US». STAT (em inglês). Consultado em 18 de maio de 2016 
  17. William T. Jarvis (30 de janeiro de 2001). «NCAHF Fact Sheet on Naturopathy». National Council Against Health Fraud. Consultado em 17 de abril de 2009 
  18. «What is Naturopathy?» (em inglês). East Grinstead: College of Naturopathic Medicine website. Consultado em 16 de setembro de 2015 
  19. P. S. Brown (abril de 1988). «Nineteenth-century American health reformers and the early nature cure movement in Britain». Medical History (em inglês). 32 (2): 174–94. PMC 1139856Acessível livremente. PMID 3287059. doi:10.1017/S0025727300047980 
  20. Stephen Langley. «History of Naturopathy» (em inglês). College of Naturopathic Medicine. Arquivado do original em 29 de agosto de 2012 
  21. Institucional: Silver Spoon, British Sugar, Associated British Foods. «How it all began». Allinson Flour website 
  22. John A.S. Beard (3 de maio de 2008). «A system of hygienic medicine (1886) and The advantages of wholemeal bread (1889)». BMJ. Views & Reviews: Medical Classics. 336 (7651): 1023. PMC 2364871Acessível livremente. doi:10.1136/bmj.39562.446528.59 
  23. a b «Report 12 of the Council on Scientific Affairs (A-97)» (PDF). American Medical Association. 1997 
  24. a b c d e f g Hans A. Baer (setembro de 2001). «The sociopolitical status of U.S. naturopathy at the dawn of the 21st century». Medical Anthropology Quarterly. 15 (3): 329–46. PMID 11693035. doi:10.1525/maq.2001.15.3.329 
  25. a b c d e Barbara Boughton; Rebecca J. Frey (2005). «Naturopathic Medicine». Gale Encyclopedia of Alternative Medicine 2ª ed. [S.l.]: Gale  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Gale_Frey" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  26. James C. Whorton (2002). Nature Cures : The History of Alternative Medicine in America: The History of Alternative Medicine in America. [S.l.]: Oxford University Press. p. 224. ISBN 9780195349788. Consultado em 3 de setembro de 2013. Citação de Benedict Lust: "absolute reliance upon the cosmic forces of man's nature", no original. Site com acesso registrado. 
  27. «Naturopathy - Definition of Naturopathy». Merriam-Webster 
  28. a b Barry L. Beyerstein; Susan Downie (12 de maio de 2004). «Naturopathy: A Critical Analysis». QuackWatch. Consultado em 21 de março de 2009  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Beyerstein_NW" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  29. Wilbur J. Cohen (1969). Independent Practitioners Under Medicare: A Report to the Congress. [S.l.]: United States Department of Health, Education and Welfare. Consultado em 3 de setembro de 2013 
  30. Edwin C. Webb (25 de dezembro de 2003). «Naturopathy: Report of the Australian Committee of Inquiry (1977)». QuackWatch. Consultado em 3 de setembro de 2013 
  31. «Licensed States & Licensing Authorities». American Association of Naturopathic Physicians. 2009. Cópia arquivada em 30 de novembro de 2009 
  32. «Washington Administrative Code: Title 284, Chapter 43, Section 205: Every category of health providers». Washington State Legislature. 28 de agosto de 1999 
  33. Institucional (2009). «AMA Scope of Practice Data Series: Naturopaths». American Medical Association. Consultado em 30 de julho de 2016 
  34. «South Carolina Code of Laws (Unannotated), Current through the end of the 2007 Regular Session -Title 40, Chapter 31, Sections 10 & 20». South Carolina Legislative Council. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2009 
  35. State of Tennessee. «Tennessee Code Annotated 63.6.205 Practice of naturopathy - Title 63 Professions of the Healing Arts, Chapter 6 Medicine and Surgery, Part 2 General Provisions». Justia. Consultado em 7 de setembro de 2013 
  36. Kavin Senapathy (31 de maio de 2016). «Why Is Big Naturopathy Afraid Of This Lone Whistleblower?». Forbes. Consultado em 5 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 22 de março de 2020 
  37. Megan Thielking (20 de outubro de 2016). «'Essentially witchcraft:' A former naturopath takes on the field». The Boston Globe. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  38. Introducing naturpathic doctors to indian health service clinics
  39. a b Boon, Heather S.; Cherkin, Daniel C.; Erro, Janet; Sherman, Karen J.; et al. (2004). «Practice patterns of naturopathic physicians: Results from a random survey of licensed practitioners in two U.S. States». BMC Complementary and Alternative Medicine. 4: 14. PMC 529271Acessível livremente. PMID 15496231. doi:10.1186/1472-6882-4-14 
  40. a b Caulfield, Timothy; Rachul, Christen (1 de janeiro de 2011). «Supported by science?: What Canadian naturopaths advertise to the public». Allergy, Asthma & Clinical Immunology. 7. 14 páginas. ISSN 1710-1492. doi:10.1186/1710-1492-7-14. Consultado em 4 de julho de 2016 
  41. Smith K (2012). «Homeopathy is Unscientific and Unethical». Bioethics. 26 (9): 508–512. doi:10.1111/j.1467-8519.2011.01956.x 
  42. Carroll, Robert T. (7 de março de 2015). «Naturopathy». The Skeptic's Dictionary. Consultado em 21 de março de 2015 
  43. Sarris, Jerome; Wardle, Jon (2010). Clinical Naturopathy: An evidence-based guide to practice. Sydney: Churchill Livingstone / Elsevier Health Sciences. pp. 32–36. ISBN 9780729579261. Consultado em 1 de setembro de 2013 
  44. a b Pizzorno, Joseph E. (1999). «Naturopathy: Practice Issues». In: Clark, Carolyn C.; Gordon, Rena J. Encyclopedia of Complementary Health Practice. [S.l.]: Springer Publishing. pp. 57–59. ISBN 9780826117229. Consultado em 3 de setembro de 2013 
  45. «Handbook of Accreditation for Naturopathic Medicine Programs» (PDF). Council on Naturopathic Medical Education. 2007. Consultado em 20 de novembro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 9 de fevereiro de 2017 
  46. a b c d Hough, Holly J.; Dower, Catherine; O’Neil, Edward H. (setembro de 2001). Profile of a Profession: Naturopathic Practice (PDF). [S.l.]: Center for the Health Professions, University of California, San Francisco. p. 54. Arquivado do original (PDF) em 2 de outubro de 2008 
  47. a b Young, Jacqueline (2007). «Chapters 8 & 13». Complementary Medicine for Dummies. Chichester, England: Wiley. ISBN 9780470026250. OCLC 174043853 
  48. «Code of Federal Regulations Title 21, Sec. 801.415 Maximum acceptable level of ozone». U.S. Food and Drug Administration. 1 de abril de 2015. Consultado em 18 de maio de 2016 
  49. Jarvis, William T. (30 de janeiro de 2001) [copyright 1997]. «NCAHF Fact Sheet on Naturopathy». National Council Against Health Fraud. Consultado em 17 de abril de 2009 
  50. Herbert, Victor; Barrett, Stephen (1994). The Vitamin Pushers: How the "Health Food" Industry is Selling America a Bill of Goods. Buffalo, NY: Prometheus Books. ISBN 9780879759094 
  51. Barrett, Stephen; Raso, Jack (1993). Mystical Diets: Paranormal, Spiritual, and Occult Nutrition Practices. Buffalo, New York: Prometheus Books. ISBN 0879757612 
  52. Ahmad A, Ginnebaugh KR, Li Y, Padhye SB, Sarkar FH (2015). «Molecular Targets of Naturopathy in Cancer Research: Bridge to Modern Medicine». Nutrients (Review). 7 (1): 321–334. PMC 4303842Acessível livremente. PMID 25569626. doi:10.3390/nu7010321 
  53. Ernst, Edzard (2001). «Rise in popularity of complementary and alternative medicine: reasons and consequences for vaccination». Vaccine. 20 (Suppl. 1, 5th European Conference on Vaccinology: A Safe Future with Vaccination): S90–3. PMID 11587822. doi:10.1016/S0264-410X(01)00290-0 
  54. Downey L, et al. (novembro de 2010). «Pediatric vaccination and vaccine-preventable disease acquisition: associations with care by complementary and alternative medicine providers.». Matern Child Health J. 14 (6): 922–30. PMC 2924961Acessível livremente. PMID 19760163. doi:10.1007/s10995-009-0519-5 
  55. Raúl Herzog; José Álvarez-Pasquin; Camino Díaz; José Luis Del Barrio; José Manuel Estrada; Ángel Gil (fevereiro de 2013). «Are healthcare workers' intentions to vaccinate related to their knowledge, beliefs and attitudes? a systematic review». BMC Public Health. 13. 154 páginas. doi:10.1186/1471-2458-13-154 
  56. Carroll, Robert (26 de novembro de 2012). «Natural». The Skeptic's Dictionary. Consultado em 8 de setembro de 2013 
  57. «NCAHF Position Paper on Over the Counter Herbal Remedies (1995)». National Council Against Health Fraud. 1995. Consultado em 17 de abril de 2009 
  58. National Science Board (15 de janeiro de 2002). «Chapter 7 Science and Technology: Public Attitudes and Public Understanding, Section: Belief in Alternative Medicine». Science and Engineering Indicators - 2002. Arlington, VA: Division of Science Resources Statistics, National Science Foundation 
  59. Wahlberg, Ayo (dezembro de 2007). «A quackery with a difference—new medical pluralism and the problem of 'dangerous practitioners' in the United Kingdom». Social Science & Medicine. 65 (11): 2307–16. PMID 17719708. doi:10.1016/j.socscimed.2007.07.024 
  60. Barrett, Stephen (28 de março de 2008). «Iridology is Nonsense». QuackWatch. Consultado em 8 de setembro de 2013 
  61. Jarvis, William T. (agosto de 1992). «Quackery: A national scandal». Clinical Chemistry. 38 (8B Pt 2): 1574–86. PMID 1643742 
  62. «Benchmarks for training in traditional /complementary and alternative medicine: benchmarks for training in naturopathy» (PDF). World Health Organization. 2010. ISBN 978 92 4 15996 5 8. Consultado em 1 de Junho de 2019 
  63. «WHO global report on traditional and complementary medicine 2019» (PDF). World Health Organization. 2019. ISBN 978-92-4-151543-6. Consultado em 1 de Junho de 2019 
  64. «WHO traditional medicine strategy: 2014-2023» (PDF). World Health Organization. 2013. ISBN 978 92 4 150609 0. Consultado em 1 de Junho de 2019