Ptolemeu XIII Téo Filópator

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ptolemeu XIII)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Maio de 2011). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ptolemeu XIII Téo Filópator
Faraó do Egito
Reinado 51 a.C. a 47 a.C.
Predecessores Ptolemeu XII Auleta
Cleópatra VII Filópator
Sucessores Ptolemeu XIV
Cleópatra VII Filópator
Co-monarca Cleópatra VII Filópator
Regente Potino
 
Esposa Cleópatra VII Filópator
Dinastia Ptolemaica
Nascimento c. 62 a.C.
Reino Ptolemaico
Morte 47 a.C. (15 anos)
Rio Nilo, Reino Ptolemaico
Pai Ptolemeu XII Auleta

Ptolemeu XIII Téo Filópator (62 a.C.47 a.C.) foi um rei do Reino Ptolemaico, que governou entre 51 e 47 a.C. Em nomenclaturas mais antigas, este rei recebia o número XII ou até mesmo XIV.

Ptolemeu XII Auleta teve vários filhos, duas filhas que morreram antes dele, Berenice IV e Cleópatra VI, que usurparam seu trono quando ele viajou para Roma, e quatro filhos que estavam vivos quando ele morreu, dois filhos de nome Ptolemeu e duas filhas chamadas Cleópatra e Arsínoe.[1]

Ptolemeu XII deixou como sucessores dois filhos: Ptolemeu XIII e Cleópatra VII, que deveriam reinar juntos. Ptolemeu XIII tinha dez anos de idade, e sua irmã e co-regente Cleópatra VII, tinha dezessete, e eles se casaram. Eles reinaram conjuntamente por quatro anos e continuariam reinando para sempre, se não fosse pela ambição de Ptolemeu XIII, que tentou tomar o poder absoluto, contrariando o desejo do pai.[1]

Os seus tutores, Potino e Áquila, não aprovavam a regência de Cleópatra pelo que instigaram uma revolta contra esta, que acabou por fugir do Egipto, fixando-se na Síria no ano 48 a.C., onde reuniu um exército para combater o irmão. Ptolomeu XIII mandou assassinar Pompeu, rival de Júlio César na guerra civil, na esperança de obter a simpatia deste, num intento que se revelou fracassado.

Júlio César, convertido em amante da sua irmã, restaurou o poder de Cleópatra, altura em que se dá o casamento entre os irmãos. Ptolomeu XIII morreu em uma batalha naval contra Júlio César, que chegou para ajudar Cleópatra, afogado no rio Nilo em 47 a.C. Após a morte de Ptolomeu XIII, por desejo de César, Ptolemeu XIV foi proclamado Faraó e co-governante com Cleópatra.[1]

Referências

  1. a b c Eusébio de Cesareia, Crônica, 60, Sobre os que governaram o Egito e a cidade de Alexandria após Alexandre da Macedônia. Dos escritos de Porfírio