Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de UFVJM)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde agosto de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
UFVJM
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Brasão UFVJM.png
Lema Sapientia Et Libertas
Fundação 30 de setembro de 1953 como Faculdades Federais Integradas de Diamantina
6 de setembro de 2005 como Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Tipo de instituição Pública, Federal
Mantenedora Coat of arms of Brazil.svg Ministério da Educação
Docentes 610
Total de estudantes 7,203
Reitor(a) Pedro Angelo Almeida Abreu
Vice-reitor(a) Donaldo Rosa Pires Júnior
Sede Brasao diamantina.gifDiamantina
Campi Brasao diamantina.gifDiamantina;

Brasao teofilo otoni.jpgTeófilo Otoni;
Brasão Unaí.jpgUnaí e
Janaúba

Estado Brasão de Minas Gerais.svg Minas Gerais
Cores Azul & Verde
Afiliações RENEX
Página oficial ufvjm.edu.br
UFVJM 2.gif
Logo marca da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Instituições de ensino superior do Brasil Brasil

A Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) é uma universidade pública brasileira sediada na cidade de Diamantina, estado de Minas Gerais, no Brasil. Foi criada em 6 de setembro de 20051 , pela Lei nº 11.173, que transformou as Faculdades Federais Integradas de Diamantina em Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Em 2006, foi criado um campus em Teófilo Otoni. Em 16 de agosto de 2011, a presidenta da República Dilma Rousseff anunciou a construção de dois novos campi nas cidades de Janaúba e Unaí. E em 2012, a construção de mais três campi, em Capelinha, Araçuaí e Almenara.

História[editar | editar código-fonte]

A Faculdade de Odontologia de Diamantina foi criada em 1953, pelo diamantinense Juscelino Kubitschek de Oliveira – então governador do Estado de Minas Gerais - através da Lei Estadual nº 990, de 30 de setembro de 19532 . Juscelino, uma vez eleito governador, preocupou-se em ajudar de alguma forma a sua terra natal. Dentre alguns projetos, pensou numa escola de nível superior e a idéia inicial foi criar um curso de Mineralogia, atendendo às características da região, essencialmente mineral. Foi quando o professor Pedro Paulo Penido, dentista, e grande amigo do governador, que exercia na época o cargo de reitor da Universidade de Minas Gerais, por indicação e apoio do próprio Juscelino, sugeriu a criação de uma Faculdade de Odontologia.

Surgiu assim, a idéia de criar a Faculdade de Odontologia de Diamantina, que ia ao encontro de um dos objetivos da época: a interiorização do ensino superior. Naquela ocasião, havia faculdades de Odontologia apenas em Belo Horizonte, Juiz de Fora, Alfenas e Uberaba. A Faculdade de Diamantina veio para atender as necessidades de uma grande área, constituída principalmente pelo norte e nordeste do Estado.

Fundação[editar | editar código-fonte]

No início de maio de 1954, entrou em funcionamento o curso de Odontologia, com 15 alunos matriculados no primeiro ano. Durante um determinado período do ano de 1954, o curso funcionou provisoriamente no prédio de um grupo escolar, sede da atual Escola Estadual Júlia Kubitschek. Como esta escola precisou ocupar o seu espaço, houve a mudança do curso de Odontologia para a casa do “Sr. Neco Mota”.

Paralelamente a isso, foi construído o edifício-sede da Faculdade, em terreno situado à Rua da Glória, num projeto de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer, inaugurado em 1955. Este prédio possuía uma policlínica com 15 equipos instalados e uma outra sala com cinco equipos para a prática de Ortodontia e de Odontopediatria. Os consultórios dentários eram os mais modernos para a época, existindo ainda um aparelho de raio-x, três salas para aulas teóricas e salas individuais para a prática das 12 disciplinas do curso. Além disso, foram projetadas salas para ocupação do setor administrativo.

O curso foi idealizado para ser ministrado em apenas três anos e a grande maioria do corpo docente era de Belo Horizonte. Os professores eram selecionados dentre os melhores profissionais da Odontologia da época, principalmente aqueles que eram bem sucedidos em seus consultórios. Eles se deslocavam até Diamantina, semanalmente. Além de deixarem temporariamente suas famílias e seus consultórios, enfrentavam, muitas vezes, viagens penosas e desgastantes, notadamente porque a estrada de Pedro Leopoldo até Diamantina não era asfaltada.

Na ocasião, distinguiam-se dois grupos de docentes: os professores catedrátricos e os professores assistentes. Os pertencentes ao primeiro grupo foram os seguintes: Gudesteu Medeiros (que tornou-se o primeiro diretor da Faculdade, de 1954 até 1956), Enyr Arcieri, Guilherme Armond, Rubens Guzella, Fausto de Paula Pinto, Walter José de Carvalho, Marciano Ribeiro Vianna, Roberto Rocha, Pedro Luiz Diniz Viana, Arnaldo Marques de Souza e José Severiano Brasil de Lima. Quanto ao grupo dos professores assistentes, dois deles também eram de Belo Horizonte, Silvio Lourenço Strambi e Osmir Luiz de Oliveira. Os outros foram profissionais de Diamantina, tão bons quanto, profissionais em suas especialidades: Augusto César, José de Araújo Flecha, Evandro Souza Couto, Algemiro Duarte Neto, João Antônio Meira, José Aristeu de Andrade, João Antunes de Oliveira, Giovanni de Miranda Pereira,Oliveira Tângari e Dirceu Antônio dos Reis.

Federalização[editar | editar código-fonte]

A escola foi federalizada em 17 de dezembro de 1960, se tornando Faculdade Federal de Odontologia de Diamantina (Fafeod).

A busca pela excelência em ensino e apoio à comunidade regional foi o que levou a transformação da então Faculdade Federal de Odontologia de Diamantina (Fafeod) em Faculdades Federais Integradas de Diamantina (Fafeid), em 4 de outubro de 2002. Essa excelência impulsionou o Ministério da Educação a autorizar o funcionamento de seis novos cursos de graduação nas áreas de Farmácia-Bioquímica, Fisioterapia, Nutrição, Agronomia, Engenharia Florestal e Zootecnia, cursos estes que, somados aos já existentes de Odontologia e Enfermagem, contribuem para um maior desenvolvimento tanto local como das regiões circunvizinhas, oferecendo um total de 410 vagas ao ano. Nessa época as FAFEID estava sob direção-geral da professora Dra. Mireile São Geraldo dos Santos Souza. A instituição contava com aproximadamente 2500 alunos matriculados e 200 servidores, entre professores e técnicos-administrativos. Desde sua criação, a Fafeid desenvolveu um importante trabalho de ensino, pesquisa e extensão, priorizando sempre a prestação de serviços à população carente do Vale do Jequitinhonha.

Em 6 de setembro de 2005, pela Lei nº 11.173, o presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva transformou as Faculdades Federais Integradas de Diamantina na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. No segundo semestre de 2006 foram implantados 5 novos cursos de graduação, (Educação Física, Química, Ciências Biológicas, Turismo e Sistemas de Informação), e um novo campus na cidade de Teófilo Otoni, no vale do Mucuri, também com 8 novos cursos (Administração/Comércio Exterior, Ciências Contábeis, Economia, Matemática, Serviço Social e o bacharelado em ciência e tecnologia, que permite ao graduando um acesso direto às áreas de engenharia civil, hídrica e produção). No ano de 2007 teve eleições para a vaga de reitor e vice-reitor da UFVJM e a comunidade acadêmica, em sua maioria, escolheu a chapa liderada por Pedro Angelo Almeida Abreu. 'Atualmente, a UFVJM é uma das 3 instituições de ensino superior do Brasil a dispor do curso de engenharia hídrica e já está entre as trinta melhores universidades federais do Brasil segundo o ENADE.'

Pedra Fundamental[editar | editar código-fonte]

O reitor da UFVJM, Pedro Angelo, lançou a Pedra Fundamental do Campus Janaúba as margens BR 122, em um terreno de 15 hectares. Será construída a Cidade Universitária da UFVJM Janaúba integrada a um Parque Tecnológico anunciado pelo prefeito local. As obras devem ser iniciadas ainda em 2012 e o primeiro vestibular poderá acontecer já em 2013.

Cronologia Resumida[editar | editar código-fonte]

1953- Fundação da Faculdade de Odontologia de Diamantina (30/09/1953)
1954- Início do curso de Bacharelado em Odontologia
1960- Federalização: Faculdade Federal de Odontologia de Diamantina (Fafeod)
1997 - Criação do segundo curso de graduação: Bacharelado em Enfermagem
2002 - Transformação em Faculdades Federais

Integradas de Diamantina (Fafeid) com a criação de seis novos cursos (Farmácia, Fisioterapia, Nutrição, Agronomia, Engenharia Florestal e Zootecnia)

2005 - Transformação em Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) (06/09/2005)
2006 - Expansão: Fundação do Campus do Mucuri, em

Teófilo Otoni, com a criação de cinco novos cursos (Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Matemática e Serviço Social)

2006 - Expansão: Campus JK, em Diamantina, criação

de cinco novos cursos (Ciências Biológicas, Educação Física, Química, Sistemas de Informação e Turismo)

2009 - Expansão: criação de 14 novos cursos nas áreas de Ciência e Tecnologia, Engenharias, Humanidades e Licenciaturas
2011 - Início da oferta de Educação na modalidade a
Distância (EaD) com a criação de quatro cursos em 7 cidades/polos de 

apoio presencial (Administração Pública, Matemática, Física e Química)

2012 - Oferta de EaD em outras 3 cidades/polos de apoio presencial, totalizando 10 polos

Trotão[editar | editar código-fonte]

Trotão é um evento festivo (considerado patrimônio dos discentes)3 organizado anualmente pelo DCE da UFVJM e normalmente conta com o apoio da Prefeitura de Diamantina, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e alguns patrocinadores. O evento é organizado da seguinte forma:

Concentração: cada curso determina uma cor para se representar (algumas são: enfermagem = azul; odontologia = preto; fisioterapia = laranja e assim por diante) e escolhe alguma república para fazer a concentração. Nesta concentração há bandas, bebidas e inicia-se por volta das 11h;

Encontro: após os estudantes participarem do 'esquenta', que é a concentração, todos vão para um ponto de encontro. Neste local há bastante interação entre os estudantes de todos os cursos, e acontece no Largo Dom João;

Descida: uma banda é previamente escolhida pela organização para 'puxar' os estudantes para descer algumas ruas principais da cidade, entre elas a Rua da Glória, onde fica o Campus I da UFVJM;

Shows: após a descida, algum ponto da cidade é organizado para receber todos os estudantes e realizar diversos shows. Normalmente os shows acontecem no Campo do Tijuco.4

O trotão aconteceu ininterruptamente entre os anos de 20055 há 2011. Em 2011 o trotão foi organizado pelo DCE Roda Viva que divulgou uma 'Cartilha do Trotão' para que se evitem confusões e transtornos no evento.6 Por problemas não conhecidos nos anos de 2012 e 2013 o evento não aconteceu. O DCE Todas as Vozes e Cores (gestão 2013) divulgou por meio de evento no facebook7 que em 1º de Fevereiro de 2014 haveria mais uma edição da festa8 , adiada para o dia 8 de Fevereiro, quando foi realizado.

Cursos oferecidos[editar | editar código-fonte]

Campus Diamantina[editar | editar código-fonte]

Campus Teófilo Otoni[editar | editar código-fonte]


Campus Janaúba9 [editar | editar código-fonte]

  • Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia
  • Engenharia de Materiais
  • Engenharia de Minas
  • Engenharia Física
  • Engenharia Metalúrgica
  • Química Industrial

Campus Unaí[editar | editar código-fonte]

  • Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Agrárias
  • Agronomia
  • Zootecnia
  • Engenharia Agrícola
  • Medicina Veterinária

Campi de futura expansão (Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI)[editar | editar código-fonte]

Campus Capelinha[editar | editar código-fonte]

  • Direito
  • Administração Pública
  • Arquitetura e Urbanismo
  • Ciências Contábeis
  • Comunicação Social

Campus Araçuaí[editar | editar código-fonte]

  • Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia
  • Engenharias (a definir - em estudo)

Campus Almenara[editar | editar código-fonte]

  • Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia
  • Engenharia Ambiental e Sanitária
  • Engenharia Geofísica
  • Engenharia Industrial
  • Engenharia de Energia
  • Engenharia Aeronáutica

Unidades Acadêmicas[editar | editar código-fonte]

  • Faculdade de Ciências Exatas (FACET)
  • Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Exatas (FACSAE)
  • Faculdade de Ciências Agrárias (FCA) Sítio
  • Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde (FCBS)
  • Faculdade Interdisciplinar em Humanidades (FIH)Sítio
  • Instituto de Ciência, Engenharia e Tecnologia (ICET)
  • Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT)


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre instituição de ensino superior é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.