Brasiliense Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Atlântida Esporte Clube)
Ir para: navegação, pesquisa
Brasiliense
Brasiliense Futebol Clube.png
Nome Brasiliense Futebol Clube
Alcunhas Ense
Esquadrão Amarelo
O Maior da Capital
Jacaré
Mascote Jacaré
Fundação 1 de agosto de 2000 (17 anos)
Estádio Mané Garrincha (Mandante)

Boca do Jacaré (Em Reforma)

Capacidade 72.788 pessoas[1]

28 000 pessoas[2]

Localização Bandeira de Taguatinga (DF).svg Taguatinga, Distrito Federal (Brasil) DF, Brasil Brasil
Presidente Brasil Luiza Estêvão
Treinador Brasil Rafael Toledo
Patrocinador Brasil Metrópoles , Grupo OK
Material (d)esportivo Brasil More2
Competição Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense
Brasil Copa do Brasil
Brasil Campeonato Brasileiro
Divisão Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense de Futebol
Distrito Federal (Brasil) DF 2018
Brasil D 2018
Brasil CB 2018
Brasil CV 2018
a disputar
a disputar
a disputar
á disputar
Distrito Federal (Brasil) DF 2017 Campeão
Website brasiliensefc.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

O Brasiliense Futebol Clube é um clube de futebol brasileiro, sediado em Taguatinga, no Distrito Federal.

O Brasiliense foi fundado em 2000, e antes de completar 2 anos de existência, conseguiu chegar à final da Copa do Brasil de 2002.

É o detentor da maior sequência de títulos estaduais consecutivos no Centro-Oeste com 6 títulos ganhos entre 2004 e 2009. O clube é conhecido pelo seu apelido de "Jacaré" suas cores são o verde, o amarelo e o branco, em referência às cores da bandeira do Distrito Federal.

Foi fundado ex-senador do Distrito Federal, Luís Estêvão, dono de um conglomerado de empresas conhecido como Grupo OK.

Atualmente o Esquadrão Amarelo disputa apenas a primeira divisão do Campeonato Brasiliense de Futebol.

História[editar | editar código-fonte]

Atlântida Esporte Clube[editar | editar código-fonte]

O Atlântida Esporte Clube foi criado em 8 de julho de 1986 em Taguatinga, por trabalhadores da Atlântida Móveis, uma loja de móveis na capital brasileira. Se Profissionalizou em 1997, quando disputou o campeonato brasiliense da segunda divisão , no seu jogo de estreia venceu o Cristalinense por 2x1. Em 1 de agosto de 2000 , Luís Estêvão, adquiriu o seu CNPJ do clube. O Atlântida, que se encontrava na Segundona Candanga, recebeu então novo nome e novas cores e deu origem ao Brasiliense Futebol Clube.

Cabe esclarecer que, conforme “Contrato de Cessão de Direitos” formalizado em 25 de julho de 2000 e registrado no 2º Ofício de Registros de Títulos e Documentos de Brasília em 7 de agosto de 2000, o Atlântida Esporte Clube cedeu sua vaga na Segunda Divisão ao Brasiliense Futebol ClubeS/C Ltda., que passou a ser o seu sucessor.

Brasiliense Futebol Clube[editar | editar código-fonte]

Fundação

O time foi fundado em 1 de agosto de 2000 ao adquirir o CNPJ do Atlântida pelo então ex-senador Luís Estêvão, que por sua vez assumiu a presidência do Clube.

As cores do 'Brasiliense' são referencia as cores da bandeira do Distrito Federal.

Suas cores são o verde, o amarelo e o branco, em referência às cores da bandeira do Distrito Federal.

Primeiro título e acesso a principal divisão do DF

Neste mesmo ano disputou o Campeonato Brasiliense 2ª Divisão , tornando-se o campeão com menos de 5 meses de fundação, garantindo seu primeiro titulo profissional ao derrotar o ARUC por 2 x 0 no Estádio Mané Garrincha

Um ano após, em 2001, se tornaria vice-campeão brasiliense da principal divisão, tendo inclusive, feito o artilheiro do campeonato, Weldon com 13 gols.

Com o segundo lugar no Candangão de 2001 o Jacaré garantiu vaga na Copa do Brasil de 2002, Série- C (2002) e na Copa Centro-Oeste (2002).

Finalista da Copa do Brasil 2002[editar | editar código-fonte]

Com apenas dois anos de história, o Jacaré conseguiu estabelecer alguns recordes no Distrito Federal e no Brasil. O clube-empresa de Taguatinga se tornou o mais novo finalista de uma Copa do Brasil já em sua primeira participação, em 2002, antes mesmo de seu segundo aniversário. Foi o primeiro e único time candango a disputar uma decisão nacional na elite do futebol. Depois de eliminar adversários tradicionais como o Náutico, o Fluminense e o Atlético Mineiro caiu apenas na final, contra o Corinthians.

A história poderia ter sido diferente naquela Copa do Brasil de 2002. O Brasiliense foi largamente prejudicado pelo arbitro Carlos Eugênio Simon na primeira partida no Morumbi.

Primeira partida da Copa do Brasil 2002:

A primeira partida foi realizada no Estádio Morumbi e o clima era todo a favor dos corintianos, mas o Jacaré equilibrou o jogo e não foi nada fácil para os donos da casa.

O primeiro lance que envolve Carlos Eugênio Simon é quase no fim do primeiro tempo. Wellington Dias, um dos destaques da equipe e que na época era cobiçado por grandes clubes, inclusive pelo Corinthians, recebeu passe dentro da área, mas foi marcado impedimento.

Detalhe: Dias saiu por de trás do zagueiro (praticamente um corpo atrás) e a infração foi marcada erroneamente prejudicando o Brasiliense

No segundo tempo, só deu Brasiliense. A equipe conseguiu sufocar o Corinthians no campo de ataque. Mas, logo na volta do intervalo, Deivid não titubeou e marcou após jogada e passe de Gil. A partir daí a pressão dos visitantes emplacou, tanto que o empate veio logo em seguida. Com grande jogada de Gil Baiano, com direito a uma caneta em Vampeta , o atacante cruzou e Maurício, livre na pequena área, empatou.

Mesmo com o bom resultado, o Brasiliense ainda dava perigo para a meta de Dida. Porém, o lance crucial da partida acontece dos 34 para 35 minutos de partida. Rogério da grande lançamento para Gil, que tenta ultrapassar o zagueiro Tiago. Porém, Gil acaba acertando a perna de Tiago, que cai no gramado falta clara pra expulsão não marcada pelo Carlos Eugênio Simon.

Na continuidade da jogada, Gil ganha na arrancada e rola para Deivid fuzilar para o gol. A partir daí, muita reclamação e pressão na arbitragem de Simon por parte dos visitantes, que não volta atrás e confirma o gol para os corintianos.

O presidente do Brasiliense Luís Estêvão ficou revoltado com tamanhos erros do Carlos Eugênio Simon e deu essa declaração:

" Vou entrar com uma representação contra ele, que é um bandido e deveria ter vergonha na cara e se aposentar. Ele roubou o Brasiliense de forma vexatória. Se ele não pode apitar jogos da CBF, como vai poder representar o Brasil na Copa do Mundo? Ele deveria desistir. Fui lesado e quero que a punição dele seja aumentada ainda mais "

A Comissão de Arbitragem afastou Carlos Eugênio Simon, vários comentaristas de emissoras da época e torcedores, não esquece tamanho erro do Sr. Carlos Eugênio Simon não marcou uma falta clara que prejudicou muito o Brasiliense.

Segunda partida da Copa do Brasil 2002 vice campeão:

Na segunda partida na Boca do Jacaré o Brasiliense empatou por 1 x 1 Corinthians, com um belíssimo gol de falta do craque Wellington Dias ficando com o vice da Copa do Brasil de 2002.

E o único time do Distrito Federal a disputar uma decisão nacional na elite do futebol.

Wellington Dias foi o segundo maior artilheiro da competição, marcando 8 gols

O time do Brasiliense era formado por:

15 de maio de 2002 Brasiliense Distrito Federal (Brasil) 1 – 1 São Paulo Corinthians Boca do Jacaré, Taguatinga
21:45 (UTC-3)
Wellington Dias Gol marcado aos 42 minutos de jogo 42' Relatório Deivid Gol marcado aos 65 minutos de jogo 65' Público: 32 000[3]
Árbitro: PernambucoPE Wilson de Souza Mendonça

Primeiro Título Nacional Campeão Brasileiro da Série C 2002[editar | editar código-fonte]

O Brasiliense e CFZ foram os representantes do futebol do DF no Campeonato Brasileiro Série C em 2002.

Os clubes do DF fizeram parte do Grupo 9, juntamente com Anápolis, de Anápolis (GO) e o Grêmio Esportivo Inhumense, de Inhumas (GO).

Apenas o  Brasiliense passou para a Segunda Fase, quando as 32 equipes classificadas da 1ª fase formaram 16 novos grupos de dois clubes cada. Ao levar a melhor sobre o CENA, de Nova Andradina (MS), o Brasiliense classificou-se para a Terceira Fase.

Na Terceira Fase, as 16 equipes classificadas foram divididas em 8 novos grupos, com dois clubes cada. O Brasiliense voltou a enfrentar o Anápolis e superou novamente o clube goiano, classificando para a Quarta Fase.

Na Quarta Fase, as 8 equipes classificadas foram divididas em 4 novos grupos, com dois clubes cada. O Brasiliense enfrentou o Villa Nova, de Minas Gerais, ao qual venceu duas vezes e se qualificou para a Fase Final do campeonato.

Os quatro clubes que chegaram à Fase Final foram Brasiliense, Ipatinga, Marília e Nacional Futebol Clube (Amazonas).

Esses quatro clubes se enfrentaram em jogos de ida e volta. O Brasiliense somou mais pontos, tornou-se campeão brasileiro série C e garantiu uma das duas vagas para a Série B de 2003. Detalhe: Brasiliense e Marília chegaram à última rodada com chances de serem campeões, o Brasiliense com 11 pontos e o Marília, com 10. O empate deu o título ao Brasiliense.

Jogo Do Título

01 de Dezembro de 2002 Brasiliense Distrito Federal (Brasil) 1 – 1 São Paulo Marília Estádio Serra Dourada, Goiânia

Romildo Gol marcado aos 50 minutos de jogo 50' Luizinho Vieira Gol marcado aos 29 minutos de jogo 29' Árbitro: GoiásGO Ramón Rodrigues

Nota: Por causa de uma briga no Estádio Boca do Jacaré o Brasiliense perdeu o mando de campo tendo que manda o jogo da decisão no Estádio Serra Dourada em Goiânia.

O Brasiliense ainda teve os dois artilheiros da competição, com 11 gols, a dupla Túlio Maravilha e WellingtonDias.

A campanha do Brasiliense foi essa:

PG J V E D GF GC SG
38 18 11 5 2 37 17 20

O Brasiliense com apenas 2 anos de existência teve uma campanha memorável em 2002, sendo vice Campeão da Copa do Brasil de 2002 e sendo Campeão Campeonato Brasileiro da Série C de 2002.

Primeiro Título do Candangão e Campeão Brasileiro da Série B[editar | editar código-fonte]

Depois de dois vice-campeonatos (2001 e 2003) e um terceiro lugar (2002), finalmente o Brasiliense comprovou o favoritismo no Candangão de 2004.

Esse campeonato foi disputado por 12 times e o Brasiliense realizou a seguinte campanha: 15 jogos, 10 vitórias, 4 empates e uma derrota; 38 gols a favor e 26 contra. Índice de aproveitamento de 75,6%.

Com uma vitória de 1 x 0 sobre o Gama, na decisão do returno, antecipou o inédito título candango.

Campeão da primeira fase, o Brasiliense conquistou o returno e, conseqüentemente, garantiu o campeonato sem a necessidade dos dois jogos finais. Ao Gama só restava ganhar para forçar a decisão extra.

Depois de ganhar o Candangão de 2004 o Brasiliense e o primeiro e único a enfileirar seis conquistas consecutivas do Campeonato Brasiliense, de 2004 a 2009. Maior hegemonia do futebol nacional neste período, o hexa o tornou o terceiro com mais taças no DF.

Brasiliense Campeão Brasileiro da Série B em 2004

Na Série B viria a maior glória do Brasiliense até os dias atuais. Em um campeonato disputado por diversas equipes tradicionais do futebol brasileiro, o Brasiliense se classificou com folga a segunda fase do torneio após liderar a primeira fase e empolgar a grande torcida que comparecia aos jogos do time no Serejão.

Na segunda fase o time caiu no grupo com Santa Cruz, Ituano e Fortaleza, e o Brasiliense teve muito trabalho nessa fase, se classificando após um empate em 1 x 1 com o Santa Cruz na última rodada.

No quadrangular final o time teria que encarar os outros 3 melhores clubes da competição que eram Bahia, Avaí e Fortaleza.

O jogo do acesso do time do Distrito Federal à elite brasileira foi contra o Fortaleza, com gol do zagueiro Durval, o Brasiliense venceu o Fortaleza e diante de um Serejão lotado conquistou pela primeira vez o tão sonhado acesso. Houve muita festa da torcida e dos jogadores após esse feito inédito na história do clube.

O Brasiliense sagrou-se Campeonato Brasileiro Série B em 2004. No último jogo do quadrangular final, em que o Brasiliense derrotou o Bahia por 3x2 e calou a Arena Fonte Nova

garantindo o título do campeonato, a equipe do Distrito Federal .

11 de Dezembro de 2004 Bahia Bahia 2 – 3 Distrito Federal (Brasil) Brasiliense Arena Fonte Nova, Salvador

Romildo Gol marcado aos 50 minutos de jogo 50' Wellington Dias Gol marcado aos 46 minutos de jogo 46'
Fabrício Gol marcado aos 67 minutos de jogo 67'
JairoGol marcado aos 78 minutos de jogo 78'

Estatísticas do Brasiliense:

• 35 Jogos

• 19 Vitórias

• 9 Empates

• 7 Derrotas

• 57 Gols Pró

• 33 Gols Sofridos

Acesso a Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro Série A[editar | editar código-fonte]

O Jacaré ainda é a equipe brasileira a subir mais rápido para a elite sem convite ou classificação apenas pelo campeonato estadual, mas pelos seus resultados em competições nacionais de acesso, com a arrancada da terceira divisão, então a última divisão existente, até a primeira, em apenas quatro anos de escalada—o Paraná levou um ano a menos para fazer esse percurso, mas surgiu da fusão dos tradicionais Pinheiros e Colorado. E a ascensão meteórica do Brasiliense foi sem precedentes, com os dois títulos, tanto da Série C em 2002 quanto da Série B em 2004, façanha inédita e jamais repetida.

edição de 2005 ficou marcada por um evento negativo: o escândalo da Máfia do Apito. Durante o campeonato, o árbitro Edílson Pereira de Carvalho foi preso em uma operação da polícia por manipular resultados de jogos em que atuou para que empresários de sites de apostas pudessem lucrar mais. Em uma decisão polêmica e inédita em toda a história do futebol, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) determinou a anulação dos 11 jogos apitados pelo árbitro.

Com uma péssima campanha no Campeonato Brasileiro da Série A de 2005, o Brasiliense ficou na lanterna do campeonato e foi rebaixado logo em seguida. Se esperava muito do Jacaré que na época fez grandes contratações para jogar a Série A, jogadores consagrados como Marcelinho Carioca, Oséas, Vampeta entre outros jogadores.

Estatísticas do Brasiliense:

• 42 Jogos

• 10 Vitórias

• 11 Empates

• 21 Derrotas

• 47 Gols Pró

• 67 Gols Sofridos

O Primeiro Hexacampeão Candango[editar | editar código-fonte]

No cenário local, o clube de Taguatinga também coleciona troféus em ritmo alucinante. Depois de ganhar logo a sua primeira competição oficial, a Segundona Candanga de 2000, o time amarelo se consolidou como o maior clube do DF no cenário atual, ao se tornar o primeiro e único a enfileirar seis conquistas do Campeonato Brasiliense, de 2004 a 2009. Maior hegemonia do futebol nacional neste período, o hexa o tornou o terceiro com mais taças no DF, atrás somente dos veteranos Gama (11) e Brasília (8), ambos fundados em 1975, portanto 25 anos mais velhos. No total em 11 participações na Elite, foram sete títulos, três vices e um terceiro lugar—a pior campanha. A diferença para o recordista Gama, portanto, desabou de dez para quatro títulos nas últimas nove temporadas. O Brasiliense almeja o recorde local, porém com a sua crise administrativo decorrente da prisão de seu presidente e mandatário, esse sonho está cada vez mais distante.

O Brasiliense manda seus jogos na Boca do Jacaré, que até 2001 era o estádio Elmo Serejo Farias. Foi só o Brasiliense pisar pela primeira vez em seu gramado, no dia 25 de abril daquele ano, que a arena passaria a ser conhecida como Boca do Jacaré e se tornou a casa do Brasiliense e de sua nascente torcida. O Brasiliense abraçou o antigo Serejão, o segundo maior estádio do Distrito Federal, e tornou-o palco dos jogos do Jacaré em Taguatinga, trazendo de volta os torcedores para as arquibancadas do estádio. Entre tantas partidas inesquecíveis já disputadas na Boca do Jacaré, estão a final da Copa do Brasil de 2002, contra o Corinthians, as oitavas de final e a semifinal da mesma competição, em 2007, frente o Cruzeiro e o Fluminense respectivamente, e o jogo do acesso para a Série A, em 2004, contra o Fortaleza. A casa do Brasiliense está localizada no Setor de Indústrias de Taguatinga, na QI 8, lotes 73/75, e pode receber até 28 mil torcedores.

O Esquadrão Amarelo completou a sua partida de número 600 no dia 14 de maio de 2011, ao empatar em 0x0 com o arquirrival Gama diante de 15.645 torcedores na Boca do Jacaré pelo Campeonato Brasiliense, neste jogo o clube conquistou pela sétima vez o Campeonato Brasiliense, o Jacaré alcançou esta histórica marca com os seguintes números, 285 vitórias, 146 empates e 169 derrotas, com 1.011 gols a favor e 709 contra. Em 2013, o clube vive o momento mais melancólico de sua história. O clube que conquistou massas no Distrito Federal e surpreendeu o Brasil com o vice campeonato da Copa do Brasil de 2002 e o título da Série B 2004, perde por 2x1 para o Cuiabá em plena Boca do Jacaré, em jogo que poderia valer sua classificação para a segunda fase da Série C, e termina rebaixado para a Série D, a mais baixa divisão do campeonato brasileiro de futebol. O clube começou o ano de 2014, ainda tentando se recuperar, mas a má-fase se estendeu e ainda no primeiro semestre o Brasiliense amargou eliminações na Copa do Brasil e no Campeonato Brasiliense, onde nem sequer chegou a disputar a final. De quebra, perdeu ainda a disputa de um imbróglio judicial onde pleiteava sustentar sua vaga na Série C. Com isso disputou a Série D, mas mesmo se reanimando após uma boa campanha na Primeira Fase da competição, o Jacaré caiu nas Quartas-de-Final para o Brasil de Pelotas em plena Boca do Jacaré nos pênaltis por 4 a 3.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Escudo[editar | editar código-fonte]

Atual escudo do Brasiliense.

Em 2004, após o título do Campeonato Brasileiro Série B, foi integrada ao símbolo do clube duas estrelas centralizada sobre o escudo, a Prata é de Campeão da Série - B (2004) e a Amarela de campeão da Série- C (2002)

Camisa[editar | editar código-fonte]

O primeiro uniforme do Brasiliense sempre composto de camisas, calções e meiões amarelos, no ano de 2008 foi introduzida no uniforme uma cruz também em referência à bandeira do DF que se manteve até 2016.

O segundo uniforme do Brasilense e sempre composto de camisas, calções e meiões Brancos, em 2007 o Brasilense não utilizou o escudo do time e sim a bandeira do Distrito Federal no primeiro e no segundo uniforme.

O terceiro uniforme do Brasilense causo um pouco de polêmica, em 2010 foi lançada a camisa em homenagem ao rock,[4] causou muita repercussão nas mídias, alguns torcedores não gostaram por uma parte foi bem aceita, sendo umas das camisas mais vendidas da historia do clube. Já em 2013 foi lançada a mais polêmica de todas, foi lançada a camisa verde[5][6]que causou muita polêmica, por ter a cor do arquirrival, embora a cor seja uma das três do Brasiliense desde a fundação do clube, a camisa só foi usada em 1 jogo apenas e logo descartada.[7]

Uniformes atuais

  • 1º - Camisa amarela com cruz branca, calção e meias amarelas;
  • 2º - Camisa branca com cruz amarela, calção e meias brancas;
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme

Uniformes dos goleiros

  • Cinza com detalhes pretos;
  • Preto com detalhes cinzas.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Mascote[editar | editar código-fonte]

O mascote oficial do 'Brasiliense' e o Jacaré criado pelo fundador do time o Ex-Senador Luís Estêvão.

Assim como as cores do uniforme, o mascote foi de gosto do dirigente.

Hino Oficial do Brasiliense Futebol Clube[editar | editar código-fonte]

  • Letra: Walter Queiroz[8]

''Com muita raça e toda a nossa vibração 

Salve o Brasiliense, futebol clube, meu irmão

No campo, uma pintura, uma aquarela 

E na torcida explode essa febre amarela 


As cores do meu coração 

Verde, amarelo e branco 

O meu time é campeão 


É na palma da mão

É com a bola no pé 

É na palma da mão 

É com a bola no pé 

Vacilou caiu na boca, na boca do Jacaré''

Hino Popular do Brasiliense Futebol Clube[editar | editar código-fonte]

'' Sou Brasiliense de coração

Força, humildade e determinação

Raça e futebol para vencer o oponente

Eu tenho orgulho de ser Brasiliense

No campo meu Brasiliense é um show a torcida grita gol.

Brasiliense o meu peito explode de emoção,

Vencer, vencer, vencer com tradição

O meu Brasiliense é campeão

Brasiliense é futebol e alegria, é pura emoção,

É encanto é magia, é bola no pé de encantos mil

Brasiliense coração do meu Brasil! ''

Outros símbolos[editar | editar código-fonte]

As cores do Brasiliense Futebol Clube consistem do verde, o amarelo e o branco, em referência às cores da bandeira do Distrito Federal, outros símbolos do Brasiliense são o mascote oficial, o Jacaré, a bandeira composta de três faixas na cor amarela e duas na cor branca com o escudo oficial sobreposto, e o uniforme 1 sempre composto de camisas, calções e meiões amarelos.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Profissional[editar | editar código-fonte]

NACIONAIS
Competição Vezes Ano
B Series Brazilian Championship Trophy.png Campeonato Brasileiro Série B 1 2004
Trofeu Camp Brasileiro serie C.jpg Campeonato Brasileiro Série C 1 2002
DISTRITAIS
Competição Vezes Ano
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense 9 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2011, 2013, 2017
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense 2ª Divisão 1 2000
Distrito Federal (Brasil) Taça Mané Garrincha 1 2013
Distrito Federal (Brasil) Taça Dr. Sócrates 1 2012

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
Brasil Copa do Brasil 0 (não possui) 1 (2002) 0 (não possui) 1 (2007)
Brasil Campeonato Brasileiro - Série B 1 (2004) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
Brasil Campeonato Brasileiro - Série C 1 (2002) 0 (não possui) 0 (não possui) 0 (não possui)
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense 9 (2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2011, 2013, 2017) 3 (2001, 2003, 2010) 4 (2002, 2014, 2015 e 2016) 1 (2012)

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

DISTRITAIS
Competição Vezes Ano
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense de Juniores 7 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009
Distrito Federal (Brasil) Copa de Futebol Sub 20 1 2004

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Centro de Treinamento[editar | editar código-fonte]

Centro de treinamento do 'Brasiliense', localizado no Setor de Clubes Esportivos Sul

Em 2010, ano em que completou dez anos, o presidente do clube, Luís Estêvão, promoveu mudanças estruturais no clube, com o início da construção do Centro de Treinamentos do clube, localizado no Setor de Clubes Sul nas margens do Lago Paranoá.[9]

Centro de Treinamento as margens do Lago Paranoá.

Um lugar onde o foco é a preparação do atleta em altíssimo nível. Um espaço que pudesse reunir em um só lugar profissionais, estrutura e recursos necessários para nivelar o Brasiliense aos principais clubes de futebol do Brasil: é com este intuito que está sendo erguido o Centro de Treinamento do Brasiliense Futebol Clube. Com 55 mil m², a nova área de treinamentos do Jacaré está sendo construída em área nobre do Distrito Federal, no coração da cidade e às margens do Lago Paranoá.

O projeto prevê a construção de quatro campos de futebol, sendo um oficial. Atualmente, um dos campos já está pronto para utilização e o segundo está em fase de finalização . Na área externa, está prevista ainda a construção de uma caixa de areia para aprimoramento de exercícios físicos específicos e de uma piscina, para auxiliar no processo de recuperação e preparação complementar dos atletas.

Nas proximidades do campo poderão ser erguidas pequenas arquibancadas para aproximadamente 40 espectadores, que poderão acompanhar os treinos do Jacaré com todo o conforto. Para a imprensa, está previsto a construção de cabines e sala de entrevistas, facilitando a rotina de trabalho dos profissionais que cobrem o dia-a-dia do Brasiliense.

Serão construídos ainda dois blocos de apoio, onde funcionará toda a parte de suporte aos atletas e setor administrativo do Brasiliense. O projeto assinala que o Bloco 2 receberá um refeitório para até 36 pessoas, sala de estar, dormitórios para até 36 pessoas, lavanderia e sauna. Já o Bloco 1, que está sendo finalizado, sediará uma ampla sala de musculação e fisioterapia, um auditório, sala de administração e sala de reunião.

O Centro de Treinamento do Brasiliense Futebol Clube, embasado num projeto sólido que começa a se concretizar, será, em pouco tempo, um centro de treinamento de excelência e referência para times de futebol da região e do país inteiro.

Mando de campo[editar | editar código-fonte]

Torcedores Brasilienses no Boca do Jacaré

Estádio[editar | editar código-fonte]

Estádio Boca do Jacaré[editar | editar código-fonte]

O Brasiliense joga no Estádio Elmo Serejo Farias(Serejão), popularmente conhecido como Boca do Jacaré. O estádio recebe o nome do ex-governador do Distrito Federal, Elmo Serejo Farias, que governou o Distrito Federal entre os anos de 1974 e 1979. A primeira partida do Brasiliense na Boca do Jacaré, foi na vitoria sobre o tradicional Brasília 3 x 1 com dois gols marcados por Weldon e outro pelo então capitão Darci.[10]

DE SEREJÃO A BOCA DO JACARÉ

O Estádio Elmo Serejo Farias(Serejão) foi oficialmente inaugurado no dia 23 de abril de 1978,[11] e batizado com o nome do governador que o ergueu e esteve à frente da administração distrital entre 1974 e 1979. O antigo Serejão, como era conhecido, era gerido pela Administração de Taguatinga e sediava partidas e treinos dos extintos Taguatinga  e Atlântida até o dia 9 de outubro de 1999, ano em que foi parcialmente reformado e, mais tarde, viria a ser fechado. O último jogo antes de fechar suas portas foi Atlântida 0 x 4 Bandeirante, válido pela segunda divisão do Campeonato Candango daquele ano. Com a extinção dos dois times da cidade, as atividades no Serejão ficaram paralisadas até abril de 2001, quando a diretoria do Brasiliense arrendou o estádio junto à administração com o intuito de realizar as partidas do Brasiliense no gigante adormecido. A reforma inicial do estádio, financiada pelo Brasiliense Futebol Clube, durou 70 dias e solucionou problemas antigos da arena, como o reparo de alambrados e refletores, completa remodelação dos vestiários, cuidados básicos com o gramado e todas as medidas necessárias para deixar o Serejão em condições de jogo. Por acaso, o primeiro jogo do Brasiliense no estádio aconteceria exatamente dois dias depois do estádio completar 23 anos de existência.

Até 2001, ele era o estádio Estádio Elmo Serejo Farias(Serejão). Foi só o Brasiliense pisar pela primeira vez em seu gramado, no dia 25 de abril 2001 na vitoria sobre o tradicional por Brasília 3 x 1 para o Jacaré, que a arena passaria a ser conhecida como Boca do Jacaré e se tornou a casa do Brasiliense e de sua nascente torcida. O Brasiliense abraçou o antigo Serejão , o segundo maior estádio do Distrito Federal, e tornou-o palco dos jogos do Jacaré na cidade, trazendo de volta os torcedores para as arquibancadas do estádio. Entre tantas partidas inesquecíveis já disputadas na Boca do Jacaré, estão a  final da Copa do Brasil de 2002, contra o Corinthians, a semifinal da mesma competição, em 2007, frente o Fluminense. Além dos jogos do Brasiliense na Série C em 2002 e o jogo do acesso para a Série A, em 2004, contra o Fortaleza.[12][13] O Brasiliense já decidiu seis finais do Campeonato Candango, na Boca do Jacaré conquistando 4 títulos (2004,2005,2009 e 2011) a volta olímpica foi dada no seu estádio, nos braços de sua torcida.

O maior recorde de público do Brasiliense na Boca do Jacaré, foi na final do Campeonato Candango de 2001 entre Brasiliense x Gama com 34.228 espectadores[14][15]

A casa do Brasiliense está localizada no Setor de Indústrias de Taguatinga, na QI 8, lotes 73/75, e pode receber até 28 mil torcedores.[16]

Em 2016 uma grande reforma no gramado do estádio, fez com que o Brasiliense mudasse de lugar temporariamente migrando para o Abadião em Ceilândia. Argumentação do Brasiliense foi que, além da obra, o gramado do estádio Abadião estava melhor do que o de Taguatinga.[17][18][19]

Notáveis jogadores[editar | editar código-fonte]

Em sua curta porém intensa história, o Brasiliense teve grandes jogadores que ajudaram a construir sua história vitoriosa.

Merece destaque o meia Wellington Dias, que foi um dos maiores craques se não o maior da história do Jacaré, o jogador oriundo do futebol goiano chegou ao Brasiliense no ano de 2001, e com um futebol vistoso e de bastante técnica, foi autor de 8 gols na campanha do vice-campeonato da Copa do Brasil 2002, posteriormente foi artilheiro do Brasileirão da série C 2002 com 11 gols, atuou também na conquista do primeiro Campeonato Brasiliense em 2004 e na conquista do Brasileirão da série B 2004. Em uma votação promovida pelo site oficial do Brasiliense para a escolha dos melhores jogadores da história do Brasiliense, o ídolo Wellington Dias ganhou o posto de segundo atacante do time dos sonhos com 68,97% das preferências dos torcedores. Ganhou seis títulos: Série C 2002 e a Série B 2004 e quatro Campeonato Brasilienses (2004,2005,2006 e 2009).

O maior ídolo do Brasiliense é o meia Iranildo, revelado pelo Madureira e com passagens marcantes pelo Botafogo e pelo Flamengo , Iranildo chegou ao Jacaré pela primeira vez em 2001, quando disputou as finais do campeonato candango, com o vice-campeonato. Voltou em 2003 para a Série B. Um ano depois, comandou o Brasiliense em sua maior conquista, o Brasileirão da série B 2004, o que carimbou o passaporte para o cobiçado acesso para a elite. Mesmo com a queda na Série A de 2005, Iranildo ficou no elenco até meados de 2006, quando foi cumprir um ano de contrato no Al Hazm, da Arábia Saudita. Voltou na metade de 2007 e posteriormente encerrou seu ciclo no Brasiliense com o título do Campeonato Brasiliense de 2011, Retornou 2013 faturando mais um Campeonato Brasiliense 2013. Iranildo se despediu como recordista de atuações (291) e gols (71) do clube de Taguatinga em suas quatro passagens. Ganhou sete títulos: a Série B de 2004 e seis Campeonato Brasilienses (2005, 2006, 2008, 2009, 2011 e 2013).

Merecem ser citados também, Túlio Maravilha foi ao lado de Wellington Dias artilheiros da Série C de 2002, cada um com 11 gols ajudando o Brasiliense subir para Série B de 2004 Igor, Weldon, Jóbson que foi a maior revelação das categorias de base do clube, Adrianinho, Deda, Ailson, Val Baiano, Fábio Júnior o meia Tiano, o meia Gil Baiano o meia Fabrícioo atacante Josiel, os zagueiros Durval e Leonardo Silva  os goleiros Guto e Donizetti.

Soccer Field Transparant.svg

Iranildo
Adrianinho
Val Baiano
Wellington Dias
Deda
Pituca
Gérson
Possato
Guto
Jamur
Jairo
Técnico: Péricles Chamusca

Time dos sonhos[editar | editar código-fonte]

Recentemente, em 10 enquetes realizadas no site oficial do Brasiliense, a torcida escolheu os 11 jogadores e o técnico que compuseram o "Dream team", esquadrão dos melhores da história do Brasiliense, os jogadores eleitos foram o goleiro Guto, os zagueiros Gérson e Jairo, os laterais Jamur e Possato, os volantes Deda e Pituca, o meia Adrianinho e os atacantes Val Baiano e Wellington Dias, o meia Iranildo foi hors-concours e o melhor técnico foi Péricles Chamusca.[20]

Notáveis treinadores[editar | editar código-fonte]

Alguns treinadores merecem destaque na história do Brasiliense, Ricardo Freitas foi o primeiro, ele treinou o Brasiliense no ano de 2000 na modesta Segundona Candanga, sagrou-se campeão e colocou o Brasiliense no cenário do futebol do DF, já no ano de 2002 foi a vez de Péricles Chamusca ele armou o time que levou o Jacaré até a final da Copa do Brasil de 2002, concretizando uma das maiores campanhas do clube que tornou o Jacaré conhecido no cenário futebolístico nacional, posteriormente no mesmo ano Gérson Andreotti, levou o clube ao título do Brasileirão da série C 2002, o primeiro título nacional do Brasiliense. Em 2004, Mauro Fernandes levou o Brasiliense ao seu primeiro título do Estadual e armou o time que levaria o Brasiliense á sua maior glória, o título da Série B de 2004, título esse que foi conquistado pelo treinador Edinho, que colocou o Brasiliense pela primeira vez na Elite. No ano de 2007 foi a vez de Roberto Fernandes, além de ter ganho o Campeonato Brasiliense daquele ano, ele armou o time que levaria o Brasiliense à sua segunda Semifinal de Copa do Brasil de Futebol, merece destaque também Reinaldo Gueldini que livrou o Brasiliense do rebaixamento na Série B de 2008 de forma surpreendente quando ninguém mais acreditava, ele também armou os times que levariam o Brasiliense aos títulos do Campeonato Brasiliense em 2009 e em 2011, além de ser o técnico com mais jogos pelo clube com 99 jogos oficiais.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Temporadas do Brasiliense

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2018
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Distrito Federal (Brasil) Campeonato Brasiliense 18 Campeão (9 vezes) 2001 2018
Copa Verde de Futebol Copa Verde 2 Semifinal (2014) 2014 2018
Brasil Campeonato Brasileiro 1 22º colocado (2005) 2005 2005 1
Série B 7 Campeão (2004) 2003 2010 1 1
Série C 5 Campeão (2002) 2001 2013 1 1
Série D 2 5º colocado (2014) 2014 2018
Copa do Brasil 12 Vice-campeão (2002) 2002 2018

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Brasiliense x Gama

Tornou-se o grande rival de outro clube do Distrito Federal, o Gama, a qual duela desde 2001. São os clubes do Distrito Federal que alcançaram as maiores conquistas a nível nacional para o DF, ambos conquistaram o Brasileirão da Série B, além disso são também os clubes de maior torcida entre os candangos, o clássico Verde-Amarelo como é chamado é um jogo de grande rivalidade e que sempre atrai bons públicos. No confronto geral, o Jacaré possui 15 vitórias contra 14 do rival alvi-verde,a rivalidade com o Brasília cresceu muito já que atualmente são os melhores times do distrito federal, com a atual crise do Gama.

Referências

  1. «De ponto cego a atraso - os problemas dos estádios da Copa». Exame. 12 de fevereiro de 2014. Consultado em 11 de maio de 2014 
  2. «CNEF da CBF» (PDF). Site Oficial da CBF. Consultado em 9 de março de 2012 
  3. «Finalíssima da Copa do Brasil tem 4ª maior renda da história do Brasil». Placar.abril.com.br. 27 de novembro de 2014. Consultado em 6 de fevereiro de 2016 
  4. «Brasiliense: identificação com o DF ao homenagear o rock na camisa». globoesporte.com 
  5. «Com Romarinho como modelo, Brasiliense apresenta nova camisa». globoesporte.com 
  6. «brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 25 de agosto de 2017 
  7. «brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 25 de agosto de 2017 
  8. «Erro - brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  9. «O Clube - Centro de Treinamento - brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  10. «Erro - brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  11. «ESTÁDIOS DE BRASÍLIA: SEREJÃO/BOCA DO JACARÉ». Consultado em 12 de agosto de 2017 
  12. «brasiliensefc.com.br». Brasiliense FC. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  13. «Em 2004, Brasiliense volta à Série A sob comando de Zetti». globoesporte. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  14. «DF: Brasiliense x Gama: A história do maior clássico candango». www.futebolinterior.com.br. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  15. «AS DECISÕES: CAMPEONATO BRASILIENSE DA 1ª DIVISÃO - 2001». Consultado em 12 de agosto de 2017 
  16. «Google Maps». Google Maps. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  17. «Brasiliense a caminho do Abadião – CANDANGÃO». candangao.com.br. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  18. «Brasiliense muda de casa e passará a atuar no estádio Abadião, na Ceilândia». www.diariodeceilandia.com.br. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  19. «Serejão x Abadião: Luiz Estevão abre o verbo – CANDANGÃO». candangao.com.br. Consultado em 12 de agosto de 2017 
  20. «Time dos sonhos da história do Brasiliense». Site oficial do Brasiliense Futebol Clube. Consultado em 13 de junho de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]