Pokémon GO

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Pokémon GO
Desenvolvedora(s) Niantic, Inc. Nintendo
Publicadora(s) The Pokémon Company
Distribuidora(s) The Pokémon Company

Niantic, Inc.

Compositor(es) Junichi Masuda[1]
Plataforma(s) iOS
Android
Série Pokémon
Data(s) de lançamento
Gênero(s) Realidade aumentada
Classificação Permitido para todas as idades i DEJUS (Brasil)
Inadequado para menores de 6 anos i ESRB (América do Norte)
Permitido para todas as idades i OFLCA (Austrália)
Inadequado para menores de 3 anos i PEGI (Europa)
Inadequado para menores de 6 anos i USK (Alemanha)
Site Oficial

Pokémon GO é um jogo eletrônico free-to-play de realidade aumentada voltado para smartphones. Foi desenvolvido por uma colaboração entre a Niantic, Inc., a Nintendo e a The Pokémon Company para as plataformas iOS e Android.[2][3] O jogo foi lançado em julho de 2016 em alguns países do mundo. Fazendo uso do GPS e câmera de dispositivos compatíveis, o jogo permite aos jogadores capturar, batalhar, e treinar criaturas virtuais, chamadas Pokémon, que aparecem nas telas de dispositivos como se fossem no mundo real. Um dispositivo opcional, o Pokémon Go Plus, é um acessório que irá alertar os usuários quando Pokémon estiverem nas proximidades. Foi lançado em 16 de Setembro.

Pokémon GO foi lançado com críticas mistas. Os analistas elogiaram o conceito do jogo e o estímulo para que os jogadores se tornassem mais ativos no mundo real, embora criticassem os frequentes problemas técnicos que se evidenciaram no lançamento. Apesar dessas críticas, o jogo se tornou um fenômeno global e um dos aplicativos móveis mais utilizados em 2016, tendo sido baixado mais de 750 milhões de vezes em todo o mundo. Foi-lhe creditada a popularização dos jogos baseados em geolocalização e realidade aumentada, estimulando a atividade física dos jogadores e movimentando os negócios locais. No entanto, o jogo também atraiu controvérsias ao contribuir para a ocorrência de acidentes e perturbação da ordem pública.

Como funciona[editar | editar código-fonte]

Ao jogar Pokémon GO, o usuário interage com um mapa semelhante ao do Google Maps. O jogador se localiza e procura Pokémon por meio desse mapa. À medida que ele se desloca, o aplicativo vibra para avisar sobre a presença das criaturinhas virtuais pelo caminho. Ao tocar a tela do smartphone é possível visualizar o Pokemón no mesmo local onde o jogador está, pois o jogo usa a câmera do próprio aparelho para projetar no ambiente uma imagem que se assemelha muito à realidade virtual. Para capturar o monstrinho, basta arremessar uma Pokebola. Daí em diante, além de tentar pegar todos os mais de 150 Pokémon, ao atingir o nível 5 do jogo é possível dominar os diversos ginásios espalhados pela cidade. Além dos campos de batalhas que são chamados de ginásios, existem pontos específicos onde é possível coletar itens e Pokebolas estes pontos são as PokéParadas. Esses locais geralmente são pontos muito conhecidos da cidade (museus, monumentos, entre outros).

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Capturas de cenas de Pokémon GO.

Utilizando a câmera de um smartphone, mapas e a localização GPS do jogador, o jogo coloca os pokémon no mundo real a partir da tecnologia de realidade virtual. A proposta é fazer com que o jogador explore as regiões de seu próprio mundo com objetivo de completar a Pokédex e vencer os estágios. O jogo utiliza uma mecânica semelhante ao do jogo Ingress, também desenvolvido pela Niantic Inc., que utiliza o GPS do smartphone para localizar a posição do jogador, a qual consequentemente será a posição de seu personagem no mundo virtual.

Conforme o jogador anda pela cidade, vários pokémon selvagens podem aparecer no mapa, dependendo do tipo de região em que se encontra. Com isso, ao estar próximo a uma praia ou rio, por exemplo, será mais fácil encontrar Pokémon do tipo água. Ao encontrar um Pokémon, entra-se no modo de captura no qual é necessário mirar precisamente o Pokémon e arremessar a Pokébola. O Pokémon pode tentar desviar ou rebater a Pokébola, sendo necessário ter precisão ao movimentar o celular. Neste modo, o jogador pode optar por capturar num cenário virtual semelhante aos jogos tradicionais de Pokémon ou ativar o modo câmera, que substitui o cenário 3D do jogo pelo cenário do mundo real, ou seja, o lugar exato quê o usuário está, mostrando o Pokémon na sua frente, através do seu celular.

Existem diversas diferenças da versão beta em comparação ao jogo atual, sendo notável a presença da imagem de um professor que orienta o jogador sobre os pokémon, ensinando-o a jogar, assim como nos jogos originais da série, e o re-design completo dos modelos em 3D dos treinadores, que agora possuem uma aparência mais semelhante ao estilo anime. Inicialmente, apenas os 151 primeiros Pokémon estavam disponíveis, mas a Niantic liberou um update em fevereiro de 2017 que adicionou 80 novos monstrinhos da segunda geração da série, incluindo Chikorita, Cyndaquil e Totodile que estrearam nas versões Gold e Silver.[4]

O cenário do mundo real pode ser substituído por um cenário virtual a qualquer momento, capturando os Pokémon e batalhando em ginásios, como, por exemplo, Subir o nivel do seu personagem ao capturar Pokémon. No jogo. É possível, também, ganhar itens como Pokébolas, Poções, Frutas e outros itens. Dependendo da cidade, o jogador pode encontrar PokéParadas, que normalmente são localizadas em pontos turísticos, nos quais é possível recolher itens. Nessas PokéParadas são distribuídas Pokébolas, Poções, Frutas, Itens de evolução e até mesmo ovos Pokémon que, assim como no jogo, irão chocar conforme o jogador anda pela cidade.

Jogadores em Anchorage, Alasca, reunidos em um PokéStop num parque local.

Assim como nos jogos oficiais da série, também se pode encontrar ginásios. Ao encontrar um ginásio, o jogador é obrigado a escolher um time: Time Valor (que representa o Pokémon Moltres), Time Mystic (que representa o Pokémon Articuno) ou Time Instinct (que representa o Pokémon Zapdos). Se este ginásio for do mesmo time que o seu, você pode designar um Pokémon ao ginásio para defende-lo. Caso você tenha encontrado um ginásio rival, então poderá batalhar contra todos os Pokémon do ginásio para diminuir sua motivação, caso ganhe, poderá tomar este ginásio para o time ao qual pertence, tornando o ginásio do seu time. Caso os itens acabem e não haja uma PokéParada por perto, o usuário pode optar por comprar itens na loja do jogo.[5]

Esta não é a primeira vez que a Nintendo junta a franquia Pokémon com a realidade aumentada. No jogo Pokémon Dream Radar, lançado para Nintendo 3DS, o console era utilizado para tentar capturar os Pokémon que apareciam ao redor olhando pela tela do 3DS. Os Pokémon capturados podiam ser transferido para os jogos Pokémon Black 2 e White 2. Entretanto, foi apenas em Pokémon GO que tal tecnologia foi utilizada na franquia de maneira tão profunda, visto que o jogo se concentra totalmente na realidade aumentada, literalmente colocando os Pokémon no mundo real, interagindo com elementos reais, através do celular.

PokéParada[editar | editar código-fonte]

PokéParada ou PokéStop é o termo utilizado no jogo para designar os pontos onde o jogador pode conseguir itens como Pokébolas, Poções, Frutas, Itens de evolução e também ovos Pokémon.

Para encontrar uma PokéParada, o jogador deve se orientar pelo mapa do jogo e se aproximar com seu smartphone da localização indicada. Assim que se aproximar de uma PokéParada gire o foto disco azul que irá surgir itens ao interagir com o foto disco. Há a possibilidade de simplesmente sair da PokéParada para que todos os itens sejam apanhados, no entanto, não funciona se estiver em deslocamento em um carro ou ônibus.

As PokéParadas podem estar localizadas em shoppings, monumentos, praças, parques e lugares públicos em geral. Existem em maior concentração nas grandes cidades do que nas pequenas, mas em geral não é necessário um deslocamento muito grande para encontrar um, sendo que são mais comuns do que os ginásios.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

John Hanke, o fundador da empresa Niantic.

O conceito para o jogo foi concebido em 2014 por Satoru Iwata da Nintendo e Tsunekazu Ishihara da The Pokémon Company como uma brincadeira de 1 de abril em colaboração com Google, chamado Pokémon Challenge.[6] Ishihara tinha sido um desenvolvedor fã do jogo de realidade aumentada anterior da Niantic, Ingress, e viu o conceito do jogo como um jogo perfeito para série Pokémon.[7] A Niantic eventualmente iria utilizar dados de Ingress para preencher locais com PokéStops e ginásios dentro de Pokémon GO.[8] Em 10 de dezembro de 2015, Ishihara dedicou seu discurso no anúncio do jogo a Iwata, que tinha morrido dois meses antes.[9] A trilha sonora do jogo foi escrita pelo compositor de longa data da série Pokémon, Junichi Masuda, que também contribuiu com algum design do jogo.[10] Entre os designers visuais está Dennis Hwang, que já havia trabalhado na Google, e criou o logotipo do Gmail.[11]

Em 4 de março de 2016, começou a fase de testes de Pokémon GO no Japão, e em 7 de abril do mesmo ano começaram os testes na Nova Zelândia e Austrália. Mais tarde, em 16 de maio, a Niantic anunciou em seu blog que o jogo entraria em fase de testes também nos Estados Unidos.[12][13] O teste chegou ao fim em 30 de junho.[14]

Em 24 de julho, John Hanke revelou as aparências dos três líderes de equipe na Comic-Con 2016: Candela (Team Valor), Blanche (Team Mystic), e Spark (Team Instinct).[15] Hanke comentou que aproximadamente 10% das ideias para o jogo foram implementadas. Atualizações futuras, incluindo novos Pokémon e trocas entre os jogadores,[16] bem como a implementação de Pokémon Centers em PokéStops, correções na função de busca de Pokémon nos arredores e treinamento mais fácil foram também confirmados.[17] Hanke também afirmou que a Niantic seria a responsável pelo suporte do jogo nos próximos anos.[16]

Acessório[editar | editar código-fonte]

O Pokémon GO Plus é um dispositivo equipado com Bluetooth que permitirá aos jogadores executar determinadas ações no jogo sem olhar para o seu smartphone.[18] Quando o jogador estiver perto de um Pokémon ou PokéStop, por exemplo, o dispositivo vibrará.[18] O jogador poderá, em seguida, pressionar o botão para capturar um Pokémon em sua pulseira, sem poder, entretanto, verificar sua captura até que o acessório esteja conectado ao smartphone para transferir as informações.[7]

O visual do acessório é uma combinação de uma Pokébola com o formato característico do pin usado no Google Maps.[18] Segundo Hanke, A decisão de criar um dispositivo novo em vez de um aplicativo para smartwatches tem fundamento na acessibilidade a jogadores para os quais um relógio inteligente possa ser proibitivamente caro.[19] O Plus, que teve um preço de pré-venda de US$34,99,[20] foi catalogado no eBay por mais de US$100 após o fim dos estoques da Amazon, GameStop e da loja oficial Pokémon.[21] Foi lançado no Reino Unido e na América do Norte em 16 de setembro de 2016.[22][23][24]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Disponibilidade regional[editar | editar código-fonte]

Datas para lançamentos globais de Pokémon Go
Pokémon Go Release Map.svg
Chave Data Países ou regiões Ref.
6 de julho de 2016 Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos [25][26][27][28][29]
13 de julho de 2016 Alemanha [30]
14 de julho de 2016 Reino Unido [31][32]
15 de julho de 2016 Itália, Espanha e Portugal [33][34]
16 de julho de 2016 Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Chipre, República Checa, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Finlândia, Grécia, Gronelândia, Hungria, Islândia, Irlanda, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Países Baixos, Polónia, Roménia, Suécia e Suíça [35]
17 de julho de 2016 Canadá [36]
19 de julho de 2016 Porto Rico [37][38]
22 de julho de 2016 Japão [39][40]
24 de julho de 2016 França [41]
25 de julho de 2016 Hong Kong [42]
3 de agosto de 2016 América Latina e Ilhas Caribenhas[nota 5] [43][44][45]
6 de agosto de 2016 Brunei, Camboja, Estados Federados da Micronésia, Fiji, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Palau, Papua-Nova Guiné, Ilhas Salomão, Singapura, Tailândia, Taiwan e Vietnã [46][47][48]
29 de setembro de 2016 Albânia, Bósnia e Herzegovina, Macau, Macedónia e Sérvia [49]
30 de setembro de 2016 Cazaquistão, Mongólia, Quirguistão, Tajiquistão, Turquemenistão e Uzbequistão [50]
4 de outubro de 2016 Benin, Botswana, Burkina Faso, Cabo Verde, Chade, Costa do Marfim, Egito, Gabão, Gâmbia, Gana, Guiné-Bissau, Quênia, Libéria, Madagáscar, Malawi, Mauritânia, Maurícia, Marrocos, Moçambique, Namíbia, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Seychelles, Serra Leoa, África do Sul, Suazilândia, Tanzânia, Togo, Uganda e Zâmbia. [51]
17 de novembro de 2016 Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Israel, Jordânia, Kuwait, Líbano, Omã e Qatar. [52]
13 de dezembro de 2016 Bangladesh, Butão, Índia, Nepal, Paquistão e Sri Lanka. [53]
24 de janeiro de 2017 Coreia do Sul [54]

O jogo foi lançado na Austrália, Nova Zelândia e nos Estados Unidos em 6 de julho de 2016. Devido à demanda dos servidores após o lançamento, o CEO da Niantic, John Hanke, afirmou que o lançamento na maioria das outras regiões havia sido paralisado até que a Niantic estivesse mais confortável.[55][56] Os lançamentos europeus começaram em 13 de julho, e o jogo tornou-se disponível para a maioria dos países no continente ao longo dos próximos dez dias.[35] O lançamento japonês foi inicialmente projetado para 20 de julho;[57] no entanto, depois do vazamento de um acordo de patrocínio com o McDonald's, o lançamento foi adiado[58] e, foi finalmente, ocorrido em 22 de julho.[39][40] Na França o lançamento previsto para 15 de julho foi adiado até 24 de julho devido a preocupações com segurança na sequência de um ataque terrorista em 14 de julho, em Nice.[59] Após o fechamento de aplicativos e sites de terceiros no final de julho, reduzindo significativamente a tensão nos servidores, a Niantic foi capaz de dar continuidade ao lançamento mundial. No Brasil, após atrasos e reclamações, o jogo foi oficialmente lançado no dia 3 de agosto, e já pode ser baixado nas lojas de aplicativos Google Play e App Store.[60][61] A América do Sul, Central e a maior parte do Sudeste Asiático, receberam o jogo no início de agosto.[43][46] A Indonésia foi o primeiro país asiático a ter o jogo no ar, desde o início de julho, apesar do jogo ter sido lançado oficialmente nessa região apenas no dia 6 de agosto.[62][63] O jogo foi lançado nos Bálcãs, em Macau, na Ásia Central e na Mongólia, em setembro de 2016, e em partes da África e Oriente Médio nos dois meses seguintes.[49][50][51][52] No Sul da Ásia, foi lançado no final de 2016.[53] Pokémon Go, em breve, deverá funcionar em 200 países e regiões, e aumentar ainda mais o faturamento da Nintendo.[64]

Na Coreia do Sul, existem grandes restrições sobre o uso de dados do mapeamento online e os jogadores descobriram um ginásio em Panmunjeom, ao longo da Zona Desmilitarizada da Coreia; no entanto, a Niantic posteriormente o removeu do jogo.[65] Após o lançamento de Pokémon Go no Japão, o jogo também se tornou jogável em partes de Busan, bem como em partes da cidade consideradas como pertencentes à área de mapeamento do Japão devido à proximidade com a Ilha de Tsushima.[66] O jogo foi lançado oficialmente no país em janeiro de 2017.[54]

Na China continental, os serviços do Google são proibidos pelo Grande Firewall. Para burlar a limitação, jogadores de Pokémon Go na China usaram contas australianas da App Store e falsificação da localização GPS para usar os serviços do Google e porque não existem Pokémon para pegar na China. Muitos chineses também baixaram um clone conhecido como City Spirit Go, que foi lançado pouco depois do período de testes de Pokémon Go no Japão.[67]

Apesar de não ser oficialmente lançado no Egito ainda, Pokémon Go é jogável, e tornou-se popular entre os jovens egípcios, que usam "hacks", de acordo com Ahram Online. Pokémon podem ser encontrados em todo o Egito, com vários jogadores com fotos postadas de Pokémon que encontraram em todo o Egito, inclusive dentro de locais de culto, tais como igrejas e mesquitas.[68]

Durante o seu lançamento no sudeste asiático, o jogo excluía oficialmente Myanmar (Burma), mas os jogadores de Rangum, Mandalay e Taunggyi descobriram que o jogo estava totalmente funcional após seu lançamento na Tailândia.[69]

Resposta comercial[editar | editar código-fonte]

Nintendo[editar | editar código-fonte]

Um gráfico do valor das ações da Nintendo em julho de 2016 que descreve a onda de investimento na sequência de Pokémon Go nas liberações em 7 de julho e queda subsequente em 25 de julho.

Os investidores foram impulsionados pela resposta ao lançamento inicial do Pokémon Go no dia 7 de julho, com o preço das ações da Nintendo subindo 10%.[70] Em 14 de julho, a subida acumulada chegou a 50%.[71] Apesar da Nintendo, única proprietária de uma participação de 33% na franquia Pokémon, receber apenas 30% da receita de vendas de Pokémon Go, o aumento do preço das ações de pós-lançamento fez a companhia ter seu valor aumentado em aproximadamente US$14,5 bilhões.[72][73] A tendência continuou por mais de uma semana após o lançamento do jogo e, até 19 de julho, o valor das ações da Nintendo mais que dobrou em relação ao pré-lançamento. O volume de negócios atingiu um recorde de ¥703,6 bilhões (aproximadamente US$6,6 bilhões); e a negociação das ações foi responsável por um quarto de todos os comércios na Bolsa de Valores de Tóquio.[74] O Financial Times acredita que os investidores estavam especulando não com Pokémon Go em si, mas por futuras versões de aplicativos da Nintendo sendo tão bem sucedidos quanto os consoles portátis.[75] A Nintendo planeja lançar mais quatro jogos para smartphones em março de 2017, e os investidores observam que Pokémon Go mostrou que a Nintendo ainda tem algumas das "propriedades intelectuais mais valiosas do mundo", com séries como Super Mario, The Legend of Zelda e Metroid.[76] As empresas Nintendo, The Pokémon Company e Niantic Inc. investiram mais de US$20 milhões em Pokémon GO e, caso o jogo se revele um sucesso, o estúdio receberá US$10 milhões adicionais.[77]

Até 22 de julho, a Nintendo ganhou ¥1800000000000 (US$17,6 bilhões) em valor de mercado, desde o lançamento do jogo.[78] No entanto, após a Nintendo esclarecer que a empresa não produziu Pokémon GO, nem teve ganhos financeiros tangíveis a partir dele, suas ações caíram 18% , registrando uma perda de ¥708.000.000.000 (US$6,7 bilhões) em valor de mercado, em 25 de julho.[78][79] Este foi o maior declínio em um único dia para Nintendo desde 1990 e a troca máxima de um dia de finanças permitidos na Bolsa de Tóquio. A empresa tem um valor aproximado de 13% de "participação económica efetiva" no aplicativo de acordo com a Macquarie Securities.[78]

Outras empresas[editar | editar código-fonte]

O aumento de ganhos não foi apenas da Nintendo, First Baking Co., Tomy, TV Tokyo, e Bank of Kyoto tiveram venda significativa e ganhos recorde.[80] Da mesma forma, Zagg, que é dono de uma empresa que fabrica caixas de baterias, vê um aumento de 25% em seu estoque em relação ao Pokémon Go.[81]

Problemas técnicos[editar | editar código-fonte]

No lançamento, o jogo sofreu paralisações frequentes dos servidores devido ao uso extremo.[82] Falhas frequentes e erros de autenticação atormentaram o lançamento do jogo e persistido por vários dias. Nos dois primeiros dias após o lançamento, os jogadores não foram capazes de acessar o jogo através de suas contas Pokémon Trainer Club, com somente contas baseadas no Gmail sendo capazes de obter acesso ao jogo.[83] Servidores voltaram a sofrer interrupções frequentes na Austrália em 11 de julho; alguns jogadores culparam os jogadores do Reino Unido por contornar os servidores locais e utilizar os servidores australianos para jogar o jogo antes de seu lançamento oficial.[84] Em 16 de julho, algumas horas após o lançamento em muitos países europeus, os servidores do jogo ficaram temporariamente fora do ar.[85] A interrupção foi reivindicado por um grupo de hackers chamado "PoodleCorp", que disse que eles usaram um ataque DDoS para derrubá-los.[86] Houve também uma falha na página oficial do Twitter de Pokémon Go e o problema foi corrigido mais tarde no mesmo dia.[85][87] No dia seguinte, os servidores caíram novamente quando o jogo foi lançado no Canadá.[88] No início da instalação de Pokémon Go no sistema iOS, o aplicativo exigia que os usuários fornecessem suas contas do Google, permitindo o acesso ao aplicativo para "jogadores que utilizam Gmail, Google Drive e qualquer outro conteúdo dentro de suas contas do Google".[89][90][91] The Pokémon Company e Niantic respondeu às preocupações, reconhecendo que o iOS, no momento, "... erroneamente solicita permissão de acesso completo para o usuário com conta no Google ..."[92][93] No entanto, Adam Reeve, a pessoa que inicialmente fez reivindicações dos problemas de segurança em um Tumblr, depois voltou atrás em sua alegação e disse que não era possível "100 por cento de certeza"[94][95] que era válido. Dan Guido, CEO da empresa de segurança Trail of Bits, analisou a programação do aplicativo e descobriu que, embora o jogo fizesse uma solicitação de acesso completo, isso não permitia o uso por terceiros, como era transmitido inicialmente.[94] Guido descobriu que este fez habilitar a Niantic acessar endereços de email e números de telefone de forma não intencional de pessoas. Uma atualização subsequente de iOS reduziu o alcance do acesso.[96] Niantic também emitiu uma declaração garantindo aos usuários que nenhuma informação foi coletada e nem qualquer informação além do que era necessário para usar o aplicativo acessado.[95]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resposta da crítica especializada[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Resenha crítica
Publicação Nota
Destructoid 3.5/10[97]
GameSpot 7/10[98]
IGN 7.0/10[99]
Polygon 7.5/10[100]
The Guardian 2 de 5 estrelas.[101]
Time 3 de 5 estrelas.[102]
Pontuação global
Publicação Nota média
Metacritic 68/100[103]

Pokémon GO foi lançado com críticas mistas de acordo com a revisão do site Metacritic.[103] Após a liberação, os críticos chamaram a experiência de agradável, mas observaram questões técnicas do jogo.[98][99][104]

Os críticos elogiaram vários aspectos do Pokémon Go. Oscar Dayus (Pocket Gamer) disse que o jogo foi uma experiência muito agradável e continuou com a forma como "a natureza muito pessoal de apanhar Pokémon em sua própria vizinhança me fez sorrir mais do que qualquer jogo tem me feito há anos".[104] Jeremy Parish (US gamer) comparou o jogo e seus aspectos sociais a um jogo online multijogador.[105] Os revisores também elogiaram o jogo, que incentiva a prática de exercício físico. Terri Schwartz (IGN) disse que era "secretamente o melhor aplicativo de exercício lá fora" e que mudou a sua rotina de caminhada diária.[106] Patrick Allen (Lifehacker) escreveu um artigo com dicas sobre como trabalhar usando Pokémon Go.[107] Julia Belluz (Vox) disse que poderia ser o "maior modismo de saúde não intencional de sempre" e escreveu que um dos resultados do jogo que os desenvolvedores podem não ter percebido foi que "parece estar levando as pessoas a se movimentar".[108]

Philip Kollar e Allegra Frank (Polygon) ambos concordaram que "Pokémon Go é uma experiência social emocionante", embora eles disseram que não tinham certeza de quanto tempo o jogo duraria, e dependendo de como atualizações frequentemente da Niantic, ele poderia ser o último para os próximos anos ou acabar como "uma mania que o mundo do jogo inteiro está falando por algumas semanas e depois é esquecido".[100]

Outros críticos expressaram opiniões mais negativas do jogo, com muitos citando falhas frequentes e outras questões técnicas, juntamente com uma jogabilidade rasa.[102] Kallie Plagge (IGN), disse que, apesar de o jogo faltando em polonês e profundidade, a experiência geral foi boa. Matt Peckham (Time) criticou o jogo por suas falhas frequentes.[102] Mike Cosimano (Destructoid) também teve problema com o jogo, dizendo que a ideia original mostrou a promessa, mas foi indevidamente executado.[97] Kat Brewster (The Guardian) escreveu que, embora ela achou que Pokémon Go não foi um bom jogo, foi "uma grande experiência".[101] Os problemas de servidor também receberam imprensa negativa. Miguel Concepcion (GameSpot) disse que apesar dele perceber forte apelo social do jogo e design visual, o jogo "é uma confusão de buggy em todos os níveis", como uma das razões os constantes problemas dos servidores.[98] Outra falha que apareceu alguns dias depois do lançamento foi a "falha de três etapas", os revisores também usaram esse bug a imprensa negativa. Patricia Hernandez (Kotaku), disse que "a falha de três etapas acrescenta ao que tem sido o lançamento terrível de Pokémon Go".[109] Paul Tassi (Forbes) disse que, devido a este erro é "melhor o palpite de ninguém, onde Pokémon são 99% do tempo "e que" torna quase todos os métodos tradicionais de monitoramento sem sentido".[110]

Downloads e vendas[editar | editar código-fonte]

Pokémon GO tornou-se rapidamente o aplicativo mais baixado na App Store americana,[111][112] sendo o jogo que em menor tempo após o lançamento a alcançar o topo da App Store e do Google Play, batendo Clash Royale.[113] Dois dias após o lançamento, já havia sido instalado em mais de 5% dos dispositivos Android nos Estados Unidos, de acordo com SimilarWeb.[114] De acordo com SensorTower, o jogo foi baixado mais de 10 milhões de vezes dentro de uma semana de lançamento, tornando-se a tal aplicação mais rápida de fazê-lo.[115] Em 12 de julho, tornou-se o jogo móvel com maior atividade nos Estados Unidos, com 21 milhões de usuários ativos, superando Candy Crush Saga, que marcou 20 milhões.[116] Na semana do lançamento do jogo, servidores australianos tiveram problemas em Sydney, Melbourne e Brisbane devido à popularidade do jogo.[117] Em contrapartida, SensorTower estima-se 15 milhões foram baixados em todo mundo em 13 de julho.[118] Em 15 de julho, aproximadamente 1,3 milhões de pessoas o jogaram nos Países Baixos, mesmo sem o aplicativo ter sido oficialmente lançado no país até a data.[119] Em 20 de julho, mais de 30 milhões de pessoas baixaram o jogo em todo o mundo.[115] No dia do lançamento japonês, mais de 10 milhões de pessoas baixaram o jogo,[120] incluindo 1,3 milhões nas primeiras três horas.[121] Através de compras no jogo, foram gerados mais de US$35 milhões em receita até 20 de julho. A partir de usuários apenas de iOS, o jogo gerou aproximadamente US$1,6 milhões em receita diária.[122] A utilização diária média do aplicativo em dispositivos Android ultrapassou Snapchat, Tinder, Twitter, Instagram e Facebook.[123]

Nos EUA, o aplicativo fez um sucesso retumbante: 20% dos usuários de Android no país já estavam usando o jogo em cerca de uma semana após o lançamento. Ele também era a 10ª funcionalidade mais usada nos smartphones Android. Se desconsideradas as funções de sistema, como abrir a tela inicial, o Pokémon GO era a 4ª atividade mais realizada em smartphones Android, atrás apenas do uso do Facebook, das buscas no Google e do uso da agenda de contatos, segundo dados da consultoria Kantar.[124]

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

O jogo tem sido referido como um "fenômeno de mídia social", que reuniu as pessoas de todas as esferas da vida.[125][126] Pontos de numerosos meios de comunicação a que se refere o aumento da popularidade como "Pokémon GO Mania" ou simplesmente "Pokémania".[127][128] A enorme popularidade do jogo resultou em vários efeitos positivos incomuns. Por exemplo, o jogo permite jogadores ajudarem a capturar criminosos e denunciar crimes em andamento,[129][130][131][132] e até auxiliado relações com a comunidade da aplicação da lei,[133] embora com ressalvas.[134] Negócios se beneficiaram da presença próxima de PokéStops (ou com seus próprios PokéStops) com o afluxo concomitante de pessoas,[135][136][137] e a intensa exploração das comunidades trouxe a história local para o primeiro plano.[138] Alguns estabelecimentos fazem compra de iscas no jogo para atrair os jogadores para PokéStops em sua propriedade.[139] Dentro de uma semana de seu lançamento, um mercado secundário que surgiu no jogo, tanto para a revenda de contas de alto nível sobre Craigslist e PlayerUp, e por a venda de consultoria especializada em Thumbtack.[140][141] A operadora celular T-Mobile nos Estados Unidos, começou uma oferta de dados livres por um ano para sessões Pokémon Go,[142][143] e Yelp adicionou um filtro que só mostra as empresas que tem um PokéStop nas proximidades.[144][145] Parques nacionais nos Estados Unidos viram um afluxo de visitantes incomum, devido ao jogo, com "centenas ou milhares" de pessoas que visitam o National Mall e Memorial Park em Washington, D.C. no fim de semana seguinte Pokémon Go foi liberado no país.[146] pequenos museus com PokéStops colocados em exposições também relataram aumento da frequência, como o Museu McNay Art, em San Antonio, Texas, e o Museu Morikami e Jardim Japonês em Boca Raton, Flórida.[139] Organizações de caridade, também buscaram o envolvimento dos jogadores, com abrigos de animais oferecendo cães que caminham com as pessoas que querem chocar ovos.[147]

Os jogadores capturando Pokémon em torno de uma "academia", em um parque na cidade de Brest, França.

Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, afirmou que esperava que o aplicativo tivesse sido lançado para o Brasil, antes do início dos Jogos Olímpicos de 2016 na cidade,[148] e os candidatos presidenciais dos Estados Unidos Hillary Clinton e Donald Trump mencionaram o aplicativo durante as suas campanhas eleitorais de 2016.[149][150] No final de julho de 2016, durante um discurso público, o presidente da república italiana Sergio Mattarella comparou uma questão política sobre a data do início de um referendo como tão absurdo quanto a caça de Pokémon.[151] Logo após o lançamento do jogo, o lutador de artes marciais mistas do Bellator Michael Page celebrou um nocaute de seu oponente, Evangelista Santos, colocando um vermelho chapéu parecido com o de Ash Ketchum e jogando uma Pokébola na direção de Santos.[152] Em 25 de julho, Dwayne Johnson lançou um vídeo promocional com MatPat e Ali-A com ele mesmo como um Pokémon difícil e raro.[153]

O jogo foi creditado por popularizar realidade aumentada,[154] e foi elogiado por grupos não-binários por permitir aos jogadores que escolham um "estilo" em vez de "gênero".[155]

A música tema de Pokémon, do álbum Pokémon 2.B.A. Master da série animada viu um aumento de 630% de ouvintes na plataforma de streaming de música Spotify durante o mês de lançamento do jogo.[156] Enquanto isso, serviços de streaming como Hulu têm experimentado um aumento de audiência da série e filmes Pokémon.[157] Um canal de Twitch, Twitch Plays Pokémon Go, foi criado para imitar o canal colaborativo Twitch Plays Pokémon, permitindo que os telespectadores direcionem um avatar virtual no jogo usando um iPhone programado para falsificar a sua localização.[158]

Incidentes e controvérsias[editar | editar código-fonte]

Um sinal de mensagem variável em Fontainebleau, Florida, adverte os motoristas a não jogar Pokémon Go durante o trânsito.
Aviso no aeroporto de Foz do Iguaçu proibindo o jogo na área de movimentação de aeronaves.

O aplicativo foi criticado por usar locais como cemitérios e memoriais para adicionar Pokémon,[159] incluindo o Museu Estatal de Auschwitz-Birkenau,[160] o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos,[161] o Memorial & Museu Nacional do 11 de setembro,[162] e o Cemitério Nacional de Arlington.[163] O jogo provocou reclamações da empresa holandesa ProRail,[164] que disse que os jogadores entraram em suas vias férreas e quartéis de bombeiros, pedindo aos jogadores para não impedir os funcionários de trabalhar ao se reunirem nas proximidades.[165]

A distribuição de PokéStops e ginásios no jogo (baseados nos portais de Ingress, jogo de realidade aumentada com temática em ficção científica) foi apontado como sendo mais disperso em muitos bairros minoritários, em um reflexo da demografia americana.[166] No subúrbio de Rhodes em Sydney, tornou-se grande o número de jogadores que capturam pokémon em sua área.[167]

Vários departamentos de polícia em vários países emitiram avisos, alguns como tongue-in-cheek, em relação ao desatento na condução, invasão de propriedade, e sendo alvo de criminosos, devido a jogadores inconscientes dos arredores do próprio ambiente.[168][169] Pessoas têm sofrido várias lesões relacionados ao jogo,[170][171][172][173] jogadores bósnios foram avisados para ficar fora dos campos de minas originadas da guerra bósnia, na década de 1990.[174] Em 20 de julho de 2016, relatou-se que um garoto de 18 anos de idade em Chiquimula, Guatemala foi baleado e morto enquanto jogava tarde da noite.[175] Esta foi a primeira morte relatada em conexão com o aplicativo. O primo do rapaz de 17 anos de idade, que acompanhava a vítima, levou um tiro no pé. A polícia especula que os atiradores utilizaram recurso GPS do jogo para encontrar os dois.[176] No Japão, o primeiro acidente ocorreu poucas horas depois do lançamento do jogo.[177]

Al Azhar no Cairo, Egito, descreveu o jogo como "mania prejudicial",[178] um comitê de segurança nacional parlamentar considerou-o uma ferramenta de espionagem. Um líder cossaco declarou que "cheira a satanismo", Kuwait proibiu o jogo no território do governo, autoridades da Indonésia consideraram-o como ameaça de segurança nacional e em Israel, as Forças de Defesa de Israel proibiram o jogo em bases do Exército, fora outras considerações de segurança.[179] Na Arábia Saudita, o Secretário-Geral do Conselho Sênior de Eruditos declarou o jogo proibido, baseando-se em uma fátua de 2001 que proibiu o jogo de cartas de Pokémon, comparando-o a uma forma de jogo de azar. Assim sendo, alegou que a aplicação eletrônica necessita de uma nova decisão.[180] Isso também foi seguido por líderes islâmicos indianos e malaios que dizem para outros muçulmanos indianos e malaios para evitarem o jogo.[181][182] Na Rússia, manifestou-se preocupações sobre o lançamento, com Nikolay Nikiforov, o Ministro das Comunicações e Mídia de massa da Rússia, suspeitando de que agências de inteligência estrangeiras pudessem estar utilizando a aplicação para coletar informações, enquanto alguns grupos religiosos afirmam que ela seja demoníaca.[183] O Conselho Superior de Espaços Virtuais do Irã proibiu oficialmente o jogo em 5 de agosto, devido a preocupações de segurança.[184]

Pokémon Go também tem sido criticado por problemas de acessibilidade do jogo por jogadores com deficiências físicas. O jogo é mais difícil para aqueles que não são capazes de se movimentar, exigindo que os jogadores tenham que caminhar e ter destreza manual para experimentar o jogo. The AbleGamers Foundation enviou uma lista de propostas de modificação para Niantic.[185][186][187]

Confidencialidade dos dados[editar | editar código-fonte]

Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «Pokémon Go» na Wikipédia em francês (desde setembro de 2016). Ajude e colabore com a tradução.

A UFC Que Choisir (en), uma federação que reúne cerca de 150 associações de defesa do consumidor da França, alertou os usuários contra o Pokémon Go, que considera "potencialmente caro, perigoso e invasivo demais".[188] A UFC também demonstrou que tanto a Nintendo como a Niantic se referem ao Safe Harbor (en) - um acordo sobre a utilização de dados de internautas europeus por empresas americanas que foi invalidado em outubro de 2015 pelo Tribunal de Justiça da União Europeia,[189] tendo em vista a falta de garantias de proteção adequada aos dados pessoais transferidos para os EUA.[190]

Rapidamente surgiram inúmeros questionamentos sobre a preservação da confidencialidade dos dados dos jogadores e a possibilidade de uso desses dados para fins de espionagem. O debate foi especialmente tenso nos países do Oriente Médio.[191][192]

Antes da versão 1.0.1, Pokémon Go teve acesso integral às informações das contas Google dos jogadores, incluindo seus endereços de e-mail, seus históricos de navegação na Internet, documentos e fotos postadas no Google Drive e no Google Photos.[193] A Niantic alega ter havido um erro,[194] corrigido após uma atualização.[195]

No entanto, nas redes sociais e fóruns de discussão da Internet, como o Reddit,[196][197] continuaram a circular suspeitas de que o Pokémon GO possa ser usado por agências governamentais de inteligência.[198][199] Tais suspeitas parecem ter sido reforçadas pelo fato de John Hanke, CEO da Niantic,[200] ser um receptor indireto de fundos da Agência Central de Inteligência: a sua empresa, Keyhole, Inc, foi financiada pelo fundo In-Q-Tel – o braço de investimentos tecnológicos da CIA.[201]

Notas

  1. Pokémon Go foi lançado nos Estados Unidos em 6 de julho; no Canadá, em 17 de julho, em Porto Rico em 19 de julho, e no México em 3 de agosto.
  2. Pokémon GO foi lançado em datas diferentes na Europa. Foi lançado na Alemanha em 13 de julho; no Reino Unido em 14 de julho; na Itália, na Espanha e em Portugal em 15 de julho; a maior parte restante da Europa em 16 de julho; na França em 24 de julho, e nos Balcãs, com exceção de Montenegro e Kosovo em 29 de setembro.
  3. Pokémon GO foi lançado em Hong Kong em 25 de julho; Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Singapura, Tailândia, Taiwan e Vietnã em 6 de agosto; em Macau em 29 de setembro; na Ásia Central e Mongólia em 30 de setembro; na menor parte do Oriente Médio em 17 de novembro; Sul da Ásia em 13 de dezembro de 2016, Coreia do Sul em 24 de janeiro. Há previsão de lançamento em outros países a partir de 2017.
  4. Pokémon GO foi lançado na maior parte da África, para os demais países a previsão é de lançamento em 2017.
  5. Os países e regiões lançados em 3 de agosto: Anguilla, Antígua e Barbuda, Argentina, Aruba, Bahamas, Barbados, Belize, Bermuda, Bolívia, Brasil, Ilhas Cayman, Chile, Colômbia, Costa Rica, Curação, Dominica, República Dominicana, Equador, El Salvador, Granada, Guadalupe, Guatemala, Guiana, Guiana Francesa, Haiti, Honduras, Jamaica, Martinica, México, Montserrat, Ilha de Navassa, Nicarágua, Países Baixos Caribenhos, Panamá, Paraguai, Peru, São Bartolomeu, São Cristóvão e Névis, São Martinho Francês, São Martinho Holandês, São Vicente e Granadinas, Santa Lúcia, Suriname, Trinidad e Tobago, Ilhas Turcas e Caicos, Uruguai, Venezuela, Ilhas Virgens Americanas, Ilhas Virgens Britânicas.

Referências

  1. «More Pokémon GO Updates» (em inglês). Niantic, Inc. 15 de junho de 2016. Consultado em 21 de julho de 2016 
  2. «'Pokémon Go' para iOS e Android levará monstrinhos para 'mundo real'». G1. 10 de setembro de 2015. Consultado em 11 de setembro de 2015 
  3. Reilly, Luke (10 de setembro de 2015). «Pokémon GO Coming to Smartphones» (em inglês). IGN. Consultado em 10 de setembro de 2015 
  4. «Pokémon GO recebe 80 novos monstrinhos e itens». BitBlog. 15 de fevereiro de 2017. Consultado em 28 de fevereiro de 2017 
  5. Williams, Hayley. «Pokemon GO: Everything You Need To Know About Gyms, Training And Battling» (em inglês). Kotaku Australia. Gawker Media. Consultado em 17 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de julho de 2016 
  6. «Google's April Fools' prank puts Pokemon in the real world». CNET (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2016 
  7. a b Takahashi, Dean (16 de dezembro de 2015). «How Pokémon Go will benefit from Niantic's lessons from Ingress on location-based game design». VentureBeat (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016 
  8. Borge, Ariel (11 de julho de 2016). «The story behind 'Pokémon Go's' impressive mapping». Mashable (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  9. «Pokémon go is brought up into the real world through iOS and Android» (em inglês). GeekSnack. Consultado em 17 de setembro de 2016. Arquivado do original em 12 de setembro de 2015 
  10. Weinberger, Matt. «The CEO behind 'Pokémon Go' explains why it's become such a phenomenon». Business Insider (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  11. «'Pokemon Go' is a work of art, not a social experiment». Los Angeles Times (em inglês). 15 de julho de 2016 
  12. The Pokémon GO Development Team (16 de maio de 2016). «Pokémon GO field testing expands to the United States» (em inglês). Niantic Labs. Consultado em 19 de maio de 2016 
  13. «Pedersoli, Tiziano (26 de maio de 2016). Warmer! Closer!». www.nianticlabs.com (em inglês). Consultado em 25 de maio de 2016 
  14. Dornbush, Jonathan. «Pokémon Go Period Ending This Week». IGN (em inglês). Consultado em 27 de junho de 2016 
  15. Vinícius Mathias (22 de julho de 2016). «Instinct, Mystic ou Valor? Conheça os Teams de Pokémon Go». TechTudo. Consultado em 22 de julho de 2016 
  16. a b Frank, Allegra (25 de julho de 2016). «Pokémon Go still has secrets to uncover, from legendary finds to team leader lore». Polygon (em inglês). Vox Media. Consultado em 25 de julho de 2016 
  17. Phillips, Tom (25 de julho de 2016). «Pokémon Go's San Diego Comic-Con panel saw Team Leaders revealed». Engadget (em inglês). AOL. Consultado em 25 de julho de 2016 
  18. a b c Frank, Allegra (11 de julho de 2016). «Pokémon Go Plus: Everything you need to know» (em inglês). Vox Media. Polygon. Consultado em 12 de julho de 2016. Arquivado do original em 12 de julho de 2016 
  19. Crecente, Brian (12 de julho de 2015). «Watch Future – Time killers: The strange history of wrist gaming». Polygon (em inglês). Consultado em 16 de junho de 2016 
  20. Lamkin, Paul (11 de julho de 2016). «Pokémon Go Plus Wearable Sells Out: Now Selling For Silly Money On Ebay». Forbes (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016 
  21. Carpenter, Nicole (11 de julho de 2016). «Pokemon Go Plus Wearable Selling for Over US$100 on Ebay» (em inglês). IGN. Consultado em 12 de julho de 2016. Cópia arquivada em 12 de julho de 2016 
  22. «Pokemon Go Plus. Explained! | PokeStop Shop». Consultado em 29 de agosto de 2016 
  23. Russell, Jon (6 de julho de 2016). «Pokémon Go is launching on iOS and Android today». TechCrunch. Consultado em 9 de julho de 2016 
  24. Sarkar, Samit (27 de julho de 2016). «Pokemon Go Plus delayed to September». Consultado em 27 de julho de 2016 
  25. «'Pokémon Go' é liberado para iPhones e smartphones Android». G1. 6 de julho de 2016. Consultado em 12 de julho de 2016 
  26. Wilson, Jason. «Pokémon Go launches in US on iOS and Android». Venture Beat (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2016 
  27. Matulef, Jeffrey. «Pokémon GO is out now in Australia and New Zealand». Eurogamer (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2016 
  28. «Pokemon Go Is Available Now on Android Devices». GameSpot (em inglês). 6 de julho de 2016. Consultado em 5 de julho de 2016 
  29. Webster, Andrew (10 de setembro de 2015). «With Pokémon Go, Nintendo is showing that it takes mobile seriously». The Verge (em inglês). Consultado em 11 de setembro de 2015 
  30. «'Pokémon Go' estreia na Europa com lançamento na Alemanha». G1. 13 de julho de 2013. Consultado em 13 de julho de 2016 
  31. Aníbal Gonçalves (14 de julho de 2016). «POKÉMON GO CHEGA AO REINO UNIDO». IGN. Consultado em 22 de julho de 2016 
  32. «Pokemon Go unleashed in the UK» (em inglês). BBC. 14 de julho de 2016. Consultado em 14 de julho de 2016 
  33. Aníbal Gonçalves (15 de julho de 2016). «POKÉMON GO CHEGA OFICIALMENTE A PORTUGAL». IGN. Consultado em 22 de julho de 2016 
  34. «Pokémon GO available in Italy, Spain, and Portugal – Nintendo Everything» (em inglês). 15 de julho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2016 
  35. a b Paulo Guilheme (18 de julho de 2016). «Pokémon Go chegou a mais 26 países – e nada do Brasil na lista». Tecmundo. Consultado em 22 de julho de 2016 
  36. Página oficial de Pokémon GO (17 de julho de 2016). «Pokémon GO is now available in Canada! Discover and capture Pokémon all around you.» (em inglês). Twitter. Consultado em 17 de julho de 2016 
  37. «El fenómeno de Pokémon Go se acapara de Puerto Rico pese a problemas con servidores». Univision (em espanhol). 19 de julho de 2016. Consultado em 19 de julho de 2016 
  38. «"Pokémon Go" comienza a funcionar en Puerto Rico». Primera Hora (em espanhol). 19 de julho de 2016. Consultado em 19 de julho de 2016 
  39. a b Pablo Miyazawa (21 de julho de 2016). «POKÉMON GO É LANÇADO NO JAPÃO». IGN. Consultado em 22 de julho de 2016 
  40. a b 「ポケモンGO」、日本でも配信開始 (em japonês). Tokyo: Nikkei News. Nikkei Quick New (NQN). 22 de julho de 2016. Consultado em 22 de julho de 2016 
  41. Página oficial de Pokémon GO (23 de julho de 2016). «Trainers, we are proud to reveal that #PokemonGO is officially available to download in France.» (em francês). Twitter. Consultado em 24 de julho de 2016 
  42. Nakamura, Yuji (25 de julho de 2016). «Nintendo Plunges After Saying Pokemon Go's Impact Is Limited». Bloomberg Technology (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2016 
  43. a b Niantic (3 de agosto de 2016). «[August 3, 2016, We are excited to share more details about Pokémon GO including the launch across Latin America!]». pokemongo.nianticlabs.com (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2016 
  44. Frank, Allegra (4 de agosto de 2016). «Pokémon Go mapping sites were major resource suck, Niantic says». Polygon (em inglês). Vox Media. Consultado em 5 de agosto de 2016 
  45. IGN LatinoAmérica (3 de agosto de 2016). «POKÉMON GO YA ESTÁ DISPONIBLE EN LATINOAMÉRICA» (em espanhol). IGN. Consultado em 5 de agosto de 2016 
  46. a b Niantic (6 de agosto de 2016). «[August 5, 2016, Pokémon GO is now available in countries and regions across Asia and Oceania]». pokemongo.nianticlabs.com (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2016 
  47. Wataru Suzuki (6 de agosto de 2016). «'Pokemon Go' invades Southeast Asia» (em inglês). Nikkei Asian Review. Consultado em 8 de agosto de 2016 
  48. Niantic (6 de agosto de 2016). «[August 6, 2016, Pokémon Go Release Announcement]». Página oficial no Facebook (em inglês). Consultado em 6 de agosto de 2016 
  49. a b Niantic (29 de setembro de 2016). «[September 29, 2016, Pokémon GO available in five new countries and regions]». pokemongo.nianticlabs.com (em inglês) 
  50. a b Niantic (30 de setembro de 2016). «[September 30, 2016, Pokémon GO available in six new countries]». pokemongo.nianticlabs.com (em inglês) 
  51. a b Niantic (4 de outubro de 2016). «[October 4, 2016, Pokémon GO available in thirty-one new countries]». pokemongo.nianticlabs.com (em inglês) 
  52. a b «Pokémon GO available in eight new countries in the Middle East». pokemongo.nianticlabs.com (em inglês). 17 de novembro de 2016 
  53. a b «Pokémon GO is now available in India and other South Asian Countries!». pokemongolive.com (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  54. a b Van Boom, Daniel. «Pokemon Go craze finally hits South Korea». CNET (em inglês). Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  55. «Pokemon Go's International Rollout Paused as Servers Suffer Issues [UPDATE]». Gamespot (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2016 
  56. «'Pokémon Go' international rollout will be 'paused' as players overload the system». Business Insider (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2016 
  57. Nicole Carpenter (19 de julho de 2016). «RUMOR SUGERE QUE POKÉMON GO SERÁ LANÇADO NO JAPÃO COM PRIMEIRO PATROCINADOR». IGN 
  58. Joe Skrebels (20 de julho de 2016). «LANÇAMENTO DE POKÉMON GO É ADIADO NO JAPÃO». IGN. Consultado em 21 de julho de 2016 
  59. «Lançamento de Pokémon Go é adiado na França após atentado terrorista em Nice». Tudo Celular. 18 de julho de 2016. Consultado em 24 de julho de 2016 
  60. «'Pokémon Go' é lançado no Brasil». G1. 3 de agosto de 2016. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  61. UOL (3 de agosto de 2016). «Finalmente: "Pokémon Go" é lançado no Brasil para iOS e Android». UOL Jogos. Consultado em 4 de agosto de 2016 
  62. Low, Aloysius (15 de julho de 2016). «Pokemon Go is strangely working in one Asian country: Indonesia». cnet.com (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2016. Buhori Dermawan, a developer working in the country's capital Jakarta, told CNET that he has been playing for about two weeks now, has gotten up to level 17 and has a healthy collection of 75 Pokemon in his Pokedex. 
  63. «Pokemon Go is strangely working in one Asian country: Indonesia». cnet.com (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2016 
  64. Reuters (15 de julho de 2016). «Criadora de Pokémon Go quer lançar game em 200 mercados em breve». G1. Consultado em 15 de julho de 2016 
  65. Wehner, Mike (13 de julho de 2016). «The mysterious Pokémon Go gym at the border of North Korea and South Korea has disappeared». The Daily Dot (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  66. Sohn, Ji-young (24 de julho de 2016). «Korean retailers ride on 'Pokemon Go' craze». The Korean Herald (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2016 
  67. Yang, Yingzhi (14 de julho de 2016). «Chinese go to great lengths to get 'Pokemon Go' — and make a knockoff». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016. Cópia arquivada em 16 de julho de 2016 
  68. El-Gundy, Zeinab (10 de julho). «"Pokémon Go: Egyptians hunt virtual Pokémon on Cairo's streets"» (em inglês). Ahram Online. Consultado em 24 de julho de 2016  Verifique data em: |data= (ajuda)
  69. RJ Vogt (10 de agosto de 2016). «Pokemon Go works in Myanmar». The Myanmar Times (em inglês). Consultado em 9 de agosto de 2016 
  70. «Nintendo shares soar as new Pokemon mobile game captures hearts». Reuters (em inglês). 8 de julho de 2016. Consultado em 10 de julho de 2016 
  71. «Nintendo shares up more than 50% since Pokemon Go release – BBC News» (em inglês). 14 de julho de 2016. Consultado em 14 de julho de 2016 
  72. «Nintendo value surges £6bn on new Pokémon app». The Guardian (em inglês). 11 de julho de 2016. Consultado em 11 de julho de 2016 
  73. Etherington, Darrell. «Pokémon Go adds $9B to Nintendo's value, global rollout continues this week». TechCrunch (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2016 
  74. «Nintendo market value doubles on Pokémon Go mania». The Guardian (em inglês). Reuters. 19 de julho de 2016. Consultado em 19 de julho de 2016 
  75. «Pokémon GO shows Nintendo the promise of mobile». The FT (em inglês). 11 de julho de 2016. Consultado em 11 de julho de 2016 
  76. «Nintendo shares soar on Pokemon Go success». BBC News (em inglês). 11 de julho de 2016. Consultado em 11 de julho de 2016 
  77. «NINTENDO, POKÉMON COMPANY E GOOGLE INVESTEM MAIS DE US$ 20 MILHÕES EM POKÉMON GO». IGN. Consultado em 29 de janeiro de 2016 
  78. a b c Nakamura, Yuji; Amano, Takashi (25 de julho de 2016). «Nintendo Slumps By Most Since 1990 on Dashed Pokemon Go Hopes». Bloomberg (em inglês). Consultado em 25 de julho de 2016 
  79. Hern, Alex (25 de julho). «Nintendo shares plummet after it points out it doesn't make Pokémon Go». The Guardian. Consultado em 25 de julho  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  80. Kitanaka, Anna (14 de julho de 2016). «Even Novelty Bakeries Soar as Pokemon Fever Boosts Japan Stocks». Bloomberg (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  81. La Monica, Paul R. (18 de julho de 2016). «Pokemon Go sends smartphone battery stock soaring» (em inglês). CNN Money. Consultado em 19 de julho de 2016 
  82. Thier, Dave (8 de julho de 2016). «'Pokemon GO' Servers Down For Many» (em inglês). Forbes. Consultado em 17 de julho de 2016 
  83. Frank, Allegra (8 de julho de 2016). «Pokémon Go's server issues have been driving people wild all day (update)». Polygon (em inglês). Vox Media. Consultado em 17 de julho de 2016 
  84. «Pokémon Go: Australian users report server problems due to high demand». The Guardian (em inglês). Australian Associated Press. 11 de julho de 2016. Consultado em 17 de julho de 2016 
  85. a b Good, Owen (16 de julho de 2016). «Hackers say they brought down Pokémon Go servers, but they're back up» (em inglês). Polygon. Vox Media. Consultado em 16 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de julho de 2016 
  86. Worley, Will (16 de julho de 2016). «Pokemon Go has completely crashed, and a hacking group is claiming credit». The Independent (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de julho de 2016 
  87. Velocci, Carli (16 de julho de 2016). «Pokémon Go Servers Reportedly Hacked Because It Was Bound to Happen» (em inglês). Gizmodo . Gawker Media. Consultado em 16 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de julho de 2016 
  88. Thier, Dave (17 de julho de 2016). «'Pokémon GO' Servers Down As Game Launches In Canada» (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2016 
  89. Joseph Steinberg (10 de julho de 2016). «Pokemon Go Users: Beware Two Major Security Risks». Inc. (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2016 
  90. Cunningham, Andrew. «iOS version of Pokemon Go is a possible privacy train wreck» (em inglês). ARS Technica. Consultado em 11 de julho de 2016 
  91. Fleishman, Glenn. «Pokemon Go for iOS requires full Google account access» (em inglês). Macworld. Consultado em 11 de julho de 2016 
  92. «Pokemon Go … hand over all of your Google Gmail, Drive, Photos» (em inglês). The Register. Consultado em 12 de julho de 2016 
  93. «'Pokémon Go' on iOS is digging deep into linked Google accounts (update)». Engadget (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016 
  94. a b Blue, Violet (15 de julho de 2016). «Don't believe the 'Pokémon Go' privacy hype». Engadget (em inglês). AOL. Consultado em 17 de julho de 2016 
  95. a b Turton, William (11 de julho de 2016). «Pokémon Go Was Never Able To Read Your Email [Updated]». Gizmodo (em inglês). Gawker Media. Consultado em 17 de julho de 2016 
  96. Grubb, Jeff (12 de julho de 2016). «Pokémon Go iOS update fixes 'full access' to your Google email account» (em inglês). venturebeat. Consultado em 12 de julho de 2016 
  97. a b Cosimano, Mike (12 de julho de 2016). «Review: Pokemon Go». Destructoid (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de julho de 2016 
  98. a b c Concepcion, Miguel (12 de julho de 2016). «Pokemon GO Review» (em inglês). GameSpot. Consultado em 12 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de julho de 2016 
  99. a b Plagge, Kallie (12 de julho de 2016). «Pokemon Go Review» (em inglês). IGN. Consultado em 13 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de julho de 2016 
  100. a b Kollar, Philip; Frank, Allegra. «Pokémon Go review» (em inglês). Polygon. Vox Media. Consultado em 17 de julho de 2016. Cópia arquivada em 17 de julho de 2016 
  101. a b Brewster, Kat. «Pokémon Go review – it may not be a good game, but it's a great experience». The Guardian (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  102. a b c Peckham, Matt (12 de julho de 2016). «'Pokémon Go' Review: Brilliant Concept, Shallow Fun». TIME.com (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016 
  103. a b «Pokémon GO for iPhone/iPad Reviews» (em inglês). Metacritic. 21 de julho de 2016. Consultado em 21 de julho de 2016 
  104. a b Dayus, Oscar (7 de julho de 2016). «Pokémon GO review – GO outside and play it». Pocket Gamer (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2016 
  105. «Did Pokémon GO Just Reinvent The MMO?». US Gamer (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  106. Schwartz, Terri (8 de julho de 2016). «Pokemon Go is Secretly the Best Exercise App out there». IGN (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016 
  107. Allen, Patrick (12 de julho de 2016). «The Pokémon Go Interval Training Workout» (em inglês). Lifehacker. Gawker Media. Consultado em 14 de julho de 2016. Cópia arquivada em 14 de julho de 2016 
  108. Belluz, Julia. «Pokémon Go may be the greatest unintentional health fad ever». Vox (em inglês). Cópia arquivada em 14 de julho de 2016 
  109. Hernandez, Patricia (19 de julho de 2016). «Pokémon Go's Three-Step Glitch Makes Tracking Pokémon Even Harder» (em inglês). Kotaku. Gawker Media. Consultado em 19 de julho de 2016. Cópia arquivada em 19 de julho de 2016 
  110. Tassi, Paul (17 de julho de 2016). «It's Not Just You, 'Pokémon GO's 'Nearby' Tracking Has Been Badly Broken For Days». Forbes (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2016. Cópia arquivada em 19 de julho de 2016 
  111. Osborn, By Alex. «Pokemon GO Is the Top Grossing App on the US App Store». IGN (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2016 
  112. «Pokémon GO Tips: How Buying PokéCoins Makes Nintendo Richer» (em inglês). 7 de julho de 2016. Consultado em 8 de julho de 2016 
  113. Grubb, Jeff (11 de julho de 2016). «Pokémon Go outpaces Clash Royale as the fastest game ever to No. 1 on the mobile revenue charts». VentureBeat (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016 
  114. «Pokemon Go doing well» (em inglês). 11 de julho de 2016. Consultado em 11 de julho de 2016 
  115. a b Molina, Brett (20 de julho de 2016). «'Pokémon Go' fastest mobile game to 10M downloads». USA Today (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2016 
  116. Lovelace Jr., Berkeley (13 de julho de 2016). «'Pokemon Go' now the biggest mobile game in US history» (em inglês). CNBC. Consultado em 14 de julho de 2016 
  117. Australian Associated Press (12 de julho de 2016). «Pokémon Go: Australian users report server problems due to high demand». The Guardian Online (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016 
  118. Molina, Brett (13 de julho de 2016). «Report: 'Pokémon Go' downloads top 15 million». USA Today (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2016 
  119. Kemkes, Jimmy (15 de julho de 2016). «Pokemon GO Nederland heeft al 1,3 miljoen Pokémon trainers» (em holandês). XGN. Consultado em 15 de julho de 2016 
  120. Soble, Jonathan (22 de julho de 2016). «Pokémon Go, With a Corporate Tie-in, Debuts in Japan». The New York Times (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2016 
  121. Spitzer, Kirk (22 de julho de 2016). «Back home in Japan, Pokemon Go finds success is unreal». USA Today (em inglês). Consultado em 22 de julho de 2016 
  122. Perez, Daniel (20 de julho de 2016). «Pokemon Go achieves 30M downloads milestone; earns over $35M in revenue». Shacknews (em inglês). Gamerhub. Consultado em 21 de julho de 2016 
  123. Molina, Brett (12 de julho de 2016). «'Pokémon Go' beating Facebook, Tinder and Snapchat» (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016 
  124. Lafloufa, Jacqueline (13 de julho de 2016). «Pokémon Go: um sucesso retumbante». Consultado em 15 de julho de 2016 
  125. Duffy, Connor. «What is social media phenomenon Pokemon Go?» (em inglês). ABC News. Consultado em 14 de julho de 2016 
  126. Kain, Erik. «'Pokémon GO' Is More Than Just A Game And It's Bringing People Together» (em inglês). Forbes. Consultado em 14 de julho de 2016 
  127. Isaac, Mike (12 de julho de 2016). «Times Reporter Descends Into Pokémania». The New York Times (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2016 
  128. Steinmetz, Katy (19 de julho de 2016). «The Surprising History Behind the Word Pokémon». Time (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2016 
  129. «Pokemon Go Is Helping Both Cops and Robbers Do Their Jobs». Fortune (em inglês). 14 de julho de 2016. Consultado em 14 de julho de 2016 
  130. Daye, Alison (13 de julho de 2016). «Pokémon Go helps two Marines to catch a murder suspect in Fullerton». CNN (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  131. Reports, Staff (13 de julho de 2016). «Four arrested after robbery in Auburn connected to 'Pokémon Go' app» (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  132. «Pokemon Go players tip Kuna police to alleged arson near church» (em inglês). The Idaho Statesman. 11 de julho de 2016. Consultado em 14 de julho de 2016 
  133. Cherelus, Gina (13 de julho de 2016). «Pokemon Go blamed for crimes but also aids embattled U.S. police» (em inglês). Forbes. Consultado em 16 de julho de 2016 
  134. Rocha, Veronica (16 de julho de 2016). «'You may NOT access our jail': Police and fire official air grievances over 'Pokemon Go'» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 16 de julho de 2016 
  135. «Pokémon Go Brings Real Money to Random Bars and Pizzerias». Bloomberg (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  136. Shields, Mike; Perlberg, Steven (13 de julho de 2016). «Ad Agencies Scramble to Form 'Pokémon Go' Strategies». Wall Street Journal (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  137. Shaw, Sydney (14 de julho de 2016). «How N.J. businesses are benefiting from Pokémon Go craze» (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  138. Butcher, Amy (14 de julho de 2016). «Pokémon Go See the World in Its Splendor» (em inglês). NYT. Consultado em 22 de julho de 2016 
  139. a b Ekstein, Nikki (14 de julho de 2016). «Pokemon Go is already a big boon for small museums». Houston Chronicle (em inglês). Bloomberg. Consultado em 14 de julho de 2016 
  140. «People Are Already Flipping Pokémon Go Accounts» (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016 
  141. Bergen, Mark (14 de julho de 2016). «This startup wants to get you paid as a Pokémon Go expert». Recode (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016 
  142. «T-Mobile offers free Pokémon Go data for a year, but not everyone is happy about it» (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016 
  143. Cohan, Peter. «T-Mobile Joins The 'Pokémon GO' Industrial Complex» (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016 
  144. Dellinger, AJ (15 de julho de 2016). «Yelp becomes latest app to pivot to Pokémon Go companion with new PokéStop filter» (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016 
  145. Grubb, Jeff (15 de julho de 2016). «Yelp adds Pokémon Go filter so you can stop wasting time at PokéStop-less restaurants». VentureBeat (em inglês). Consultado em 16 de julho de 2016 
  146. Carlton, Jim (13 de julho de 2016). «'Pokémon Go' Gives Boost to National Parks». The Wall Street Journal (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  147. «Shelter dogs benefit from Pokemon Go craze; Gamers are helping walk dogs» (em inglês). WILX. 14 de julho de 2016. Consultado em 14 de julho de 2016 
  148. G1 (13 de julho de 2016). «Paes entra na febre Pokémon Go e pede personagens no Rio». G1. Consultado em 13 de julho de 2016 
  149. White, Daniel (14 de julho de 2016). «Donald Trump and Hillary Clinton Want to Catch Voters With Pokémon Go». TIME.com (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2016 
  150. Wright, David; Tatum, Sophie (14 de julho de 2016). «'Pokémon Go' finds its way onto the campaign trail». CNN (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2016 
  151. «Referendum, Mattarella: "Confronti su data e spacchettamenti surreali come caccia a Pokemon. Discutere nel merito"». Il Fatto Quotidiano (em italiano). 27 de julho de 2016. Consultado em 27 de julho de 2016 
  152. Edwards, James (17 de julho de 2016). «MMA fighter Michael Page celebrates knockout with Pokemon Go celebration» (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2016 
  153. Dosh, Kristi (25 de julho de 2016). «The Rock Gets His Own Pokemon Go-Inspired Character» (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2016 
  154. Wingfield, Nick (13 de julho de 2016). «Unity Technologies, Maker of Pokémon Go Engine, Swells in Value» (em inglês). NYT. Consultado em 16 de julho de 2016 
  155. Denham, Jess (12 de julho de 2016). «Pokémon Go has won the praise of gender fluid gamers» (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2016 
  156. Ayers, Mike. «Pokémon Tracks Get a Pokémon Go Bump on Spotify». Wall Street Journal (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  157. Lynch, Jason (13 de julho de 2016). «How TV and Streaming Networks Hope to Benefit From the Pokemon Go Frenzy» (em inglês). Consultado em 17 de julho de 2016 
  158. Miller, Paul (12 de julho de 2016). «Twitch Plays Pokémon Go is of course a thing». The Verge (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2016 
  159. Velloso, Eduardo; Carter, Marcus. «Some places should be off limits for games such as Pokémon GO». The Conversation (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  160. «Holocaust Museum, Auschwitz want Pokémon Go hunts out». USA Today (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  161. Phillips, Tom (12 de julho de 2016). «Holocaust museum pleads: stop playing Pokémon Go here». Eurogamer (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  162. Chan, Melissa (12 de julho de 2016). «Pokémon Go Players Anger 9/11 Memorial Visitors: 'It's a Hallowed Place'». TIME.com (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2016 
  163. «People are now playing Pokémon Go at Arlington Cemetery». washingtonpost.com (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2016 
  164. Middleton, Rachel (12 de julho de 2016). «Pokemon Go: Dutch rail operator tells Nintendo to change game after players wander onto tracks». International Business Times (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  165. Revesz, Rachel (12 de julho de 2016). «Pokémon Go: Gamers warned to pay attention to the law when searching for 'PokéStops'». The Independent (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  166. Huffaker, Christopher (14 de julho de 2016). «There are fewer Pokemon Go locations in black neighborhoods, but why?» (em inglês). The Idaho Statesman. Consultado em 14 de julho de 2016 
  167. FitzGerald, Deborah (13 de julho de 2016). «Pokemon Go mobs being monitored by police after residents at Rhodes spooked by gamers». Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2016 
  168. Irby, Kate (11 de julho de 2016). «Police: Pokemon Go leading to increase in local crime» (em inglês). The Idaho Statesman. Consultado em 14 de julho de 2016 
  169. «OPP warn Pokémon Go players of 'potential risk and harm' while searching for monsters» (em inglês). Consultado em 15 de julho de 2016 
  170. «Mom says teenage daughter hit by car in Tarentum after playing 'Pokemon Go'». WPXI (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  171. «Auburn police: Driver crashes into tree while playing 'Pokemon Go'». auburnpub.com (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  172. «'Pokemon Go' players fall off 90-foot ocean bluff». The San Diego Union-Tribune (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2016 
  173. Stortstrom, Mary (14 de julho de 2016). «Police: Don't fall 'catching them all'». The The Journal (em inglês). Martinsburg, Virgínia Ocidental. Consultado em 17 de julho de 2016. A 12-year-old Jefferson County boy suffered a broken femur bone Tuesday night while playing the Pokemon game just off Shipley School Road. A Harpers Ferry first-responder said Wednesday morning the boy was running in the dark and fell off a five-foot-high storm sewer and suffered the leg injury. 
  174. «Pokemon Go: Bosnia players warned of minefields» (em inglês). BBC. 19 de julho de 2016. Consultado em 19 de julho de 2016 
  175. «Pokemon Go sees its first death: Teenager, 18, is killed and his cousin injured while playing game in Guatemal» (em inglês). Daily Mail. Consultado em 21 de julho de 2016 
  176. Griffin, Andrew (20 de julho de 2016). «Teenager shot and killed while searching for creatures in Pokemon Go». The Independent (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2016 
  177. Ho, Victoria (22 de julho de 2016). «Japan suffers its first 'Pokémon Go' accident just hours after the game debuts». Mashable (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2016 
  178. Stanglin, Doug (20 de julho de 2016). «Fatwa No. 21,758: Saudi clerics ban Pokemon Go». USA Today (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2016 
  179. Zraick, Karen (20 de julho de 2016). «Nations of the World Confront the Pokémon Menace» (em inglês). NYT. Consultado em 22 de julho de 2016 
  180. «Saudi clerics: App version of Pokemon requires new ruling» (em inglês). Idaho Statesman. 21 de julho de 2016. Consultado em 21 de julho de 2016 
  181. «Fatwa against Pokemon Go in India» (em inglês). Times of India. 5 de agosto de 2016. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  182. «Malaysian Islamic leaders say no to 'Pokemon Go'» (em inglês). The Japan Times. 6 de agosto de 2016. Consultado em 6 de agosto de 2016 
  183. «When Pokemon Virtual Reality Meets Russian Reality» (em inglês). The Moscow Times. 30 de julho de 2016. Consultado em 30 de julho de 2016 
  184. «Pokemon Go banned by Iranian authorities over 'security'» (em inglês). BBC. 5 de agosto de 2016. Consultado em 5 de agosto de 2016 
  185. D'Anastasio, Cecilia (14 de julho de 2016). «Pokemon GO Can Be Depressing For Fans With Physical Disabilities» (em inglês). Kotaku. Consultado em 19 de julho de 2016 
  186. Larson, Selena (12 de julho de 2016). «How Pokémon Go is creating a barrier for gamers with disabilities» (em inglês). Daily Dot. Consultado em 19 de julho de 2016 
  187. Alexander, Julia (18 de julho de 2016). «Pokémon Go players with physical disabilities want better accessibility options» (em inglês). Polygon. Consultado em 19 de julho de 2016 
  188. «Pokémon Go - Potentiellement cher, dangereux et trop curieux - Actualité - UFC-Que Choisir» (em francês). Que choisir. 25 de julho de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  189. «La justice européenne invalide le très controversé Safe Harbor, un accord sur les données personnelles» (em francês)  Por Martin Untersinger. Le Monde, 6 de outubro de 2015.
  190. «Pokémon Go : trop curieux et dangereux, selon l'UFC-Que Choisir» (em francês). Les numeriques. 25 de julho de 2016. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  191. «Pokemon Go: une possible utilisation malveillante» (em francês)  Le Figaro, 15 de julho de 2016.
  192. «Pokemon Go ignites debate in the Middle East»  (em inglês). Al Jazeera, 19 de julho de 2016.
  193. «Pokémon Go peut accéder à l'intégralité de votre compte Google» (em francês)  Ouest France, 12 de julho de 2016.
  194. «[MAJ] Pokémon GO taclé sur la question des données personnelles, mais...». ZDNet (em francês). 12 de julho de 2016 
  195. «Non, Pokémon Go ne prendra pas le contrôle de votre compte Google». Por Julien Cadot. Numerama (em francês). 12 de julho de 2016 
  196. «Seria Pokemon Go uma arma da CIA para entrar na sua casa?»  Diario de Pernambuco, 25 de julho de 2016.
  197. «Pokémon go: Pikachu é o novo espião da CIA?»  Por Paula Soprana. Época, 25 de julho de 2016.
  198. «Fears grow over CIA's access to YOUR Pokemon Go data»  (em inglês). Daily Star, 18 de julho de 2016
  199. «Could Pokémon Go be a worldwide surveillance operation conducted by the CIA?»  Daily Sabah, 14 de julho de 2016.
  200. «The Man Behind Pokémon Go: John Hanke, MBA 96»  (em inglês). Berkeley Haas, 12 de julho de 2016.
  201. «A curiosa relação entre Pokémon Go, o Google e a CIA»  Por Bruno Garattoni . Super Interessante, 18 de julho de 2016.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pokémon GO