Império Colonial Holandês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nederlandse Koloniale Rijk
Império Neerlandês

Império

Flag of Cross of Burgundy.svg
1602 – 1949 Flag of the Netherlands.svg
 
Flag of Suriname.svg
 
Flag of South Africa 1928-1994.svg
 
Flag of Indonesia.svg

Bandeira de Império Neerlandês

Bandeira

Localização de Império Neerlandês
Territórios que formaram o Império Neerlandês.
Continente Europa
Capital Não especificada
Língua oficial Neerlandês
Religião Correntes protestantes
Governo República (1602-1815)
Monarquia (1815-1949)
Rei
 • 1602-1625 Maurício de Nassau
 • 1948-1949 Juliana I
Período histórico Colonialismo
 • 1602 Conquista de Ceilão
 • 27 de Dezembro de 1949 Independência da Indonésia
Gentílico: neerlandês (esa)
Portal A Wikipédia possui o
Portal dos Países Baixos

Império Colonial Neerlandês (ou Holandês), também conhecido simplesmente como Império Neerlandês, é o nome dado ao conjunto de colónias que os neerlandeses dominaram a partir de 1602, com o lançamento da Companhia Neerlandesa das Índias Orientais. Apesar de não ter sido tão extenso como outros impérios, ainda assim tinha presença em todos os continentes, desde as Índias Orientais Neerlandesas (actual Indonésia), passando pela colónia do Cabo (na África do Sul) até às Caraíbas, onde ainda subsistem as Antilhas Neerlandesas, que são ainda parte do Reino dos Países Baixos, embora autónomas.

Estes territórios foram, primeiramente, administradas pela Companhia das Índias Orientais e pela Companhia das Índias Ocidentais - sendo, ambas, companhias privadas. Três séculos depois, com os problemas financeiros destas duas empresas, o governo neerlandês tomou posse dos territórios (em 1815 e 1791, respectivamente), passando a ser, oficialmente, colónias.

Nos anos de 1624 a 1654, os neerlandeses dominaram boa parte do Nordeste do Brasil (Nova Holanda), formando uma tentativa de colonização, porém foram expulsos pelos luso-brasileiros.

Origens comerciais[editar | editar código-fonte]

Após a fundação da Companhia Neerlandesa das Índias Orientais em 1602, o interesse dos neerlandeses pelas possessões ultramarinas de Portugal causou a Guerra Luso-Neerlandesa. Portugal estava, desde 1580, unido ao Império Espanhol. Nesta época os espanhóis estavam em guerra contra os rebeldes neerlandeses que visavam a independência. Embora estando sob o governo de um mesmo rei, os impérios ultramarinos de Espanha e Portugal continuavam sendo administrados separadamente. Extenso e difícilmente defendido, o império ultramarino português tornou-se um alvo perfeito para as pretensões expansionistas neerlandesas, interessados no controle do comércio de especiarias.

Ásia[editar | editar código-fonte]

Ceilão[editar | editar código-fonte]

Os neerlandeses chegaram pela primeira vez a Ceilão em 1602, que encontrava-se sob o domínio português. Entre 1636 e 1658 os neerlandeses lutaram contra os portugueses para expulsá-los, inicialmente auxiliados pelos governantes locais. Os portugueses governaram a ilha de 1505 até 1658 e tentaram converter a população ao cristianismo. Os neerlandeses foram melhor vistos pelos governos locais porque estavam mais interessados no comércio que convertê-los ao cristianismo. Uma vez que os portugueses haviam sido expulsos a Companhia Neerlandesa das Índias Orientais (VOC) tentou expandir seu controle no interior sem obter sucesso e só pôde controlar as províncias costeiras. Ceilão converteu-se no centro do império durante o governo da VOC. Sua importância deve-se ao facto que era o ponto intermédio entre a África do Sul e a Indonésia. Ademais era uma fonte de canela e elefantes, que logo eram vendidos aos príncipes indianos. Em 1796 os britânicos tomaram o controle da ilha, a qual lhes foi formalmente cedida pelo tratado de Paz de Amiens.

Índias Orientais Neerlandesas[editar | editar código-fonte]

A colonização das Índias Orientais Neerlandesas (actual Indonésia) teve início com a captura da base de operações dos portugueses, Amboina, situada nas Ilhas Molucas, pelos neerlandeses em 1605. Em 1619 fundaram Batavia (atual Jacarta) na ilha de Java, como centro de coordenação das operações neerlandesas no Oriente. Pouco a pouco, os neerlandeses tomaram todos os portos do arquipélago: Malaca em 1641, Achém em 1667, Macáçar em 1669 e Banten em 1682. Após a falência da Companhia Neerlandesa das Índias Orientais em 1799, o arquipélago passou a ser directamente controlado e administrado pelo estado neerlandês até a sua independência em 1949.

Formosa[editar | editar código-fonte]

Interessada no comércio com a China, a Companhia Neerlandesa das Índias Orientais estabeleceu-se na ilha de Taiwan (Formosa). Os neerlandeses controlaram a zona sul da ilha, cuja principal base era Forte Zeelândia. Seu controle da zona durou de 1624 até 1662, ano em que foram expulsos por Koxinga. A ilha era uma fonte de cana de açúcar e peles de veado. Também era o lugar onde os comerciantes neerlandeses podiam negociar com os comerciantes da China Continental e comprar a seda necessária para vender-la no mercado japonês.

Malaca[editar | editar código-fonte]

Em 1641 os neerlandeses conquistam Malaca, situada na costa oeste da Malásia, expulsando os portugueses. Malaca foi, de acordo com o tratado firmado com o stadthouder Guilherme V, Príncipe de Orange, cedida ao Reino Unido durante as Guerras Napoleônicas. O Reino Unido a devolveu ao recém criado Reino dos Países Baixos em 1816, porém em virtude do Tratado Anglo-neerlandês de 1824 sua soberania retornou ao Reino Unido.

Nova-Guiné Neerlandesa[editar | editar código-fonte]

Nova-Guiné Neerlandesa (actual Papua, província da Indonésia) foi, de 1949 a 1962, um território ultramarino neerlandês. Os Países Baixos mantiveram a Nova-Guiné Neerlandesa, que antes fazia parte das Índias Orientais Neerlandesas, após a independência da Indonésia.

Américas[editar | editar código-fonte]

Índias Ocidentais Neerlandesas[editar | editar código-fonte]

A colonização das Índias Ocidentais Neerlandesas, depois chamadas de Antilhas Neerlandesas, um grupo de ilhas pertencentes a Espanha, começou em 1620 com a conquista de Sint Maarten, que continua sendo território constituínte do Reino dos Países Baixos.

Hoje, as antigas Antilhas Neerlandesas são organizadas como três unidades autogovernantes: St. Maarten, Aruba e Curaçao [1] , cujas relações judiciais com o Reino dos Países Baixos são controladas pelo Estatuto do Reino dos Países Baixos.

Nova Holanda[editar | editar código-fonte]

Nova Holanda foi estabelecida pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1630 com a conquista da capitania de Pernambuco. Entre 1633 e 1641, a companhia expandiu a colônia, que abrangeu a região Nordeste do Brasil com exceção da Bahia.

Nova Holanda foi reconquistada pelos portugueses em 1654 e formalmente cedida à Portugal em 1661 através da Paz de Haia. As principais cidades da Nova Holanda foram Frederickstadt e Mauristadt.

Novos Países Baixos[editar | editar código-fonte]

Nova Amsterdã em 1664.

Os Novos Países Baixos consistiram na área do norte da costa atlântica dos Estados Unidos da América, que foi primeiro visitada por exploradores neerlandeses e mais tarde controlada e colonizada pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais. Os assentamentos estabeleceram-se inicialmente ao redor do rio Hudson: Fort Nassau criado em 1614, abandonado em 1617 pelas contínuas inundações e restabelecido em 1624 com o nome de Fort Orange, na atual Albany e Nova Amsterdã, fundada em 1625 na ilha de Manhattan. A colônia alcançou seu máximo tamanho com a absorção do assentamento sueco Fort Christina em 1655, terminando assim com a colônia Nova Suécia.

A colônia Novos Países Baixos chegou ao fim após o término da Terceira Guerra Anglo-Neerlandesa em 1674, quando os assentamentos neerlandeses passaram a fazer parte da coroa britânica e Nova Amsterdã foi renomeada Nova Iorque.

Suriname[editar | editar código-fonte]

Suriname é capturada pelos neerlandeses aos britânicos durante a Segunda Guerra Anglo-Neerlandesa. Os neerlandeses tomam formalmente posse de Suriname e suas valiosas plantações de açúcar em troca dos Novos Países Baixos com a firmação do Tratado de Westminster em 1674. Suriname foi um território ultramarino neerlandês até a sua independência em 1975.

África[editar | editar código-fonte]

Angola[editar | editar código-fonte]

Angola foi atacada pelos neerlandeses em 1624. Os neerlandeses ocuparam Angola em 1641 para assegurar a mão-de-obra escrava em Pernambuco. O rei angolano Mwene Kongo formou uma aliança com os portugueses, que reconquistaram Angola em 1648.

Costa do Ouro Neerlandesa[editar | editar código-fonte]

A colonização da Costa do Ouro Neerlandesa, (actual Gana), teve início em 1637 com a conquista da Fortaleza de São Jorge da Mina aos portugueses. Os portugueses cederam a colónia aos neerlandeses em 1642. A Costa do Ouro foi uma colónia neerlandesa de 1637 até 1871, ano em que foi vendida aos britânicos.

Colónia do Cabo[editar | editar código-fonte]

A Companhia Oriental das Índias Orientais estabeleceu em 1652 um posto de reabastecimento no Cabo da Boa Esperança, situada a meio caminho entre as Índias Orientais Neerlandesas e as Índias Ocidentais Neerlandesas. A Grã-Bretanha conquistou a colónia em 1797 durante a quinta Guerra Anglo-Neerlandesa, anexando-a em 1805. Os colonistas neerlandeses permaneceram na África do Sul após os britânicos terem tomado posse, mais tarde estabelecendo-se em Natal. Eles foram submetidos à Primeira e à Segunda Guerra dos Bôeres e são conhecidos como bôeres.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Reuters. Antilhas Holandesas são dissolvidas; dois novos países criados (em português) Yahoo! Notícias. Visitado em 11/10/2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Império Colonial Holandês
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.