Auto-hemoterapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Autohemoterapia)
Ir para: navegação, pesquisa

Auto-hemoterapia é uma prática terapêutica isoterápica[1] , que consiste na extração de sangue venoso de uma pessoa, e sua reinjeção na mesma pessoa, por via intramuscular.[2]

A técnica[editar | editar código-fonte]

A técnica consiste na prévia extração de sangue venoso do paciente com o alegado propósito terapêutico, seguida de sua injeção intramuscular na mesma pessoa , o que — segundo advertem oficialmente as autoridades sanitárias[3] e a comunidade científico-médica — pode ocasionar abscessos na pele, dores, edemas, hematomas, infecções, além de evoluir para quadros clínicos mais severos, como a coagulação intravascular disseminada, sangramento generalizado, entre outros efeitos.

Os que defendem a auto-hemoterapia dizem que a técnica estimula o aumento do percentual de macrófagos, aumentando também as defesas do organismo e eliminando as bactérias, os vírus, as células cancerosas (neoplásicas) e a fibrina, que é o sangue coagulado. Esse aumento de produção de macrófagos pela medula óssea se dá porque o sangue no músculo funciona como um corpo estranho a ser rejeitado pelo Sistema Retículo Endotelial (SRE). Enquanto há sangue no músculo, o Sistema Retículo Endotelial mantém-se ativado. Essa ativação máxima termina ao fim de cinco dias. A taxa normal de macrófagos é de 5% no sangue e, com a auto-hemoterapia, eleva-se para 22% durante cinco dias. Do quinto ao sétimo dia declina, voltando aos 5%. Daí a razão de recomendarem que a aplicação seja repetida de sete em sete dias. Segundo o médico Luiz Moura, o uso da auto-hemoterapia resulta num estímulo imunológico poderosíssimo.[4]

Perigos, críticas e ilegalidade[editar | editar código-fonte]

A auto-hemoterapia encontra-se rodeada em polémica.[5] O argumento de vários defensores da prática baseia-se em relatos de pessoas que garantem ter atingido a cura graças ao uso da auto-hemoterapia,[6] [7] enquanto que os seus críticos apontam para a inexistência de estudos que demonstrem a sua eficácia e segurança.[8] A falta de respaldo científico é reconhecida pelos próprios defensores do método.[9]

Segundo a legislação brasileira, apenas o médico especialista em hematologia ou hemoterapia (ou o profissional devidamente reconhecido para este fim pelo Sistema de Saúde) pode responsabilizar-se por procedimentos hemoterapêuticos.[10] O Conselho Federal de Medicina proíbe aos médicos brasileiros a utilização de outras práticas terapêuticas não reconhecidas por essa comunidade científica,[8] como é presentemente o caso da auto-hemoterapia, que, assim, não pode ser considerada um tratamento médico no Brasil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo e a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) consideram que a auto-hemoterapia apresenta riscos à saúde.[11] Outras entidades de classe, preocupadas com a expansão de teorias falaciosas sobre o procedimento, e mostrando respeito com à população que não pode se expor a este tipo de tratamento fora do ambiente de pesquisa, também proíbe a prática da autohemoterapia, como o Conselho Federal de Enfermagem [12] , Conselho Federal de Biomedicina[13] , Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo[14] e outros órgãos, como Agência Nacional de Vigilância Sanitária[15] .

Considera-se que auto-hemoterapia seja um tipo de transfusão sanguínea autóloga (para si próprio), e assim, como qualquer outra transfusão, traz em si um risco,[10] seja imediato ou tardio, pelo que, deve ser criteriosa e competentemente indicada. A ausência de indicações comprovadas é parte do motivo pelo qual, no Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) considera o uso da auto-hemoterapia uma infração sanitária, e, em consequência, sujeita os envolvidos (ativa ou passivamente) às penalidades previstas na lei. Apesar disto, muitos médicos utilizam estas técnicas, como a PRP [16]

Doutro lado, alguns dos defensores da auto-hemoterapia afirmam que, por trás do seu não reconhecimento, estariam interesses prejudicados da indústria farmacêutica, já que o tratamento com a auto-hemoterapia dispensaria o uso de diversos medicamentos, argumento esse que, pelas autoridades e especialistas, tem sido considerado apenas mais uma expressão de Teoria da Conspiração do que da realidade. A classe médica também é prejudicada com o mesmo pensamento, já que alguns alegam corporativismo pois por ser uma ação simples e eficaz, estes perderiam potenciais fontes de renda, o que é desmentido frete às diversas classes profissionais da área da saúde que se mostram contra a prática. É sabido que diversos médicos, enfermeitos, farmacêuticos, e outros técnicos na área da saúde praticam esse tipo de procedimento ilegalmente, e isto deve ser denunciado aos órgãos responsáveis, como ANVISA e CFM.

O Jornal do Conselho Federal de Medicina nº 168 traz "Nota de esclarecimento" afirmando que "Em face de falha na redação do artigo 'Auto-hemoterapia não tem eficácia comprovada' no Jornal Medicina (XXII, 167, DEZ/2007, p.11), esclarecemos que o procedimento terapêutico denominado 'tampão sanguíneo peridural' é cientificamente amparado por relevante literatura médica e remetemos o leitor ao texto que trata dessa matéria no Parecer CFM 12/07." Trata-se da permissão do uso desse tipo de auto-hemoterapia pelos anestesiologistas. Da mesma forma que é usada e permitida atualmente a auto-hemoterapia na forma de "plasma rico em plaquetas - PRP".[17]

Em vista da proibição do uso da auto-hemoterapia, os seus usuários invocam a Declaração de Helsinque que, nos seus Princípios Adicionais para Pesquisa Clínica combinada a Cuidados Médicos, da Associação Médica Mundial, afirma que “No tratamento de um paciente, quando métodos profiláticos, diagnósticos e terapêuticos comprovados não existem ou foram ineficazes, o médico, com o consentimento informado do paciente, deve ser livre para utilizar medidas profiláticas, diagnósticas e terapêuticas não comprovados ou inovadores, se no seu julgamento, esta ofereça esperança de salvar vida, restabelecimento da saúde e alívio do sofrimento. Quando possível, estas medidas devem ser objeto de pesquisa, desenhada para avaliar sua segurança ou eficácia. Em todos os casos, as novas informações devem ser registradas e, quando apropriado, publicadas. As outras diretrizes relevantes desta Declaração devem ser seguidas”.

Trabalhos e Pesquisas[editar | editar código-fonte]

A auto-hemoterapia passou a ser defendida mais fortemente em 2004, quando o Dr. Luiz Moura publicou um artigo intitulado “Auto-hemoterapia” [18] no qual explica o funcionamento da técnica, faz um histórico e apresenta informações sobre a sua ação terapêutica. O artigo cita trabalho de pesquisa científica realizado pelo médico Jessé Teixeira - Complicações Pulmonares Pós- Operatórias Autohemotransfusão [19] e texto produzido pelo médico Ricardo Veronese sobre o tema - Imunoterapia: O impacto médico do século [20] . É mostrado também que a auto-hemoterapia foi tema de tese de doutorado em 1924, “A auto-hemoterapia nas dermatoses”, realizada pelo Dr. Alberto Carlos David na Universidade do Porto [21] . Há uma confusão no Brasil sobre esses estudos, já que ainda que o estudo de Jessé Teixeira mostrasse benefício da técnica irrefutavelmente, o que não ocorreu, seria com o objetivo de tratar complicações pulmonares pós-operatórias exclusivamente. E sobre o estudo de Ricardo Veronese, este trata sobre a modulação do sistema imunológico com determinadas substâncias, sem relatar o uso da auto-hemoterapia. Não se sabe ao certo quem iniciou a divulgação no país de que a auto-hemoterapia seria eficaz para tantos problemas de saúde diferentes e díspares. O CFM respalda que por não ser uma paraciêcia, essa terapia pode ser testada, porém de todos os trabalhos disponíveis na base de dados Pubmed, do NIH (Instutito Nacional de Saúde americano), considerada a maior base de dados médicos do mundo, poucos estudos apresentam rigor científico necessário para comprovar eficácia do método, muito menos para indicação clínica. A comunidade médica aguarda novo estudos controlados, randomizados, duplo-cegos, que por ventura possa mostrar a eficácia de um método terapêutico simples. Até o momento, entretanto, não foi possível comprovar sua eficácia e não tem embasamento científico e sanitário o seu uso.

Discussão[editar | editar código-fonte]

Qualquer tipo de tratamento alternativo e barato tem sido atrativo para a população, principalmente a brasileira, por suas peculiaridades socioculturais. Assim, nas chamadas pseudociências, o indivíduo tem a oportunidade de recorrer a tratamentos dos mais diversos, sensibilizados por sofrimento de um problema de saúde difícil e custoso de ser curado ou amenizado. A máxima de que "pelo menos mal não faz" acaba por expor a população diante de curandeiros e práticos dessas pseudociências, sem levar em conta os diversos riscos envolvidos e, até mesmo, mentindo sobre os benefícios, que frequentemente não são comprovados pelos grandes estudos sérios, ainda que existam diversos outros de baixa qualidade mostrando resultados díspares. Diversos tratamentos da chamada Medicina Alternativa tem sido contestados recentemente, mostrando não haver diferença de eficácia frente ao placebo. Um erro comum é considerar de que se uma terapia tem eficácia igual ao placebo, ela não tem eficácia. Deve-se lembrar que nos mais diversos estudos científicos utilizando placebos, existe uma razão razoável de bons resultados no grupo utilizando placebo, por mais que não se explique o motivo exatamente. Portanto, se extrapolarmos a ideia de que estudos recentes que refutam a eficácia dessas terapias, como auto-hemoterapia e homeopatia, frente ao placebo, pode-se considerar que sim, algumas pessoas são beneficiadas dentro do ambiente de estudo seja pelas terapias, seja pelo placebo. Entretanto, a equivalência ao placebo não permite que seja reconhecida e indicada formalmente como tratamento eficaz.

Infelizmente, diversas complicações podem decorrer das diversas terapias, reconhecidas ou não, desde lesões simples até morte. Entende-se que a ansiedade pela busca de tratamento justifique por si só o motivo das busca por práticas alternativas, ou o contrário, quando esta não procede adequadamente, ou como esperado, que se busque outra compensação, como outras práticas, ou mesmo procedendo de alguma maneira contra aquele que executou a prática duvidosa, pessoa antes confiada[22] .

A religião também tem papel importante como prática alternativa à medicina, e embora seja difícil associar os benefícios cientificamente, é amplamente incentivada como adjuvante nos diversos tipos de tratamento de saúde.

Referências

  1. , Olney Leite. Farmácia Homeopática - Teoria e prática. São Paulo:Editora Manole, 2001
  2. ABMC - Biblioteca de doenças. Cópia arquivada em 15 de Abril de 2007.
  3. ANVISA: Nota Técnica nº 1 de 13 de abril de 2007 (acessado em 8 de Março de 2008, 08:17 (GMT))
  4. Auto-Hemoterapia. Dr. Luiz Moura hemoterapia.org. Visitado em 04 de abril de 2013.
  5. Observatório da Imprensa. Visitado em 11 de agosto de 2008.
  6. Pesquisa virtual sobre auto-hemoterapia. Visitado em 4 de novembro de 2013, 12:01 (GMT).
  7. ABMC - 2. A ação terapêutica da auto-hemoterapia. Cópia arquivada em 12 de Agosto de 2007.
  8. a b SBHH emite comunicado sobre "auto-hemoterapia". Visitado em 8 de Março de 2008, 06:21 (GMT).
  9. Auto-Hemoterapia.. Visitado em 04 de Março de 2013, 12:06 (GMT).
  10. a b ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. "Resolução RDC nº 153, de 14 de junho de 2004; art. A.3". Acessado em 31 de janeiro de 2015.
  11. "Auto-hemoterapia apresenta riscos à saúde, alertam especialistas"
  12. RESOLUÇÃO COFEN-346/2009 - Proíbe a prática da auto-hemoterapia por profissionais de enfermagem.
  13. CFBM NÃO RECONHECE A AUTO-HEMOTERAPIA.
  14. "Auto-hemoterapia" preocupa CRF-SP.
  15. NOTA TÉCNICA 001/2007/GESAC/GGSTO/ANVISA.
  16. http://www.prpbelem.com.br/noticias/entenda-o-que-e-prp-plasma-rico-em-plaquetas
  17. Processo-Consulta CFM Nº 4.275/07 – Parecer CFM Nº12/07 portalmedico.org.br. Visitado em 9 de fevereiro de 2011.
  18. Auto-hemoterapia.
  19. Complicações Pulmonares Pós- Operatórias Autohemotransfusão.
  20. Imunoterapia: O impacto médico do século.
  21. A auto-hemoterapia nas dermatoses.
  22. MP de Jaguari investiga morte de paciente em decorrência da auto-hemoterapia.
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.