Eleições estaduais na Bahia em 1990

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1986 Brasil 1994
Eleições estaduais na Bahia Bahia em 1990
3 de outubro de 1990
(Decisão em primeiro turno)
ACM 2007.jpeg Roberto Figueira Santos, Governador da Bahia..tif
Candidato Antônio Carlos Magalhães Roberto Santos
Partido PFL PMDB
Natural de Salvador, BA Salvador, BA
Vice Paulo Souto Murilo Leite
Votos 1.642.726 1.039.875
Porcentagem 50,71% 32,10%


Brasão do estado da Bahia.svg
Governador da Bahia

Titular
Nilo Coelho
PMDB

As eleições estaduais na Bahia em 1990 ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram eleitos o governador Antônio Carlos Magalhães, o vice-governador Paulo Souto, o senador Josaphat Marinho, 39 deputados federais e 63 estaduais numa eleição onde o governador foi escolhido em primeiro turno.[1]

Força política surgida na Bahia após as eleições de 1966 quando o governador Lomanto Júnior nomeou o deputado federal Antônio Carlos Magalhães para a prefeitura de Salvador,[2] o carlismo viveu a experiência inédita de ir às urnas como força de oposição aos ocupantes do Palácio de Ondina e para alcançar a vitória ungiu a candidatura de seu líder. Médico formado em 1952 pela Universidade Federal da Bahia, Antônio Carlos Magalhães foi professor da referida instituição antes de estrear na política através da UDN elegendo-se deputado estadual em 1954 permanecendo na legenda até a chegada do bipartidarismo por força do Regime Militar de 1964 quando ingressou na ARENA sendo eleito deputado federal em 1958, 1962 e 1966. Após exercer um mandato como prefeito de Salvador, foi escolhido governador da Bahia em 1970 e oito meses após deixar o poder foi nomeado presidente da Eletrobras no Governo Ernesto Geisel antes de regressar ao governo estadual por via indireta em 1978 e quatro anos depois liderou o PDS na eleição de João Durval, embora tenha liderado seu grupo numa dissidência em favor de Tancredo Neves na sucessão do presidente João Figueiredo. Com a morte de Tancredo Neves o Palácio do Planalto foi confiado a José Sarney e este manteve Antônio Carlos Magalhães no Ministério das Comunicações. Filiado ao PFL, ele foi vitorioso na disputa pelo governo estadual como aliado do presidente Fernando Collor.[nota 1]

Estava em curso o mandato do senador Luís Viana Neto que assumiu devido a morte do pai e essa cadeira foi destinada pelo eleitor ao jurista Josaphat Marinho. Nascido em Ubaíra, trabalhou como advogado após diplomar-se na Universidade Federal da Bahia, onde lecionou. Eleito deputado estadual em 1947 e 1954, passou pela UDN e PL, serviu como Secretário de Justiça e Secretário de Fazenda no governo Juracy Magalhães, afastando-se para assumir o Conselho Nacional do Petróleo por uma decisão do presidente Jânio Quadros.[3] Eleito senador em 1962, ingressou no MDB e fez oposição ao Regime Militar de 1964 embora tenha perdido a reeleição em 1970. De volta ao magistério e à advocacia, foi professor da Universidade de Brasília e somente em 1986 retornou à política como candidato a governador da Bahia pelo PFL sendo derrotado por Waldir Pires.

Por imposição da lei o governador Antônio Carlos Magalhães e o vice-governador Paulo Souto renunciaram para disputar as eleições de 1994 e assim o poder foi entregue ao desembargador Ruy Trindade até a posse de Antônio Imbassahy.

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Conforme o Tribunal Regional Eleitoral[1] foram apurados 3.239.262 votos nominais (87,74%), 867.417 votos em branco (7,97%) e 625.469 votos nulos (4,29%) resultando no comparecimento de 4.732.158 eleitores.

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Antônio Carlos Magalhães
PFL
Paulo Souto
PFL
25
Vamos salvar a Bahia
(PFL, PDS, PTB, PDC, PL, PST)
1.642.726
50,71%
Roberto Santos
PMDB
Murilo Leite
PMDB
15
Pela honra da Bahia
(PMDB, PSDB, PSL)
1.039.875
32,10%
Lídice da Mata
PCdoB
Salete Silva
PSB
65
Frente Bahia Popular
(PCdoB, PSB, PCB, PDT)
308.998
9,54%
Luís Pedro Irujo
PRN
Érico Lira
PRN
36
Nova Bahia
(PRN, PSC, PTR, PSD, PTdoB)
113.313
3,50%
Sérgio Gabrielli
PT
Uderban Santos
PT
13
PT (sem coligação)
112.233
3,47%
Antônio Mendes Filho
PMN
José Carlos Reitor
PMN
33
PMN (sem coligação)
22.127
0,68%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Dados fornecidos pelo Tribunal Regional Eleitoral[1] apontam que os votos válidos somaram 2.403.765 eleitores (50,80%) com 1.742.041 votos em branco (36,81%) e 586.352 votos nulos (12,39%), somando 4.732.158 sufrágios.[nota 2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Josaphat Marinho
PFL
Não disponível
PFL
251
Vamos salvar a Bahia
(PFL, PDS, PTB, PDC, PL, PST)
1.179.585
49,07%
Joaci Góes
PSDB
Não disponível
PSDB
451
Pela honra da Bahia
(PMDB, PSDB, PSL)
648.732
26,99%
Bete Wagner
PCB
Não disponível
PCB
231
Frente Bahia Popular
(PCdoB, PSB, PCB, PDT)
350.218
14,57%
Jonas Paulo
PT
Não disponível
PT
131
PT (sem coligação)
88.938
3,70%
Silvoney Almeida
PRN
Não disponível
PRN
361
Nova Bahia
(PRN, PSC, PTR, PSD, PTdoB)
72.588
3,02%
Clínio Mayrink
PMN
Não disponível
PMN
331
PMN (sem coligação)
63.704
2,65%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[4] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[5]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Waldir Pires PDT 147.689 Acajutiba Bahia Bahia
Luís Eduardo Magalhães PFL 86.680 Salvador Bahia Bahia
João Alves[nota 3] PFL 69.315 Maceió  Alagoas
Waldeck Ornelas PFL 50.566 Ipiaú Bahia Bahia
José Carlos Aleluia PFL 50.179 Salvador Bahia Bahia
Félix Mendonça PTB 49.392 Conceição do Almeida Bahia Bahia
Eraldo Tinoco[nota 4] PFL 46.708 Ipiaú Bahia Bahia
Sérgio Brito PDC 43.336 Vitória da Conquista Bahia Bahia
Benito Gama PFL 42.723 Ituaçu Bahia Bahia
Jairo Azi PDC 41.888 Lamarão Bahia Bahia
Jabes Ribeiro PSDB 39.019 Itabuna Bahia Bahia
Jonival Lucas PDC 38.551 Sapeaçu Bahia Bahia
Marcos Medrado PRN 38.257 Salvador Bahia Bahia
Gedel Vieira Lima PMDB 36.637 Salvador Bahia Bahia
Nestor Duarte PMDB 36.421 Salvador Bahia Bahia
Ribeiro Tavares PL 36.015 Candeal Bahia Bahia
José Lourenço PDS 35.530 Porto Portugal Portugal
Jorge Khoury PFL 33.778 Juazeiro Bahia Bahia
Luís Viana Neto PMDB 33.114 Salvador Bahia Bahia
Sebastião Ferreira[nota 5] PMDB 32.457 Barreiras Bahia Bahia
Ângelo Magalhães PFL 32.122 Salvador Bahia Bahia
Prisco Viana PMDB 30.071 Caetité Bahia Bahia
Jutahy Magalhães Júnior[nota 4] PSDB 29.136 Salvador Bahia Bahia
José Falcão PFL 28.633 São Gonçalo dos Campos Bahia Bahia
João Carlos Bacelar PMDB 25.386 Entre Rios Bahia Bahia
Leur Lomanto PFL 25.136 Jequié Bahia Bahia
Genebaldo Correia[nota 3] PMDB 24.908 Santo Amaro Bahia Bahia
Haroldo Lima PCdoB 24.336 Caetité Bahia Bahia
Manoel Castro PFL 24.104 Salvador Bahia Bahia
João Almeida PMDB 23.839 Brejões Bahia Bahia
Uldurico Pinto PSB 22.302 Medeiros Neto Bahia Bahia
Luiz Moreira PTB 22.057 Jequié Bahia Bahia
Sergio Gaudenzi PDT 20.604 Salvador Bahia Bahia
Pedro Irujo PRN 20.057 Navarra Flag of Spain.svg Espanha
Aroldo Cedraz PRN 17.421 Valente Bahia Bahia
Alcides Modesto PT 16.332 Remanso Bahia Bahia
Jaques Wagner PT 11.916 Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Clóvis Assis PDT 7.246 Juazeiro Bahia Bahia
Beraldo Boaventura PDT 6.486 Salvador Bahia Bahia

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

As sessenta e três vagas da Assembleia Legislativa da Bahia foram assim distribuídas: vinte e duas para o PFL, dezesseis para o PMDB, seis para o PSDB, seis para o PRN, três para o PT, três para o PSB, três para o PL, duas para o PDT, uma para o PTB, uma para o PCdoB.[1]

Notas

  1. A nomeação de Antônio Carlos Magalhães para prefeito de Salvador aconteceu nos últimos dias de Lomanto Júnior como governador e foi mantida por Luís Viana Filho que assumiria o Palácio de Ondina a seguir.
  2. Embora a constituição afirme que cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  3. a b João Alves e Genebaldo Correia renunciaram após serem investigados na CPI do Orçamento. Foram efetivados Jairo Carneiro e Carlos Sant'Anna.
  4. a b Eraldo Tinoco foi Ministro da Educação no Governo Fernando Collor e Jutahy Magalhães Júnior foi Ministro do Bem-Estar Social no Governo Itamar Franco. Foram convocados então Milton Barbosa e Ubaldo Dantas.
  5. Faleceu em 28/02/1992 sendo efetivado Tourinho Dantas.

Referências