Roberto Muniz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Roberto Muniz
Senador pela Bahia
Período 7 de junho de 2016
até a atualidade
Deputado Estadual da Bahia
Período 1º de fevereiro de 2003
até 31 de janeiro de 2011
Prefeito de Lauro de Freitas
Período 1º de janeiro de 1997
até 31 de dezembro de 2000
Dados pessoais
Nascimento 23 de novembro de 1963 (54 anos)
Salvador, BA
Partido PP
Profissão Engenheiro

Roberto de Oliveira Muniz (Salvador, 23 de novembro de 1963) é um engenheiro e político brasileiro, filiado ao Partido Progressista (PP).[1] Presidiu a Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (ABCON).[2]

Foi secretário do Trabalho e Ação Social da Bahia, entre 2001 e 2002, no governo César Borges. Já na gestão de Jaques Wagner, assumiu a secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do Estado da Bahia, de 2008 a 2010.[3] Em 2010, foi eleito primeiro suplente de Walter Pinheiro, para o Senado Federal.

Assumiu o mandato de senador, após a nomeação de Walter Pinheiro, como secretário da Educação da Bahia, pelo governador Rui Costa.[4]

Em dezembro de 2016, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[5] Em julho de 2017 votou a favor da reforma trabalhista.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Divulgação de registros de candidaturas». Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 2010. Consultado em 7 de junho de 2016 
  2. «Roberto Muniz deve tomar posse como suplente de Walter Pinheiro». Agência Senado. Consultado em 7 de junho de 2016 
  3. «Perfil do Deputado Roberto Muniz no portal da ALBA». Agência Senado. Consultado em 7 de junho de 2016 
  4. «Roberto Muniz, suplente de Walter Pinheiro, toma posse no Senado». EBC. Consultado em 7 de junho de 2016 
  5. Bol (13 de dezembro de 2016). «Confira como votaram os senadores sobre a PEC do Teto de Gastos 155 Do UOL, em São Paulo». Consultado em 16 de outubro de 2017 
  6. Redação - Carta Capital (11 de julho de 2017). «Reforma trabalhista: saiba como votaram os senadores no plenário»