Mulher (telessérie)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Mulher (série))
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mulher
Informação geral
Formato
Duração 30 minutos
Criador(es) Daniel Filho
Euclydes Marinho
Elizabeth Jhin
Antônio Calmon
Maria Helena Nascimento
País de origem Brasil Brasil
Idioma original (Português)
Produção
Elenco Patrícia Pillar
Eva Wilma
Carlos Zara
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Transmissão original 2 de abril de 19987 de dezembro de 1999
N.º de temporadas 2
N.º de episódios 62

Mulher é uma série de televisão brasileira criada por Daniel Filho, Euclydes Marinho, Elizabeth Jhin e Antônio Calmon e exibida pela Rede Globo de 2 de abril de 1998 a 7 de dezembro de 1999. A série possui 62 episódios produzidos, divididos em duas temporadas, sendo a primeira com 26 episódios, e a segunda com 36.

Foi cotada para ser reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo com o fim da reprise do Você Decide, mas com o fracasso de sua suposta antecessora, a Globo decidiu em reapresentar pela segunda vez a novela A Gata Comeu.

Foi reexibida na íntegra pelo Canal Viva a partir de 14 de maio de 2014, nas quartas-feiras às 23h10.

História[editar | editar código-fonte]

O seriado mostrava o cotidiano de uma clínica especializada em atendimento a mulheres, a Machado de Alencar.

Os episódios mostravam a vida de duas médicas, Martha Corrêa Lopes (Eva Wilma) e Cristina Brandão (Patrícia Pillar). Ambas são motivadas pela mesma paixão pelo trabalho e ética, salvando e protegendo vidas, muitas vezes deixando de lado a vida pessoal.

Abordava questões como gravidez na adolescência, síndrome de Down, frigidez, aborto, eutanásia, violência contra a mulher e câncer.

No segundo ano, os atores Alexandre Borges e Eduardo Galvão entraram para o elenco fixo, como os namorados de Cris e Shirley, respectivamente.

Tecnologia[editar | editar código-fonte]

Foi pioneiro no Brasil por utilizar câmeras de cinema, com gravação em película e pelo processo de filmagem diferente do utilizado em televisão. O último episódio da série, em 1999, foi gravado com câmeras de televisão de alta definição (HDTV).

Todos os cenários fixos, como a clínica, apartamentos de alguns personagens e o interior do do barco de Otávio (Carlos Zara) foram reproduzidos nos estúdios da Cinédia, no Rio de Janeiro.

O seriado foi exibido em vários países, como Canadá, Cuba, Eslovênia, França, Portugal, Rússia, Venezuela e China. A Escrava Isaura foi a primeira e única novela brasileira comprada pelos chineses. Só que o país mais populoso do mundo quebrou o jejum e adquiriu o seriado “Mulher”. O acordo, que demorou cinco anos para ser fechado, foi feito com a rede estatal chinesa CCTV, que exibe apenas programas de ficção de outros países.[1]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

CD 1998:

CD 1999:

Lançamento em DVD[editar | editar código-fonte]

Foi lançado o DVD em 2007 com 19 episódios da série pela Globo Marcas.

Ícone de esboço Este artigo sobre Séries médicas, um subgênero das séries de televisão, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. http://memoriaglobo.globo.com/Memoriaglobo/0,27723,GYN0-5273-249917,00.html