ANGOP

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: ANAP redireciona para este artigo. Para o partido político da Turquia (Anavatan Partisi), veja Partido da Pátria.
ANGOP
Agência Angola Press
Nomes anteriores Agência Nacional Angola Press
Requer pagamento? Não
Género Portal
Registo Não necessita de registo
País de origem  Angola
Idioma(s) Português
Lançamento Julho de 1975
Página oficial www.angop.ao

A ANGOP (Agência Angola Press), é a agência de notícias oficial do Estado angolano, fundada em 1975 e ex-aliada da agora extinta agência de notícias oficial da União Soviética, a Agência Telegráfica da União Soviética (TASS).[1][2] Faz parte da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa, sendo responsável pela actual presidência deste organismo.

Fundação[editar | editar código-fonte]

A ANGOP foi fundada em Luanda em Julho de 1975, sob a designação de Agência Nacional Angola Press (ANAP), em Outubro desse mesmo ano mudou de designação para ANGOP por meio de despacho com data de 30 de Outubro de 1975, promulgado pelo então presidente, Agostinho Neto,[3] gozando de autonomia e independência editorial, ao abrigo da lei n.° 9/75 de 15 de Setembro de 1975.[1]

A 2 de Fevereiro de 1978 passou a ser o órgão estatal de comunicação social por meio do decreto presidencial n.º 11/78. A partir dessa data, não parou de crescer chegando a atingir na década de 1980, uma estrutura constituída por trezentos trabalhadores, na sua maioria jornalistas e funcionando vinte e quatro horas por dia, com representações em todo o país e com cinco delegações no estrangeiro (Portugal, Brasil, Reino Unido, Zimbabué e ex-Zaire).[3]

É membro das agências dos países não-alinhados, onde estão congregadas agências de mais de cem países dos cinco continentes e assumiu a sua presidência de 1989 a 1992.[3]

Em 1991, recuperou a sua autonomia e independência editorial ao abrigo da lei n.° 22/91 de 15 de Junho de 1991.[1]

Actividade[editar | editar código-fonte]

Como qualquer agência noticiosa, a ANGOP recolhe, trata e distribui, tanto em Angola como no exterior, notícias sobre a actualidade nacional e internacional, fornecendo, por ligação electrónica ponto-a-ponto, internet ou correio electrónico, notícias aos órgãos de informação nacionais e estrangeiros.

Muitas agências internacionais utilizam a ANGOP como fonte de informação, ou a utilizavam enquanto existiam, contando-se entre elas a Reuters, Associated Press (AP), Agence France-Presse (AFP), EFE, Agenzia Nazionale Stampa Associata (ANSA), Tanjug (extinta Jugoslávia), Inter Press Service (IPS), Prensa Latina, Xinhua, Agência Telegráfica da União Soviética (TASS; extinta União Soviética) , AIM (Moçambique), STP-Press (São Tomé e Príncipe), ANG (Guiné-Bissau), VNA (Vietname), BTA (Bulgária), ADN (extinta República Democrática Alemã), CTK (Chéquia), PAP (Polónia), MTI (Hungria), Agerpres (Roménia), ATCC (Coreia do Norte), ANN (Nicarágua), APS (Argélia), AZAP (ex-Zaire), ABP (Burúndi) e a ACI (Congo).[3]

Prémios[editar | editar código-fonte]

A ANGOP, recebeu em 1990 e em 1992, o prémio "Estrela de Ouro Internacional de Qualidade", concedido pelo Business Iniciative Directions e em 1996, o "World Quality Commitment Award", atribuído pela JX BAN Imagem Arte, ambas empresas com sede em Madrid.[3]

Referências

  1. a b c «Sobre a ANGOP - A Agência». ANGOP. Consultado em 16 de novembro de 2015. 
  2. «Conselheiro da embaixada da Alemanha visita Angop». Portal do Governo da República de Angola. 19 de janeiro de 2016. 
  3. a b c d e «Sobre a ANGOP - História». ANGOP. Consultado em 16 de novembro de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]